Categoria: Ciência

Conheça 5 mulheres que mudaram o mundo com suas invenções

Confira 5 mulheres que mudaram o mundo da ciência com suas invenções

Na sociedade atual ainda podemos encontrar desigualdade entre homens e mulheres. Mas através da coragem e determinação de mulheres em variados setores da sociedade como: educação, saúde, política e ciências, vemos uma evolução igualitária que só tende a crescer.

Dentre os variados setores, nas ciências encontramos muitas invenções criadas por mulheres, que mudaram o mundo. Continue a leitura e confira as mulheres que desafiaram o nível de excelência com as suas criações e se tornaram extremamente relevantes para a ciência e para a história.

Cinco mulheres que mudaram o mundo com suas invenções

Inovações movem o mundo e podem originar grandes alterações sociais. Listamos abaixo cinco mulheres que mudaram o mundo e deixaram seus nomes e suas invenções marcados na história da humanidade, confira:

Aciclovir, por Gertrude Belle Eilon

Precisamos falar sobre Gertrude Belle Elion, ninguém menos que a bioquímica responsável pelo remédio Aciclovir. O medicamento que possibilitou que pessoas com Leucemia, Herpes e AIDS tivessem os sintomas de suas doenças suavizados.

Sua invenção garantiu o Nobel de Medicina em 1988 e não é para menos, o Aciclovir é um composto que consegue inibir ou matar a produção do organismo nocivo do corpo, sem prejudicar ou causar danos às células saudáveis da pessoa.

Gertrude Belle Eilon faz parte do grupo de mulheres da ciência que colaboraram para o desenvolvimento da medicina.

O Primeiro Software de Computador, por Grace Hopper

O computador em que você faz seus trabalhos, joga com os amigos e assiste Netflix foi uma adaptação da invenção de Grace Hopper, também conhecida como “Rainha da Computação”, Hopper foi a criadora do primeiro Software de Computador.

Enquanto Grace era uma analista de sistemas da Marinha dos Estados Unidos, durante as décadas de 1940 e 1950, foi a responsável pelo desenvolvimento do Flow-Matic, uma linguagem de programação.

Essa linguagem serviu como base para a criação do Common Business Oriented Language (COBOL), que é utilizado até hoje em processamento de bancos de dados comerciais.

Graças a suas realizações, Grace Hopper foi a única mulher convidada para participar de uma reunião em 1959 com especialistas da IBM, RCA e da Sylvania Eletric Products.

Curiosidade:Sabe o termo “bug” que usamos para mencionar falhas em códigos-fontes? Foi criado pela Rainha da Computação!

Telecomunicação, por Shirley Ann Jackson

Shirley Jackson não só foi a primeira mulher negra a conquistar um PhD em física nuclear no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), como também originou invenções como o telefone de toque, o fax portátil, células solares e cabos de fibra óptica.

Além de todas essas invenções Shirley foi a décima-oitava presidente do Instituto Politécnico de Rensselaer, uma prestigiada instituição de ensino superior norte-americana.

Wireless, por Hedy Lamarr

Hedy Lamarr inventou e patenteou o FHSS (Frequency Hopping Spread Spectrum) que contribuiu para que os Estados Unidos tivessem um sistema de comunicações para as forças armadas utilizarem durante a Segunda Guerra Mundial.

Sua tecnologia permitiu que as mensagens enviadas tivessem suas frequências de rádio alteradas, para assim enganar seus inimigos.

Lamarr era uma atriz de Hollywood que, além de arrasar na frente das câmeras, fez a diferença na história criando a tecnologia Wireless, que serviria como base para a criação do Wi-Fi, do GPS, do Bluetooth e dos celulares.

Impressora Blissymbol, por Rachel Zimmerman

Rachel Zimmerman desenvolveu um programa de software que permite às pessoas com deficiências em comunicação conseguirem se comunicar com os demais. Como se isso não fosse incrível por si só, Zimmerman desenvolveu essa invenção aos doze anos de idade.

A Impressora Blissymbol foi desenvolvida como um projeto de feira de ciências da escola e possibilitava que pessoas mudas e com paralisia cerebral pudessem imprimir seus pensamentos ou se comunicar via e-mail, apenas apontando vários símbolos em uma página através do uso de uma almofada de toque especial.

Além de ganhar a feira de ciências da escola de 1980, Rachel Zimmerman conquistou a medalha de prata na Exposição Mundial de Realizações dos Jovens Inventores e ganhou o prêmio de mérito YTV Television Youth.

Vimos aqui algumas inovações criadas por mulheres que mudaram o mundo em diversos aspectos. Confira também as inovações originadas do setor espacial que você utiliza no seu dia a dia!

Como surgem as nascentes de água?

Entenda o ciclo da água e como surgem as nascentes.

Assim como as pessoas, os rios também possuem um ciclo de vida. Eles nascem, vivem e se aventuram pela natureza, por onde descem cachoeiras, atravessam cidades, servem como morada para diferentes animais, refrescam as pessoas e por fim, acabam no mar. 

Mas esse não é o seu fim definitivo, os rios vivem um ciclo sem fim e são responsáveis pela água que fará parte de uma nova nascente. Neste artigo você vai entender o ciclo da água e como surgem as nascentes.

O que são nascentes? 

Nascentes podem ser conhecidas por vários nomes, como: mananciais, olho d’água, mina d’água, fio d’água, cabeceira e fonte. 

Toda nascente representa um ponto por onde a água infiltrada no subsolo se reúne e alcança a superfície do solo, dando origem a cursos d’água, como rios, lagos e córregos, ou jorrando água, dependendo da pressão, erosão ou movimento das placas tectônicas. 

Como surgem as nascentes?

Para que a água atinja a superfície da Terra, é necessário que a água esteja em seu interior. Isso significa que não existe a produção do líquido: a água não nasce de uma nascente, ela apenas sai por ela. 

Uma nascente pode surgir a partir de chuvas, lagos, derretimento de geleiras ou através de aquíferos (formação geológica subterrânea capaz de armazenar água). Essa água é absorvida pelo solo e pode ficar bem perto ou a centenas de quilômetros de distância, no lençol subterrâneo.

Quando a água chega a uma camada menos permeável, dá origem às nascentes como conhecemos, de onde brotam águas cristalinas para dar início a um novo ciclo da água.

Como funciona o ciclo da água?

Entender o ciclo da água esclarece muita coisa sobre o surgimento das nascentes. Veja só: toda a água que existe no planeta está sempre evaporando. Esse vapor é capaz de subir muito alto, até lugares bem frios na atmosfera.

Esse frio faz o vapor virar gotas – e essas gotas formam as nuvens que são carregadas pelo vento. Nesse caminho, as nuvens vão se encontrando até ficarem tão grandes e pesadas, que caem na Terra sob a forma de chuva.

Essa chuva penetra o solo e vai para reservatórios até encontrar uma saída: ou seja, uma nascente. E assim surgem os rios, de onde a água novamente será evaporada, recomeçando o seu ciclo. 

Toda água vira vapor, que, por sua vez, volta a virar água.

Leia também: Saiba como a água da chuva pode ser reaproveitada em sua casa.

Tipos de nascentes

As nascentes são divididas em dois tipos: as de contato e as nascentes de depressão, ambas provenientes de lençóis freáticos. Saiba mais detalhes nos tópicos abaixo:

Nascentes de contato

Essas nascentes surgem, normalmente, aos pés de morros ou vales, e são conhecidas como nascentes de encostas. Elas são formadas a partir das chuvas que penetram o solo e as rochas ou então a partir do derretimento de geleiras que ficam no topo de altas montanhas.

Nascentes de depressão

As nascentes de depressão se manifestam, normalmente, em pontos de borbulhamento bem definidos (chamados olhos d’água) ou, então, por pequenos vazamentos superficiais, espalhados por uma área encharcada que vai acumulando água em poças até dar início aos fluxos contínuos de água.

Como preservar as nascentes

Em várias partes do mundo, diversos órgãos (governamentais e não governamentais) têm criado meios para despertar a consciência sobre o uso racional da água, bem como da preservação das suas nascentes. 

As estratégias de preservação englobam pontos como: controle da erosão do solo através de estruturas físicas e barreiras vegetais de contenção, minimização de contaminação química e biológica, e evitar perdas de água através da transpiração das plantas.

O incentivo por locais menos impermeabilizados (com menos concreto e asfalto, por exemplo) e mais vegetação é um dos meios de fazer isso. 

As cidades precisam de locais por onde a água possa se infiltrar, e isso também reduz os casos de inundação. Esse também é um dos motivos para as matas ciliares serem tão importantes.

Evitar o desmatamento também é um ponto importante, afinal, quanto menos florestas, maiores serão as temperaturas, o que diminui a quantidade de gelo nos picos das montanhas, além da quantidade de chuvas, que servem como recarga das nascentes.

E, falando em preservação, que tal continuar no blog e conhecer a expedição brasileira que está dando a volta ao mundo, estudando a poluição dos oceanos? 

O que fazer com pneus velhos? Confira dicas para descartar ou reutilizar

Descartados da maneira correta, os pneus podem ter novos usos.

Pneus são feitos com materiais muito resistentes. A partir da data de fabricação, eles possuem cerca de 5 a 6 anos de vida útil, depois disso, precisam ser trocados por estepes temporários ou novos.

Mas você já parou para pensar o que acontece com os pneus que não podem mais ser utilizados? Sabemos que jogá-los na natureza não é uma opção, pois podem demorar até 600 anos para se decompor.

Descartados da maneira correta, os pneus podem ter novos usos, como virar asfalto de borracha e até mesmo móveis para sua casa. Entenda agora o que fazer com pneus velhos e confira dicas de como reutilizá-los.

Os perigos de não fazer o descarte correto dos pneus 

Os pneus são produzidos com borrachas especiais, poliéster, aço e nylon, materiais tóxicos que podem causar grandes problemas quando são jogados nas ruas ou na natureza. 

Durante o período de decomposição (cerca de 600 anos), os pneus descartados de forma incorreta causam a contaminação do solo e dos rios. 

Além disso, pneus espalhados no meio ambiente acumulam água e tornam-se criadouros de mosquitos transmissores de doenças, como o Aedes aegypti, um grave problema de saúde pública.

Cabe lembrar que pneus descartados inadequadamente resultam em sérios riscos ao meio ambiente, pois podem provocar o entupimento de redes de esgoto e colaborar com enchentes, por exemplo.

É por isso que o descarte dos pneus deve ser feito em um local apropriado, onde sejam reciclados ou recebam o tratamento adequado para reduzir os impactos ambientais.

Como fazer o descarte correto de pneus? 

Existem diversas alternativas para o reaproveitamento dos pneus. Desde opções mais simples, como transformá-los em objetos decorativos, até mesmo a transformação do material em em pó para a fabricação do asfalto de borracha.

Os pneus também podem ser transformados em gramado sintético, tapetes, combustível para a indústria cimenteira, pisos para quadras poliesportivas e industriais, e até mesmo compor solados de sapato. 

Escolher produtos feitos a partir de materiais reciclados é uma ótima forma de ser mais sustentável. Caso você tenha um pneu em casa e não saiba o que fazer para descartá-lo, temos quatro dicas para você:

1. Devolva ao fabricante

Essa é uma atitude simples. Você pode levar o pneu a qualquer fabricante ou revendedor de pneus. Com o processo de logística reversa, as empresas recebem esses pneus usados para reciclar o que for possível e eliminar os demais componentes.

É importante conferir a marca dos seus pneus para descobrir a loja onde pode levá-los.

2. Deixe na borracharia

Ao fazer a troca dos pneus em uma borracharia, é comum a possibilidade de deixar os antigos por lá mesmo. 

Esses locais, além de usarem os pneus para recapagem, se encarregam de destinar corretamente os componentes fora de circulação, livrando o motorista dessa responsabilidade. 

3. Leve até um ponto de coleta

São raras as cidades que não possuem pontos de coleta de materiais recicláveis. Nesses locais, é possível fazer o descarte de pneus e diversos materiais que não devem ser jogados no lixo comum.

Você pode encontrar os pontos de coleta entrando em contato com a prefeitura ou pela internet. O site Reciclanip aponta locais em todo o Brasil, cheque o ponto de coleta mais próximo à sua residência acessando: www.reciclanip.org.br.

4. Faça você mesmo: transforme pneus em objetos 

Com um pouco de criatividade, imaginação e habilidade para manusear os materiais necessários, um pneu inutilizado pode se tornar um móvel, brinquedo ou adorno novo para decorar a sua casa. 

Você já pensou em fazer artesanato com pneus? Separamos algumas peças para te inspirar! Confira: 

Brinquedos para as crianças e suporte para plantas

Pneus podem ser ótimos suportes para plantas e ainda servirão como itens decorativos divertidos e charmosos. Caso você tenha crianças em casa, fazer brinquedos artesanais com os pneus também podem ser ótimas opções, como por exemplo gangorras e balanços. 

Pufes, mesas de centro e caminhas para pets

Pensando na linha de móveis artesanais e praticidades do lar, o uso de pneus com aplicações e revestimentos é muito utilizado para fazer pufes, mesas de centro e até mesmo caminhas acolchoadas para pets.

Gostou? Seguindo as dicas deste artigo, temos certeza que você vai garantir o descarte correto dos pneus e colaborar ainda mais com a preservação do meio ambiente.

Lembre-se que ao usar o pneu no jardim, seja para brincadeiras ou como suporte para plantas, é imprescindível que ele não acumule água, mantenha os pneus secos para evitar a proliferação de mosquitos que possam causar doenças. 

Agora que você sabe como descartar os pneus, que tal descobrir o destino certo para celulares, tablets e notebooks?

O que é a força motriz?

Vamos entender mais sobre a termodinâmica e o que é a força motriz.

A força motriz é muito utilizada quando o assunto é termodinâmica. Significa, de maneira resumida, uma força que impulsiona, que faz mover ou ocasiona movimento de alguma máquina ou algum objeto.

É muito utilizada no sentido figurado dentro de empresas e ocasiões do dia a dia nas quais representa o motivo para alguma ação ou atitude. Neste texto, vamos entender mais sobre a termodinâmica e o que é a força motriz.

Termodinâmica

A palavra termodinâmica vem do grego therme que significa calor + dynamis que significa movimento. 

Logo, a termodinâmica é uma área da física que estuda os processos de troca de calor entre sistemas ou entre um sistema e sua vizinhança observando as variações da temperatura, da pressão e do volume e como elas interferem nos sistemas físicos.

Os estudos da área de termodinâmica iniciaram durante a revolução industrial, a partir da necessidade da criação e do aumento da eficiência das primeiras máquinas a vapor.

Em 1824, o físico, matemático e engenheiro mecânico Sardi Carnot foi tido como “o pai da termodinâmica” com seu estudo “Reflexões sobre a Potência Motriz do Fogo”, que trouxe as relações energéticas básicas entre a máquina de Carnot, o ciclo de Carnot e a potência motriz.

Sadi Carnot ficou conhecido como “o pai da termodinâmica”.

Inclusive, você sabe por que o motor elétrico é tão importante?

O que é a força motriz?

Também chamada de energia motriz ou potência motriz, a força motriz é um agente usado para transmitir movimento a uma máquina. Geralmente, é definida como um agente natural, como água, vapor, vento, eletricidade etc.

Entretanto, o termo também pode definir uma locomotiva ou um motor, por exemplo, que fornecem a potência motriz de um sistema.

Em resumo, pode ser definida como um sinônimo para qualquer trabalho, força ou potência que produz um efeito de movimento, dependendo do contexto da discussão.

Força motriz na prática

A força motriz está presente no nosso dia a dia impulsionando movimentos em vários setores das indústrias, no trânsito e na energia que chega até a nossa casa. Vamos ver alguns exemplos? 

A primeira força motriz

Antigamente, a força motriz dos equipamentos era a força humana ou animal. O primeiro equipamento a substituir essa força por uma natural foi a roda d’água no século I. As rodas d’água se popularizaram na Europa e eram usadas na moagem de grãos e na irrigação.

Automóveis

Em um automóvel, o torque é o responsável pela capacidade de o motor produzir força motriz, ou seja, o movimento giratório. Essa força faz com que o veículo saia da inércia e possa arrancar e subir ladeiras sem que o condutor precise efetuar muitas trocas de marchas.

A embreagem, localizada entre o volante do motor e a caixa de câmbio, permite desligar a energia motriz da parte restante da transmissão.

Usinas hidrelétricas

Usinas hidrelétricas são conjuntos de construções que têm o objetivo de obter energia elétrica e necessitam de uma quantidade abundante de água como força motriz. Quando há quantidade em excesso de água, a força motriz é armazenada em grandes reservatórios.

Usinas eólicas

As usinas eólicas utilizam o vento como força motriz para gerar energia. O vento representa um recurso natural abundante e limpo, logo, a produção energética por meio dessa força motriz apresenta baixo custo. Conheça os principais parques eólicos do Brasil.

Indústrias

A força motriz atua em motores de diversos tipos, aplicados a máquinas e a sistemas nos quais se requer movimento, com funções imprescindíveis em várias indústrias e serviços.

Para finalizar, há ainda uma força motriz muito difundida no sentido figurado por palestrantes, líderes e pensadores no mundo todo. Como já diria Albert Einstein:

“Há uma força motriz mais poderosa que o vapor, a eletricidade e a energia atômica: a vontade.”

O que é possível ver com um telescópio?

Conheça a história do telescópio e o que é possível ver com ele!

O telescópio é o instrumento que permite que as pessoas possam enxergar objetos que se encontram a uma distância muito grande da Terra.

Muito importante na astronomia, o aparelho tem capacidade de ampliar e formar uma imagem virtual de planetas, estrelas e outros objetos no espaço cósmico.

Não é necessário ser astrônomo para ter um telescópio. Qualquer pessoa pode aprender a usar o aparelho e fazer suas próprias observações.

Mas você sabe o que é possível ver com um telescópio? Continue lendo para descobrir.

História do telescópio 

Em 1609, o cientista italiano Galileu Galilei melhorou o projeto de uma luneta com lentes de óculos criada em 1608 pelo holandês Hans Lippershey. 

Galileu construiu um equipamento com tubos e lentes que foi batizado de perspicillum. Ao ser apontado pela primeira vez ao céu, foi possível observar diversos corpos celestes, como a lua e Júpiter.

Mais tarde, no século XVII, vários inventores, como o cientista inglês Isaac Newton, construíram seus próprios telescópios.

telescópio
Galileu Galilei demonstrou o uso de seu telescópio para duques e senadores de Veneza em 1609 (ilustração de Louis Figuier, 1870). 

Telescópios ópticos 

Há dois tipos de telescópios ópticos: os que operam por refração (refratores) e os que funcionam por reflexão (refletores). 

Quando o telescópio é produzido com lentes, chamamos de refrator. O telescópio refrator usa lentes de vidro em forma de curva que são bem potentes para ver objetos que estão muito distantes. O problema é que a produção dessas lentes é mais difícil.

Mais poderoso que os refratores, quando é produzido com um espelho curvo, chamamos o telescópio de refletor. Nele, há espelhos finos que fazem com que a luz se concentre quando refletida. 

Sua vantagem é a leveza do espelho, o que facilita o envio para missões no espaço. Certos telescópios usam tanto lentes como espelhos.

O telescópio espacial Hubble, que orbita a Terra em uma nave espacial, é um tipo de telescópio refletor.

Outros telescópios 

Os telescópios citados acima captam luz. Mas há aparelhos que, ao invés de captarem luz, captam outras formas de energia do espaço, como ondas de rádio, raios infravermelhos e raios X. 

Esse tipo de energia é emitida, por exemplo, dos planetas, das estrelas e do gás presente no espaço. Todos os tipos de telescópios permitem reunir informações sobre elementos espaciais que não podem ser vistos a olho nu. 

Foi por meio desse tipo de observação que cientistas entenderam como as estrelas e os planetas se formam e como as estrelas morrem, por exemplo.

O que é possível ver com um telescópio?

O que dá poder a um telescópio é sua “abertura”. O diâmetro da abertura (da lente objetiva ou do espelho) é o que proporciona a resolução e a qualidade das imagens de um telescópio. 

Portanto, com um telescópio de maior abertura, você terá imagens melhores e mais nítidas.

Com um telescópio de 70 mm, por exemplo, é possível observar tudo o que é observado nos de 60 mm e 50 mm, porém com qualidade superior; além disso, é possível observar mais estrelas, nebulosas e mais detalhes nos objetos.

Já com um telescópio de 150 mm, você verá tudo o que os de menor abertura também mostram, porém com muito mais detalhes e definição, além de mais estrelas, nebulosas, etc.

Entretanto, com qualquer telescópio, você pode realizar ótimas observações. Esse é um passatempo que desenvolve a curiosidade e a inteligência e proporciona ótimos momentos de satisfação. 

Entre os objetos espaciais que podemos visualizar com um telescópio, estão:

Lua: um dos objetos astronômicos mais belos de se observar. É possível apreciar as crateras e as planícies lunares, bem como o contraste causado pela sombra da parte escura da lua sobre essas crateras.

Por ser grande e próxima da Terra, quando está cheia, cobre quase todo o campo de visão do telescópio; por isso, muitos preferem observá-la quando está na fase minguante ou crescente.

Sol: o sol é o único objeto que pode ser observado durante o dia. Para vê-lo, os telescópios são equipados com filtros especiais para deixar uma fração diminuta da luz, sendo possível observar uma esfera laranja quase perfeita.

Planetas: é possível ver em detalhes os planetas do Sistema Solar, em especial Marte, Júpiter e Saturno. Vênus e Mercúrio estão muito próximos ao sol; por isso, só são visíveis próximos ao horizonte e em poucas épocas do ano. 

Urano e Netuno, os planetas mais distantes do sol, podem ser observados como pequenos pontos azulados no telescópio.

Estrelas: aglomerados de estrelas, nebulosas, galáxias e estrelas solitárias também geram imagens incríveis e podem ser observadas e estudadas por meio dos telescópios.

Ficou curioso? No Brasil, e pelo mundo afora, existem diversos planetários para visitar, conhecer mais sobre a Astronomia e fazer sua primeira viagem pelo espaço com o uso de um telescópio. 

Já que o assunto é objetos do espaço, que tal conhecer a diferença entre asteroides, meteoroides, meteoros e meteoritos?

O que é física quântica?

Conheça o ramo da ciência que estuda os fenômenos ocorridos com partículas atômicas e subatômicas.

A física quântica é um dos ramos mais bem-sucedidos da ciência. Ela é capaz de estudar o comportamento de diversos fenômenos que ocorrem em escalas moleculares, atômicas e nucleares. 

Ao longo dos anos, muitas teorias foram sendo difundidas sobre a física quântica, passando pela física, química e até mesmo pela espiritualidade. Graças ao surgimento da mecânica quântica, por exemplo, temos tecnologias de ponta que cabem na palma das nossas mãos.

Mas afinal, o que é física quântica? Você sabe por que ela é conhecida por ser “impossível” de entender? É isso que vamos ver!

O que é a física quântica?

A física quântica é o ramo da ciência que estuda os fenômenos ocorridos com partículas atômicas e subatômicas, isto significa que essas partículas são do mesmo tamanho ou menores que os átomos. Como: os elétrons, os fótons, as moléculas e os prótons.

Essas micropartículas não são influenciadas pelas leis que compõem a física clássica, como a gravidade, a lei da inércia, ação e reação, etc. Isso quer dizer que ao contrário da física clássica, a física quântica é classificada como “não intuitiva”. 

Neste ramo teórico, determinadas coisas são tidas como verdade mesmo quando aparentam não ser. 

Como surgiu a física quântica?

A física quântica tem sua origem no início de 1920, com os estudos de Max Planck (1858 – 1947). Na sua teoria quântica, Planck explica o fenômeno da emissão de radiação por um corpo negro ao sugerir a quantização da energia contida na radiação térmica.

Max Planck: o pai da física quântica

A palavra quântico (quantização) indicava que cada átomo emitido pelo corpo negro só poderia trocar pequenos pacotes de energia (hoje chamados de fótons). 

Ela se refere à alteração instantânea dos elétrons que contém um nível mínimo de energia para um superior, caso sejam aquecidos. 

Assim, a teoria de Planck contrariava a física clássica que afirmava que quaisquer valores de energia estavam ligados a ondas eletromagnéticas.

Planck utilizava o argumento da quantização da energia para explicar seus experimentos e essa ideia foi adotada um tempo depois por outro físico brilhante, Albert Einstein.

Para Einstein a quantização não se aplicava exclusivamente à radiação térmica, mas também às demais frequências de ondas eletromagnéticas. Foi, inclusive, Albert Einstein que batizou a equação de Planck de quantum (do latim, que significa “quantidade”). 

A partir desse momento, Einstein explicou com sucesso o mecanismo por trás do efeito fotoelétrico, que sugeriu que a luz e as demais ondas eletromagnéticas tinham capacidade para se comportar ora como onda, ora como partículas.

Em seguida foi a vez do físico francês Louis de Broglie entrar em cena e sugerir que partículas como prótons, nêutrons e elétrons pudessem se comportar como ondas.

De Broglie calculou o comprimento de onda relacionado a cada partícula e com o resultado do seu experimento, mostrou que as partículas podiam sofrer interferência, difração, reflexão etc., da mesma forma que sofrem as ondas. Nascia assim a mecânica quântica.

O princípio da incerteza

Mesmo com muitos experimentos, por muito tempo não era possível entender como um elétron podia se comportar como uma partícula e como uma onda (o que chamamos de “dualidade onda-partícula”). 

A resposta veio com o estudo de Werner Heisenberg, que apresentou o princípio da incerteza. O princípio da incerteza de Heisenberg mostra que é impossível de se obter, com precisão, a velocidade e a posição de uma partícula no mesmo instante.

Isso quer dizer que se fosse possível saber, com certeza, a posição da partícula, a informação sobre sua velocidade seria perdida e vice-versa. O princípio de Heisenberg nos mostrou que a física quântica não é determinística como a física clássica, ela é probabilística.

Werner Heisenberg apresentou a teoria conhecida como “O princípio da incerteza”

Além dos já citados, diversos outros cientistas e físicos contribuíram para o desenvolvimento da física quântica ao longo do século XX, como: 

  • Niels Bohr (1885 – 1962),
  • Erwin Schrödinger (1887 – 1961),
  • Max Born (1882 – 1970),
  • John von Neumann (1903 – 1957),
  • Wolfgang Pauli (1900 – 1958),
  • Richard Feynman (1918 – 1988),
  • entre outros.

Aplicações da física quântica

Agora que já entendemos o mundo improvável da física quântica, vamos conferir algumas de suas aplicações no dia a dia:

  • Espectroscopia: é o estudo da interação entre a radiação eletromagnética e a matéria, analisando a luz emitida e absorvida por átomos. A técnica é largamente utilizada na detecção de materiais, desde gases a sólidos.
  • Datação por carbono-14: é possível estimar a idade de uma amostra de qualquer material orgânico medindo o percentual de carbono-14 em seu interior. Ele está presente em toda a matéria, mas sua quantidade total diminui pela metade a cada 5700 anos.
  • Energia solar: a energia que é obtida através dos painéis solares só existe graças à descoberta e à interpretação do efeito fotoelétrico explicado por Einstein. Nesse fenômeno os fótons colidem com os elétrons do material, ejetando-os para fora do próprio material.

Física quântica e espiritualidade

Muito se fala sobre a ligação entre a física quântica e conceitos filosóficos e espirituais, entretanto, do ponto de vista da física, não existe qualquer relação entre os temas.

Para os defensores desta relação, a resposta é o princípio da causalidade e incerteza da teoria, que diz ser possível existir duas situações diferentes e simultâneas para determinado corpo subatômico. 

E, já que o assunto é física, que tal continuar no blog e conhecer 10 descobertas premiadas pelo Nobel de Física?

O ano de 2021 foi de muitos acontecimentos tecnológicos e principalmente científicos, já que o mundo se encaminha para o terceiro ano de pandemia, e o estudo do vírus da COVID-19 e suas variantes continua acontecendo em ritmo acelerado.

Mas o que esperar de 2022? Alguns assuntos já começaram o ano em alta e devem fazer parte dos noticiários pelo mundo afora, como: a vacinação, as missões espaciais, as ações climáticas, as criptomoedas e a inteligência artificial. 

Conheça agora os principais eventos científicos e tecnológicos que valem a pena acompanhar em 2022.

Principais eventos científicos e tecnológicos para 2022

Selecionamos aqui os 6 principais eventos científicos e tecnológicos previstos para 2022  que você deve ficar de olho, confira:

1. COVID e vacinas em desenvolvimento

Apesar de grande parte da população mundial já ter sido vacinada, o fim da pandemia ainda é muito incerto. O avanço de novas cepas, como a Ômicron — de rápida disseminação — e o aumento de casos, ainda preocupam.

É por isso que os cientistas pesquisam sobre a gravidade da nova variante e, em 2022, pesquisadores e autoridades de saúde pública continuarão monitorando o aumento de novas variantes do SARS-CoV-2, bem como os efeitos de longo prazo na população. 

Neste ano poderemos ver o desenvolvimento de novas vacinas direcionadas a variantes específicas. O progresso nas vacinas também é esperado para outros vírus e doenças, incluindo HIV, malária e doença de Lyme.

2. Missões lunares

Este será mais um ano de grandes viagens espaciais, e muitas têm o mesmo destino: a lua. A NASA, por exemplo, fará o primeiro teste de lançamento do orbitador Artemis I, há muito tempo esperado, que tem o objetivo de levar astronautas de volta para a superfície da lua.

O orbitador CAPSTONE, também da NASA, vai conduzir experimentos em preparação para o Gateway, a primeira estação espacial a orbitar a lua. Em 2022 a lua também receberá alguns pousos suaves (que não danificam a nave). 

A Índia pretende mandar sua Chandrayaan-3, e o Japão a missão SLIM. Já a Coreia vai inaugurar a própria exploração lunar com o orbitador lunar Pathfinder. E a Rússia pretende reviver a glória do programa lunar soviético com a sonda Luna 25.

3. Para Marte e às estrelas

Marte também deve ser explorado neste ano. Uma missão épica russo-europeia chamada de ExoMars será um dos fenômenos mais interessantes para assistir durante 2022. 

A viagem está programada para setembro e levará para Marte o rover (veículo robótico) Rosalind Franklin, da Agência Espacial Europeia para procurar sinais de vida.

Também neste ano a China planeja concluir sua estação espacial, Tiangong, que será responsável por mais de mil experimentos, que vão desde observações astronômicas e da Terra até os efeitos da microgravidade e da radiação cósmica no crescimento bacteriano.

4. Ações climáticas

Precisamos voltar nossos olhares para as ações climáticas. Em 2022, autoridades e defensores do meio ambiente, do mundo, irão a Sharm El-Sheikh, no Egito, para a COP27, onde vai acontecer mais um debate de negociações climáticas das Nações Unidas.

Os países devem apresentar compromissos climáticos consistentes com a meta de limitar o aquecimento global abaixo de 2˚ C. 

Enquanto o evento não chega, pesquisadores seguem monitorando as emissões de gases de efeito estufa para confrontar as promessas feitas na COP26 — que incluíram reduzir o uso de carvão e cortar as emissões de metano.

5. Oportunidades para o uso de criptomoedas

Os pagamentos com criptomoedas vieram para ficar. Em setembro de 2021, a nação de El Salvador legalizou o bitcoin como meio de pagamento, se tornando o primeiro país onde a criptomoeda se tornou uma moeda oficial. 

Durante 2021, grandes organizações como PayPal, Visa e Mastercard adotaram o uso de criptomoedas para fins transacionais, e a tendência parece ser permanente.

Porém, até mesmo os principais especialistas do setor não se comprometem a prever qual será a situação com as criptomoedas no prazo de um ano, cinco ou dez anos. Mas não podemos negar que elas já são parte integrante da vida de milhões de pessoas no mundo.

É cedo para prever como o setor de blockchain e criptoativos irá evoluir, mas a tendência é clara: esse tipo de tecnologia está se tornando popular. 

6. Uso de inteligência artificial

O uso da Inteligência Artificial (IA) vem ganhando cada vez mais força. Por um tempo houve o rumor que a Inteligência Artificial iria substituir os humanos, mas já se provou que a IA vai apenas ajudar a melhorar a automatização de processos. 

Com auxílio da IA, os processos se tornam mais produtivos e proveitosos, ajudando, por exemplo, na segurança da informação. A tendência para 2022 é de que a IA continue fazendo parte integrante do nosso cotidiano em várias áreas, como: 

●     Produção: a implementação da IA na operação de linhas de máquinas e a automação dos processos produtivos.

●     Esfera financeira: a IA é utilizada no desenvolvimento de aplicações comerciais, automação e execução de operações de tecnologia da informação.

●     Medicina: a IA é utilizada para analisar dados médicos complexos, diagnósticos e tratamentos. Grandes corporações como IBM, Microsoft, Google, Intel e Medtronic estão investindo para o desenvolvimento de tecnologias de informação para a medicina. 

●     Educação: a IA pode ser utilizada para a aprendizagem de idiomas e também para a formação de planos educacionais individuais para cada aluno. O progresso nesta área ainda é curto, mas existe grande potencial de crescimento em 2022.

Segundo pesquisa da IDC (International Data Corporation), até 2023 um quarto das empresas adquirirá pelo menos um projeto de software de IA e suas vertentes, como machine learning e deep learning.

Esses são apenas alguns dos eventos tecnológicos e científicos que terão destaque em 2022 e podem mudar nossas vidas num futuro próximo. 

Não podemos deixar de mencionar o gigante Sirius, o acelerador de partículas brasileiro, que vem colaborando com projetos científicos de importância mundial e certamente fará um grande ano. O que mais você colocaria nessa lista? 

Comente aqui embaixo e compartilhe conosco! Acompanhe nosso blog para saber mais sobre as inovações tecnológicas e científicas, curiosidades e muito mais.

O que é eletroquímica?

Você sabe do que se trata a eletroquímica?

A eletroquímica está muito presente no nosso dia a dia, inclusive, se você está lendo este artigo, é porque a eletroquímica está em ação.

Ela é encontrada em pilhas e baterias, celulares, lanternas, calculadoras, computadores e muitos outros objetos do nosso cotidiano. Trata-se de um dos ramos da físico-química que estuda as relações existentes entre reações químicas e a corrente elétrica.

As reações estudadas na eletroquímica podem ser divididas em oxirredução (oxidação e redução), pilhas, baterias e a eletrólise. Lendo sobre cada uma dessas reações, você terá uma compreensão mais aplicada sobre o que é a eletroquímica. Vamos lá?

Reações da eletroquímica

Para entender melhor e observar a aplicação da eletroquímica no nosso dia a dia, confira abaixo como cada uma das reações estudadas por esse ramo da físico-química funciona. 

Reações de oxirredução

A oxirredução é um fenômeno químico. Nele, há a produção de energia elétrica a partir da ocorrência da oxidação e da redução de espécies químicas. Suas reações são caracterizadas pela perda e pelo ganho de elétrons:

  • Oxidação é a perda de elétrons. É provocada pelo elemento chamado de agente oxidante.
  • Redução é o ganho de elétrons. É provocada pelo elemento chamado de agente redutor.

Em resumo, isso significa que, no processo de oxirredução, ocorre a transferência de elétrons de uma espécie para outra. 

Quando um átomo ou íon recebe elétrons e tem a sua carga ou o seu número de oxidação (Nox) diminuído, dizemos que ele sofreu uma redução. Já a espécie que perde os elétrons sofre a oxidação, tendo o seu Nox aumentado.

As ações de oxirredução estão presentes no cotidiano, como na oxidação do ferro (quando forma a ferrugem), na redução de minérios metálicos para a produção de metais, formação do aço, corrosão de navios, etc.

Pilhas e baterias

Em resumo, a pilha converte energia química em energia elétrica de modo espontâneo. Ela também é chamada de célula eletroquímica, é composta por dois eletrodos e um eletrólito. Quando conectamos duas ou mais pilhas, forma-se uma bateria.

A conversão de energia química em energia elétrica ocorre por meio de uma reação de oxirredução. 

Esse processo acontece espontaneamente, pois há a transferência de elétrons entre um metal que tem a tendência de doar elétrons (lado negativo: ânodo) por meio de um fio condutor para um metal que tem a tendência de receber elétrons (lado positivo: cátodo).

Algumas pilhas ou baterias não podem ser recarregadas, essas são chamadas de primárias. Nelas, a reação de oxirredução funciona por determinado período, fornecendo energia ao sistema até que a reação química se esgote e o dispositivo pare de funcionar.

No entanto, as pilhas ou as baterias secundárias são recarregáveis e podem ser utilizadas diversas vezes. Um exemplo disso é a bateria usada em automóveis (baterias chumbo/óxido de chumbo ou chumbo/ácido).

Esse tipo de bateria é recarregada quando recebe uma corrente elétrica contínua, a diferença de potencial recebida é capaz de inverter os polos e mudar o sentido da reação química, fazendo com que a bateria funcione e grande parte do ácido sulfúrico se regenere.

Conheça o inventor da pilha voltaica.

Eletrólise

Ao contrário das pilhas, a eletrólise é a reação de oxirredução que ocorre de modo não espontâneo e converte energia elétrica em energia química.

Existem dois tipos de eletrólises:

Eletrólise ígnea: é aquela que se processa a partir de um eletrólito fundido, ou seja, pelo processo de fusão. É feita com ausência de água. A corrente elétrica passa pela substância iônica na fase líquida (fundida). 

Um exemplo disso é a eletrólise do cloreto de sódio (sal de cozinha) fundido, que produz o gás cloro e o sódio metálico – este último é tão reativo que chega a explodir em contato com a água.

Eletrólise aquosa: neste caso, temos íons fornecidos pela substância dissolvida na água. Em solução aquosa, a eletrólise pode ser realizada com eletrodos inertes ou eletrodos ativos (ou reativos).

Um exemplo da utilização da eletrólise aquosa é no revestimento de peças com metais que se oxidam mais facilmente que o metal que constitui a peça para protegê-la contra a corrosão. 

Aplicações da eletroquímica

Para visualizar melhor todos os exemplos citados neste artigo, descrevemos mais algumas circunstâncias do nosso cotidiano nas quais a eletroquímica entra em ação, são elas:

  • – Reações no corpo humano.
  • – Fabricação de aparelhos eletrônicos.
  • – Carregamento de pilhas e baterias.
  • – Galvanoplastia: revestimento de peças de ferro e aço com zinco metálico, impedindo a ferrugem de materiais.
  • – Dezenas de aplicações na indústria química.

Agora já descobrimos um pouco mais sobre a eletroquímica, que ela estuda as relações entre reações químicas e a corrente elétrica e está muito presente no nosso dia a dia. 

Leia também sobre o eletromagnetismo terrestre. 

Cores: por que enxergamos colorido?

Será que as cores realmente existem?

Um dos principais sentidos do corpo humano, a visão é uma das formas mais potentes de percepção e interpretação de tudo o que nos cerca. 

As cores e as luzes atraem o nosso olhar, e tudo que está à nossa volta parece ser colorido: a natureza, os objetos, as cidades. Mas e se você descobrisse que, na verdade, as cores não existem? Elas são fabricadas pelo nosso cérebro.

Isso acontece porque os objetos absorvem as cores que estão na luz branca. Quando essa luz reflete nos nossos olhos, na camada chamada de retina, as células chamadas de cones e os bastonetes transmitem a informação sobre as cores para o nosso cérebro. 

Por ser um processo individual, cada pessoa percebe as cores de um jeito. Continue a leitura para entender melhor como as cores se formam e por que enxergamos colorido.

Como as cores se formam

Antes de falarmos sobre como os nossos olhos enxergam as cores, vamos entender como elas se formam.

Quando dizemos que as cores não existem, é porque as tonalidades só aparecem na presença da luz branca, que é a mistura de várias cores. Sem a luz, não há cor, apenas um espaço vazio representado pelo preto.

Ou seja, a cor é a impressão causada nos olhos pela luz. A cor neutra é o branco, ele é a união de todas as cores que podemos enxergar, compostas pelos espectros de vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta. 

A ausência de luz – ou inexistência de cor – é representada pelo preto, já que não consegue refletir luminosidade nos objetos.

Diferenciamos uma tonalidade da outra por meio do fenômeno físico chamado “comprimento de onda”. Isso quer dizer que as cores são ondas que vibram em velocidades diferentes. Quanto mais rápida a onda, mais azulada ela fica; e quanto mais lenta, mais avermelhada.

Quando um feixe de luz toca um objeto colorido, parte desse feixe é refletida enquanto parte é absorvida pelo objeto, porém, só podemos ver a cor correspondente à frequência que foi refletida.

Logo, a cor de um objeto é justamente a cor que ele não absorveu. Se uma maçã é vermelha, é porque ela absorve muito todas as cores, menos a vermelha – que é refletida para o nosso olho.

Newton e o prisma

A descoberta de que as cores são nada mais que luzes refletidas sobre o branco pode ser um pouco impactante. Imagine então em 1665 quando Newton apresentou a sua teoria.

Acontece que, por muitos séculos, o arco-íris era um grande mistério da natureza. Ninguém sabia como ou por que aquele arco colorido surgia. Da mesma forma, o feixe multicolorido que saía de dentro dos prismas também era um mistério.

O surgimento dessas cores era tão misterioso que as pessoas acreditavam serem obras de espectros, como seres fantásticos parecidos com fantasmas.

Até então, artistas e cientistas viam o branco como uma cor pura, e não uma mistura de cores. Mas essa concepção foi alterada pelo cientista inglês Isaac Newton.

Em 1665, Newton fez um experimento que mudaria tudo. Ele dispunha apenas de alguns prismas, lentes e da luz do sol. Através de um pequeno furo em uma cortina, o cientista obteve um feixe de luz que fez incidir sobre o prisma.

A luz, depois de passar pelo prisma, projetava sobre a parede uma mancha com as cores distribuídas do vermelho ao violeta. 

Esse feixe colorido foi focado por uma lente e direcionado para um segundo prisma. As cores então se misturaram, resultando em luz branca.

Para não haver dúvidas, o mesmo feixe atravessou um terceiro prisma e novamente se separou nas cores do arco-íris. Essa é a prova definitiva de que a luz branca é composta por todas as cores.

Como as cores chegam aos nossos olhos

Hora de entender como essa “mágica” funciona para os nossos olhos e por que enxergamos colorido.

O caminho que a luz refletida por um objeto percorre no nosso olho é o seguinte: ela atravessa a córnea, a íris (responsável por regular a quantidade de luz recebida pela pupila), a pupila, o cristalino e chega até a retina.

É dentro da retina que as imagens são formadas, nela, existe uma camada de células bem pequenas e sensíveis à luz – os fotorreceptores. 

Eles são de dois tipos: bastonetes, que funcionam em lugares mais escuros, e os cones, que se adaptam à luz e são responsáveis pelas cores que enxergamos.

Cada um vê uma cor

Uma cor nunca será exatamente igual para todas as pessoas. Isso acontece porque as densidades de recepção da luz variam de um indivíduo para outro. 

É o nosso cérebro que produz as cores, o que gera variações de acordo com cada observador: o azul que você vê pode não ser a mesma tonalidade de azul que seu amigo vê.

Além disso, algumas pessoas têm daltonismo – um distúrbio da percepção visual identificado pelo não funcionamento dos cones, os responsáveis pela diferenciação das cores.

Logo, o indivíduo com daltonismo sente dificuldade em apontar a diferença das tonalidades, como tons de vermelho ou laranja. A confusão também existe entre verde, vermelho, azul e amarelo, que são cores oponentes. 

***

Agora você já sabe como somos capazes de ver o mundo colorido e que cada pessoa vê o mundo de um jeitinho. Continue no blog para mais curiosidades! Que tal conhecer um pouco mais sobre a lua?