Categoria: Museu WEG

Difundir a Ciência e Tecnologia é uma das missões do Museu WEG, por isso, incentivar o estudo e promover a cultura científica está em seu DNA e, há alguns anos, participa de eventos que buscam realizar atividades de desenvolvimento e divulgação científica entre alunos, professores e comunidade. Neste mês de outubro, o Museu WEG vai participar simultaneamente de dois grandes eventos incentivadores dessa cultura, a FEBIC – Feira Brasileira de Iniciação Científica e a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Confira logo abaixo a programação.

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

A SNCT – Semana Nacional de Ciência e Tecnologia é o maior evento de popularização da ciência do Brasil. Coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, conta com a colaboração de universidades e instituições de pesquisa; escolas; institutos de ensino tecnológico, centros e museus de C&T; entidades científicas; fundações de apoio à pesquisa; parques ambientais, unidades de conservação, jardins botânicos e zoológicos; secretarias estaduais e municipais de C&T e de educação; empresas públicas e privadas; ONGs e outras entidades da sociedade civil. 

FEBIC – Feira Brasileira de Iniciação Científica

O Museu WEG é um dos apoiadores da FEBIC, que é promovida pelo Instituto Brasileiro de Iniciação Científica, com apoio de diversas instituições privadas e governamentais de nossa região, a feira é um espaço para estudantes apresentarem ideias criativas e inovadoras na forma de projetos científicos, onde possam experimentar o fazer ciência, o realizar pesquisas. É, ainda, um ambiente de fomento, integração e troca de experiências, que aproxima estudantes e professores do Ensino Infantil, Fundamental, Médio, Técnico e Superior de todas as regiões do Brasil, além do exterior, e representa mais uma ação de incentivo ao desenvolvimento e divulgação de conhecimentos científicos entre unidades de ensino, comunidade e empresas.

Visando promover a cultura científica, a experimentação, a disseminação e a popularização do conhecimento científico, a FEBIC instiga a criatividade, a inovação e o uso de novas tecnologias, de forma sustentável e inteligente. Além disso, é um espaço rico de possibilidades para a expressão da criatividade e para o desenvolvimento das habilidades do aluno, do professor e da escola no campo da pesquisa. 

Conheça a programação da FEBIC

A FEBIC está no calendário de eventos da SNCT, desta forma, a participação do Museu WEG será unificada para os dois eventos com participações no programa da FEBIC TV, em três momentos: 

QUADRO: CIÊNCIA EM FOCO
Palestra: Projeto Sírius – Acelerador de Partículas

Palestrante: Eduardo Constantino Ramos – Depto Vendas Técnicas e Revendas (WEG Motores) MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV-RJ, Pós-Graduação em Máquinas Elétricas pelo Centro Universitário de Jaraguá do Sul (UNERJ), Engenheiro Eletricista pela Universidade Regional de Blumenau (FURB).

Trabalha na WEG a 22 anos e tem de experiência no desenvolvimento e aplicação de produtos. Atuou no desenvolvimento de equipamentos para o Sirius, acelerador de 4ª Geração em operação no CNPEM/LNLS (Campinas/SP).

QUADRO: FEBIC VISITA
Visita: Visita virtual no Museu WEG de Ciência e Tecnologia
Local: plataforma virtual 

QUADRO: MÃO NA MASSA
Vídeos: Experimentos
Local: plataforma virtual 

Participe! Confira a programação em:  www.febic.com.br

Dicas para conservar arquivos e documentos em casa

Organizar um acervo pessoal pode facilitar processos burocráticos e preservar sua história e da sua família.

Organizar um acervo pessoal, com documentos gerados ao longo da vida, pode facilitar processos burocráticos e preservar sua história e da sua família. Você já percebeu a quantidade de documentos que produz e recebe? Alguns são muito importantes e desejamos que durem por muito tempo — eles podem ser uma prova de algum fato ou patrimônio, uma lembrança de alguém ou algum lugar, um estudo que virá à tona.

Você não precisa ter um museu só para você! Mas é importante ter consciência da necessidade de preservar um arquivo pessoal e que, com cuidados simples, você pode prevenir a deterioração acelerada dele. Para te ajudar, separamos algumas dicas para conservar arquivos e documentos em casa, veja como fazer isto na prática:

Nada de sujeira. O ambiente onde você guarda seus documentos deve ser limpo e, de preferência, arejado: sem incidência direta da luz solar e/ou artificial, para não se tornar um local quente, úmido ou com risco de infiltrações.

Cuidado com o que está por perto. Evite armazenar sua documentação perto de objetos que tragam risco de incêndios, como cozinhas, ou perto de fiações e aparelhos elétricos. Deixe, também, seus documentos longe de substâncias que possam colocá-los em risco, como alimentos ou coisas doces (que podem atrair insetos), líquidos, materiais de limpeza e/ou materiais inflamáveis ou tóxicos.

Evite pastas e caixas de plástico. Prefira pastas, caixas de papel e envelopes brancos. Pastas e livros devem ser guardados, de preferência, em pé (na vertical), em estantes abertas (arejadas).

Não abandone. Verifique periodicamente os documentos guardados, sejam papéis, fotografias ou fitas e DVDs. É importante verificá-los para saber se estão bem conservados e funcionando. 

Mais limpeza. No caso do papel, é muito importante o controle de poeira, fungos (como o mofo), e de possíveis pragas (cupins, brocas e roedores).

Cuidado ao manusear. Lave bem as mãos e seque-as bem quando for manusear seus documentos e não passe cremes, pois podem manchar os papéis. Quando forem antigos e estão guardados por muito tempo, utilize máscara e luvas. Isso irá proteger os documentos e a sua saúde de possíveis fungos.

Nada de pilhas de papel. Além de serem desorganizadas e instáveis, aumentam o risco de incêndios e dificultam o manuseio e a conservação do material, papel empilhado se deteriora mais rápido.

Truque. Ao guardar livros e outros papéis em armários e gavetas, coloque sachês de cravo da índia com pimenta do reino, louro e canela em pau junto a eles. Esse sachê é uma dica caseira que ajuda a afastar as traças.

Limpando. Para limpar os documentos em papel, utilize um pincel macio para remover a poeira e outros detritos que estiverem sobre o papel, ou com pó de borracha. Se o documento estiver muito frágil, recomenda-se fazer um sachê colocando um pedaço de algodão dentro de um retalho de pano bem fino. Rale a borracha e a espalhe sobre o papel. Com a ajuda do sachê, faça movimentos circulares tirando suavemente a sujeira do papel. Evite esta técnica caso tenha anotações em lápis.

Fotos e fatos. Para guardar fotos coloridas utilize álbuns que possuam “jaqueta de poliéster” ou um plástico neutro que não danifique a foto. Eles são encontrados em lojas que vendem material para fotografia e, normalmente, suas características vêm indicadas na etiqueta. 

Guarde fotos em álbuns que ajudem a conservar as imagens

Um erro comum. Não plastifique, utilize fitas adesivas ou cola escolar para reparar sua documentação, a substância química presente nesses materiais acidifica o papel, podendo danificar o documento com o tempo.

Não enrole. A melhor forma de guardar um documento em papel é deixá-lo plano. Se precisar amarrar algo, utilize um cadarço de algodão, evitando elásticos que podem acabar grudando com o tempo. Clipes e grampos de metal também devem ser evitados – e se possível retirados – eles enferrujam com o passar dos anos e mancham a documentação. Prefira clipes e grampos de plástico. Agora, se o documento for muito amplo e flexível e precisa ser enrolado, guarde em tubos feitos de materiais tampados, com baixo teor de lignina (colas) e que tenham 5 centímetros a mais que a largura da folha. 

Outros materiais. Fitas de vídeo e fitas cassete devem ser guardadas rebobinadas até o fim de um dos lados e guardadas na vertical, dentro de suas embalagens. Também recomenda-se armazená-las em um local com temperatura estável entre 18°C e 20°C, longe de fontes de luz e de campos magnéticos (ímãs e motores elétricos).

Outras mídias. Para limpar CDs e DVDs use um tecido não abrasivo, como os utilizados para limpar lentes fotográficas. O movimento de limpeza nunca deve ser circular, ou seja, ao longo das trilhas, e sim do centro do disco para fora. Evite colar etiquetas pois, com o tempo, a colagem irá prejudicar a leitura e acelerar o processo de desgaste dos CDs e DVDs.

Documentos digitais. Fotografias e demais documentos digitais devem estar salvos em mais de um local, não guarde apenas em seu computador. Cópias em CDs ou HD externo ajudam a garantir que os arquivos não serão perdidos. Não se esqueça de sempre fazer testes e cópias de segurança. Uma outra solução é contratar espaços na nuvem para o backup de suas fotografias, essa é uma forma que garante acesso fácil e de qualquer lugar as suas memórias.

Para concluir. Crie critérios para selecionar o que vai ser guardado, conforme função e finalidade. Seus arquivos podem ser armazenados em caixas, de acordo com o grau de importância, de modo que, se houver alguma tragédia (incêndios, inundações, desabamentos e deslizamentos), você saberá o que é mais importante para recuperar primeiro. Uma boa sugestão é colocar cores nas caixas e ordená-las de acordo com essas cores. Esse é um bom método de classificação de importância a ser seguido.

Organizar documentos por cores é uma boa dica de organização

Agora que você aprendeu a armazenar seus documentos, que tal pôr a mão na massa? Ou melhor, no papel! Além das facilidades de encontrar seus arquivos, organizar o que está pendente traz satisfação pessoal e uma sensação de leveza. Você vai se sentir tão bem! E, já que você leu até aqui, aproveite para aprender 5 experiências para fazer em casa ou na escola. Até mais!

Museu WEG participa da 14ª Primavera nos Museus

Coordenada pelo Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM, ela visa mobilizar os museus brasileiros a elaborarem programações especiais voltadas para um mesmo tema.

Participar da Primavera dos Museus é uma oportunidade ímpar para que museus se aproximem da comunidade, estreitando laços sociais, culturais e afetivos. Há alguns anos o Museu WEG participa da ação anual. Coordenada pelo Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM, ela visa mobilizar os museus brasileiros a elaborarem programações especiais voltadas para um mesmo tema.

Neste ano, a iniciativa vem com o tema “Mundo Digital: Museus em Transformação”, e o desafio da edição é consolidar a comunicação digital como canal fundamental de presença e interação entre as instituições e seus públicos. Visto o momento pelo qual passam a sociedade e os museus, devido à pandemia causada pelo Covid-19, este ano, em especial, todos os museus participantes irão desenvolver apenas atividades em ambiente virtual. 

Por estarmos na era digital, é visto que museus tradicionais precisam se transformar e criar novas formas de apresentar seus conteúdos e engajar seus visitantes.  Um museu que disponibiliza seu conteúdo on-line não transfere a experiência para o universo tecnológico, mas agrega novos olhares sobre a visitação, alcançando pessoas que não podem fazer a visita pessoalmente.

Ciência e Tecnologia em casa

Para ir ao encontro do tema da 14ª Primavera nos Museus, o Museu WEG preparou um conteúdo super especial para que o público possa aprender e reproduzir experiências em seus lares. No primeiro dia da Primavera, 21 de setembro, as redes sociais do museu vão começar a receber a programação com o tema #ciênciaetecnologiaemcasa. 

Durante as próximas semanas o público poderá assistir a vídeos que vão ensinar algumas curiosidades e experiências que podem ser reproduzidas com segurança e poucos materiais. Os vídeos foram gravados visando passar adiante um pouquinho do conhecimento que também é tratado durante as visitas e ações educativas do museu. Eles serão publicados a cada sexta-feira, contemplando a programação da Primavera nos Museus. 

Quer ter uma ideia do que vem por aí? Fique ligadinho que no dia 25 de setembro publicaremos o nosso primeiro vídeo.

Encontro com a Rede de Educadores de Museus

Ao longo dos últimos meses fomos conhecendo e nos adaptando a ferramentas digitais e online. Mas e depois quando a pandemia passar, como lidaremos com isso? Nos parece que estes questionamentos voltados às nossas ações presentes e futuras precisam ser debatidos de forma coletiva e colaborativa.  Para fomentar esse debate, a Rede de Educadores em Museus de Santa Catarina (REM/SC) em uma ação conjunta com o Museu WEG de Ciência e Tecnologia realizará um encontro de educadores tendo como convidados especiais a equipe do projeto Museus Virtuais. Este projeto, produzido pelo do Instituto Maratona Cultural, já vinham explorando os recursos digitais e plataformas online antes mesmo da pandemia.

Além de conhecer esta experiência e participar do debate sobre a temática, os inscritos poderão conhecer a trajetória do Museu WEG e o que o museu vêm fazendo para atrair as escolas, professores e alunos enquanto as visitas presenciais não voltam a acontecer. 

Após nosso Encontro, estão todos os participantes estão  convidados a acompanharem uma sessão ao vivo do projeto Museus Virtuais, guiada por Claudio Toscan e transmitida no canal da Maratona Cultural no YouTube. Nesse dia, Toscan fará um passeio pelas obras do pintor renascentista Rafael Sanzio.

O encontro virtual acontecerá no dia 26 de setembro, às 14h e a participação será mediante inscrições até o dia 22 através do link: http://twixar.me/7Fhm

Conheça os convidados:

Claudio Toscan Júnior: Graduado em Educação Artística  (2004) – habilitação em artes plásticas – licenciatura pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), em Florianópolis / SC ; e acumula inúmeros cursos de aprimoramento profissional. Desde 2011 tem executado painéis de azulejaria e vitrais para igrejas e capelas em diversas cidades de Santa Catarina. A partir de 2013 integra o projeto do projeto “Museus Virtuais”, realizado pelo Instituto Maratona Cultural, como arte-educador e curador. Atualmente atua como professor de desenho, pintura e história da arte em seu próprio atelier em Florianópolis/SC e na Antônio Meneghetti Faculdade em Restinga Seca/RS.

Heitor Lins: Administrador com grande experiência no mercado cultural. É sócio fundador da Harmônica Arte e Entretenimento. Em 13 anos de atuação no mercado cultural, foi coordenador de importantes projetos como: Maratona Cultural de Florianópolis, Orquestra de Baterias, Viagem Teatral, Circuito Cultural, Museus Virtuais, Festival de Teatro Isnard Azevedo. Atualmente é Manager da Banda Dazaranha, sendo responsável pelo DVD Dazaranha 25 anos e Camerata Florianópolis e pela turnê da Banda em Portugal em 2019.  E também é Pai da Maria Flor e do Joaquim.

 Projeto Museus Virtuais: 

Museus Virtuais é um projeto que une tecnologia, cultura, arte e educação e que promove visitas guiadas e orientadas por um arte educador a museus do mundo, disponíveis no engenhoso programa Google Art & Culture,  realizando entre os anos de 2013 e 2019 mais de 200 sessões, impactando diretamente mais de 10 mil pessoas.

De forma gratuita, democrática e acessível, abrangendo um público heterogêneo, plural e de diversas faixas etárias, o projeto possibilita a aproximação da linguagem e a fruição dos bens materiais e imateriais a toda comunidade.

Para ver os outros, siga nossas redes sociais: Instagram | Facebook | YouTube. Nos vemos por lá!

Comemore os 17 anos do Museu WEG

O Museu WEG de Ciência e Tecnologia está completando 17 anos neste mês de setembro.

O Museu WEG de Ciência e Tecnologia está completando 17 anos neste mês de setembro. Já são 17 anos preservando a história da WEG, de seus fundadores e dos processos norteadores que envolvem a energia elétrica. E, tudo o que foi conquistado durante esses anos, precisa ser comemorado com o público: com as crianças e adolescentes, para que desde cedo conheçam essa história, entendam seu valor e enxerguem no museu um espaço de educação e entretenimento, e com os adultos, que veem no museu um espaço de cultura, conhecimento, e em alguns casos até de nostalgia por reconhecerem ali parte de sua história. 

Além disso, com o envolvimento dos professores como peça chave para que a relação museu-escola continue acontecendo. Para juntar todos esses públicos, frente à pandemia, a comemoração este ano acontecerá de forma totalmente on-line. 

Veja como você pode participar da comemoração de 17 anos do Museu WEG!

Concurso de desenho

Que tal criar um desenho que tenha vínculo com a história do Museu WEG e ter ele exposto no acervo do museu por até 1 ano? Para isso, basta soltar a criatividade e fazer um desenho dentro do tema “Comemore conosco os 17 anos do Museu”. Para fazer o desenho, use sua imaginação e criatividade para representar o Museu WEG.

O desenho deve ser enviado para o WhatsApp do Museu (47) 9 9155-6312 até 10 de setembro, ao meio dia. Na semana do aniversário do museu, os melhores desenhos de cada categoria irão para votação pública via stories no Instagram. E sabe o que é mais legal? O desenho mais votado de cada uma das três categorias ficará exposto no museu para contemplação de todos os visitantes.

Para todas as idades! Confira as categorias:

  • Categoria Kids – 4 a 9 anos
  • Categoria Teen – 10 a 17 anos
  • Categoria Adulto – acima de 18 anos.

Atenção ao prazo de entrega!

  • 10/09 Prazo para recebimento dos desenhos via WhatsApp até 12:00 horas.
  • 11/09 Escolha das 4 melhores fotos de cada categoria, formada por uma comissão especial.
  • 14/09 Votação pública – semifinal: votação entre os quatro desenhos de cada categoria.
  • 15/09 Votação pública – final: votação entre os dois desenhos vencedores do dia anterior de cada categoria.
  • 16/09 Divulgação dos vencedores de cada categoria.

Para maiores informações, acesse o edital completo do concurso: 1o Concurso de Desenho do Museu WEG de Ciência e Tecnologia.

Visita virtual on-line

Vamos fazer uma visita guiada ao Museu WEG sem sair de casa? No dia 18 de setembro, às 15h, acontecerá uma visita virtual ao museu, ela será transmitida através do Instagram, sem necessidade de inscrições prévias. Assim, todos os seguidores do museu, de qualquer cidade ou estado, poderão participar e conhecer a exposição.

Nos siga nas redes sociais para não perder as atividades! Nos vemos por lá =)

Facebook | Instagram | Twitter 

Conheça alguns dos museus mais estranhos do mundo

Conheça alguns dos museus mais estranhos do mundo.

Museus têm a finalidade de conservar, estudar e valorizar de diversas maneiras elementos de valores culturais: desde coleções de objetos à narrativa de histórias. Inclusive, pelo mundo afora existem museus dedicados a coleções muito estranhas e curiosas. Uma linha tênue entre bizarrice e diversão.

Mas, independentemente da aparência estranha, todos os museus nos oferecem janelas para a história, nos ligando ao passado e abrindo caminhos para o futuro. Alguns revelam nossas preocupações mais obscuras, nossas ideias mais brilhantes e a infinita criatividade da mente humana. Conheça alguns dos museus mais estranhos do mundo.

Plastinarium – Guben, Alemanha

O Instituto de plastinação Gunther Von Hagens exibe corpos animais e humanos preservados em posições criativas para revelar as complexidades da forma humana.

Após passar 39 anos estudando medicina, dissecção e química, o alemão Gunther von Hagens desenvolveu o método de preservação de corpos chamado plastinação, o método consiste na retirada de água e lipídios do corpo humano ao aplicar polímeros sintéticos no lugar, o que evita que haja a decomposição dos tecidos.

Em Guben, na Alemanha, os visitantes que exploram o Plastinarium recebem uma lição de história da anatomia, testemunham o processo gráfico de plastinação e exposições itinerárias Body Worlds, que foram objeto de vários debates de ética sobre a obtenção de corpos e o tratamento de cadáveres humanos.   

Museu de Ramen Instantâneo de Momofuku – Osaka, Japão

Em 1958, depois de várias experiências em seu quintal, o japonês Momofuku Ando criou as primeiras fórmulas de macarrão instantâneo do mundo, o ramen de frango. O sucesso foi tanto que, os cupnoodles e macarrões instantâneos representam a cultura alimentar japonesa mundo afora e também ganharam um museu.

O Momofuku Ando Instant Ramen Museum documenta este capítulo da cultura culinária do Japão, o espaço mostra aos visitantes os diversos pacotes de macarrão instantâneo que existem pelo mundo, que também podem experimentar edições limitadas da marca Hokkaido and Tohoku e até criar sua própria embalagem na “A Minha Fábrica de Noodles Instantâneos”. A exposição Túnel de Noodles Instantâneos exibe aproximadamente 800 pacotes de noodles, mostrando a evolução do ramen ao longo de décadas.

Museu do Espião – Washington, Estados Unidos

O  Museu Internacional de Espionagem em Washington D.C. contém a maior coleção pública de artigos de espionagem. Minicâmeras, dinheiro falso, armas camufladas, máquinas de criptografia, entre mais de 200 artefatos usados por agentes da CIA e do FBI, mostram a inteligência humana e dos espiões ao longa da história.  

Além disso, algumas seções exclusivas do museu só podem ser exploradas por meio de técnicas de espionagem, aprendidas em workshops, é necessário entrar na história como um verdadeiro James Bond.

Museu das Múmias – Guanajuato, México

Na pequena cidade de Guanajuato — Patrimônio Mundial da UNESCO — centenas de corpos foram enterrados nas criptas do panteão de Santa Paula em meados do século XIX. Isso, porque se as famílias não conseguissem pagar os impostos funerários de seus entes queridos, teriam de abrir mão dos corpos para serem exumados.

Ao desenterrarem os corpos, foi descoberto que eles estavam mumificados através de um processo natural, provavelmente por fatores climáticos da região. Agora, esses cadáveres, incluindo os de crianças, são itens de exposição do Museo de Las Momias, ou Museu das Múmias de Guanajuato. Você teria coragem de fazer uma visita?

Museu Subaquático de Arte – Cancún, México

Que tal um museu no fundo do mar? Cancún, uma das cidades mais turísticas da América Central, ganhou em 2009 um museu imerso nas águas azuladas de suas praias paradisíacas. O Museu Subaquático de Arte (MUSA) conta com mais de 500 esculturas em tamanho real fixadas no fundo do mar.

As artes oceânicas, que retratam construções, carros, pessoas, animais e objetos, funcionam como um recife artificial feito especialmente para promover o crescimento de corais da região, que transformam continuamente a paisagem aquática. Os visitantes podem explorar o museu a bordo de um barco com fundo de vidro, por mergulho ou snorkeling.

Sulabh Museu Internacional de Privadas – Nova Delhi, Índia

Na agitada capital da Índia existe um museu que detalha a história da higiene e saneamento de 2500 a.C. até a atualidade. Aberta por Bindeshwar Pathak em 1970, a Fundação Sulabh reúne mais de 50 mil voluntários dedicados a difundir o uso de vasos sanitários pela Índia.

Das casas de banho douradas dos imperadores romanos às latrinas medievais, o museu documenta a evolução dos sanitários ao longo das eras. Como se os bacios com pinturas intrincadas não fossem suficientes, o museu também tem em seu acervo  uma coleção de raros poemas de latrina.

Museu da Tortura – Amsterdam, Holanda

A linda Amsterdam abriga o sinistro Museu da Tortura. Nele os visitantes fazem uma viagem através do tempo para um período obscuro na Europa, onde torturas e execuções eram comuns e aceitas pelas leis.

Entre os mais de 40 instrumentos de tortura expostos com tutoriais que explicam cada uma das histórias e seu uso na sociedade, há uma cadeira da inquisição coberta de espinhos e espadas que eram usadas para decapitação. O espaço também educa estudantes sobre as torturas que ainda são praticadas até hoje em quase 100 países — e oferece apoio à Convenção Contra a Tortura das Nações Unidas.

Museu de Marionetes Vent Haven – Fort Mitchell, Estados Unidos

Instalado no estado de Kentucky, o museu foi iniciado por William Shakespeare Berger, em 1910, quando comprou seu primeiro boneco de marionete: Tommy Baloney. Em 1947, a coleção já tinha crescido tanto que Berger renovou a sua garagem para albergar as personagens e, em 1962, teve de construir um segundo edifício.

Hoje, o museu conta com mais de 800 bonecos, livros históricos, fotos e playbills. O museu também abriga o ConVENTion, um evento anual de ventríloquos que atrai profissionais e entusiastas do mundo inteiro. O Museu Vent Haven é o único desta modalidade no mundo.

Museu do Cabelo – Avanos, Turquia

Conhecida por muitas coisas maravilhosas, como o Castelo Uchisar, as belíssimas chaminés de fadas e lojas de cerâmica, a região da Capadócia, na Turquia, abriga o Avanos Hair Museum – o único museu do mundo que exibe uma coleção exclusiva de cabelos humanos. Embora as paredes cobertas de fios possa dar uma impressão esquisita, a história original do lugar é emocionante.

O dono da coleção, Galip Körükçü, especialista local em cerâmica, recebeu uma mecha de cabelo de sua amiga íntima como lembrança antes de deixar a cidade. Körükçü resolveu pendurar o presente em sua loja. Ao longo dos anos, quando as visitantes ouviam sua comovente história, passaram a cortar e dar seus próprios cachos de cabelo como um sinal de bondade. Hoje, o museu tem mais de 16 mil mechas de cabelo em exposição, doadas por mulheres de todo o mundo.

E você, conhece algum outro museu estranho? Conta pra gente 😉

Estamos longe de conseguir usar o teletransporte?

Seja para estar perto de alguém ou fazer uma viagem rápida, quem nunca desejou se teletransportar para algum lugar distante?

Seja para estar perto de alguém ou fazer uma viagem rápida, quem nunca desejou se teletransportar para algum lugar distante? Encarado como um mito popular, o teletransporte é o tipo de coisa que a gente só ouve falar ou vê em séries, filmes e desenhos animados. Uma das primeiras aparições desta tecnologia aconteceu no seriado Star Trek (Jornada nas Estrelas) na década de 60. Na série a nave USS Enterprise podia enviar seus tripulantes para os planetas em que passavam.

A tecnologia consiste na desmaterialização de um objeto e o envio de suas configurações atômicas para sua rematerialização em outro local e, a verdade, é que o teletransporte já existe, ele só não é tão legal como nos filmes — mas é um pequeno passo (um nanopasso!) para ficarmos mais perto desta tecnologia. 

Em Star Trek o teletransporte de pessoas é possível

Teletransporte quântico

O maior sucesso envolvendo o teletransporte tem a ver com o mundo quântico. Com base nas descobertas de Niels Bohr e outros cientistas, o teletransporte quântico é baseado no comportamento das partículas subatômicas que compõem um átomo. O fenômeno, chamado entrelaçamento quântico, une as propriedades das partículas mesmo quando elas estão separadas, ou seja, duas partículas são geradas juntas e interagem uma com a outra de uma maneira que o estado quântico de uma não pode ser separado do estado da outra. Independente da distância entre elas, a comunicação instantânea de informações pode ser muitas vezes mais rápida que a velocidade da luz. Esse tipo de teletransporte foi comprovado dezenas de vezes desde a década de 90.

Um grupo de cientistas do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologias (NIST) dos Estados Unidos conseguiu avançar um pouco mais e teletransportar uma pequena operação lógica quântica entre dois íons separados. É algo bastante diferente e distante de sumir em um lugar e reaparecer em outro, como na ficção científica. Mas é um ótimo exemplo de como a ciência alcança feitos fascinantes. 

O experimento, que contou com a participação da professora Hilma Vasconcelos, da Universidade Federal do Ceará, conseguiu teletransportar uma operação lógica “NOT controlada” (CNOT) entre 2 qubits de íons de berílio situados a mais de 340 micrômetros. Apesar de parecer “quase nada”, essa distância é suficiente para excluir qualquer interação direta entre os íons. Nesse caso, as informações foram transferidas para os íons de berílio através de um par mensageiro de íons de magnésio entrelaçados. Depois do experimento, a operação lógica continuou funcionando em até 87% das vezes.

Entrelaçamento quântico revoluciona comunicação e segurança

É um avanço para teletransportar pessoas? Ainda não. Esse é um avanço para o desenvolvimento de computadores quânticos, porque a eficiência deles depende da capacidade de realizar operações entre qubits em redes de larga escala.

Mas e o teletransporte de pessoas?

Ok, podemos pegar uma partícula em um local e, em certo sentido, criar uma nova versão idêntica e absoluta, exatamente as mesmas propriedades, exatamente o mesmo estado quântico em outro local.  Mas quando o assunto é teletransportar uma pessoa tudo fica mais complicado. Imagine que cada partícula do corpo precisaria ser traduzida em informação — até os átomos, seriam trilhões de partículas destrinchadas e enviadas de um ponto ao outro. Esses dados seriam transmitidos para um receptor localizado onde a pessoa quisesse ser enviada, iniciando o entrelaçamento quântico. Ou seja, o transmissor teria um monte de partículas entrelaçadas, cada uma sendo metade de um par entrelaçado, e o receptor teria a outra metade das partículas entrelaçadas.

O transmissor, então, enviaria seus dados para o receptor emparelhado em qualquer lugar do mundo, simplesmente digitando seus dados nos estados quânticos das partículas entrelaçadas. O receptor por sua vez “receberia” a pessoa digitalizada e a usaria como um plano para reconstruir seu corpo exatamente como foi enviado, partícula por partícula.

Só que essa reconstrução é um dos pontos mais problemáticos. A equipe da IBM que provou que esse método poderia funcionar não traz boas notícias. O Princípio de Incerteza de Heisenberg determina que, para analisar cada partícula em seu corpo original, seu corpo é interrompido. Ou seja, para ser teletransportado seria necessário morrer ou considerar perder partes nessa “viagem”, já que a configuração única de neurônios de cada cérebro é extremamente complexa.

O desafio seria recriar uma pessoa exatamente como ela era. O scanner quântico no transmissor teria que registrar a posição precisa, o movimento, a orientação e a ligação química de cada átomo em seu corpo. Como se não bastasse tanta dificuldade, alguns especialistas acreditam que as características cognitivas (ideias e lembranças, por exemplo) não poderiam ser transportadas dessa maneira.  A ação parece exigir uma solução quântica, por isso, os computadores quânticos podem ser exatamente o que precisamos para desenvolver técnicas mais seguras de teletransporte humano.

***

Aparentemente o teletransporte de pessoas é algo beeem distante da nossa realidade, mas o teletransporte de informações já revolucionou a nossa vida. O desenvolvimento tecnológico fez possível a troca de imagens, voz e documentos a milhares quilômetros de distância, como antes nunca se imaginou. Que os estudos continuem!

Bombeamento de água através da energia solar: uma solução para lugares remotos

O bombeamento solar é uma solução para todos, sendo uma excelente opção para a agricultura e pecuária, mas ela também ganha destaque em lugares isolados.

O bombeamento solar é uma solução para todos, sendo uma excelente opção para a agricultura e pecuária, mas ela também ganha destaque em lugares isolados, onde é preciso bombear água mas a energia elétrica não chega.

Existem muitas pessoas mundo afora que ainda não possuem acesso a energia elétrica ou à água. Por vezes, para ter acesso à água é preciso tirá-la de um poço, com muito esforço físico ou sistemas arcaicos e poluentes. O bombeamento solar permite que essas pessoas possam ter acesso a água de uma maneira muito mais fácil, usando energia renovável.

O bombeamento solar é uma técnica que permite a extração de água do subsolo através da energia solar fotovoltaica. A mesma que muitas empresas e residência vêm utilizando para gerar energia através da luz do sol. O objetivo é garantir acesso à água mesmo nas zonas distantes dos cursos de água, onde os recursos hídricos não se encontram ou não podem ser acessados com facilidade, assim como para áreas agrícolas e remotas que não permitem infraestruturas adequadas. 

O sistema pode ser utilizado em diversos setores como: residencial, irrigação (agricultura), pecuária, artesanato, indústria, combate a incêndios e purificação.

Vantagens do bombeamento solar

Geralmente, nas áreas isoladas a alimentação do sistema de bombeamento ainda passa por grupos geradores, que apresentam combustíveis caros, manutenção difícil e alta poluição. Como o bombeamento solar utiliza uma fonte de energia renovável e completamente sustentável, ele permite reduzir a utilização de combustíveis fósseis com alta emissão de CO2. As principais vantagens de um sistema de bombeamento solar são:

  • Eliminação dos custos de combustível, pois utiliza a luz solar, sempre disponível;
  • Possui longa duração de vida;
  • O sistema é confiável e durável;
  • É fácil para utilizar e manter;
  • Garante o retorno do investimento inicial;
  • É sustentável.

O vídeo abaixo, do canal da ONU, mostra de forma simples e intuitiva as vantagens e o funcionamento do bombeamento solar, olha só:

Como funciona o sistema de bombeamento alimentado por energia solar?

O ponto de partida são os raios solares, que irradiam os módulos. Ao converter a luz solar em eletricidade, o sistema aciona uma motobomba que puxa a água de poços, cursos de água, pântanos ou lagoas. A água bombeada vai para um lugar de armazenamento, geralmente colocado a uma certa altura (barragem, cisterna, reservatório, etc), a partir da qual será redistribuída pela força da gravidade.

É necessário analisar e compreender as necessidades de cada local, conforme o consumo de água, as exigências e a área de uso. Bombeamento para irrigação, por exemplo, pedirá um sistema diferente, talvez mais poderosos, do que sistemas para uso doméstico. Os fatores climáticos também devem ser avaliados.

É muito difícil que sistemas fotovoltaicos, qualquer que sejam as condições atmosféricas, fiquem inativos durante o dia: sempre vai ter radiações solares, até mínimas, para alimentá-los. Contudo, é necessário lembrar que as usinas, independentemente de sua localização, sempre precisam de manutenção, ou seja, limpeza periódica dos módulos.É muito bom ver que os antigos sistemas, geralmente poluentes, estão sendo substituídos por sistemas renováveis, não é mesmo? Se você quer saber mais detalhadamente sobre o que é e  funciona um sistema solar fotovoltaico, dê um pulinho neste artigo que escrevemos para você!

A física explica: por que às vezes levamos “choque” ao encostar em um objeto ou pessoa?

Já aconteceu com você de tocar em alguma pessoa ou objeto e levar um choque que, às vezes, chega até a soltar faíscas?

Já aconteceu com você de tocar em alguma pessoa ou objeto — como uma maçaneta ou registro do chuveiro —  e levar um choque que, às vezes, chega até a soltar faíscas? Isso acontece devido à eletricidade estática, a mesma que faz seu cabelo ficar meio arrepiado de vez em quando.

A gente não percebe, mas o corpo humano é um bom condutor de eletricidade, ou seja, permite que cargas elétricas (os elétrons) se movimentem livremente, possibilitando a passagem de corrente elétrica. O tempo todo estamos nos carregando e descarregando. Muitas vezes nosso corpo fica tão eletrizado (com acúmulo de elétrons) que acaba descarregando essa energia no primeiro objeto condutor (metal ou o corpo de outra pessoa, por exemplo) que aparece pela frente.

Quando o corpo possui a mesma quantidade de prótons e elétrons, estamos neutros e não saímos dando ou levando choques por aí, mas quando a carga estática de uma pessoa está diferente da de outra ou do objeto que ela toca, ou seja, um está mais carregada que a outra, o contato resulta em troca de cargas elétricas, de onde vem o famoso choquinho! Esse processo de perda ou ganho de elétrons chama-se eletrização. A sensação não traz maiores danos porque a corrente gerada é muito baixa. 

Apesar de não terem uma época certa para acontecer, os choques deste tipo são mais comuns nas estações mais secas e no inverno, quando muita gente usa roupas de lã sintética, material que mantém a carga elétrica. Quando a pessoa está descalça, essa corrente é liberada aos poucos e não chega a ser percebida e, quando pessoa está com um calçado com solado de borracha, que serve como isolante, ela acumula maior carga. Nesse caso, um simples aperto de mão em outra que não tem a mesma carga estática pode fazer com que ambas sintam um leve choque, pois o excedente de carga em uma das pessoas se distribui, passando parcialmente para a outra.

A maçaneta do carro é outro lugar muito comum de sentirmos a sensação. Isso, porque o carro acumula carga ao se movimentar e o atrito com o ar faz com que a carga elétrica fique na superfície externa do carro, que é de metal, se estivermos com acúmulo de carga elétrica, ao tocarmos na porta do automóvel podemos sentir o choque.

Algumas pessoas podem levar choques ao encostar na porta de um automóvel

O choque é o mesmo para todo mundo?

Não, a intensidade pode variar de pessoa para pessoa. Sendo de maior intensidade e dor. A explicação é a resistência do circuito e até a parte do corpo que foi exposta ao choque. Cada pessoa apresenta uma resistência diferente, pois cada indivíduo é composto por proporções diferentes entre os tecidos que formam o corpo.

O valor mínimo de corrente que uma pessoa pode perceber é de 1 miliampère. Já, com uma corrente de 10 miliàmperes, a pessoa perde o controle dos músculos, sendo difícil abrir as mãos para se livrar do contato. 

Apesar de não poder evitar, se isso te incomoda, a dica é aumentar a área de contato. Por exemplo: em vez de encostar um dedo, encoste a mão inteira, o braço ou a perna, isso aumentará a área de transição e fará com que você sinta menos. Apesar de ser uma sensação estranha, não se preocupe, a corrente desse tipo de choque é muito pequena e não te faz mal.  😉

Conheça os diferentes tipos de lâmpadas

Você conhece os diferentes tipos de lâmpadas e qual é o melhor jeito de descartá-las?

Quando vamos comprar uma lâmpada nos deparamos com diferentes tipos, voltagens, formatos e cores. São lâmpadas incandescentes, halógenas, fluorescentes e LED, cada uma com suas características, durabilidade e preço. Além de serem essenciais para nossas residências, elas também funcionam como decoração. Hoje vamos falar sobre os tipos de lâmpadas, quais trazem diferenças significativas no ambiente e também na conta de luz.

 

1 . Lâmpada incandescente

incande

Inventada pelo Thomas Edison em 1879, foi o primeiro modelo que permitiu usar a eletricidade para a geração de luz. Por serem os modelos mais baratos, as lâmpadas incandescentes ainda são muito procuradas no país. Porém, elas não são muito econômicas. Por converter a energia em luz e calor, esse tipo de lâmpada consome mais. Apenas 5% da energia gerada é convertida em luz. Os 95% restantes são transformados em calor, explicando o grande desperdício que geram. A média de vida é de 750 horas, durabilidade considerada baixa por conta do rápido desgaste do filamento de tungstênio. Ela não é mais fabricada desde 2016.

 

Vantagens da lâmpada incandescente:

  • É mais barata
  • Gera muita luz

 

Desvantagens da lâmpada incandescente:

  • Esquenta muito
  • Consome mais energia elétrica
  • Tem vida útil reduzida


2. Lâmpada halógena

halog

Desenvolvidas em 1955 pelos engenheiros da Philips, as lâmpadas halógenas são um tipo de lâmpada incandescente, só que mais eficientes, possuem filamento de tungstênio, normalmente envolvido por quartzo — diferentemente das lâmpadas comuns, em que o filamento fica livre. Isso significa que o seu processo de iluminação é diferenciado e mais eficiente. A lâmpada halógena possui uma potência superior e gera mais calor comparada à lâmpada de LED. Parte desse calor é jogada para o ambiente, o que aumenta a temperatura do local. Estima-se que as lâmpadas halógenas durem 2000 horas, podendo chegar até 5000 horas.

 

As principais características das lâmpadas halógenas são a aparência natural que ela traz ao ambiente com uma luz branca e brilhante, se assemelhando à iluminação natural e mantendo maior fidelidade das cores. Esse tipo de lâmpada tende a ser mais barata e é encontrada em vários modelos.

 

Vantagens das lâmpadas halógenas:

  • Alto índice de reprodução de cores;
  • Variedade de formatos;
  • Lâmpadas compactas e de elevada intensidade luminosa.

 

Desvantagens das lâmpadas halógenas:

  • Elevado consumo;
  • Baixa durabilidade, comparada com outras tecnologias de iluminação, como a LED;
  • Elevado aquecimento, podendo ser um problema conforme o local de instalação.

 

3 . Lâmpada fluorescente

fluo

Criada em 1895 por Nikola Tesla. Esse tipo de lâmpada pode ser tubular ou compacta, é 80% mais econômica e dura quase 10 vezes mais que a incandescente. Nela, a corrente elétrica emite radiação ao passar por uma mistura de gases e vapor de mercúrio, que fica dentro do tubo. Esse tubo é revestido por um fósforo que transforma a radiação em luz visível. Fornece Luz agradável com temperatura de cor que pode variar de 2.700K (luz quente) até 6.500K (luz fria). Sua média de vida é de 8.000 horas e, apesar do custo ser quase 5 vezes mais do que as incandescentes, duram mais e são mais eficientes. Você pode economizar até 80% na conta de luz ao substituir uma lâmpada incandescente de 60W de potência por uma fluorescente de apenas 15W.

 

Vantagens da lâmpada fluorescente:

  • É mais eficiente energeticamente;
  • Consome menos energia do que as incandescentes;
  • Emite luz branca;
  • Apesar de ser mais cara, ainda é acessível;
  • Pode ser encontrada em vários modelos.

 

Desvantagens da lâmpada fluorescente:

  • Altamente poluente por ter mercúrio e fósforo, logo seu descarte deve ser feito em empresa especializada;
  • Apesar de mais econômica, consome muita energia elétrica se comparada com os modelos de LED, por exemplo.

4 . Lâmpada LED

led

Inventadas em 1961 por Robert Biard e Gary Pittman, as lâmpadas de LED são as mais modernas do mercado. São totalmente eletrônicas, compostas de um ou mais diodos emissores de luz, ou seja, semicondutores elétricos fabricados com arseneto de alumínio e gálio, entre outros, que ao receberem energia elétrica, convertem-na em luz, gerando bem menos calor do que as lâmpadas incandescentes, o que representa menos perdas. Esse modelo chega a durar até 50 vezes mais que a incandescente e proporciona economia de até 80% na conta de luz. A versatilidade, a alta eficiência energética e a altíssima durabilidade são os benefícios mais consagrados do LED.

 

Vantagens das lâmpadas de LED

  • É muito econômica;
  • Não emite calor e portanto é considerada uma lâmpada fria;
  • Tem longa durabilidade;
  • Há vários modelos e várias aplicações.

 

Desvantagens das lâmpadas de LED

  • O custo é bastante elevado se comparado com os demais modelos. Mas a longevidade justifica o custo; 
  • Gera pouca luminosidade e portanto é preciso de mais lâmpadas para o mesmo efeito.

 

Bônus: Lâmpada de Filamento

filamento

Inspirada nas primeiras lâmpadas criadas por Thomas Edison no final do século XIX, as queridinhas dos amantes da decoração possuem um estilo retrô e filamentos de carbono que formam diversos desenhos dentro do bulbo de vidro, dando charme para as lâmpadas. Elas transformam o local, sendo utilizadas em luminárias, lustres e pendentes. Por consumirem bastante energia elétrica, não devem ser usadas como iluminação principal de um ambiente, apenas com um toque decorativo. 

 

Uma lâmpada muito antiga

No acervo do Museu WEG você pode ver uma lâmpada de 1890 que pertencia a um dos donos da WEG, o Sr. Werner. Ela é composta por uma base em alumínio dourado rosqueado, um bulbo de vidro contendo gás inerte ou vácuo em seu interior para proteger o filamento de carbono de alta resistência muito fina que, aquecida acima de aproximadamente 900K, passa a emitir luz, inicialmente bastante avermelhada e fraca, passando ao alaranjado e alcançando o amarelo, com uma intensidade luminosa bem maior, ao atingir sua temperatura final, próximo do ponto de fusão do carbono, que é de aproximadamente 3800K.


image

Lâmpada de 1890 – acervo do Museu WEG

 

Descarte correto

Quando é necessário fazer o descarte de uma lâmpada, é comum termos dúvida sobre o modo de descartar: podemos jogar as lâmpadas no lixo comum? Além do perigo que o vidro pode causar para os garis, algumas lâmpadas como as fluorescentes possuem substâncias tóxicas que são prejudiciais à saúde e ao meio ambiente.

Todos os componentes das lâmpadas são reaproveitáveis: vidro, metal e os componentes químicos. Quando estes materiais são separados adequadamente e descontaminados, conforme determinado em legislação ambiental específica, eles podem ser reaproveitados. 

Tanto os fabricantes quanto as lojas que vendem lâmpadas devem possuir postos para a coleta e o descarte correto das mesmas. Então, não deixe que este material seja levado para aterros comuns, quando for comprar uma nova lâmpada, encaminhe as velhas ou queimadas para o descarte correto.

 

Museus na era digital

Estamos na era digital e os museus tradicionais precisam se transformar e criar novas formas de apresentar seus conteúdos e engajar seus visitantes.

Com o advento da tecnologia mudamos a maneira e a velocidade que nos relacionamos com as pessoas e também com os lugares — restaurantes, lojas, universidades e espaços culturais estão descobrindo novas maneiras de atuar, reinventando seus serviços a fim de acompanhar esse novo ritmo. É porque, enquanto o mundo vem se transformando por meio dos avanços tecnológicos e da hiperconexão, cabe a nós a inclusão e criação de experiências agradáveis para quem nasceu numa época onde o digital era apenas uma previsão do futuro, e para quem nasceu numa época onde o digital está presente desde o seu primeiro dia de vida. 

 

Não dá para negar. Estamos na era digital e os museus tradicionais precisam se transformar e criar novas formas de apresentar seus conteúdos e engajar seus visitantes. O que estamos vendo hoje é a inclusão da linguagem interativa, recursos multimídia, realidade aumentada, a união das experiências digitais em espaços físicos e o trabalho em rede entre os museus. Além disso, as instituições também contam com novas formas de realizar seus serviços burocráticos de gestão e salvaguarda do acervo. 

IMG_7056O Museu WEG se preocupa em atender uma geração que já nasceu conectada

 

As tendências para o museu da era digital abrangem o desenvolvimento de médio a longo prazo na sociedade, tecnologia, economia, meio ambiente e política e são identificadas como:

 

Diversificação de Conteúdo

Enquanto as pessoas têm cada vez mais acesso ilimitado à informação, como é possível que os museus apresentem seus conteúdos de maneira atrativa? Como falamos no início do texto, é preciso atender uma população em envelhecimento no meio de um número crescente de Millennials (a geração da internet), logo, é preciso diversificar o conteúdo a fim de atender as necessidades dos que esperam interfaces digitais como parte de sua experiência de usuário e aqueles que podem preferir uma experiência mais tradicional.

virtual1No Museu WEG, o virtual e o tradicional se complementam

 

Experiências imersivas

O avanço da tecnologia e serviços digitais já transformou o modo como interagimos e vivenciamos as experiências em espaços físicos. Estamos migrando para ambientes híbridos, onde as tecnologias digitais e o espaço tradicional se encontram para criar experiências imersivas. Com os dados gerados pelos visitantes, os museus podem continuar a melhorar e aprimorar suas experiências e exposições.

 

Espaços sustentáveis e abertos

Os museus devem considerar a importância de seu papel na criação de espaços públicos, incentivando o intercâmbio cultural entre visitantes tão distintos em idade, habilidades e origens sociais e econômicas. Aqui entram as questões ambientais, de segurança, acesso e inclusão universal. É preciso pensar no conforto e no local de fala das pessoas, permitindo que o público tenha uma experiência completa, sem esquecer dos impactos no ecossistema.

passeioNo site do Museu WEG o visitante pode fazer um passeio virtual por todas as salas do museu museuweg.net/tour-virtual 

 

Sites, exposições interativas e redes sociais, quando falamos de experiências digitais, é importante lembrar que a experiência digital não substitui a real. Um objeto não deixa de existir no museu, mas passa a existir também em um ambiente virtual, onde pode ser visto por um número muito maior de pessoas, possibilitando a democratização do conhecimento. O museu que disponibiliza seu acervo on-line não transferiu a experiência para o universo tecnológico, mas agregou novos olhares à visitação.

 

Hoje, os visitantes buscam uma participação mais ativa na visita aos museus — que não precisam deixar de ser o que são, mas devem agregar experiências que ofereçam inclusão e contem histórias memoráveis.

 

Fontes: Triscele | Revista Museu