Categoria: Tecnologia

Como funciona o helicóptero?

Descubra como funciona a aeronave mais versátil e amplamente utilizada no mundo.

Podemos dizer que o helicóptero é um avião com asas móveis: as hélices (que também chamamos de rotor). E, diferentemente do avião, que só se desloca para a frente, ele pode pairar no ar, fazer manobras suaves para qualquer direção e até andar de ré, porque suas pás estão sempre em movimento. Para que esse tipo de manobra saia bem, não é nada simples, já que a tendência natural do impulso provocado pela rotação das hélices (o chamado torque) seria fazer a nave sair rodopiando como um pião. É por isso que existe uma segunda hélice que gira em pé e produz uma força lateral: para contrabalancear o rotor da cauda e deixar seu “corpo” parado enquanto as hélices giram.

Como funcionam as hélices do helicóptero?

  1. As lâminas têm a forma de perfis aéreos (asas de avião com perfil curvo), de modo que geram elevação ao girar.
  2. Cada lâmina pode girar sobre uma dobradiça emplumada.
  3. Os links verticais  empurram as lâminas para cima e para baixo, tornando-os giratórios. Os links de passo movem-se para cima e para baixo, de acordo com o ângulo das placas swash.
  4. O mastro do rotor (um eixo central conectado ao motor pela transmissão) faz girar todo o conjunto da lâmina.
  5. A tampa do cubo do rotor (acima dos rotores) ajuda a reduzir o arrasto aerodinâmico.
  6. Existem dois motores turbo-eixo, um em cada lado dos rotores. Se um motor falhar, ainda deve haver energia suficiente do outro motor para aterrar o helicóptero com segurança.

Por que o helicóptero não sai rodopiando?

“Para toda ação, sempre há uma reação oposta de mesma intensidade.” A Terceira Lei de Newton pode ser aplicada de forma simples no funcionamento de um helicóptero. 

Seguindo a lei, quando a hélice principal começa a girar (ação), a fuselagem tende a girar em igual intensidade no sentido oposto (reação). Essa força é conhecida como torque.

Para combater essa reação, Igor Sikorsky, o criador do helicóptero, teve a genialidade de instalar uma hélice na cauda da nave, que também fornece controle direcional. O funcionamento da hélice da cauda é semelhante ao da principal, exceto que elas podem ser inclinadas. O movimento da hélice na cauda evita que o torque comprometa o voo da aeronave, fazendo com que o piloto tenha condições necessárias para fazer movimentos de emergência.

A aeronave mais versátil e amplamente utilizada no mundo

Ao longo dos anos, as inovações em design de helicópteros tornaram as máquinas mais seguras, mais confiáveis ​​e fáceis de controlar. Por possuírem atributos diferentes do avião, por exemplo, eles podem ser utilizados em áreas congestionadas ou isoladas em que as aeronaves de asa fixa não seriam capazes de pousar ou decolar. A capacidade de pairar por longos períodos de tempo e de decolagem e aterragem vertical permite aos helicópteros realizar tarefas que outras aeronaves não são capazes.

Por isso, hoje, os helicópteros são utilizados para fins militares e civis, como transporte de tropas, apoio de infantaria, combate a incêndios, resgates, operações entre navios e equipes entre plataformas petrolíferas, transporte de empresários, evacuações sanitárias, guindaste aéreo, polícia e vigilância de civis, transporte de bens etc.

Fonte: Canal Piloto

Primeiras imagens do acelerador de partículas Sirius são de proteínas do novo coronavírus

Os detalhes obtidos podem auxiliar na compreensão do vírus e no desenvolvimento ou melhoramento de remédios contra o COVID-19.

Aceleradores de partículas são laboratórios onde partículas que compõem os átomos – como prótons e elétrons – são aceleradas a velocidades próximas à da luz. A utilização desse tipo de equipamento é muito importante, afinal, somente com ele é possível quebrar partículas incrivelmente densas e milhões de vezes menores que o átomo. Essas pesquisas são importantes para nossa constante evolução e para o descobrimento de curas para doenças, por exemplo. Quer entender mais sobre esses super laboratórios? Leia nosso artigo sobre aceleradores de partículas.

O maior investimento da ciência brasileira, Sirius, terminou de ser construído a pouco tempo, em Campinas (SP) e entre seus primeiros experimentos, estão imagens em 3D de estruturas de proteínas de SARS-CoV-2, os detalhes obtidos podem auxiliar na compreensão do vírus e no desenvolvimento ou melhoramento de remédios contra o COVID-19.

Esses primeiros experimentos fazem parte de um esforço do Centro Nacional de Pesquisa em Energias e Materiais (CNPEM) para disponibilizar uma ferramenta de ponta à comunidade científica brasileira dedicada a pesquisas com SARS-CoV-2. 

Dentre as 13 estações de pesquisa do Sirius previstas para a 1ª fase do projeto, duas tiveram as montagens priorizadas desde o início da pandemia, por permitirem estudos sobre o vírus e suas intenções com as células humanas: o MACANÁ e o CATERETÊ.

Sirius: acelerador de elétrons revela detalhes do coronavírus

Ao analisar uma proteína já conhecida, os profissionais puderam validar o funcionamento do MACANÁ. Para constatar que estação está dentro dos parâmetros projetados e gerando resultados confiáveis, a pesquisa foi feita com proteínas bem conhecidas (como a lisozima, presente na nossa lágrima e saliva). Após reproduzir as medidas esperadas e verificar a boa performance da máquina, seguiu-se para os experimentos reais, com cristais de proteínas do SARS-CoV-2. 

Oportunidade para pesquisadores do país

Com os testes realizados e validados, o CNPEM, que abriga o Sirius, passa a receber propostas de cientistas interessados em usar a estrutura para avançar em estudos para o enfrentamento da pandemia. Contribuir de forma direta nessa corrida global da ciência por conhecimento sobre o SARS-Cov-2 empolga os pesquisadores, que têm ferramentas e estrutura em mãos.

Com a obtenção de dados confiáveis e competitivos, serão aprofundados os estudos em biologia molecular e estrutural que integram a força-tarefa contra coronavírus. Grupos de pesquisadores estão mobilizados para investigar os mecanismos moleculares relacionados à atividade dessa proteína, buscar inibidores de sua atividade, estudar outras proteínas virais e gerar conhecimentos que podem apoiar o desenvolvimento de medicamentos contra a doença.

José Roque, diretor-geral do CNPEM e do projeto Sirius, destaca que, em resposta à uma situação emergencial, a comunidade científica está sendo chamada a apresentar suas propostas de pesquisa em SARS-CoV-2. Para utilizar o Sirius, as propostas de pesquisa da comunidade científica passarão por uma avaliação técnica dos especialistas do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron. 

Essa é uma condição de pesquisa inédita para os pesquisadores do país. Tanto falamos da importância da ciência e tecnologia para a solução de problemas, e agora temos acesso a uma máquina avançada, projetada por brasileiros e construída em parceria com a indústria nacional. Isso tudo reforça a importância da ciência para a solução dos nossos problemas e as capacidades que temos no Brasil. Um salve à ciência e tecnologia!

Fontes: G1 | CNPEM | Super

Conheça a história do primeiro site publicado

O primeiro site do mundo está completando quase 30 anos, conheça!

Todos os dias a internet recebe novos sites. Existe uma infinidade deles, de vários assuntos e para todos os gostos. Mas você já parou para pensar qual foi o primeiro site a ser publicado?

O primeiro site do mundo está completando quase 30 anos, foi criado em 06 de agosto de 1991 por Tim Berners-Lee, físico do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN), responsável por inventar a World Wide Web (WWW) em 1989 e considerado o pai da Web.

A página nomeada de “The Project” foi hospedada originalmente em um computador NeXT (marca criada por Steve Jobs, em 1985) que pertencia ao cientista britânico e ainda hoje pode ser acessada. O site conta com a descrição dos principais fundamentos da World Wide Web.

O objetivo inicial da WWW era permitir que os profissionais do CERN trocassem informações científicas a partir de seus próprios computadores. Assim, eles não precisariam necessariamente estar no mesmo espaço físico para saber sobre o andamento de um projeto, bastando apenas estar conectado ao servidor online.

Na página, os internautas podiam buscar informações sobre os códigos necessários para criar um site semelhante, os softwares utilizados, referências bibliográficas e também o contato das pessoas envolvidas no projeto. A página também serviu como demonstração de hipertextos aplicados à Internet. Bem antes, em 1980, Berners-Lee já tinha sugerido utilizar o conceito para facilitar o compartilhamento de informações. Hoje, é impossível imaginar a Internet sem os hiperlinks.

Esqueça imagens, vídeos ou animações. Em 1991 a Internet era assim: 

O The Project entrou no ar em 6 de agosto de 1991

O primeiro site do mundo ainda é mantido pelo CERN e, além dos conceitos de W3, protocolos e também de detalhes acerca dos componentes que compõem a internet, uma lista completa sobre as referências do estudo e a relação das pessoas envolvidas com o projeto que deu forma à internet podem ser acessados através do endereço.

Triste com os rumos da Web, Tim Berners-Lee quer “redescentralizar ...
Tim Bernes-Lee, criador do primeiro site

Hoje, o órgão de pesquisas dedica seus esforços para o estudo do comportamento de partículas. Berners-Lee ainda se mantém na ativa e luta contra políticas de censura na web adotadas por governos. A defesa pela neutralidade da rede é outra das bandeiras do cientista.

Estamos longe de conseguir usar o teletransporte?

Seja para estar perto de alguém ou fazer uma viagem rápida, quem nunca desejou se teletransportar para algum lugar distante?

Seja para estar perto de alguém ou fazer uma viagem rápida, quem nunca desejou se teletransportar para algum lugar distante? Encarado como um mito popular, o teletransporte é o tipo de coisa que a gente só ouve falar ou vê em séries, filmes e desenhos animados. Uma das primeiras aparições desta tecnologia aconteceu no seriado Star Trek (Jornada nas Estrelas) na década de 60. Na série a nave USS Enterprise podia enviar seus tripulantes para os planetas em que passavam.

A tecnologia consiste na desmaterialização de um objeto e o envio de suas configurações atômicas para sua rematerialização em outro local e, a verdade, é que o teletransporte já existe, ele só não é tão legal como nos filmes — mas é um pequeno passo (um nanopasso!) para ficarmos mais perto desta tecnologia. 

Em Star Trek o teletransporte de pessoas é possível

Teletransporte quântico

O maior sucesso envolvendo o teletransporte tem a ver com o mundo quântico. Com base nas descobertas de Niels Bohr e outros cientistas, o teletransporte quântico é baseado no comportamento das partículas subatômicas que compõem um átomo. O fenômeno, chamado entrelaçamento quântico, une as propriedades das partículas mesmo quando elas estão separadas, ou seja, duas partículas são geradas juntas e interagem uma com a outra de uma maneira que o estado quântico de uma não pode ser separado do estado da outra. Independente da distância entre elas, a comunicação instantânea de informações pode ser muitas vezes mais rápida que a velocidade da luz. Esse tipo de teletransporte foi comprovado dezenas de vezes desde a década de 90.

Um grupo de cientistas do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologias (NIST) dos Estados Unidos conseguiu avançar um pouco mais e teletransportar uma pequena operação lógica quântica entre dois íons separados. É algo bastante diferente e distante de sumir em um lugar e reaparecer em outro, como na ficção científica. Mas é um ótimo exemplo de como a ciência alcança feitos fascinantes. 

O experimento, que contou com a participação da professora Hilma Vasconcelos, da Universidade Federal do Ceará, conseguiu teletransportar uma operação lógica “NOT controlada” (CNOT) entre 2 qubits de íons de berílio situados a mais de 340 micrômetros. Apesar de parecer “quase nada”, essa distância é suficiente para excluir qualquer interação direta entre os íons. Nesse caso, as informações foram transferidas para os íons de berílio através de um par mensageiro de íons de magnésio entrelaçados. Depois do experimento, a operação lógica continuou funcionando em até 87% das vezes.

Entrelaçamento quântico revoluciona comunicação e segurança

É um avanço para teletransportar pessoas? Ainda não. Esse é um avanço para o desenvolvimento de computadores quânticos, porque a eficiência deles depende da capacidade de realizar operações entre qubits em redes de larga escala.

Mas e o teletransporte de pessoas?

Ok, podemos pegar uma partícula em um local e, em certo sentido, criar uma nova versão idêntica e absoluta, exatamente as mesmas propriedades, exatamente o mesmo estado quântico em outro local.  Mas quando o assunto é teletransportar uma pessoa tudo fica mais complicado. Imagine que cada partícula do corpo precisaria ser traduzida em informação — até os átomos, seriam trilhões de partículas destrinchadas e enviadas de um ponto ao outro. Esses dados seriam transmitidos para um receptor localizado onde a pessoa quisesse ser enviada, iniciando o entrelaçamento quântico. Ou seja, o transmissor teria um monte de partículas entrelaçadas, cada uma sendo metade de um par entrelaçado, e o receptor teria a outra metade das partículas entrelaçadas.

O transmissor, então, enviaria seus dados para o receptor emparelhado em qualquer lugar do mundo, simplesmente digitando seus dados nos estados quânticos das partículas entrelaçadas. O receptor por sua vez “receberia” a pessoa digitalizada e a usaria como um plano para reconstruir seu corpo exatamente como foi enviado, partícula por partícula.

Só que essa reconstrução é um dos pontos mais problemáticos. A equipe da IBM que provou que esse método poderia funcionar não traz boas notícias. O Princípio de Incerteza de Heisenberg determina que, para analisar cada partícula em seu corpo original, seu corpo é interrompido. Ou seja, para ser teletransportado seria necessário morrer ou considerar perder partes nessa “viagem”, já que a configuração única de neurônios de cada cérebro é extremamente complexa.

O desafio seria recriar uma pessoa exatamente como ela era. O scanner quântico no transmissor teria que registrar a posição precisa, o movimento, a orientação e a ligação química de cada átomo em seu corpo. Como se não bastasse tanta dificuldade, alguns especialistas acreditam que as características cognitivas (ideias e lembranças, por exemplo) não poderiam ser transportadas dessa maneira.  A ação parece exigir uma solução quântica, por isso, os computadores quânticos podem ser exatamente o que precisamos para desenvolver técnicas mais seguras de teletransporte humano.

***

Aparentemente o teletransporte de pessoas é algo beeem distante da nossa realidade, mas o teletransporte de informações já revolucionou a nossa vida. O desenvolvimento tecnológico fez possível a troca de imagens, voz e documentos a milhares quilômetros de distância, como antes nunca se imaginou. Que os estudos continuem!

Museus na era digital

Estamos na era digital e os museus tradicionais precisam se transformar e criar novas formas de apresentar seus conteúdos e engajar seus visitantes.

Com o advento da tecnologia mudamos a maneira e a velocidade que nos relacionamos com as pessoas e também com os lugares — restaurantes, lojas, universidades e espaços culturais estão descobrindo novas maneiras de atuar, reinventando seus serviços a fim de acompanhar esse novo ritmo. É porque, enquanto o mundo vem se transformando por meio dos avanços tecnológicos e da hiperconexão, cabe a nós a inclusão e criação de experiências agradáveis para quem nasceu numa época onde o digital era apenas uma previsão do futuro, e para quem nasceu numa época onde o digital está presente desde o seu primeiro dia de vida. 

 

Não dá para negar. Estamos na era digital e os museus tradicionais precisam se transformar e criar novas formas de apresentar seus conteúdos e engajar seus visitantes. O que estamos vendo hoje é a inclusão da linguagem interativa, recursos multimídia, realidade aumentada, a união das experiências digitais em espaços físicos e o trabalho em rede entre os museus. Além disso, as instituições também contam com novas formas de realizar seus serviços burocráticos de gestão e salvaguarda do acervo. 

IMG_7056O Museu WEG se preocupa em atender uma geração que já nasceu conectada

 

As tendências para o museu da era digital abrangem o desenvolvimento de médio a longo prazo na sociedade, tecnologia, economia, meio ambiente e política e são identificadas como:

 

Diversificação de Conteúdo

Enquanto as pessoas têm cada vez mais acesso ilimitado à informação, como é possível que os museus apresentem seus conteúdos de maneira atrativa? Como falamos no início do texto, é preciso atender uma população em envelhecimento no meio de um número crescente de Millennials (a geração da internet), logo, é preciso diversificar o conteúdo a fim de atender as necessidades dos que esperam interfaces digitais como parte de sua experiência de usuário e aqueles que podem preferir uma experiência mais tradicional.

virtual1No Museu WEG, o virtual e o tradicional se complementam

 

Experiências imersivas

O avanço da tecnologia e serviços digitais já transformou o modo como interagimos e vivenciamos as experiências em espaços físicos. Estamos migrando para ambientes híbridos, onde as tecnologias digitais e o espaço tradicional se encontram para criar experiências imersivas. Com os dados gerados pelos visitantes, os museus podem continuar a melhorar e aprimorar suas experiências e exposições.

 

Espaços sustentáveis e abertos

Os museus devem considerar a importância de seu papel na criação de espaços públicos, incentivando o intercâmbio cultural entre visitantes tão distintos em idade, habilidades e origens sociais e econômicas. Aqui entram as questões ambientais, de segurança, acesso e inclusão universal. É preciso pensar no conforto e no local de fala das pessoas, permitindo que o público tenha uma experiência completa, sem esquecer dos impactos no ecossistema.

passeioNo site do Museu WEG o visitante pode fazer um passeio virtual por todas as salas do museu museuweg.net/tour-virtual 

 

Sites, exposições interativas e redes sociais, quando falamos de experiências digitais, é importante lembrar que a experiência digital não substitui a real. Um objeto não deixa de existir no museu, mas passa a existir também em um ambiente virtual, onde pode ser visto por um número muito maior de pessoas, possibilitando a democratização do conhecimento. O museu que disponibiliza seu acervo on-line não transferiu a experiência para o universo tecnológico, mas agregou novos olhares à visitação.

 

Hoje, os visitantes buscam uma participação mais ativa na visita aos museus — que não precisam deixar de ser o que são, mas devem agregar experiências que ofereçam inclusão e contem histórias memoráveis.

 

Fontes: Triscele | Revista Museu

10 séries e documentários sobre Ciência & Tecnologia para ver na Netflix

Acreditamos que estudar também pode ser divertido e, por isso, hoje separamos algumas séries e documentários para você aprender muito!

Existem diversas maneiras de aprender um novo tema, estudar, complementar uma leitura ou lembrar de um assunto visto em aula. Acreditamos que estudar também pode ser divertido e, por isso, hoje separamos algumas séries e documentários que estão disponíveis na Netflix — o serviço de streaming possui um catálogo com muita coisa bacana sobre ciência, natureza, tecnologia e curiosidades do universo. Que tal dar uma olhadinha?

 

Confira abaixo as 10 dicas que separamos:

 

cosmos-a-spacetime-odyssey

  1. Cosmos: A Spacetime Odyssey

Uma das mais famosas séries documentais do catálogo. Em Cosmos, o astrofísico Neil deGrasse Tyson apresenta como nós descobrimos as leis da natureza e achamos nossas coordenadas no espaço e no tempo.

 

bnstw_111_unit_00292_r

  1. Bill Nye Saves the World

Com muito humor, o premiado Bill Nye recebe especialistas e celebridades em seu programa de entrevistas e analisa em seu laboratório questões científicas do dia a dia.

 

AAAABT76wMSD9BDp7JQtAO7AvV6DMdGms5cEmRFvSHk3cRK6lrTXGX82JLkuZfErwG6oeEp2Ej99JLGY9yZVKzs0O8fLCO-P

  1. O universo

Essa série pioneira do History Channel mistura impressionantes animações com ideias sobre planetas distantes e outras maravilhas celestiais. 

 

mission-blue_netflix-2

  1. Mission Blue

Nesta série, a oceanógrafa e ecoativista Sylvia Earle divulga as condições dos oceanos e retrata sua campanha para salvar os oceanos do mundo de várias ameaças, como a pesca abusiva e os resíduos tóxicos.

 

55906_w840h0_1510167759science-of-star-wars

  1. Science of Star Wars

A série de documentários aborda a ciência de “Star Wars” e mostra quais das tecnologias apresentadas nos filmes já estão se tornando realidade.

 

eu-e-o-universo

  1. Eu e o Universo

Nesta série de curiosidades aparecem germes, emoções, mídia social e muito mais. É a ciência presente na nossa vida explicada de um jeito fácil de entender.

 

merlin_151410549_2e230d44-292f-4633-be89-bd30d1841a3d-superJumbo

  1. Star Trek: Discovery

A série acompanha as viagens da Frota Estelar a bordo da USS Discovery na descoberta de novos planetas e formas de vida, sem esquecer as histórias e questões pessoais dos tripulantes. 

 

0

  1. O Código Bill Gates

Minissérie que faz uma jornada pela mente brilhante de Bill Gates — descubra quem o influenciou e quais são as metas que o bilionário ainda pretende alcançar.

 

images-4-1

  1. Abstract: The Art of Design

Descubra como pensam os designers mais inovadores em diferentes áreas e saiba como seu trabalho influencia todos os aspectos da nossa vida.

 

AAAABVI0nV1C0uPxd6d2sRvHP-szW5k_NAUoV57za4bLmenUwVBlSJHdmPgEV4bE4eqB-A13inRcgzRh0UdcUyLkbEB0ic9fHUiHmUgRyf390ybvn5AAgLC0zFEZtvyztg

  1. Explicando… O coronavírus

Em 2020, o mundo mudou. Esta série investiga a pandemia do coronavírus, os esforços para combatê-la e os impactos na saúde mental.

 

***

 

Essas são só algumas dicas entre tantos programas legais para assistir. O universo da natureza, ciência e tecnologia está a um clique de distância. E, se você não possui acesso à Netflix, aproveite para explorar o YouTube ou os podcasts que citamos neste post. Já escolheu por qual vai começar? Então pega a pipoca e tenha uma ótima sessão! =)

Novas tecnologias para o agronegócio

A WEG vem trabalhando para o desenvolvimento de motores e outras soluções para atuar em aplicações agrícolas.

Com o crescimento da população mundial, a demanda da produção agrícola também aumentou, e o seu desenvolvimento só é possível com novas tecnologias e maneiras de alcançar resultados mais assertivos e sustentáveis. Esse cenário foi iniciado com a chegada da mecanização no campo, possibilitando a produção em grande escala, e essa alta produtividade necessita de processos que oferecem mais praticidade ao produtor rural.

De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a produção agrícola mundial deve crescer 20% em dez anos, logo, a tecnologia tem um papel fundamental nessa revolução.

É por isso que a WEG vem trabalhando para o desenvolvimento de motores e outras soluções para atuar em aplicações agrícolas. A implementação de motores nos diversos segmentos primários, como na pecuária, vêm exigindo equipamentos com tecnologia cada vez mais avançada, que sejam projetados e construídos para atender as demandas de operações de serviço contínuo. Esse tipo de ação, que implica em partidas e paradas frequentes, requer motores de alta confiabilidade e que sustentem a carga adicional imposta pelo ambiente severo.

agro1

A WEG produz soluções que vão desde a captação de água para o cultivo, até sistemas completos para o acompanhamento de processos.

 

Tecnologias WEG para o agronegócio

Com produtos para atender os mais diversos segmentos, a WEG tem diversas soluções, como:

 

  • SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE CAPTAÇÃO E IRRIGAÇÃO, E BEBEDOUROS: solução solar para as bombas de captação e irrigação, em pivôs de irrigação, bebedouros de animais, etc.

 

  • SISTEMAS OFF GRID: solução solar para locais remotos sem energia elétrica disponível.  

 

  • SISTEMAS FLUTUANTES: solução de geração solar para colocar em lagos e reservatórios de água, espaço sem utilização, e com redução na evaporação de água.

 

  • SISTEMAS FINAMIZÁVEIS: a WEG possui os geradores fotovoltaicos com índice de nacionalização para financiamentos com recursos do BNDES, exclusivos para produtores rurais. 

 

  • ALTERNADORES SÍNCRONOS: disponíveis a partir de 7,5 kVA, os alternadores síncronos são aplicados em grupos geradores a diesel e gás. Operam nos regimes de emergência, horário de ponta ou operação contínua. São alternadores de alta performance, com rendimentos mais altos – menor consumo de combustível, menor emissão de perdas – menor geração de calor no ambiente, com caixa de ligação ampla, com facilidade de acesso para manutenção e reconexão de cabos e flexibilidade de fixação dos pés, adequando a base do cliente. 

 

  • W22 – EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA O AGRONEGÓCIO: com o olhar voltado para o desenvolvimento tecnológico para o agronegócio, a WEG lança a linha de motores W22, que garante alta eficiência, excelente relação custo-benefício, redução do consumo de energia elétrica, fácil manutenção e baixos níveis de ruído e vibração. Os motores elétricos W22 são para uso geral e têm como principais aplicações: pivô de irrigação, bombas, ventiladores, compressores, moinhos, britadores e talhas. A principal linha de motores industriais da WEG também apresenta maior rigidez e excelente dissipação de calor, o que aumenta a vida útil dos mancais e os intervalos entre lubrificações. 

 

  • MOTOR PARA AERADOR – AUMENTO DE PRODUTIVIDADE: amplamente utilizado no segmento de piscicultura e carcinicultura, o motor para aerador garante um rendimento de alta performance, que resulta em um maior intervalo entre as manutenções e lubrificações, além de apresentar redução nos ruídos e facilidade na instalação, maximizando a produtividade e também o tempo do produtor. Conta com exclusivo sistema de isolamento WISE® (WEG Insulation System Evolution), que eleva a rigidez dielétrica do bobinado, permitindo a operação com inversores de frequência até 690 Volts e motor com índice de rendimento IR3, que atende os níveis de rendimento exigidos pela Portaria interministerial nº 01, que entrou em vigor a partir de agosto de 2019.

 

  • WEG MOTOR SCAN – MONITORAMENTO PERIÓDICO DOS MOTORES ELÉTRICOS: ícone de performance e tecnologia, a WEG trouxe muito mais conectividade para a indústria 4.0 com o WEG Motor Scan, um sensor de fácil instalação para o monitoramento periódico dos motores elétricos. O dispositivo permite analisar a performance do motor, evitando paradas e perdas na produção, e assim, garante a integridade dos motores instalados na fábrica, a fim de aumentar a eficiência e produtividade do trabalho. O WEG Motor Scan capta os dados do motor, envia ao smartphone ou tablet via Bluetooth® ou Gateway e passa por Wi-Fi todas as informações em tempo real para a nuvem, que armazena os dados e os transmite para a WEG IoT Platform, onde podem ser acessados em maior profundidade. E o melhor: o WEG Motor Scan foi atualizado com novas funcionalidades. O sensor que não para de evoluir agora também monitora redutores, geradores, bombas, compressores, transformadores e tudo mais que você imaginar e a sua produção precisar. 

 

Exemplo de aplicação do Motor W22 no agronegócio

Para que você possa entender como essas soluções funcionam na prática, descrevemos a seguir um caso real da aplicação do Motor W22.

Um distribuidor de equipamentos para processamento de grãos, que utilizava um motor para acionar seus secadores, realizou a substituição para os motores WEG W22, próprios para regime de serviço pesado, e descobriu que esta linha era mais adequada às suas necessidades e trazia mais valor à sua aplicação. O retorno sobre o investimento foi tão expressivo que, após a mudança, ao longo dos últimos 18 meses, continuaram a modernizar seus equipamentos utilizando produtos WEG.

Isto aconteceu porque os motores WEG da linha W22 oferecem um fator de serviço de 1,25 cv com 100HP, que os produtos concorrentes não ofereciam. O motor é o mais propício para aplicações agrícolas, pois oferece compatibilidade com “harmônicas em sistemas elétricos”, que é uma anormalidade na qualidade da energia que está sendo entregue a um sistema. Essas anormalidades podem incluir baixo fator de potência, variações de tensão, variações de frequência e surtos. Os motores WEG são projetados para acomodar esses tipos de problemas, que podem ocorrer em aplicações agrícolas.

Além disso, os motores W22 suportam o desequilíbrio de tensão, que ocorre porque as fazendas contam com energia fornecida pelas concessionárias em muitas fases diferentes. Essa corrente variável representa um desafio para os agricultores e seus equipamentos, pois eles precisam de motores que possam operar com eficiência sem perder potência. À medida que as fazendas se expandem para espaços maiores — alguns de até 5.000 acres — surge a necessidade de mudança para motores próprios para regime de serviço pesado, pois é necessária mais tensão, e um motor trifásico ajuda a reduzir os custos. Assim, a construção dos motores WEG, em comparação com motores de uso geral, é a melhor opção para o tipo de aplicação exigido pelas fazendas.

Seja para o pequeno, médio ou grande produtor, não param de surgir novas tecnologias para a praticidade do homem do campo. O uso de equipamentos agrícolas como os produtos WEG garante aos proprietários de fazendas a confiabilidade que eles precisam para operar sem ter o risco de uma parada não planejada.

Poluição tecnológica: qual é o destino de celulares, tablets, notebooks e demais dispositivos?

Você já parou para pensar que a proliferação dos dispositivos digitais está se tornando um problema para o planeta?

Você já parou para pensar que a proliferação dos dispositivos digitais está se tornando um problema para o planeta? Atualmente, o Brasil produz 1,5 mil toneladas de lixo eletrônico por ano, e a reciclagem existente não é suficiente, pois uma pequena porcentagem tem descarte adequado. Os resíduos eletrônicos contêm elementos como cádmio, chumbo, antimônio, níquel ou mercúrio, por isso, encontrar soluções e aumentar a reciclagem é essencial para evitar os danos ao meio ambiente e frear as mudanças climáticas.

 

Tipos de lixo eletrônico

Quando você compra um celular novo, o que faz com o antigo? Onde está o seu antigo computador? A resposta para essas perguntas podem nos dar ideia do impacto gerado pelo lixo eletrônico no planeta. A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) define resíduo eletrônico como qualquer dispositivo alimentado com energia elétrica cuja vida útil tem um final. Entram no conjunto de Resíduos dos Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE) os seguintes itens:

  • Geladeiras, congeladores e outros equipamentos refrigeradores;
  • Equipamentos de computação e telecomunicações;
  • Equipamentos eletrônicos de consumo e painéis solares;
  • Televisores, monitores e telas;
  • Lâmpadas LED;
  • Máquinas de venda automática.

 

lixo

Qual foi o destino do seu último celular?

 

O problema do lixo eletrônico no mundo

Em seu relatório de 2018, a ONU anunciou que foram gerados 48,5 milhões de toneladas de lixo eletrônico no mundo todo. Desses resíduos, apenas 20% foram reciclados. Seguindo essa tendência, poderíamos chegar em 2050 produzindo 120 milhões de toneladas de lixo eletrônico.

A quantidade de resíduos eletrônicos e a má administração de sua reciclagem ameaçam nosso meio ambiente. Entre as substâncias que esses resíduos possuem, estão elementos como: cádmio, chumbo, óxido de chumbo, antimônio, níquel ou mercúrio. Ambos componentes tóxicos que poluem rios, lagos e mares e emitem gases na atmosfera capazes de provocar desequilíbrios nos ecossistemas. Por isso, é inadiável reverter o modelo de produção, consumo e reciclagem desses resíduos.

Para dar um exemplo do problema e perigo do descarte inadequado, os toners de impressoras — aparentemente inofensivos — contêm um pó que, ao entrar em contato com fogo, libera gás metano, que não só potencializa o efeito estufa e causa problemas respiratórios em humanos, como também é inflamável e pode causar explosões. Já a tinta que sobra nos cartuchos de impressoras contamina o solo e o lençol freático, tornando a terra estéril e a água imprópria para o consumo.

 

Como reduzir o lixo eletrônico?

Uma das respostas para o problema, é, certamente, o consumo responsável e prolongar a vida útil dos dispositivos para frear o crescimento dos resíduos eletrônicos. Reutilizar equipamentos tecnológicos é uma das únicas alternativas contra um sistema de reciclagem ineficiente. Diante desse contexto, algumas medidas devem ser urgentemente implementadas, como: reduzir, reutilizar e reciclar.

60b7a9c7f8f059d39969bc8b772908f1

 

Reduzir: existe uma tendência onde o consumo de aparelhos cresce e são substituídos com rapidez. Mudar esta ideia depende não apenas do usuário, mas das estratégias de marketing que incentivam o consumo consciente, como dos fabricantes que optam por seguir tendências como o design ecológico.

Reutilizar: lembre-se de dar seu aparelho antigo para alguém que precisa ou vender em mercados de segunda mão. Você também pode doar o produto a uma ONG especializada.

Reciclar: quando o aparelho deixa de funcionar e não há possibilidade de ser utilizado por outra pessoa, a opção é reciclar. Você pode entregar o aparelho no estabelecimento onde for comprar o novo ou levá-lo em alguma empresa que se dedique a recuperação de equipamentos eletrônicos.

 

WEG e o gerenciamento do lixo eletrônico

A WEG também está preocupada em cuidar do nosso meio ambiente. Entre as atitudes tomadas pela empresa, estão: destinação correta do lixo eletrônico — as portarias da WEG possuem um local para o depósito de dispositivos eletrônicos que são encaminhados para locais especializados. Projeto em parceria com o Senai — os computadores descartados pela WEG são doados para que os alunos do ensino técnico possam reutilizar suas partes, construindo um novo computador para doar a comunidade.

 

Plano de trocas WEG

plano-de-troca-weg

Na WEG, motor usado vira desconto

 

Este programa incentiva a substituição de motores usados, antigos, danificados ou com baixos níveis de rendimento, de qualquer marca, garantindo desconto na compra de um motor WEG novo, de alta eficiência. Desta maneira, a WEG promove a utilização de motores mais econômicos e cria consciência da conservação de energia, tornando sua planta industrial mais eficiente.

Para participar, no momento da compra de um motor novo, o cliente deve informar que quer incluir o motor usado no Plano de Trocas, então o motor (sucata) que será enviado para troca é avaliado pela WEG. O motor usado pode estar queimado/danificado, mas deve estar completo com o estator bobinado, rotor, carcaça, tampas, mancais e trocador de calor (se aplicável).

Você pode saber mais sobre o programa e quais são os procedimentos para participar clicando aqui: Plano de Trocas WEG.

***

O descarte correto de equipamentos eletrônicos melhora a qualidade do meio ambiente e também traz consigo outros benefícios. Se receberem o tratamento de reciclagem adequado, esses objetos podem gerar oportunidades cujo valor ultrapassa 62,5 bilhões de dólares anuais e criar milhões de novos empregos em todo o mundo. Por isso, uma das metas determinadas pela ONU é aumentar a porcentagem global de reciclagem até 30% e alcançar 50% nos países com legislação sobre resíduos eletrônicos.

Cabe a nós, como consumidores, não apenas reduzir, reutilizar e reciclar, mas também comprar produtos que possuam algum tipo de certificação de sustentabilidade. Procure locais adequados para descarte, como os pontos de coleta nas portarias da WEG ou empresas especializadas para que esse lixo não vá para o descarte comum e prejudique nosso ecossistema. Nosso meio ambiente agradece.

Roda-gigante: história e curiosidades sobre as maiores do mundo

Maior roda-gigante da América Latina recebeu o acabamento fornecido pelas tintas WEG.

Quando George W. Ferris, um engenheiro civil americano, construiu a primeira roda-gigante do mundo para a exposição World’s Columbian, em Chicago no ano de 1893, começou uma tendência. 

Para se ter uma ideia, a primeira roda-gigante criada pesava 2000 toneladas e podia levar 2.160 pessoas por vez. A roda de Ferris foi a maior atração da exposição, possuía 80 metros de altura e era impulsionada por dois motores a vapor de 1000 HP. Com 36 cabines, cada uma do tamanho de um ônibus escolar, levava 20 minutos para dar duas voltas – a primeira fazendo seis paradas, para permitir que os passageiros entrassem e saíssem, e a segunda, uma volta completa e sem paradas.

De lá para cá as rodas-gigantes tomaram parques de diversões, eventos e pontos turísticos de cidades pelo mundo todo.

 

Maior roda-gigante da América Latina recebe proteção máxima com tintas WEG

Recentemente, no dia 06 de dezembro de 2019, foi inaugurada no Rio de Janeiro a roda-gigante Rio Star, o novo cartão-postal da Cidade Maravilhosa é considerada a maior roda-gigante da América Latina, com 88 metros de altura e a expectativa de atrair mais de 1 milhão de visitantes por ano. Com 54 gôndolas e a capacidade de acomodar 432 pessoas, leva cerca de 20 minutos para completar a volta.

A estrutura de toda a roda-gigante Rio Star, montada pela empresa JLCMT, veio da China com um revestimento rico em zinco e recebeu em sua montagem final o acabamento fornecido pelas tintas WEG. Veja no vídeo:

 

E a maior do mundo, qual é?

Um dos maiores objetos em terra feito pelo homem está localizado em Dubai, nos Emirados Árabes, a cidade riquíssima em atrações turísticas nos mostra que os árabes realmente não brincam em serviço. A Ain Dubai deve ser inaugurada ainda em 2020, tornando-se a maior roda-gigante do mundo. Com 210 metros de altura e 250 metros de diâmetro, a estrutura possui 48 cabines e capacidade para 1.440 pessoas.

c5cfe704b092cc05_ain_dubai

Ain Dubai

 

Curiosidades:

  • Se forem unidos de ponta a ponta, os fios de cabo utilizados dentro dos raios somam 2.400 km. Essa é a mesma distância de Dubai ao Cairo;
  • Foram usados 25% a mais de aço na construção da Ain Dubai do que o ferro usado na Torre Eiffel;
  • Foram usados 9.000 toneladas de aço na construção;
  • O peso da roda é equivalente a 16 Airbus A380s.

 

O posto de segundo lugar fica para a New York Wheel, com 191 metros e capacidade para 1.440 passageiros por passeio. Também nos Estados Unidos, o posto de terceiro lugar pertence a High Roller, que fica em Las Vegas, Nevada, com seus 168 metros de altura, 28 cabines e espaço para 40 pessoas no total — 1.000 a menos que as anteriores. 

 

E aí, você teria coragem de encarar as maiores rodas-gigantes do mundo? Que tal começar pela Rio Star? 😉

Robôs serão colegas dos seres humanos, não rivais

Segundo um estudo do MIT, robôs serão colegas dos humanos, e não rivais.

Ao pensar no futuro do trabalho, a automação, inteligência artificial e robótica são assuntos corriqueiros, já que muitas pessoas acreditam que seu trabalho poderá ser substituído pela tecnologia. 

Segundo um estudo do MIT, robôs serão colegas dos humanos, e não rivais. A pesquisa aponta que o futuro do trabalho está na colaboração entre seres humanos e máquinas — os robôs vão executar muitas tarefas hoje desempenhadas por humanos, mas também vão criar novos tipos de empregos.

O estudo apresenta algumas razões para acreditar que os robôs não vão roubar nossos empregos. Por exemplo, mesmo em situações que a tecnologia pode executar os serviços, não é proveitoso para a empresa demitir os funcionários e formar equipes 100% robóticas. A prova disso aconteceu no século 20, quando os robôs começaram a ser inseridos na indústria e a demissão em massa dos trabalhadores causou um forte impacto financeiro para as fábricas.

Outro argumento é que os humanos são a parte “viva” de uma empresa. É a parte que traz inovações para os negócios. A inteligência artificial é incapaz de tomar decisões complexas ou decidir o melhor rumo em disputas comerciais, por exemplo. Na visão de alguns participantes do estudo, a introdução de novas tecnologias gera o crescimento do negócio, gerando mais empregos, não menos, afirmam também que os robôs não substituem os humanos, mas os completam.


robôs

Segundo estudo do MIT, não é proveitoso demitir os funcionários e formar equipes 100% robóticas

Acredita-se que no futuro os robôs vão dominar os setores de estocagem, transporte, limpeza; além de tarefas físicas que exigem colheita, inclinação ou agachamento. Eles vão fazer tudo o que chamamos de os 5 ‘Ds’: dirty, dangerous, difficult, dull and distant (sujo, difícil, perigoso, maçante e distante). O uso eficiente da tecnologia otimiza as funções do trabalhador, que pode então usar todo o seu potencial e se tornar mais produtivo. Muitos sistemas robóticos são eficazes, mas não funcionam sem o trabalho dos funcionários no comando.

 

WEG Automação

É provável que a automação se torne decisiva para o crescimento das corporações. Sabendo disso, a WEG oferece soluções para a indústria 4.0, unindo tecnologia, processos e pessoas de uma forma única.

pt-industry-40WEG oferece soluções para indústria inteligente

Essa integração entre máquinas, capazes de tomar decisões descentralizadas e cooperar entre elas e com humanos, é possível graças a ferramentas como big data, computação na nuvem e Internet das Coisas – Internet of Things (IoT). Esta última, combinada com sistemas automatizados, permite conectar a internet com objetos, para muito além de smartphones, tablets e computadores. Com soluções como essa, a indústria ganha em eficiência, resultado da economia de recursos, aumento de produtividade e redução do tempo de inatividade.

Graças ao trabalho vital dos seres humanos, é possível combinar pessoas, empresas, softwares e produtos inteligentes. Conheça mais sobre as soluções de automação e indústria 4.0 oferecidas pela WEG em: https://www.weg.net/institutional/BR/pt/solutions/industry-40