Categoria: Museu WEG

Aprender brincando: 5 brincadeiras para aprender sobre Ciências

Fizemos uma lista de 5 brincadeiras para aprender sobre ciências. Vamos conhecer?

Entreter as crianças durante as férias nem sempre é uma tarefa fácil, é preciso buscar alternativas para que elas se divirtam e aproveitem os dias de descanso. A boa notícia é que é possível aproveitar as férias e ainda aprender sobre assuntos importantes que são vistos em aula. Pesquisas já identificaram que crianças que usam jogos para aprender conceitos de ciência conseguem absorver o conhecimento com mais facilidade. As brincadeiras educativas podem ajudar as crianças a desenvolverem o senso crítico e a capacidade de observação, bem como seguirem etapas, processos e regras. 

Desse modo, uma das opções para tornar as férias mais legais e o aprendizado mais simples e prazeroso é buscar brincadeiras alternativas para que elas se divirtam e também aprendam. É por isso que fizemos uma lista de 5 brincadeiras para aprender sobre ciências. Vamos conhecer?

1 – Propriedades do Ar

Este é um desafio para ajudar a explicar as propriedades do ar e ver, na prática, a lei de Newton que determina que dois corpos não ocupam o mesmo lugar ao mesmo tempo. Também ensina que, apesar de ser invisível e intocável, o ar tem peso e pode ser comprimido e expandido.

Para fazer esse experimento com as crianças, você precisará de:

– Uma bacia cheia de água

– Um canudo

– Uma garrafa pet pequena

A brincadeira consiste em colocar a garrafa destampada dentro da bacia e deixar que a água entre. A garrafa afundará. Chame as crianças e solte o desafio: fazer a garrafa subir sem encostar a mão nela. Deixe que elas tentem encontrar várias soluções tendo apenas um canudo em mãos.

O ar faz o trabalho

A solução é a seguinte: ao colocar o canudo na garrafa (ainda com ela dentro da bacia) e assoprar, o ar entra, e a água que está dentro da garrafa sai. Ou seja: dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço. Assim a garrafa subirá, e o desafio estará concluído. Legal, não é? Mais uma descoberta para a conta!

2 – Erupção colorida

O bicarbonato de sódio é um material bem simples e com mil utilidades. O experimento Erupção Colorida faz o maior sucesso entre as crianças. Acompanhe o passo a passo no vídeo abaixo. 

Material necessário: 

– Bicarbonato de sódio

– Corante de alimentos (não é obrigatório, mas faz a brincadeira ficar mais divertida)

– Vinagre

– Detergente líquido

– Recipientes de vidro (garrafinhas ou copos)

– Colheres de sopa

Gostou? As crianças ficam encantadas! O que acontece neste experimento é uma reação química entre o vinagre e o bicarbonato de sódio. Na hora em que eles entram em contato um com o outro, uma espuma começa a borbulhar. Isso ocorre porque eles passam por uma reação química conhecida como ácido carbônico. A grande questão é que esse ácido carbônico imediatamente se decompõe e vira dióxido de carbono – responsável por formar as bolhas.

3 – Um modelo de DNA construído com balas de goma

O DNA contém as informações a respeito de todas as nossas características. Ele é constituído por duas cadeias de nucleotídeos ligadas entre si através de ligações de hidrogênio. Essa estrutura se mantém em uma forma de hélice, como uma escada disposta em espiral. Contudo, poucas pessoas conhecem a estrutura e os componentes dessa impressionante molécula.

Uma boa forma de despertar a atenção das crianças para conhecer um pouco mais sobre o DNA é construindo a estrutura do DNA com balinhas de goma.

Você precisará de:

– Balas de goma, que representarão as bases nitrogenadas

– Palitos de dente, que representarão as ligações de hidrogênio

– Arame fino e maleável, que representará açúcar e fosfato

A montagem é simples: corte o arame em dois pedaços iguais. O ideal é que tenha até 30 centímetros de comprimento cada um. Pegue as balas de goma e coloque uma em cada ponta do palito de dente. Você deverá padronizar as cores para cada base nitrogenada. Por exemplo: amarela para a adenina e verde para a timina. Desse modo, a bala verde só poderá fazer par com a amarela.

Depois de formar os pares de balinhas, passe o arame pelo interior delas ligando os pares uns aos outros. Após passar por todos os pares, você terá um modelo semelhante a uma escada, mas lembre-se de que o DNA possui forma helicoidal. Por isso, você precisará torcer o arame.

Ele deverá se parecer com o resultado abaixo:

DNA de balinhas de goma. Fonte Colégio Ressurreição 

4 – Plante um feijão para aprender sobre ciências

Este experimento já é um clássico, e as crianças amam. A proposta é que essa experiência seja feita com um pote de geleia – ou qualquer outro pote de vidro reutilizado – de modo que seja possível ver a germinação por completo. É um jeito muito bonito e oportuno de observar o crescimento de uma planta. Observar a germinação da vida é um aprendizado importante, e essa atividade poderá gerar interesse e curiosidade sobre plantas.

Materiais necessários:

– Pote de vidro

– Um feijão

– Algodão

– Água

A “plantação” é super fácil: umedeça o algodão com a água e encha o vidro com o algodão úmido. Encaixe o feijão no algodão na lateral do vidro de modo que possamos ver o grão através do vidro.

A responsabilidade da criança é não deixar o algodão ficar seco. Uma vez por dia (ou quando necessário), ela deverá regar com água aos pouquinhos para manter o algodão úmido o tempo todo. Em cerca de 3 dias, a raiz começará a aparecer no feijão. Quando o feijão crescer mais de 20 centímetros, tire ele do vidro e convide a criança para plantar ele em um pote de terra.

Dica: tire uma foto da planta todos os dias para depois lembrar como foi o seu crescimento. Foto: My first nature book

5 – Jogos digitais educativos

Existe um site recheado de jogos educativos e que está ao alcance de todos gratuitamente. Trata-se do Ludo Educativo. O objetivo dos jogos disponíveis no portal é conseguir que a criança aprenda sem notar que está praticando matérias curriculares (pré-concebidas como “chatas”).

Por meio de reforços positivos e recompensas imediatas, podemos fazer com que, por repetição, o aluno associe que o conhecimento não é entediante nem uma questão de memorização, mas sim de integração do conhecimento ao seu dia a dia. Feitos por professores e universidades, os jogos foram desenvolvidos para matérias ou temas curriculares. 

Gostou das dicas? Aproveite para chamar as crianças e fazer uma visita virtual no Museu WEG

A importância da tecnologia em tempos de pandemia

Já parou para pensar no privilégio que é ter acesso à tecnologia em tempos de pandemia?

Já parou para pensar no privilégio que é ter acesso à tecnologia em tempos de pandemia? Além de ajudar na corrida para salvar vidas, criando novos equipamentos e medicações, a tecnologia faz com que muita gente tenha acesso à informação, seja através da internet ou dos meios de comunicação tradicionais. Dessa forma, grande parte da população sabe quais são os perigos e as consequências do vírus e também quais são as melhores formas de se cuidar e preservar sua família. É também em meio a essa crise sanitária que a demanda por novos tipos de serviços fomenta o desenvolvimento de novas tecnologias.

Tecnologia em tempos de pandemia: Distanciamento social e comunicação

Em momentos de reclusão devido à pandemia, a tecnologia desempenha um papel importantíssimo para que as pessoas possam se comunicar e se apresenta como uma peça fundamental no âmbito pessoal e profissional. A possibilidade de se comunicar com outras pessoas mantendo o distanciamento ameniza alguns dos efeitos negativos do isolamento e também da economia. 

Novos hábitos e aceleração de serviços

Com novas necessidades e a adoção de novos hábitos, a demanda por determinados tipos de serviços aumentou. Professores e alunos tiveram que se adaptar ao ensino à distância por meio de ferramentas online. Empresas buscaram novas funcionalidades para conseguir integrar as equipes e ter produtividade durante o trabalho remoto. Negócios baseados em vendas presenciais começaram a operar por meio de vendas online – segundo pesquisa feita pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), os e-commerces aumentaram 100% em relação a 2019.

As experiências culturais também mudaram, agora, contam com transmissões ao vivo de shows e espetáculos. A entrega de produtos em casa ou nas empresas, que antes ainda era vista como tendência, tornou-se uma necessidade, acelerando as mudanças não só nessa área, mas em diversas. Confira a seguir.

Atendimento virtual ao paciente

Com o isolamento social, a comunicação por videochamadas se tornou frequente. Muitas consultas médicas têm sido realizadas pelo atendimento virtual para evitar a contaminação de pacientes em clínicas e hospitais. A telemedicina se tornou tão importante que foi liberada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em caráter excepcional durante o período de combate ao COVID-19. A telemedicina passou a ser exercida para orientação, encaminhamento e monitoramento de pacientes, assim como para troca de informações entre médicos no auxílio de tratamentos e diagnósticos.

A telemedicina foi liberada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) durante o período de combate ao coronavírus. Foto: Istock.

A saúde mental também apresentou alta demanda no atendimento virtual, aumentando a procura por terapia online. Para atender a essa necessidade, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) ampliou as possibilidades das consultas sem limite no número de sessões.

Cruzamento de dados

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que é preciso testar e rastrear o maior número de casos possíveis para que as pessoas infectadas possam ser isoladas. Esse tipo de medida requer o uso de cruzamento de informações na base de dados da Saúde.

Pioneira no uso dessa tecnologia no combate contra o coronavírus, a China, por meio de parceria com companhias telefônicas, conseguiu cruzar as informações dos casos de contaminação com os lugares onde as pessoas infectadas estiveram.

Companhias telefônicas são grandes aliadas para o cruzamento de dados. Foto: Istock.

Em determinados estabelecimentos chineses, o indivíduo precisa mostrar o QR Code na entrada. Caso não tenha passado por lugares com foco de contaminação de coronavírus, pode entrar. Contudo, ainda existem preocupações sobre a privacidade dos dados desses usuários depois da pandemia.

Inteligência Artificial e outras tecnologias

Algumas tendências tecnológicas deixaram de ser apenas tendências e viraram aliadas no combate contra o Sars-CoV-2. Ferramentas tecnológicas como Inteligência Artificial (IA), Big Data, computação em nuvem e Internet das Coisas Médicas (IoMT) são alguns dos recursos que podem ser utilizados para encontrar formas de tratamento, evitar a propagação e até a desinformação da população.

Por exemplo, aqui no Brasil, a startup Portal Telemedicina desenvolveu um algoritmo de inteligência artificial capaz de identificar a doença a partir de imagens de raios X e tomografias do tórax. Criado com o auxílio da nuvem do Google Cloud, o diagnóstico é complementar aos exames atuais.

Ainda no Brasil, o maior investimento da ciência nacional, Sírius, teve entre seus primeiros experimentos imagens em 3D de estruturas de proteínas de SARS-CoV-2. Os detalhes obtidos podem auxiliar na compreensão do vírus e no desenvolvimento ou melhoramento de remédios contra o COVID-19.

Entregas automatizadas

Os serviços de entregas se tornaram indispensáveis, com isso, surgiu também a questão da diminuição do contágio entre o entregador e a pessoa que receberá o produto. Pelo mundo, algumas empresas já estão atuando ou testando novas formas de entregas, como por meio de um carro elétrico sem motorista, uma van autônoma para entregar medicamentos em regiões contaminadas e transportar alimentos para trabalhadores que atuam na linha de frente contra a covid-19.

Mudanças que vieram para ficar

O que vivenciamos, mesmo diante de tantas calamidades, é um momento propício para vencer as barreiras culturais e de curva de aprendizagem com o uso de algumas tecnologias já adotadas pela população. As profissões do futuro ficaram ainda mais evidentes – e a tecnologia se encontra na linha de frente deste novo cenário. Continue no blog e veja como os museus também se adaptaram a esta nova era digital.

Visita Guiada no Museu WEG

Venha conosco conhecer um pouco da história da WEG, da cultura de Jaraguá do Sul e das maravilhas da ciência e da tecnologia reunidas num só lugar.

Enquanto o Museu permanece com sua exposição fechada aos visitantes, que tal conferir uma visita guiada virtual?

Desta forma, mesmo longe você consegue conhecer mais sobre a história da WEG, de seus fundadores, sobre a cultura de Jaraguá do Sul e ciência e tecnologia, todas reunidas num só lugar.

Confira:

E aí, curtiu? Conta pra gente 😉

A história de Werner von Siemens e suas principais invenções

Werner Von Siemens foi responsável por diversas invenções, tais como o telégrafo, o gerador elétrico e o dínamo elétrico de corrente alternada.

Para deixar um legado que perdura por mais de 200 anos depois de seu nascimento, é necessário ser visionário, e assim foi Werner Von Siemens. Nascido em 1816, na Alemanha, ele foi responsável por diversas invenções, tais como o telégrafo de ponteiro, o elevador elétrico, o fotômetro de selênio, o gerador elétrico e o dínamo elétrico de corrente alternada. São tantas invenções que daria um filme!

Werner von Siemens foi um grande inventor e um dos primeiros a ver a conexão entre pesquisa científica e desenvolvimento econômico. Sua paixão por matemática, física, química e experimentos científicos o motivou a seguir pesquisando mesmo quando quase se feriu com uma explosão em uma de suas experiências em 1840. Ele correu riscos, superou dificuldades e desenvolveu tecnologias que mudaram o futuro.

Invenções de Werner von Siemens que mudaram o mundo

Werner tem uma lista de invenções extensa. A primeira grande novidade foi o telégrafo de ponteiro com teclas distintas para cada letra do alfabeto, o que permitia ser operado por qualquer pessoa alfabetizada. Isso substituiu a exigência do conhecimento de código morse e tornou a comunicação mais confiável e acessível.

Entre suas grandes realizações, estão a construção da primeira linha de telégrafo de longa distância (ligando Berlim a Frankfurt), a instalação de toda a rede de telégrafos da Rússia que se estendia da região do Báltico até o Mar Negro e a produção e instalação dos primeiros cabos de telégrafo submarinos na Inglaterra.

Sem nunca deixar de lado a pesquisa científica, em 1866, ele descobriu o princípio dínamo elétrico, que abriu caminhos para que a eletricidade pudesse ser usada como fonte de energia. Usando um ímã, criou uma máquina que transformava energia mecânica em elétrica. Isso não só facilitava a produção de eletricidade, como era facilmente transportável para qualquer lugar. 

Máquina dínamo, criada em 1866

Em 1879, ele apresentou a primeira ferrovia elétrica do mundo e, no mesmo ano, foi responsável pela instalação dos primeiros semáforos elétricos de Berlim. Em 1880, construiu o primeiro elevador elétrico e, um ano depois, instalou o primeiro bonde elétrico do mundo em Berlim-Lichterfelde.

Foi marcante sua contribuição para que a energia elétrica se impusesse, por meio de geradores e motores elétricos, substituindo gradualmente as máquinas a vapor, abrindo, assim, uma nova fase da Revolução Industrial.

Suas contribuições para a sociedade vão além das descobertas científicas, um exemplo disso é que Werner Von Siemens foi um empreendedor ativo e ajudou a fundar a Sociedade de Engenharia (Elektrotechnischer Verein), responsável pela criação de cursos de engenharia elétrica em universidades alemãs. Também foi reconhecido ainda em vida por sua obra e recebeu várias honrarias, por exemplo, foi condecorado cavaleiro da ordem Pour le Mérite (a mais alta condecoração militar da Prússia).

Sua vida daria um filme! Não é à toa que existem diversas biografias sobre a trajetória deste grande engenheiro elétrico. Já que o assunto é grandes inventores, que tal conhecer agora a história de Benjamin Franklin?

Por que o navio não afunda?

Por que o navio fica sob a superfície da água e não vai para o fundo do mar?

Um carro, um avião ou até mesmo uma pessoa que não sabe nadar afundam. Mas então por que o navio fica sob a superfície da água e não vai para o fundo do mar? Descobrir o funcionamento das coisas é uma de nossas paixões, assim como já desvendamos o funcionamento do helicóptero, hoje vamos desvendar o funcionamento de um navio.

Para nosso entendimento, podemos começar fazendo um experimento com uma bolinha de gude: se você colocá-la num recipiente com água vai ver que, mesmo sendo tão pequena, ela vai direto para o fundo. O mesmo acontece com uma bolota de massinha: vai direto para o fundo. Mas se a gente achatar a bolota de massinha e moldar igual a um barquinho ela flutua! E podemos até mesmo colocar a bolinha de gude dentro da massinha, ela vai afundar um pouquinho, mas continuar flutuando, mesmo com este peso a mais.

Por que isso acontece?

A bolinha de gude e a bolota de massinha afundam porque são mais pesadas que a água que está no mesmo lugar que elas ocupam. Mas ao fazer um barquinho de massinha ela se torna mais leve do que a água que estava naquele lugar, mesmo carregando a bolinha de gude. Ao ser colocado na água, o objeto desloca a água para o fundo e para os lados. A água deslocada exerce uma força sobre o corpo, empurrando-o para cima, tentando, desta forma, voltar ao lugar que ocupava. É esta força que impede que o navio afunde. Mas para isso, ele precisa afundar o suficiente para que a força da água deslocada permita que ele flutue.

Por que a bolinha afunda e o barquinho não? Imagem: novaescola.org.br

O formato do barco ajuda a manter o equilíbrio e a compensar a pressão. Quando ele está na água, vazio, boa parte do casco fica para fora da água. Conforme vai recebendo peso, o casco vai afundando. Assim, se tiver peso demais em cima do barco, o peso não ficará igual à pressão e vai acabar afundando. Por isso é preciso distribuir bem o peso e conhecer o limite do navio. 

O local onde acontece a flutuação também é importante, já que nem toda água é igual. A salgada, por exemplo, é mais densa e ajuda a flutuar mais que a água doce (como dos rios, lagos e até da piscina). Apesar de ser um diferença pequena, cerca de 3%, os sais dissolvidos na água ajudam o barco a flutuar. É o que chamamos de densidade da água: quanto mais densa, quanto mais salgada no caso do mar, maior sua flutuabilidade. 

Eureka!

O matemático grego Arquimedes foi a primeira pessoa que respondeu de maneira correta a esta pergunta sobre o navio. Ele foi o maior matemático da antiguidade e exercia muitas outras atividades, entre elas estava a curiosidade a respeito dos fenômenos da natureza.

Há uma lenda diz que ao tomar banho numa bacia, Arquimedes teve a inspiração para explicar a ação da água sobre os corpos nela colocados. Entusiasmado, levantou da bacia e saiu gritando pelas ruas “— Eureka!”, uma palavra grega que em português significa “Achei!”. 

Construir uma grande embarcação é uma tarefa complexa

Construir e projetar uma embarcação de grande porte é uma tarefa complexa. A WEG experimentou essa complexidade ao fornecer equipamentos, como geradores e motores elétricos para uma embarcação de dragagem marítima de 15.000 m³, Bonny River.

Além do formato do casco que vimos acima, um navio necessita de motores para que os propulsores de proa e popa funcionem e ele se movimente. Alguns dos maiores motores do mundo são responsáveis por moverem grandes embarcações. A WEG busca oferecer mais eficiência e sustentabilidade para esses projetos. Você pode ler mais sobre o assunto clicando aqui.

Catalogação de documentos no Museu WEG – Prêmio Elisabete Anderle

Todo o acervo está recebendo o diagnóstico do estado de conservação, sendo higienizado e passando pelo processo de digitalização.

No ano em que comemorou 40 anos de criação, a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) lançou o Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura que contemplou projetos de três áreas: Patrimônio Cultural, Artes e Artes Populares. Os projetos passaram por análise, avaliação, classificação e seleção por uma comissão especialmente montada para este fim – e os ganhadores receberam recursos do Governo do Estado de Santa Catarina. Entre os projetos vencedores está a catalogação de documentos do Museu WEG, que já está com as atividades propostas em andamento. Acompanhe!

Participação do Museu WEG no Prêmio Elisabete Anderle

Sendo o único museu de ciência e tecnologia de Santa Catarina, o Museu WEG tem um grande acervo que conta a evolução tecnológica dos motores elétricos: um equipamento que está intrinsecamente correlacionado com a vida das pessoas. Além disso, também conta a história dos quase 60 anos da WEG, uma multinacional brasileira presente nos 5 continentes, com fábricas em mais de 20 países e que emprega mais de 30 mil pessoas no mundo todo.

Estes aspectos tornam seu acervo valioso e mostram o desenvolvimento da indústria catarinense e da cidade de Jaraguá do Sul e região. O objetivo do projeto inscrito no Prêmio Elisabete Anderle foi trabalhar na salvaguarda do acervo documental do museu, que expressa de forma escrita toda a trajetória de empreendedorismo, governança corporativa, inovação e qualidade da empresa. Dessa forma, foi proposta a realização da classificação, catalogação, digitalização, higienização, possíveis restauros e acondicionamento do acervo. Assim, ele poderá ser disponibilizado para pesquisa sobre a história e desenvolvimento social da região e na busca de conhecimentos técnicos, além de assegurar sua preservação.

O andamento da catalogação

A catalogação está ocorrendo sob supervisão de uma museólogo responsável, a Fernanda Sasse e a atuação de estagiários – Luigi Ferraza Maiochi e Higor Azevedo, estudantes da última fase do curso de Química do IFSC – sob coordenação da equipe técnica do museu, as atividades iniciaram em setembro de 2020 e levarão 6 meses para ficarem prontas. 

Catalogação de documentos no Museu WEG – Prêmio Elisabete Anderle

Na primeira semana, os estagiários tiveram capacitação da área museológica para entenderem os aspectos de conservação e arquivamento:

– Visitaram o arquivo público de Jaraguá do Sul com a historiadora Silvia Kita;

– Conheceram as definições e metodologia de catalogação e conservação de documentos com a museóloga Fernanda Sasse;

– Participaram de reuniões online com o tema “O papel do profissional químico na conservação de acervos”, com Dr. Thiago Costa, Químico e pesquisador ATECOR. E também sobre “Conservação de Acervos em Papel”, com Márcia Escorteganha, Msc Conservadora e Restauradora.

Com acompanhamento da coordenadora do projeto e conservadora do Museu WEG, Gabriella Eger Lux, todo o acervo documental já foi selecionado e dividido por categorias. Agora, todo o acervo está recebendo o diagnóstico do estado de conservação, sendo higienizado (e em alguns casos recebendo restauro curativo), passando pelo processo de digitalização e sendo catalogado em um software de gerenciamento de acervos. Desta forma, ele fica acondicionado em caixas de papel neutro e fica salvaguardado na reserva técnica, que possui temperatura e umidade controlada.

Catalogação e conservação de documentos no Museu WEG – Prêmio Elisabete Anderle

É incrível ver toda essa história sendo preservada para que mais pessoas possam ter acesso à informação. Nosso agradecimento à Fundação Catarinense de Cultura por tornar isso possível. Juntos, construímos, asseguramos e compartilhamos com a população uma história valiosa.

Você sabe como escolher aparelhos que consomem menos energia?

Economizar energia elétrica é uma prática que proporciona benefícios que vão além da economia na conta de luz.

Economizar energia elétrica é uma prática que proporciona benefícios que vão além da economia na conta de luz. Ao escolher produtos certificados e mudar alguns hábitos você também estará economizando recursos naturais, contribuindo para evitar a degradação do meio ambiente e incentivando outras pessoas a seguirem o mesmo caminho.

Para começar, na hora de escolher um novo equipamento eletrodoméstico, é possível analisar os selos do Programa Nacional de Conservação da Energia Elétrica (Procel), que servem para indicar a quantidade de energia gasta por cada produto elétrico. Os selos são soluções desenvolvidas pelas empresas de energia e pelo governo para avaliar se um produto realmente é de qualidade.

O Programa Brasileiro de Etiquetagem — PBE, por exemplo, foi desenvolvido com o intuito de oferecer uma métrica confiável de eficiência energética, ela está presente em diferentes categorias de produtos e a escala tem como base as letras de A a G, sendo, respectivamente, a melhor nota em relação ao gasto energético e a pior avaliação possível para um produto eletrônico.

Selo do Programa Nacional de Conservação da Energia Elétrica (Procel)

Esse é um dos principais instrumentos para avaliar a eficiência energética de um eletrodoméstico. Sabendo disso, você pode deixar de lado aqueles itens que apresentam maior consumo ou não possuem certificação.

Dicas práticas para economizar energia com aparelhos eletrodomésticos

Aparelhos que precisam fazer algum tipo de mudança de temperatura, como uma estufa elétrica ou geladeira, precisam de muita energia para executar essa função. Mas, mesmo estando ligadas o tempo todo, é possível diminuir o consumo controlando sua potência. Confira algumas dicas práticas para executar no dia a dia:

Chuveiro elétrico

O chuveiro elétrico representa, em média, 30% do valor da conta de energia. Ele consome muita energia porque esquenta a água por meio do efeito Joule, processo em que a energia elétrica é transformada em calor. A dica é que, para economizar energia, nos dias quentes, o chuveiro deve ser utilizado na posição verão. Outra forma de diminuir o consumo, tanto de energia quanto de água, é reduzir o tempo de banho e até mesmo desligá-lo enquanto se ensaboa.

Ar condicionado

Em épocas mais quentes, o ar-condicionado vira nosso melhor amigo. Mas o aparelho também é responsável por um alto consumo de energia elétrica. A dica é fazer a manutenção regularmente: os filtros desses aparelhos sempre devem estar limpos, pois a sujeira impede a circulação de ar, o que faz com que precise realizar mais força para funcionar adequadamente. Evite usar o ar-condicionado em ambientes abertos, isso prejudica o potencial de resfriamento do ambiente. Opte sempre por temperaturas medianas e que sejam agradáveis. Alguns aparelhos possuem a função de desligamento automático quando atingem a temperatura ideal, certifique-se que essa função está funcionando ou faça o controle manualmente. Procure ainda, proteger a parte externa do equipamento da iluminação solar, sem que as grades de ventilação fiquem bloqueadas; manter as janelas fechadas também é importante.

Geladeira

A maioria das geladeiras possuem níveis de resfriamento, e em épocas mais frias do ano, os níveis mais baixos são suficientes para conservar o alimento. Essas mudanças periódicas garantem um uso mais eficiente das geladeiras e reduzem boa parte do consumo. Além disso, manter a geladeira o mais longe possível de fontes de calor, como o fogão e forno elétrico, evita um consumo exagerado de energia.

Lâmpadas

Quanto à iluminação, as lâmpadas podem representar cerca de 20% da sua conta de energia. A dica para economizar é evitar acendê-las durante o dia e sempre utilizar lâmpadas fluorescentes ou de LED, que consomem menos energia quando comparadas às lâmpadas incandescentes. Clique aqui para conhecer os tipos de lâmpadas.

Resumão: comece a economizar energia

Agora você já sabe como escolher seus equipamentos eletrodomésticos e economizar energia, certo? Vamos ao resumão:

– Uma das formas de conferir se a fabricante do equipamento se preocupa com sustentabilidade e eficiência energética é verificar se há um selo de qualidade colado no produto;

– Além de não tomar banhos demorados, é interessante desligar a torneira enquanto estiver se ensaboando e utilizá-lo na posição verão nos dias mais quentes;

– Instale o ar-condicionado em um local de metragem adequada para sua potência, com boa circulação de ar. Use a opção de desligamento automático e proteja a parte externa da iluminação solar.

– Tanto a geladeira quanto o freezer devem estar posicionados com, em média, 15 centímetros da parede. Mantenha-os longe do fogão ou áreas expostas ao sol. Fique atento a potência recomendada para a estação do ano.

Com essas recomendações você já estará contribuindo com a economia de recursos naturais. Mas se quiser economizar ainda mais, considere investir na instalação de energia solar na sua residência. Dessa forma, além de conquistar uma excelente economia de energia a longo prazo, você estará colaborando para a preservação e equilíbrio do meio ambiente. 

Pronto para colocar tudo isso em prática? E que tal fazer um experimento em casa, construindo seu próprio gerador de energia utilizando uma batata? É isso mesmo, em alguns países há pesquisas para explorar a criação de energia com alimentos abundantes localmente. Veja como isso é possível. 😀

Curiosidades sobre museus brasileiros de importância mundial

Você sabia que boa parte dos melhores museus da América Latina fica no território brasileiro?

Você sabia que boa parte dos melhores museus da América Latina fica no território brasileiro? A cidade de São Paulo é o lugar com a maior quantidade de museus visitados por turistas anualmente. Se pararmos para comparar com outros países, no Brasil ainda há bastante descuido com museus, mas após o incêndio no Museu Nacional, em 2018, por exemplo, a reivindicação da população por preservação, cuidado e zelo pelo patrimônio tem crescido.

Já falamos aqui no blog sobre 10 museus em Santa Catarina que você precisa conhecer e hoje vamos apresentar curiosidades sobre museus brasileiros de importância mundial. Vamos lá!

1. MAM

O Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) é uma das mais importantes instituições culturais do Brasil. O prédio no Parque do Ibirapuera ocupado pelo museu foi construído para abrigar uma exposição sobre a Bahia, realizada em 1960,  o edifício está inserido no conjunto arquitetônico projetado por Oscar Niemeyer em 1954. Ele deveria ter sido destruído, mas foi aproveitado para sediar o Museu do Presépio. O MAM mudou-se para o local em 1968. Seu jardim de esculturas ocupa 6 mil metros quadrados e abriga 25 obras feitas por 21 artistas brasileiros.

O acervo conta hoje com mais de 5.000 peças, a maioria produzida por artistas brasileiros ativos a partir da década de 1960. Possui uma das maiores bibliotecas especializadas em arte da cidade de São Paulo, com mais de 60.000 volumes. Desde 1969 organiza a mostra bienal Panorama da Arte Atual Brasileira, uma das mais tradicionais exposições periódicas do país e importante ferramenta para a ampliação do acervo.

2. MASP

Também em São Paulo, o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – ou apenas MASP, é um dos museus mais importantes do Hemisfério Sul. Localizado em um dos pontos mais icônicos da Avenida Paulista, numa área de 5 mil metros quadrados com um vão livre em concreto de extensão por 8 metros de altura (o maior das Américas). O projeto é da arquiteta Lina Bo Bardi, que fez o vão para que a vista do centro da cidade não fosse perdida.

Ele recebe exposições de todo o mundo e tem em seu acervo cerca de 9 mil obras importantíssimas de artistas renomados do mundo todo, como Renoir, Botticceli, Monet, Van Gogh, Degas, Vélazquez, Goya, Bosch e muitos outros. Um verdadeiro passeio pela história da arte.

3. Instituto Inhotim

Localizado na cidade de Brumadinho em Minas Gerais, é um dos museus mais lindos do mundo e o maior museu de arte ao ar livre da América Latina, unindo natureza e criação humana de uma forma incrível. Possui um acervo repleto de arte contemporânea com mais de 500 obras, como estátuas de bronze, fuscas coloridos e esferas que flutuam na água. São mais de 96 hectares de área com exposições (sendo mais de 700 hectares ao todo de preservação ecológica) onde o visitante pode interagir com o meio ambiente e as obras, de forma harmoniosa e interessante. Outra curiosidade é que seu Jardim Botânico possui mais de 4.500 espécies nativas e exóticas e a maior coleção de palmeiras do mundo, cerca de 1.500, também se encontra no local. Uma experiência única.

4. Museu do Ipiranga

O Museu Paulista da Universidade de São Paulo, ou Museu do Ipiranga, foi inaugurado no primeiro aniversário da República, em 15 de novembro de 1890, no local onde foi proclamada a Independência do Brasil. Seu estilo arquitetônico foi inspirado nos palácios renascentistas. Na época, a técnica da alvenaria em tijolos e cerâmica era inovadora na cidade, que ainda construía com taipa de pilão. É considerado um edifício-monumento, possui 123 metros de comprimento por 16 de largura.

Em exposição estão 125 mil objetos, que vão de móveis e roupas a documentos dos anos de 1600 ao século XX. Há também o equivalente a 640 metros de documentos textuais. Possui 1500 m² de jardins, construídos em 1922. Em 4 de agosto de 2013, o museu foi fechado para visitação por tempo indeterminado e deverá reabrir apenas em 2022, pois exige uma restauração e modernização muita ampla em suas instalações. Estamos torcendo para que sua reabertura aconteça em breve!

5. Pinacoteca do Estado de São Paulo

A Pinacoteca é o primeiro museu de arte da cidade de São Paulo, foi inaugurada em 1914. O prédio foi projetado por Francisco de Paula Ramos de Azevedo, em 1897, em uma área do Parque da Luz. O terreno foi comprado por 100 contos de réis. Antes de virar museu, em 1905, o local abrigou a sede do Liceu de Artes e Ofícios, o Ginásio do Estado e diversas repartições públicas. Em 1930, a Pinacoteca foi ocupada pelo exército e transformada em quartel-general durante 2 meses. Outra ocupação aconteceu em 1932, durante a Revolução Constitucionalista.

A Pinacoteca é especialmente interessante para quem gosta de arte brasileira. O acervo do museu reúne cerca de 9 mil obras, entre pinturas dos séculos XIX e XX, com destaque para os modernistas Tarsila do Amaral, Cândido Portinari, Di Cavalcanti e Anita Malfatti. Além disso, também recebe a Coleção Brasiliana, que traz estudos e obras feitas por artistas estrangeiros sobre o nosso país.

6. Museu de Futebol

Localizado nas arquibancadas do Estádio do Pacaembu, em São Paulo, é um museu cheio de interatividade para contar a história do esporte. Nele é possível ver jogadas históricas, ouvir narração de jogos que fizeram história e ainda se emocionar com homenagens aos clubes, jogadores e torcedores do país. Além disso, possui uma biblioteca com o maior acervo sobre futebol do mundo. O acervo é uma coleção cheia de divertimento e emoção para quem ama futebol.

7. Museu Imperial

Localizado em Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, o Museu Imperial fica no antigo palácio do imperador Dom Pedro II e representa uma das arquiteturas mais bem preservadas da época imperial. Lá é possível se sentir como um Imperador e respirar o ar da nobreza brasileira, você vai poder conferir de perto objetos importantes de nossa história, como as coroas de Dom Pedro II e de seu pai, Dom Pedro I, o trono usado pelo imperador, muitas jóias e objetos pessoais e, além disso, pode fazer um passeio pelo jardim do palácio.

Existem muitos outros museus brasileiros de importância mundial, que representam e preservam a história e o patrimônio do nosso país. Resta à sociedade apoiar e criar laços com nossa história para que as futuras gerações continuem preservando o que foi construído até aqui. Deu vontade de fazer uma visita? Que tal começar fazendo um passeio virtual pelo Museu WEG de Ciência e Tecnologia? Aproveite também para conhecer o Guia dos Museus Brasileiros, organizado pelo Ibram (Instituto Brasileiro de Museus).

Difundir a Ciência e Tecnologia é uma das missões do Museu WEG, por isso, incentivar o estudo e promover a cultura científica está em seu DNA e, há alguns anos, participa de eventos que buscam realizar atividades de desenvolvimento e divulgação científica entre alunos, professores e comunidade. Neste mês de outubro, o Museu WEG vai participar simultaneamente de dois grandes eventos incentivadores dessa cultura, a FEBIC – Feira Brasileira de Iniciação Científica e a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Confira logo abaixo a programação.

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

A SNCT – Semana Nacional de Ciência e Tecnologia é o maior evento de popularização da ciência do Brasil. Coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, conta com a colaboração de universidades e instituições de pesquisa; escolas; institutos de ensino tecnológico, centros e museus de C&T; entidades científicas; fundações de apoio à pesquisa; parques ambientais, unidades de conservação, jardins botânicos e zoológicos; secretarias estaduais e municipais de C&T e de educação; empresas públicas e privadas; ONGs e outras entidades da sociedade civil. 

FEBIC – Feira Brasileira de Iniciação Científica

O Museu WEG é um dos apoiadores da FEBIC, que é promovida pelo Instituto Brasileiro de Iniciação Científica, com apoio de diversas instituições privadas e governamentais de nossa região, a feira é um espaço para estudantes apresentarem ideias criativas e inovadoras na forma de projetos científicos, onde possam experimentar o fazer ciência, o realizar pesquisas. É, ainda, um ambiente de fomento, integração e troca de experiências, que aproxima estudantes e professores do Ensino Infantil, Fundamental, Médio, Técnico e Superior de todas as regiões do Brasil, além do exterior, e representa mais uma ação de incentivo ao desenvolvimento e divulgação de conhecimentos científicos entre unidades de ensino, comunidade e empresas.

Visando promover a cultura científica, a experimentação, a disseminação e a popularização do conhecimento científico, a FEBIC instiga a criatividade, a inovação e o uso de novas tecnologias, de forma sustentável e inteligente. Além disso, é um espaço rico de possibilidades para a expressão da criatividade e para o desenvolvimento das habilidades do aluno, do professor e da escola no campo da pesquisa. 

Conheça a programação da FEBIC

A FEBIC está no calendário de eventos da SNCT, desta forma, a participação do Museu WEG será unificada para os dois eventos com participações no programa da FEBIC TV, em três momentos: 

QUADRO: CIÊNCIA EM FOCO
Palestra: Projeto Sírius – Acelerador de Partículas

Palestrante: Eduardo Constantino Ramos – Depto Vendas Técnicas e Revendas (WEG Motores) MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV-RJ, Pós-Graduação em Máquinas Elétricas pelo Centro Universitário de Jaraguá do Sul (UNERJ), Engenheiro Eletricista pela Universidade Regional de Blumenau (FURB).

Trabalha na WEG a 22 anos e tem de experiência no desenvolvimento e aplicação de produtos. Atuou no desenvolvimento de equipamentos para o Sirius, acelerador de 4ª Geração em operação no CNPEM/LNLS (Campinas/SP).

QUADRO: FEBIC VISITA
Visita: Visita virtual no Museu WEG de Ciência e Tecnologia
Local: plataforma virtual 

QUADRO: MÃO NA MASSA
Vídeos: Experimentos
Local: plataforma virtual 

Participe! Confira a programação em:  www.febic.com.br