Categoria: Curiosidades

Mulheres que transformaram a educação pelo mundo

Durante a história da sociedade, muitas mulheres quebraram paradigmas e transformaram a educação pelo mundo.

Pare e pense por 1 minutinho: durante sua vida escolar, você teve mais professoras ou professores? Se sua resposta for professoras, você está entre a maioria dos estudantes.

No Brasil elas são protagonistas. Segundo o Censo Escolar de 2020, as mulheres são maioria entre os docentes e gestores da educação básica, representando cerca de 80% dos cargos.

Durante a história da sociedade, muitas mulheres quebraram paradigmas e transformaram a educação pelo mundo: seja por seus estudos relevantes, formas de ensinar ou dedicação ao educar e incentivar seus alunos.

Listamos neste artigo mulheres incríveis que fizeram e ainda fazem parte das transformações ocorridas na educação no mundo inteiro. Confira!

1. Marie Curie (1867-1934)

Marie Curie foi uma cientista polonesa formada em Matemática e Física, na Universidade de Sorbonne, na França. Em uma época onde apenas os homens podiam ir à universidade, Marie Curie descobriu junto a seu marido, Pierre Curie, os elementos químicos do polônio e do rádio. Foi então que se iniciaram as pesquisas sobre radioatividade.

Com os feitos, foi a primeira mulher do mundo a ganhar um prêmio Nobel, e além disso, recebeu o prêmio duas vezes: de Física, em 1903 e de Química, em 1911.

Marie Curie também foi professora desde os 18 anos. Inclusive, ela deu aulas em uma instituição considerada ilegal por desafiar as políticas de repressão impostas pelo Império Russo, onde o maior público eram mulheres impedidas de estudar.

2. Anne Sullivan (1866 – 1936)

Anne Sullivan foi uma educadora americana que perdeu a visão quando criança. Após se formar na escola, aos 20 anos, foi contratada como professora particular e em tempo integral de Helen Keller, que, com a ajuda de Sullivan, se tornou a primeira pessoa cega e surda a se tornar bacharel na história, formando-se em Filosofia.

Por meio do tato, Anne ensinou a menina a reconhecer objetos e associá-los a palavras. Assim, Keller se tornou fluente em inglês, francês e alemão, e ficou proficiente em braile e em linguagem de sinais. 

​A educadora recebeu o reconhecimento da Temple University, o Instituto Educacional da Escócia, e do Roosevelt Memorial Foundation por seu ensino e incansável compromisso com Helen Keller. A história virou peça de teatro e, posteriormente, o filme “O Milagre de Anne Sullivan”.

3. Hannah Arendt (1906-1975)

Hannah Arendt foi uma alemã e judia que, devido ao regime nazista, deixou o país, indo para a França e, posteriormente, para os Estados Unidos, onde permaneceu apátrida (sem nacionalidade) até se naturalizar americana, em 1951.

O interesse de Hannah era voltado em particular ao fenômeno do pensamento e do modo como ele operava em “tempos sombrios”, trabalhando com a educação por meio das questões sociais como a violência, o conflito de gerações e o racismo que povoavam as salas de aula nos Estados Unidos em 1940.

Conhecida como filósofa, ela publicou a obra “As Origens do Totalitarismo”, em que analisa as formas totalitárias de poder e a banalização do terror.  A escritora também analisou a educação da época nos textos “A Crise na Educação” (incluído no livro “Entre o Passado e o Futuro”)  e “Reflexões sobre Little Rock”.

4. Maria Montessori (1870-1952)

Maria Montessori foi uma médica, educadora e pedagoga italiana que desenvolveu um método de aprendizagem baseado no “aprender fazendo”.

Foi a primeira mulher a se formar em Medicina na Itália, mas não pode seguir carreira por não poder analisar homens. Assim, iniciou seus estudos sobre o aprendizado de crianças. O seu método educacional (Montessori) é aplicado até hoje no mundo todo.

Em 1897, começou a participar de um projeto de pesquisa em psiquiatria e conheceu as necessidades de crianças com dificuldade de aprendizagem. A partir de então, começou a dedicar-se à pesquisa na área de educação e a defender a necessidade de aulas e instituições especiais para essas crianças.

5. Dorina Nowill (1919-2010)

A brasileira Dorina Nowill nasceu em São Paulo e ficou cega aos 17 anos, vítima de uma doença não diagnosticada. Nessa época, foi a primeira aluna cega a frequentar um curso regular na Escola Normal Caetano de Campos. 

Além de ajudar na integração de outra aluna cega na instituição, também colaborou para a elaboração da lei de integração escolar, regulamentada em 1956.

Dorina também percebeu que existia uma grande carência de livros em Braille no país, criando a Fundação para o Livro do Cego no Brasil e fundando a primeira imprensa em Braille, que passou a imprimir livros didáticos e outros documentos.

Mais tarde, Dorina se especializou em educação de cegos na Universidade de Columbia, em Nova York, Estados Unidos. No Brasil, continuou atuando pela educação de pessoas com deficiência visual, contribuindo para campanhas do Ministério da Educação e lutando pela abertura de vagas de trabalho para este público. 

Também criou a Fundação Dorina Nowill, entidade sem fins lucrativos que promove o acesso de cegos à educação.

6. Malala Yousafzai (1997-)

Malala nasceu em 1997 e, em 2014, se tornou a pessoa mais nova da história a receber um prêmio Nobel. Ela ganhou o Nobel da Paz por seus esforços para que as meninas da sua cidade natal, vale do Swat, no nordeste do Paquistão, tenham acesso à educação. 

Em 2009, com apenas 11 anos, começou a escrever um blog, sob pseudónimo, para a BBC (British Broadcasting Corporation), uma empresa pública de rádio e televisão do Reino Unido. No blog ela relatava o seu dia a dia durante a ocupação talibã em Swat e a proibição pelo regime de que as meninas frequentassem a escola. 

Vítima de um atentado em 2012, foi alvejada na testa sendo internada inconsciente e em estado grave, felizmente ela sobreviveu e continua sua luta. Suas reivindicações intensificaram a luta pelo direito à educação para as crianças de todo mundo.

Histórias incríveis, não é mesmo? As mulheres mostraram ao longo dos anos toda sua luta e dedicação pela inclusão de todas as pessoas na educação, citamos só algumas delas, mas com certeza tem uma muito perto de você! E que tal conhecer agora as mulheres que fizeram a diferença na história da ciência?

Malhe o cérebro: conheça jogos que exercitam a mente

Entre os diversos exercícios para a mente, estão os jogos.

Assim como o corpo necessita de exercícios regulares para o bom funcionamento, o cérebro também deve ser exercitado. Ele realiza funções de extrema importância para nós, como ver, ouvir, sentir cheiro e sabor, lembrar, aprender e memorizar toda a informação que recebemos no dia a dia.

Entre os diversos exercícios para a mente, estão os jogos: sejam digitais, de cartas ou de tabuleiros. Fazer jogadas inesperadas, diversificar os estímulos que recebemos e o tipo de atividade que fazemos, ajuda a mobilizar nossos sentidos e fazer com que nosso cérebro se esforce com novas situações, melhorando o foco, a memória e o raciocínio.

Estudos provam que, em tempos de pandemia, a procura por jogos aumentou já que as pessoas precisaram reinventar sua rotina e o modo como estimulam o cérebro. Você faz parte disso? Confira agora jogos que ajudam a exercitar a mente

Jogos que exercitam a mente

Tetris, Sudoku e até mesmo Candy Crush Saga são alguns exemplos de jogos para estimular o cérebro. Eles melhoram a agilidade, a memória e o raciocínio, assim como a capacidade de tomar decisões e criar soluções rapidamente. 

Mas nada de exageros! É recomendado dedicar em média 30 minutos por dia para jogar. Conheça agora alguns jogos para estimular o cérebro: 

War

Neste jogo de estratégia, o planeta é dividido em seis regiões, os jogadores devem usar a inteligência e a astúcia para derrotar os adversários e conquistar territórios com seus exércitos.

Jogo da memória

O clássico jogo da memória pode ser jogado on-line ou off-line, com cartinhas ou papéis distribuídos aleatoriamente de cabeça para baixo. É um ótimo exercício para afiar a memória de curto prazo (aquela que armazena coisas que acabamos de ver). Clique aqui para jogar o jogo da memória do Museu WEG.

Quebra cabeça

Montar um quebra-cabeça reforça as conexões existentes do cérebro e incentiva a formação de novas ligações. O jogo estimula tanto o lado esquerdo do cérebro, com lógica e racionalidade, quanto o lado direito, com criatividade e visão artística da obra.

Imagem e ação

Além de ser divertido e garantir boas risadas, este jogo estimula a criatividade já que o cérebro deve encontrar diversas estratégias para encontrar a mímica perfeita para determinada palavra.

Xadrez

Um jogo antigo, mas muito jogado ao redor do mundo. O xadrez fortalece a capacidade de concentração e a memória. O jogo também estimula o raciocínio, a criatividade e o processo de tomar decisões.

“O xadrez é a ginástica da inteligência.” (GOETHE, 1876)

Tetris

Um jogo muito popular, o Tetris também ajuda a malhar o cérebro. O jogo sobrevive há gerações como uma forma divertida de estimular o raciocínio lógico e permite que os jogadores exercitem a habilidade de pensar rápido, além disso desenvolve o senso de espaço.

Sudoku

O Sudoku também é muito popular em todo o mundo e faz parte da lista de jogos que exercitam a mente. Nele, o jogador deve preencher 81 quadradinhos, 9 linhas e 9 colunas, usando os números de 1 a 9. O objetivo desse jogo é usar os números de 1 a 9 em cada linha, coluna e quadradinho de 3 x 3 sem repetir os números.

Cada Sudoku tem apenas uma solução, e existem diferentes níveis de dificuldade, que devem ser escolhidos de acordo com a prática, capacidade de cálculo e raciocínio do jogador. 

Candy Crush Saga

Jogos como Candy Crush Saga são muito populares nas redes sociais e também ajudam a exercitar o cérebro. O objetivo dele é formar sequências de “doces” virtuais da mesma cor e formato de modo a atingir os objetivos definidos pelo jogo.

Esse estilo de jogo pode ser encontrado em outras versões semelhantes com nomes diferentes, como Farm Heroes Saga, Pet Rescue Saga, Bejeweled Classic ou Diamond Battle, por exemplo. 

Jogo de 7 Erros

O Jogo de 7 erros é antigo e muito popular nas escolas. O objetivo é comparar duas imagens e encontrar as 7 diferenças (ou os 7 erros) entre as duas imagens. 

Que tal começar procurando eles na imagem abaixo?

Imagem: Youtube.

Viu só? Existem diversos jogos que ajudam a desenvolver as habilidades cognitivas: concentração, memória, raciocínio, linguagem, entre outras. Basta praticar um pouco todo dia – sua mente ficará mais ágil e preparada para desafios.

Outro modo de exercitar o cérebro é por meio de brincadeiras. Veja aqui 5 brincadeiras para aprender ciência. E, se quiser conhecer o segredo de grandes cientistas, leia nossas recomendações de filmes que falam sobre eles.

Como se forma o arco-íris? Conheça algumas curiosidades sobre o fenômeno

A visualização do arco-íris depende da posição de quem o observa.

Quem nunca parou para contemplar a beleza de um arco-íris? O fenômeno chama a atenção das pessoas por suas cores, que são representadas em diversos elementos do nosso dia a dia: desenhos, roupas, músicas, poemas e diversas histórias ao redor do mundo.

Mas o que você sabe sobre o arco-íris? Qual é a explicação para que esse arco colorido apareça no céu? Descubra neste artigo como se forma o arco-íris, assim como algumas curiosidades sobre o fenômeno.

O que é o arco-íris?

Para começar a explicação, precisamos contar uma curiosidade: o arco-íris não existe. Mas calma, você não foi enganado esse tempo todo. É que o arco-íris é uma ilusão óptica. A visualização do fenômeno depende da posição de quem o observa. 

Em resumo, o arco-íris é um belíssimo fenômeno óptico de decomposição da luz solar em seu espectro luminoso. Ele pode ser observado sempre que existirem gotículas de água suspensas no ar e luz solar brilhando acima do observador. 

O arco colorido é formado com a cor vermelha em uma de suas extremidades e o violeta na outra. Assim, como qualquer decomposição da luz branca, o arco possui uma quantidade infinita de cores, sem delimitações entre elas. 

Porém, apesar de uma quantidade infinita de cores, para o ser humano, tendo necessidade de classificar os fenômenos naturais com sua capacidade de distinção de cores e também por questões didáticas, o arco-íris é conhecido por possuir 7 cores, sendo elas: vermelha, laranja, amarela, verde, azul, anil e violeta.

Como se forma um arco-íris?

A luz do sol é uma onda de luz branca – e a luz branca é uma mistura de várias cores. Quando essa luz incide sobre gotículas de água suspensas no ar, sofre algumas reflexões e refrações.

Nesse processo, a luz atravessa uma superfície líquida, e a refração faz aparecer o espectro de cores: violeta, anil, azul, verde, amarela, laranja e vermelha. Como podemos descrever no passo a passo abaixo:

  • 1 – O feixe luminoso solar incide sobre as gotículas de água.
  • 2 – Parte desse feixe reflete voltando para o ar atmosférico. A outra parte, refrata penetrando a gota de água.
  • 3 – O feixe dentro da gota reflete parcialmente e, finalmente, volta a sofrer refração parcial ao sair da gota.

Resumidamente, para que possamos observar um arco-íris, devemos ter o sol baixo e por trás de nós. Assim, a luz que vem do sol é refratada entrando nas gotas de água e sofrendo reflexão interna, retornando e chegando aos olhos do observador. 

Todas as gotas de chuva refratam e refletem a luz do sol da mesma forma, mas somente a luz de algumas gotas chega até o olho do observador formando o arco-íris.

Arco-íris formam círculos perfeitos

Geralmente, quando olhamos para um arco-íris, podemos ver apenas metade do círculo, ou seja, um arco. Mas a realidade é que eles formam círculos completos! 

Não vemos esses círculos porque, quando estamos de pé no chão, só podemos ver a luz que é refletida pelas gotas de chuva acima do horizonte, não conseguindo ver a metade oculta de um arco-íris.

É possível ver o círculo completo de um arco-íris se você estiver em um avião ou helicóptero, podendo observar abaixo do horizonte. Às vezes, pessoas escalando altas montanhas também conseguem ver o círculo completo.

Arco-íris só aparece quando chove?

Sabe aquela frase “primeiro vem a chuva, depois o arco-íris”? Ela faz sentido já que, para ver um arco-íris, é preciso de gotículas de água no ar. Mas ele não se forma apenas com a chuva! 

As gotas de água podem estar no ar por muitas outras razões. Por exemplo, quando há nevoeiro, respingos de água de uma cachoeira ou de ondas quebrando contra pedras no mar. Não importa qual seja a fonte das gotículas de água no ar, se o sol estiver no ângulo correto, você conseguirá ver esse belo fenômeno acontecendo.

Ninguém vê o arco-íris da mesma forma

Este é um dos fatos mais fascinantes sobre o arco-íris. O arco-íris pode ser muito parecido com o que outra pessoa está vendo, e você pode pensar que está vendo exatamente o mesmo arco-íris, mas vocês realmente não estão vendo a mesma coisa.

Isso acontece porque, quando você está olhando para um arco-íris, você está vendo a luz que é refletida pelas gotas de chuva acima do horizonte, mas o horizonte que você vê é sempre único – é uma linha imaginária que se estende do seu olho até o sol. 

Os olhos de outra pessoa, mesmo que ela esteja ao seu lado, não podem estar no mesmo espaço que o seu, logo, vocês não poderão ver o mesmo arco-íris. Nem nossos próprios olhos veem o arco-íris do mesmo modo.

Cada um vê o seu próprio arco-íris! 😀

Já que o assunto são fenômenos naturais, que tal conhecer algumas curiosidades sobre raios que deixarão você com o cabelo em pé? Para ler, basta clicar aqui.

Como funciona o cérebro humano?

Neste artigo, vamos ver como o cérebro humano funciona e o que devemos fazer para mantê-lo saudável.

O cérebro é um órgão do sistema nervoso central considerado o núcleo de inteligência e aprendizagem do nosso corpo. Trata-se de um órgão extremamente complexo e intrigante, por isso, é fruto de muitos estudos nas áreas da ciência e medicina.

Por comandar todo o nosso corpo, devemos cuidar muito bem dele. Neste artigo, vamos ver como o cérebro humano funciona e o que devemos fazer para mantê-lo saudável.

Funções do cérebro humano

O cérebro tem diversas funções. Ele trabalha diretamente em nossa inteligência, linguagem, consciência, memória, nosso movimento, comportamento, entre muitas outras ações.

Ou seja, se somos capazes de andar, falar e sentir emoções, de fazer simples tarefas do dia ou complexas atividades, isso se deve à atuação conjunta de diversas regiões do cérebro.

A anatomia do cérebro

O cérebro é dividido em dois hemisférios: o esquerdo e o direito. Eles estão ligados pelo corpo caloso, uma estrutura composta por fibras mielínicas. O lado esquerdo controla os movimentos do lado direito do corpo, e o lado direito controla os movimentos do lado esquerdo.

Esses hemisférios são divididos em quatro lobos cerebrais, cada qual com uma função. São eles: lobo frontal, temporal, parietal e occipital. 

O órgão apresenta duas regiões bem distintas: uma região chamada de substância cinzenta e outra de substância branca.

A substância cinzenta apresenta corpos celulares de neurônios e pode ser vista mais externamente. É conhecida como córtex cerebral e recebe impulsos de vários locais para que sejam processados. No córtex, existem regiões especializadas em interpretar sensações, sons, odores, desenvolver pensamentos, guardar lembranças e controlar movimentos, por exemplo.

Mais internamente ao córtex está a substância branca. Essa região é formada por feixes de axônios mielinizados e, por isso, é esbranquiçada.

No lado externo do cérebro, é possível notar sulcos que delimitam giros ou circunvoluções cerebrais. Esses sulcos são formados pelas dobraduras que vão surgindo no córtex e aumentam de maneira mais rápida que a substância branca. 

Os sulcos são importantes porque garantem um aumento do volume cerebral; os sulcos muito profundos são chamados de fissuras. Existem diferentes tipos de fissuras, a longitudinal, por exemplo, garante a divisão do cérebro em dois hemisférios.

Curiosidades sobre o cérebro humano

  1. O hemisfério esquerdo possui mais neurônios que o direito.
  2. A velha história de que usamos apenas 10% do nosso cérebro é mito. Na realidade, usamos quase 100% do nosso cérebro quase o tempo todo.
  3. O cérebro consome cerca de 20% do nosso oxigênio.
  4. Para receber todo o oxigênio que precisa para trabalhar corretamente, o cérebro contém cerca de 600 km de vasos sanguíneos. 
  5. O cérebro é o responsável por você não sentir cócegas que faz em si mesmo. Isso porque, antes mesmo de acontecer, ele é capaz de saber exatamente onde cada dedo vai tocar na pele. Por isso, só funciona quando outra pessoa faz cócegas em você.

Cuidados para garantir o bom funcionamento do cérebro

Uma parte tão importante do nosso corpo merece todo cuidado possível. Confira algumas dicas para manter seu cérebro saudável. 

Faça ioga ou medite

Estudos revelam que fazer yoga regularmente pode preservar áreas do cérebro relacionadas à memória. Isso porque as pessoas com esse hábito possuem o córtex pré-frontal mais espesso.

As duas práticas exigem que haja um objeto de atenção, como a respiração, e a memória de trabalho é estimulada durante esse processo. A memória de trabalho é responsável por guardar informações importantes em um curto espaço de tempo.

Mexa-se

Quando você exercita o corpo, também exercita o cérebro. A atividade física está associada à formação de novos neurônios e a uma melhora da resposta cardiovascular, consequentemente, do bom fluxo sanguíneo.

O exercício regular também pode aumentar o volume do hipocampo, área que armazena e processa as memórias. Atividades aeróbicas, como correr e nadar, são benéficas, mas é interessante combiná-las com exercícios de resistência, como pilates e musculação. 

Malhe a mente

Existem diversas formas de exercitar sua mente. Palavras cruzadas, sudoku, xadrez e outros jogos que provoquem o intelecto, incluindo o videogame, são ótimas opções para isso. Busque sempre intercalar os exercícios e encarar novos desafios.  

Nunca pare de aprender

Ao aprender algo novo, novas conexões se formam entre os neurônios, e a memória é exercitada para processar e armazenar informações inéditas. Busque aprender algo diferente do que você já viu ou sabe e faça isso constantemente. Nesse processo, a leitura é outro hábito indispensável.

Enriqueça o cardápio

Azeite, grãos, legumes, verduras e peixes são ótimos aliados para o cérebro. O consumo regular desses itens dá ao corpo um bom aporte de ômega 3. Quando essa substância está presente em quantidade suficiente no cérebro, as células do hipocampo se comunicam melhor.

Os flavonoides, presentes no cacau, nas frutas e em muitos vegetais também têm papel importante para o bom funcionamento do cérebro. 

Durma bem

Enquanto dormimos, nossas memórias se consolidam. O registro de tudo o que aprendemos e vivemos durante o dia se estabiliza no hipocampo durante o sono, de onde as informações poderão ser resgatadas quando forem necessárias.

Mas é claro que o sono deve ser de qualidade. Uma noite mal dormida costuma refletir em dificuldade para lembrar de coisas simples – e o raciocínio fica mais lento no dia seguinte.

Cuidado com o estresse

Há quem ache que agendas cheias e rotinas extenuantes sejam boas para o cérebro, mas a verdade é que elas custam caro para a massa cinzenta. O estresse causa dificuldade de concentração e retenção de novas informações.

Com o tempo, a tensão crônica danifica a memória. O estresse libera doses altas de cortisol na corrente sanguínea, prejudicando nossa capacidade de acessar memórias armazenadas quando precisamos delas. 

Tenha hobbies e descanse

Quando você foca a mente em algo prazeroso, como jardinagem, a prática de um instrumento musical ou esporte, os problemas e as tensões do cotidiano são amenizados. 

Além de atividades prazerosas, ficar sem fazer nada também é bom. O descanso é necessário para a consolidação das memórias.

Mantenha a saúde em dia

É importante reforçar que o conjunto de cuidados deve começar ainda na infância. Busque estar com seus exames sempre em dia, dê atenção principalmente:

– à pressão arterial;
– ao controle do colesterol;
– aos níveis de açúcar no sangue;
– às atividades físicas;
– à alimentação saudável;
– ao controle do peso extra;
– ao combate dos vícios como o cigarro;
– a manter-se hidratado, beba pelo menos 2L de água diariamente.

Agora que você leu como o cérebro humano funciona e viu dicas para deixá-lo saudável, que tal entender por que levamos choque quando encostamos em algum objeto ou alguma pessoa? Descubra aqui

Origem e curiosidades sobre o forno micro-ondas

Confira a história e algumas curiosidades sobre o forno de micro-ondas.

O forno micro-ondas está presente em milhares de residências pelo mundo todo. Simples e prático, o eletrodoméstico auxilia a descongelar e aquecer alimentos, sendo o queridinho daqueles que não têm muito tempo para cozinhar no fogão convencional.

Você sabia que a descoberta do princípio do forno micro-ondas foi por acaso? Continue lendo para conhecer essa história e conferir algumas curiosidades sobre o forno de micro-ondas.

A origem do micro-ondas 

O forno de micro-ondas surgiu por um mero acaso. Durante a Segunda Guerra Mundial, micro-ondas eletromagnéticas eram produzidas por um magnetron (uma válvula eletrônica que funciona como um oscilador na faixa de micro-ondas) com a intenção de detectar aviões inimigos. 

Por volta de 1946, nos Estados Unidos, o engenheiro eletrônico Percy Spencer, 

que trabalhava em uma empresa fabricando magnetrons para esses aparelhos de radar, colocou uma barra de chocolate no bolso da calça e foi trabalhar.

Enquanto trabalhava em um aparelho de radar ativo, ele percebeu que a barra que estava no bolso da sua calça havia derretido. Spencer sabia que as micro-ondas geravam calor, logo, supôs que essas ondas escaparam do tubo de magnetron, atingiram e derreteram a barra de chocolate.

Intrigado com o fato, ele resolveu fazer um experimento. Comprou milho de pipoca e colocou o pacote na frente do tubo de magnetron; em poucos instantes, as pipocas começaram a estourar. 

Spencer ainda resolveu fazer um novo experimento. Colocou um ovo cru dentro de um pote com um buraco e deixou-o voltado para o tubo de magnetron. O resultado foi a explosão do ovo. Sua conclusão foi que o ovo cozinhou de dentro para fora e estourou em razão da pressão.

Naquela época, o magnetron já estava muito desenvolvido. Ao perceber que poderia fazer a mesma coisa com outros alimentos, Spencer tratou de fazer com que se pudesse obter o máximo de proveito das micro-ondas. 

Após diversos experimentos, Spencer obteve, em 1946, a primeira patente para uso das micro-ondas para efeitos culinários. Logo, em 1947, a Raytheon produziu e comercializou o primeiro forno micro-ondas da história. Ele media 1,8 metros de altura e pesava 340 kg, sendo essa uma das curiosidades sobre o forno de micro-ondas.

Percy LeBaron Spencer – O criador do micro-ondas

No entanto, foi só a partir de 1975 que a invenção começou a “invadir” os ambientes domésticos, revolucionando o modo de cozinhar, essencialmente em termos de rapidez e poupança de energia (quando comparado aos fornos elétricos), sendo uma grande contribuição para a sociedade atual.

Como funciona o micro-ondas?

O aquecimento do forno micro-ondas ocorre em razão de uma radiação eletromagnética de 2.450 MHz, gerada por um magnetron e irradiada por um ventilador de metal, localizado na parte superior do aparelho.

Essa é a mesma frequência de ressonância das moléculas de água. Quando o forno é utilizado, a radiação aumenta a agitação das moléculas assimétricas da água, óleos e açúcares dos alimentos, e as ondas são refletidas várias vezes nas paredes metálicas sobre os alimentos, aquecendo-os de modo quase uniforme.

Por agitar as moléculas de água e de gordura das camadas mais externas com mais intensidade que as camadas mais internas do alimento, aquece os produtos de fora para dentro.

Três curiosidades sobre o micro-ondas 

1. O micro-ondas inventado por Spencer produzia 3.000 watts, cerca de três vezes a quantidade de radiação produzida por fornos de micro-ondas atuais.

2. O magnetron do primeiro micro-ondas precisava ser resfriado por meio de água, o que obrigava o produto a ter uma ligação com água canalizada.

3. A segurança é garantida porque as micro-ondas não são nucleares, pertencendo ao mesmo tipo de ondas do rádio ou mesmo da luz, só que em menor tamanho.

Incrível descobrir a história por trás de algo tão comum no nosso dia a dia, não é? Agora que você já sabe como é possível esquentar seu lanche no micro-ondas e como essa descoberta aconteceu por acaso, que tal descobrir como seria o mundo sem eletricidade?

Cientistas brasileiros: conheça 10 invenções criadas no Brasil

Conheça alguns dos inventos mais notáveis criados por cientistas brasileiros.

Ao pensar em grandes invenções, muitos tendem a considerar o Brasil um país que pouco contribuiu com a história dos avanços científicos, sendo pouco afamado por suas contribuições ao mundo moderno. 

Porém, a verdade é que, durante séculos e até mesmo hoje em dia, cientistas brasileiros têm se destacado e criado importantes elementos da sociedade utilizados no mundo todo – e que também servem de base para novas invenções.

Conheça agora alguns dos inventos mais notáveis criados por cientistas brasileiros

1. Transmissão radiofônica

A tecnologia de transmissão do som por ondas de rádio foi desenvolvida no final do século XIX, e, apesar da criação do rádio ser atribuída a Nikola Tesla, foi o padre e inventor brasileiro Roberto Landell de Moura que, em 1893, realizou a primeira transmissão radiofônica do mundo. 

Na época, outros inventos gringos já enviavam sinais telegráficos a curta distância, mas foi Landell quem conseguiu se comunicar através da voz humana com outros bairros, algo impensável na época. 

Infelizmente, ele não teve apoio do governo nem de iniciativas privadas e acabou abandonando seus experimentos.

2. Urna eletrônica

Foi em 1989 que um juiz eleitoral do estado de Santa Catarina chamado Carlos Prudêncio e seu irmão, um empresário da área de informática, criaram o que seria o primeiro terminal de votação por computador. 

No mesmo ano, ele foi instalado em caráter experimental na cidade de Brusque, em Santa Catarina. Seis anos depois, em 1995, o estado de SC experimentou a primeira eleição totalmente informatizada da história.

Graças a essa invenção, o Brasil é o país responsável pela maior eleição informatizada do mundo e, consequentemente, com a apuração mais rápida.

3. Radiografia

As radiografias também foram criadas por um brasileiro. Foi o médico Manuel de Abreu quem pesquisou durante muitos anos uma forma de radiografar órgãos do corpo humano. Em 1936, conseguiu criar um sistema que usava chapas radiográficas para fotografar a parte interna do corpo, em especial, os pulmões. 

A invenção criada no Brasil foi chamada de “abreugrafia” e permitia que doenças como a tuberculose fossem diagnosticadas de maneira mais rápida. Graças a essa invenção, Manuel de Abreu foi indicado ao Prêmio Nobel.

Recentemente, a revista Nature publicou os nomes dos cientistas mais importantes de 2020, provando que invenções e estudos médicos têm seu lugar de destaque na nossa história.

4. Walkman

O aparelho considerado o “avô do iPod” foi inventado por um alemão naturalizado brasileiro. Andreas Pavel mudou-se para São Paulo quando criança e, aos 27 anos, em 1972, criou o aparelho de toca-fitas portátil, batizado de stereobelt. 

Sete anos mais tarde, em 1979, a Sony lançou seu grande sucesso de vendas, o Walkman. Após anos de brigas judiciais, o inventor e a Sony entraram em um acordo, e a empresa reconheceu a autoria do invento a Pavel.

5. Máquina de escrever

Outra invenção brasileira é a primeira máquina de escrever da qual se tem registro de 1861 em Recife. Ela foi criada pelo padre João Francisco de Azevedo quando ele teve a ideia de adaptar um piano de 24 teclas para que ele pudesse imprimir letras em um papel. 

Sem dúvida, a ideia era bastante promissora. Azevedo confiou a sua invenção ao negociante George Napoleon, que dizia ter possíveis interessados em fabricá-la nos Estados Unidos.

Nunca mais teve notícias do vendedor, mas, anos depois, um modelo quase igual foi apresentado em solo americano por Christofer Sholes. Em seguida, a empresa Remington comprou a ideia e passou a fabricá-la em escala comercial.

6. Coração artificial

Em 2000, o engenheiro mecânico Aron de Andrade do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia (SP) elaborou o primeiro coração artificial, um aparelho ligado ao coração natural e alimentado por um motor elétrico.

A invenção brasileira dá uma chance aos pacientes em estado grave que não conseguem se adaptar às medicações e permite que possam ter mais tempo de vida enquanto esperam por um doador real.

7. Balão a ar

Bartolomeu Lourenço de Gusmão é conhecido como o primeiro inventor e cientista brasileiro graças à criação do balão a ar quente.

Na época, Bartolomeu de Gusmão observou que o ar quente era mais leve que o ar exterior e que, com essa informação, seria possível criar um veículo que, com esse princípio, pudesse levitar.

Em 1709, seu invento chamado de “Passarola” foi exibido para a corte portuguesa. O aparelho movido a ar quente subiu a quatro metros de altura.

8. Câmbio automático

Em 1932, os engenheiros mecânicos José Braz Araripe e Fernando Lehly Lemos desenvolveram um sistema de troca de marchas automática por fluido hidráulico. 

O projeto e o protótipo foram vendidos para a General Motors que, em 1940, lançou um modelo do carro Oldsmobile com a chamada transmissão “Hydra-Matic”, uma precursora do que pode ser encontrado em veículos automáticos de hoje em dia.

9. Cinema 3D

Apesar de parecer uma tecnologia um tanto quanto nova, a ideia do cinema 3D não é tão recente assim. Ela surgiu em 1934 quando Sebastião Comparato criou dois modelos de projetores 3D e os apresentou no Rio de Janeiro.

O projeto do italiano naturalizado brasileiro consistia em um pequeno equipamento que podia ser adaptado a projetores comuns e a uma tela especial. A imagem projetada era refletida por um espelho, e o processo criava a sensação de que a imagem estava passando em um espaço vazio, como uma espécie de palco de teatro.

Sebastião estudou na Faculdade de Medicina de São Paulo e chegou a receber convites para aprimorar seu projeto fora do Brasil, mas recusou, pois queria que essa fosse uma criação brasileira. Infelizmente, com o passar do tempo, suas criações acabaram caindo no esquecimento.

10. Avião

Um dos maiores inventores brasileiros de todos os tempos, Alberto Santos Dumont, mudou completamente a aviação moderna contribuindo diretamente no desenvolvimento de dirigíveis e aviões.

Em 1903, os irmãos Orville e Willbur Wright conseguiram alçar voo com o Flyer I, considerado o primeiro objeto mais pesado que o ar a conseguir essa proeza. O detalhe é que eles precisaram de uma catapulta para impulsionar o aparelho.

Dois anos depois, em 1905, o brasileiro Santos Dumont conseguiu fazer com que o 14-Bis levantasse voo por meios próprios, sem auxílio externo, usando apenas um motor a combustão. 

Graças aos seus projetos, Santos Dumont abriu as portas para o surgimento de uma nova forma de transporte e, ao considerar isto um bem mundial, nunca patenteou suas invenções.

Gostou de saber um pouco mais sobre as invenções criadas no Brasil? Que tal agora conhecer a história de grandes cientistas de todo o mundo? Fizemos uma lista de filmes para você assistir e aprender mais sobre suas trajetórias. Veja no link: Filmes incríveis sobre a vida de grandes cientistas. 🙂

Curiosidades sobre os satélites: o que você sabe sobre eles?

O que você sabe sobre os satélites? O que eles estão fazendo lá em cima?

Você sabia que já foram lançados mais de 20 mil objetos no espaço? Desses, cerca de 3 mil estão ativos cruzando a atmosfera terrestre. Tratam-se de satélites, objetos que se mantêm girando ao redor da Terra sem cair. 

A Terra tem um único satélite natural, que é a Lua, e milhares de satélites artificiais − lançados no espaço por meio de foguetes. Mas o que você sabe sobre eles? O que os satélites estão fazendo lá em cima? Veja algumas curiosidades a seguir.

Para que servem os satélites?

Os satélites têm muitas funções. Eles são capazes de captar imagens de grandes áreas e possibilitam o mapeamento de territórios. Alguns podem auxiliar meteorologistas a prever mudanças no tempo e no clima, além de fenômenos naturais como furacões. 

Eles também podem captar imagens de outros planetas, auxiliando astrônomos em suas pesquisas. Os sinais de televisão e telefone também são transmitidos por meio dos satélites. Além disso, o Sistema de Posicionamento Global (GPS) só é viável com o auxílio de mais de 20 satélites em órbita.

A Organização das Nações Unidas (ONU) é responsável pelo controle desses objetos na atmosfera terrestre e também pela regularização e pela autorização de novos lançamentos. Também é responsável pela comunicação entre as principais agências espaciais do mundo.

Como são os satélites?

As características em comum entre os satélites são uma antena e uma fonte de energia, que pode ser solar ou por bateria. A antena é responsável por enviar e receber informações. Os satélites também podem conter sensores e câmeras apontadas para a Terra ou para o espaço.

Sputnik 1: o primeiro satélite do mundo

Em 4 de outubro de 1957, a humanidade invadiu o espaço com o lançamento do Sputnik 1. Lançado pela então União Soviética, ele abriu caminhos para as viagens espaciais. Foi um grande feito científico e teve uma grande repercussão no mundo; após isso, diversos países construíram seus satélites com diferentes objetivos, e os lançamentos continuam até hoje.

O Sputnik tinha o tamanho de uma bola de basquete e pesava cerca de 83 kg, produzido em uma liga de alumínio. As antenas do Sputnik 1 foram responsáveis por enviar sinal de rádio e tinham 2,4 e 2,9 metros de comprimento. 

Camera: DCS420A Serial #: 420-2040 Width: 1524 Height: 1012 Date: 11/24/97 Time: 11:39:45 DCS4XX Image FW Ver: 081596 TIFF Image Look: Product ---------------------- Counter: [88] ISO: 100 Aperture: F2.8 Shutter: 60 Lens (mm): 28 Exposure: M Program: Po Exp Comp: 0.0 Meter area: Mtrx Flash sync: Norm Drive mode: S Focus mode: S Focus area: Wide Distance: 3.4m
Sputnik 1, o primeiro satélite lançado. Foto: NASA.

Os satélites podem cair?

O risco é pequeno, mas pode acontecer. Ao orbitarem em diferentes alturas, velocidades e caminhos, os satélites conseguem permanecer em órbita porque sua velocidade está em constante equilíbrio com a força da gravidade. Quando isso deixa de acontecer – e, por algum motivo, o satélite perde velocidade −, ele pode cair na Terra ou continuar em linha reta viajando pelo espaço. Mas não se preocupe, é provável que o satélite se desintegre antes de chegar ao solo.

Os satélites podem bater uns nos outros?

É possível, mas também é muito raro. Ao serem lançados, os satélites são colocados em rotas específicas para que não interferiram nas rotas de outros. Mas acidentes podem acontecer.

Em 2009, dois satélites de comunicação colidiram. Segundo os astrônomos, foi a primeira vez que isso aconteceu com satélites artificiais.

Os satélites do Brasil

No Brasil, o órgão responsável pelo desenvolvimento espacial é o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), criado em 1961 com o objetivo de capacitar o país nas pesquisas científicas e nas tecnologias espaciais.

Somente em 1979, cerca de 20 anos após o início da corrida especial no mundo, foi criado o Programa Espacial Brasileiro, e o primeiro lançamento de um satélite brasileiro foi realizado apenas em 1990.  

A partir disso, várias missões foram realizadas, e o último satélite desenvolvido no Brasil foi o Amazonia 1, lançado em fevereiro de 2021.

Amazonia 1: um satélite nacional

O satélite brasileiro Amazonia 1 foi enviado ao espaço para tirar fotos do planeta a fim de monitorar o desmatamento, os reservatórios de água, a agricultura, os desastres ambientais e outras aplicações. 

É o primeiro satélite em órbita que foi totalmente desenvolvido em território nacional. O equipamento faz parte da Missão Amazônia, que deverá criar outros dois satélites de sensoriamento remoto.

O Amazonia 1 gera fotos do planeta a cada cinco dias, sua câmera é capaz de observar uma faixa de aproximadamente 850 quilômetros. Ele está em uma altura de 700 km e pesa cerca de 638 kg. Por dentro, o equipamento contém cerca de 6 km de fios e 14 mil conexões elétricas.

Satélite Amazonia-1 será lançado em 28 de fevereiro (Imagem: Reprodução/INPE)
Satélite Amazonia 1 irá tirar fotos da Terra a cada cinco dias. Foto: Reprodução/INPE.

Uma curiosidade muito animadora para nosso avanço científico é que os dados coletados pelo Amazonia 1 estarão à disposição da comunidade científica, dos órgãos de governo e demais interessados. A vida útil prevista para o satélite é de quatro anos.

Agora que você já conhece melhor os satélites, que tal continuar a leitura e descobrir o que aconteceria se o sol desaparecesse?

Conheça os museus mais antigos do Brasil e do mundo

Conheça os museus mais antigos do Brasil e do mundo.

Você sabia que em 18 de maio é comemorado o Dia Internacional dos Museus? A data foi criada em 1977 por uma iniciativa do ICOM (Conselho Internacional de Museus), um organismo que integra a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação) à Ciência e à Cultura.

Segundo o ICOM, um museu é uma instituição disponível ao público que adquire, conserva, pesquisa, comunica e exibe a herança da humanidade e do seu ambiente com a finalidade de educar e entreter.

O objetivo da celebração é conscientizar o público em geral sobre o papel dos museus no desenvolvimento da sociedade.

Já que os museus contam a nossa história, que tal contar a história de alguns deles? Conheça agora os museus mais antigos do Brasil e do mundo.

Os museus mais antigos do mundo

Desde os tempos mais antigos, os museus eram templos onde objetos de adoração e presentes eram expostos para que as pessoas pudessem contemplá-los.

As famílias mais ricas da Grécia e de Roma colecionavam obras de arte e as exibiam nos jardins e nas casas para que a família e os amigos pudessem visitar.

Durante o Renascimento, foi adotado o nome “museu” para essas exposições artísticas que começaram a crescer. Com a ascensão da pintura e diferentes expressões artísticas, foram criados espaços para preservar pinturas, esculturas, objetos familiares, entre outros, para que mais pessoas pudessem apreciá-las.

Entre os primeiros dos museus mais antigos do mundo, estão:

1. Museu Ennigaldi-Nanna (Mesopotâmia, 530 A.C.)

O primeiro museu reconhecido pelos historiadores foi o Museu Ennigaldi-Nanna de 530 A.C. Está localizado no Iraque e foi descoberto em 1925 pelo arqueólogo Leonard Wooley. É considerado o museu mais antigo do mundo

2. Museus do Vaticanos (Cidade do Vaticano, 1506)

Em 1506, os Museus do Vaticano abriram as portas. Eles têm o objetivo de unir diferentes galerias, apoiadas pelos diferentes papas que levavam as suas coleções. As famílias aristocráticas também fizeram doações para aumentar a coleção.

3. Galeria Uffizi (Florença, 1560)

Florença, na Itália, é um dos maiores berços da arte no mundo. Em 1560, a Galeria Uffizi foi criada com uma das coleções mais antigas do mundo e que ainda recebe mais de 2 milhões de pessoas por ano. 

4. Museu Ashmolean (Oxford, Reino Unido, 1677)

O primeiro museu registrado em solo britânico foi Ashmolean em 1682. Sua missão era abrigar a coleção de Elias Ashole, historiador e astrólogo que reuniu inúmeras antiguidades de várias partes do mundo.

5. Museu do Louvre (Paris, França, 1793)

O Museu do Louvre é o maior museu de arte do mundo e um monumento histórico de Paris, na França. Inaugurado em 1793, possui aproximadamente 38 mil objetos, da pré-história ao século XXI, e é até hoje um dos museus mais visitados do mundo.

Os museus mais antigos do Brasil

No Brasil, a concepção histórica e cultural predominaria na constituição de museus durante o século XX, privilegiando uma interpretação histórica que era tomada pelas classes dominantes do país.

Apenas a partir da década de 1970 essa concepção foi mudada, incorporando a produção cultural dos grupos sociais explorados e oprimidos. Esses grupos deixaram de ser vistos apenas como objeto de estudo para serem tratados como produtores de conhecimento.

Nessa perspectiva, os museus brasileiros hoje contribuem tanto para a preservação do passado como para auxiliar na inserção de grupos sociais marginalizados na produção cultural da sociedade atual. 

Conheça os museus mais antigos do Brasil:

1. Museu Nacional (Rio de Janeiro, 1818)

Com mais de 200 anos, o museu mais antigo do Brasil é o Museu Nacional, que está vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O museu abrigava um acervo histórico e científico de história natural, contendo fósseis de várias partes do mundo, esqueletos de dinossauros, indumentárias de índios, múmias e esquifes egípcios, entre muitos outros.

Estava em funcionamento até setembro de 2018, quando um incêndio devastou a maior parte do acervo, um dos maiores museus de história natural e de antropologia das Américas.

2. Museu Paraense Emílio Goeldi (Belém, 1866)

O Museu Paraense Emílio Goeldi, fundado em 1866, é a mais antiga instituição pública da região amazônica. O Museu possui acervos de conhecimentos nas áreas de ciências naturais e humanas relacionados à Amazônia com mais de 400 mil itens catalogados. 

Além disso, essa instituição é vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia do Governo Federal e é reconhecida mundialmente como uma das mais importantes instituições de investigação científica sobre a Amazônia Brasileira.

3. Museu Histórico Nacional (Rio de Janeiro, 1922)

Dedicado à história do Brasil, o museu está localizado no centro histórico da cidade do Rio de Janeiro. Foi criado em 1922 pelo presidente Epitácio Pessoa e possui um vasto acervo constituído por cerca de 300 mil peças, correspondente a 67% do patrimônio museológico brasileiro sob a guarda do Ministério da Cultura. 

4. Museu Nacional de Belas Artes (Rio de Janeiro, 1937)

Também no Rio de Janeiro, o Museu Nacional de Belas Artes foi criado durante o governo de Getúlio Vargas em 1937. É uma das instituições museológicas mais importantes do país dedicada a conservação, divulgação e aquisição de obras representativas da produção artística brasileira dos séculos XIX e XX.

O acervo originou-se das coleções que pertenciam à Escola Nacional de Belas Artes. É constituído por mais de 70 mil itens representativos de vários períodos da história da arte e da contemporaneidade.

5. Museu Imperial (Petrópolis, 1940)

Criado em 1940, durante o governo Vargas, o museu está sediado na antiga residência de verão de Dom Pedro II, o Palácio Imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro. 

O Museu Imperial, popularmente conhecido como palácio imperial, retrata a história do império e da cidade que cresceu em torno de si. O museu recebe em média 300 mil pessoas ao ano. 

Conhecemos neste artigo alguns dos museus mais antigos do Brasil e do mundo. Todos com sua devida importância para salvaguardar a história da humanidade e o desenvolvimento das sociedades. 

Sejam antigos ou modernos, os museus são locais que necessitam de atenção, cuidado e respeito. 

Aproveite o fim deste artigo para fazer um tour virtual pelo Museu WEG!

Como as areias do deserto do Saara contribuem para a biodiversidade da Amazônia

As areias do deserto são muito importantes para manter a exuberância e a biodiversidade da Amazônia.

Mais de 5 mil quilômetros separam a Floresta Amazônica do Deserto do Saara. Apesar de distantes, os dois lugares têm uma relação tão estreita que é até difícil de acreditar: as areias do deserto são muito importantes para manter a exuberância e a biodiversidade da Amazônia.

Pode até parecer pegadinha dizer que o deserto é quem beneficia a floresta, e não o contrário, mas a natureza não cansa de surpreender.

Descubra neste conteúdo como o Saara envia toneladas de nutrientes para a América do Sul e é ainda responsável pela maior parte das chuvas torrenciais que caem sobre a Região Amazônica.

A areia do Saara é rica em nutrientes

Durante a pré-história, o deserto africano era um lago repleto de algas e micro-organismos. Há 7 mil anos, esse lago secou. Dele, sobrou a areia rica em nutrientes, inclusive o fósforo. 

Parte dessa areia fica em uma depressão na região do Chade que, devido à sua geografia, é atingida por constantes e gigantescas tempestades de areia. O vento é tão forte que consegue carregar a areia rica em fósforo por quase 5 mil quilômetros até a América do Sul.

A areia rica em fósforo percorre 5 mil quilômetros até a Floresta Amazônica.

Estudada pela NASA

Um estudo da NASA feito pelo Goddard Space Flight Center mede a quantidade de areia que viaja pelo oceano Atlântico. Segundo os satélites da agência espacial, mais de 27 milhões de toneladas de areia viajam do Saara para a Amazônia a cada ano, com cerca de 22 mil toneladas de fósforo.

Para medir a formação química das substâncias na atmosfera da Amazônia, os pesquisadores usaram um instrumento óptico chamado Lidar. A certeza de que a poeira encontrada no local vem do Saara e não de um terreno próximo é dada pela sua composição química, mais especificamente pela presença e proporção de alguns elementos como alumínio, manganês, ferro e silício. 

A quantidade desses elementos nas partículas coletadas na Amazônia é a mesma que é encontrada na poeira do Saara. Além disso, há correlação entre a presença desses aerossóis e o movimento das massas de ar.

Segundo a Nasa, o próximo passo da pesquisa é entender a quanto tempo esse processo acontece e conseguir prever até quando o Saara poderá fertilizar a Amazônia. Assista ao vídeo da agência espacial americana com uma demonstração do estudo:

Fertilizante natural para os solos da Amazônia

Não são apenas simples grãos de poeira que o Saara manda para a Amazônia. O fósforo é um elemento raro na floresta, mas muito importante para sua biodiversidade e, assim como a mata ciliar, fundamental para o equilíbrio do meio ambiente. A água da chuva e dos rios carrega o fósforo da matéria orgânica em decomposição no solo amazônico, impedindo que ele se deposite e alimente as plantas locais.

O fósforo é um nutriente encontrado em fertilizantes comerciais e essencial para o crescimento das plantas. As 22 mil toneladas de fósforo que chegam à floresta amazônica são quase a mesma quantidade que a mata produz com a decomposição das árvores caídas mas que, em seguida, perde com as chuvas e inundações.

Antes de chegar na Amazônia, os fragmentos minerais que formam a nuvem de poeira do Saara caem da nuvem em movimento e se depositam na superfície ensolarada do oceano, fertilizando os organismos fotossintetizadores existentes no mar que, muitas vezes, apresentam uma grande carência desses elementos.

E essa é a mesma utilidade da areia para a Amazônia — um dos locais mais produtivos em termos biológicos do mundo, mas com solo notoriamente pobre em alguns elementos essenciais ao crescimento, sobretudo em fósforo. 

É possível encontrar muitos estudos sobre os efeitos negativos da nuvem de poeira, responsável por causar problemas respiratórios e alergias nos locais por onde passa. Apesar dos pontos negativos, não podemos negar que ela é essencial para a vida da floresta de maior importância do planeta.

Enquanto o Saara se responsabiliza por levar mais ferro e fósforo para nossa floresta, também existem milhares de pessoas preocupadas em desenvolver técnicas para ajudar nosso ecossistema por meio de inovações tecnológicas e ensinando às crianças – o futuro do nosso país – a cuidar, respeitar e entender nossa biodiversidade.

Como seria o mundo sem eletricidade?

A energia elétrica foi responsável por diversos avanços no mundo.

A humanidade passou por diversos estágios em sua história evolutiva. Algumas descobertas nesses estágios moldaram nosso futuro – entre elas, está a eletricidade. A energia elétrica foi responsável por diversos avanços no mundo, e seu desenvolvimento pôde proporcionar a evolução da tecnologia.

Ao pensar em um mundo sem eletricidade, milhares de dispositivos não existiriam, como por exemplo: computadores, celulares, geladeiras, chuveiros elétricos, postes de luz e elevadores. Você já imaginou viver sem depender da energia elétrica? 

Vivendo em um mundo sem eletricidade

Grandes feitos da humanidade foram realizados sem eletricidade. Porém, a partir da sua descoberta, vivemos em um mundo que depende dela para continuar a evolução. 

Praticamente todas as áreas da nossa vida mudariam sem eletricidade. Ao começar pela indústria médica, que entraria em colapso. Doenças extintas poderiam voltar, e muitos diagnósticos e tratamentos deixariam de existir, ou se tornariam medievais.

Nós também teríamos que reaprender a cozinhar, lavar, transportar, se divertir e trabalhar sem os dispositivos eletrônicos que usamos no dia a dia. A eletricidade também é, praticamente, o coração da civilização trabalhadora, e muitos empregos teriam que ser reinventados.

Veremos abaixo algumas áreas que seriam extremamente afetadas caso a energia elétrica não existisse.

Fim do mundo moderno

A eletricidade é responsável pelo funcionamento de muitos aparelhos e máquinas. Sem energia elétrica, a tecnologia seria escassa, muitas pessoas iriam trabalhar nos campos até o anoitecer. Praticamente não haveria movimento à noite, muito menos trabalhos noturnos, já que não haveria iluminação adequada.

Trens elétricos não existiriam, e muitas pessoas não poderiam se deslocar para trabalhos longe de casa. Nas casas, o bombeamento de água de poços seria uma tarefa manual. Computadores, smartphones e internet também não existiriam, logo, nada de redes sociais. 

Em contrapartida, a vida sem eletricidade traria outras demandas. Sem televisão, o homem poderia procurar mais por teatros, por exemplo, e a comunicação à distância voltaria a ser por cartas. Certamente também haveria menos poluição tecnológica. 

A cozinha sem eletricidade

Um dos lugares mais importantes de uma residência, onde é preparada a alimentação da família, também sofreria muitos impactos sem eletricidade.

É assim que seria nossa cozinha: o fogão e o forno seriam a lenha, e, sem geladeira, não seria possível fazer gelo ou sorvetes, por exemplo. Os eletrodomésticos que conhecemos hoje como micro-ondas, batedeira e liquidificador também não existiriam.

Seria necessário desenvolver técnicas para conservar alimentos durante o verão e o inverno, lugares frios e escuros como cavernas poderiam armazenar o alimento de caça e coleta. Muitos alimentos deveriam ser cozidos logo após a coleta para durar mais tempo. E é na cozinha que encontramos um item capaz de gerar energia sem eletricidade, veja aqui como é possível gerar luz a partir de uma batata.

O fogo como aliado

Sem o domínio da energia elétrica, as pessoas teriam o hábito de viver conforme a luz natural. Isso significa que, no início da noite, seria a hora de dormir, e, ao raiar o sol, seria hora de começar a rotina do dia.

O fogo seria muito utilizado para iluminação. Fogueiras seriam acesas a fim de aquecer e iluminar o espaço de convivência. Não haveria estufas nem aquecedores elétricos. Nos dias frios, precisaríamos de fogo, fogão a lenha ou lareiras, que, além de aquecer, acolhem todos os membros da família em comunhão em uma noite fria.

Lista de escassez no mundo sem eletricidade

  • Não haveria aquecedor elétrico.
  • Não haveria ventilador nem condicionador de ar elétrico.
  • Faltaria luz em ruas e residências.
  • Adeus aos semáforos e pedágios automáticos.
  • Não haveria chuveiro elétrico, geladeira e todos os eletrodomésticos que conhecemos hoje.
  • Não haveria refrigeração para conservação de alimentos.
  • Fim do equipamento de escritório (copiadoras, scanners, computadores, internet e telefones).
  • A maioria dos nossos equipamentos médicos não existiria.
  • O homem só seria capaz de trabalhar durante o dia.
  • Grande parte da produção seria feita à mão porque as fábricas não teriam linhas de montagem.

Em resumo, nossa vida sem eletricidade remete ao passado. O instinto de sobrevivência dos nossos antepassados, como busca pela caça e o uso do fogo, faria parte do nosso dia a dia. Como muitas pessoas precisariam de lenha para seus fogões e suas lareiras, seria necessária uma política de regras de plantio, ou nossas matas estariam em constante perigo por causa do alto número de desmatamento. 

A comunicação global praticamente não existiria, e só saberíamos das notícias por meio do boca a boca. Muitas coisas que hoje são simples poderiam ser verdadeiros desafios no nosso dia a dia.

 Já parou para pensar que, se vivêssemos em um mundo sem eletricidade, você não estaria agora lendo este conteúdo? Neste artigo, conseguimos imaginar um pouco sobre como seria um mundo sem eletricidade, mas você já pensou como seria um mundo sem sol? Clique aqui e continue lendo para saber.