Mas, afinal, para que é utilizado e como funciona o código Morse?

Você tem curiosidade de entender para que é utilizado e como funciona o código Morse? Então vamos lá!

Você já deve ter visto em filmes, séries ou até mesmo em desenhos, alguém se comunicando por batidinhas, piscar de luzes ou bilhetes que só têm pontinhos e risquinhos. 

Trata-se do código Morse, um importante instrumento de comunicação muito utilizado em vários momentos da nossa história, como na Segunda Guerra Mundial e no naufrágio do Titanic, em 1908.

Apesar dessa linguagem não ser mais tão utilizada como foi no passado, ela ainda pode ser muito útil nos dias de hoje.

Você tem curiosidade de entender para que é utilizado e como funciona o código Morse? Então vamos lá!

O que é código Morse?

O código Morse é uma ferramenta de comunicação que representa letras, números e sinais de pontuação por meio de uma sequência de pontos (.) e traços (-) chamados de bits e dahs, respectivamente.

Esses sinais criam uma mensagem codificada que é enviada pausadamente, conforme o ritmo e os intervalos com que aparecem.

A transmissão de mensagens codificadas em código Morse pode ser feita de diferentes formas, como: 

1) por pulsos elétricos, através de uma rede telegráfica;

2) por ondas mecânicas, através do som;

3) por ondas eletromagnéticas, através de sinais de rádio com pulsos ou tons curtos e longos;

4) por sinais visuais, utilizando ferramentas como lâmpadas e bilhetes.

O código Morse pode ser visto como uma forma de código digital, já que é binário: ou há o pulso ou não.

Podemos, por exemplo, usar uma lanterna para nos comunicarmos apenas ligando ou desligando a luz nos tempos certos. Também é possível usar o Morse com o som do apito, fazendo as diferentes variações do tempo ao apitar.

A história do código Morse

O código Morse surgiu em 1835 e leva o nome do seu criador, Samuel Morse. A criação surgiu para ser a linguagem utilizada na transmissão de mensagens através do telégrafo elétrico, também criado por Morse.

Esse aparelho, por sua vez, funcionava emitindo pulsos elétricos através de cabos a um eletroímã que, ao receber a mensagem, fazia o registro dos sinais em uma fita de papel. 

Quando a corrente estava ligada, a agulha do aparelho riscava uma fita magnética; quando a corrente era desligada, a fita ficava sem marca.

Samuel Morse também é inventor do telégrafo elétrico.

Inicialmente a ideia de Morse era transmitir apenas números e utilizar um dicionário para relacioná-los com as palavras, mas, por fim, acabou criando códigos para representar também as letras, permitindo a transmissão de mensagens mais completas. 

Ao longo do tempo, o código sofreu alterações. Em 1948, onze letras foram alteradas na Alemanha, adotadas para o padrão internacional em 1865 pelo Congresso Internacional Telegráfico.

A linguagem também passou a ser utilizada no rádio, e os pontos e traços foram transformados em sons curtos e sons longos.

O código foi amplamente utilizado no período da I Guerra Mundial para envio de mensagens rápidas de longa distância entre navios e aviões dos exércitos. Até hoje, nenhum outro sistema de codificação de informação eletrônico ultrapassou seu feito.

Até o ano de 1999, foi utilizado como o padrão internacional para comunicações marítimas. O exército americano também treinou soldados em código Morse até 2015.

A única alteração feita desde a I Guerra Mundial foi, em 2004, a inserção do código “AC” para representar o @. 

Como aprender código Morse?

Com o avanço da tecnologia na área de comunicação militar e naval, o código Morse não é muito utilizado hoje em dia. Porém, alguns sinais são bem famosos e podem ser reconhecidos em muitos casos, o clássico é o sinal de socorro: o SOS é composto pela combinação •••⁃⁃⁃•••.

Se você precisar de socorro e, por exemplo, só tiver uma lanterna para se comunicar, vale a pena tentar o sinal, já que ele é conhecido mundialmente.

O código Morse é relativamente simples. Seguindo a tabela de códigos, fica bastante fácil aprender a representação de cada sinal, lembrando que não se faz diferença entre letras maiúsculas ou minúsculas.

O mais importante é reconhecer os dits e dahs (também chamados de pulso e não pulso) para saber os intervalos entre letras e palavras. Atualmente, o código Morse Internacional conta com seis “símbolos”:

  1. pulso curto ou ponto;
  2. pulso longo ou traço;
  3. espaço entre pontos e traços;
  4. espaço curto entre letras;
  5. espaço médio entre palavras;
  6. espaço longo entre frases.

Lendo no papel, fica fácil de identificar, mas, para o som e o piscar de luzes, é um pouco mais complicado. Um dah (-) tem a duração de 3 dits (…) e o tempo de um dit (.) é utilizado para o intervalo entre caracteres, o de um dah (-) para os intervalos curtos. Usa-se o período de 7 dits (…….) para o intervalo médio e 4 dahs (—-) para o intervalo longo.

O código Morse nos dias atuais

Nos dias atuais, o código Morse é geralmente representado nas telinhas, em produções cinematográficas. Também é utilizado por escoteiros e radioamadores, sendo parte da grade curricular do exame para licença de radioamadores no mundo todo.

Para além dos filmes, outra arte que também se aproveita das mensagens codificadas é a música. Alguns músicos inseriram o Morse em suas melodias, ele é encontrado, por exemplo, em Wireless Fantasy, de Vladimir Ussachevsky, e em músicas de rock’n’roll como a YYZ do Rush, em A Revolta dos Dândis II dos Engenheiros do Hawaii e no pedido de socorro feito pela guitarra do Iron Maiden na música Empire of the Clouds, que narra o acidente sofrido pelo dirigível britânico R101, na sua primeira viagem, em 1930.

E agora é com você: que tal começar hoje mesmo e criar sua primeira mensagem em código morse? 😉

Você sabe qual é a diferença entre a energia sustentável, a renovável e a limpa?

A busca por energias sustentáveis, renováveis e limpas tem aumentado nos últimos anos, e, embora pareçam sinônimos, existem diferenças entre elas.

Grande parte das atividades realizadas pelo homem moderno requer o uso da energia, sendo ela um fator fundamental para satisfazer as necessidades da sociedade ao redor do mundo.

Por esse motivo, o conceito de energia sustentável nunca esteve tão em evidência. Uma vez que as principais fontes energéticas mundiais, os combustíveis fósseis como petróleo, carvão mineral e gás natural, não durarão para sempre.

O tema é tão importante que a ONU o transformou em um dos seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: “garantir o acesso a fontes de energia viáveis, sustentáveis e modernas para todos”. Logo, a busca por energias sustentáveis, renováveis e limpas tem aumentado nos últimos anos, e, embora pareçam sinônimos, existem algumas diferenças entre elas.

É importante conhecermos seus conceitos para entender que uma energia classificada como renovável ou limpa não é necessariamente uma energia sustentável. Vamos começar?

O que é energia sustentável?

Vamos começar com o conceito de energia sustentável. Ele está intrinsecamente conectado ao desenvolvimento sustentável. Em resumo, é a energia capaz de suprir as necessidades da sociedade atual sem comprometer as necessidades das gerações futuras.

Com esse tipo de energia, é possível manter um equilíbrio entre produção e consumo. Ela é gerada sem provocar grandes impactos ao meio ambiente e consumida em quantidade e velocidade nas quais a natureza ou a ação humana sejam capazes de repor.

Como exemplos de energia sustentável estão a energia solar e a eólica, que podem ser consideradas sustentáveis desde que sejam desenvolvidas com planejamento, envolvendo uma visão integrada entre economia, meio ambiente e compreensão social. 

A energia eólica pode ser considerada sustentável desde que seja desenvolvida com planejamento.

Já as usinas hidroelétricas, por exemplo, utilizam o potencial hidráulico de rios e da força da água para gerar energia. Porém, por mais que a água seja um recurso abundante que está constantemente se repondo na natureza, as usinas podem impactar severamente o meio ambiente, mudando o curso de um rio, causando prejuízos à fauna, à flora e à vida humana, por isso, geralmente não é considerada sustentável.

Seguindo essa linha de pensamento, a lenha, que provavelmente é o produto energético mais antigo utilizado pelo homem, só será uma fonte de energia sustentável quando a madeira for cultivada para esse fim por meio de um manejo florestal adequado e quando houver controle dos poluentes liberados durante sua queima. 

O que é energia renovável?

A energia renovável é toda energia obtida de recursos naturais que nunca se esgotam, uma vez que são repostos pela própria natureza. A chuva, o sol, o vento, o calor da terra, a biomassa e até mesmo as ondas e as marés são exemplos de fontes renováveis.

Esse tipo de energia agride minimamente o meio ambiente quando comparada às fontes convencionais de energia.

A biomassa é considerada uma energia renovável, mas isso não quer dizer que seja uma energia limpa.

Porém, existem casos de energias renováveis que emitem algum grau de poluente que as impede de serem consideradas limpas. Por isso, precisamos prestar atenção aos detalhes. 

É preciso destacar, novamente, a energia hidrelétrica e a obtida a partir da lenha: elas são exemplos de energias renováveis já que utilizam recursos que são naturalmente reabastecidos, mas isso não significa que essas fontes de energia sejam limpas.

Até os recursos renováveis podem se esgotar

É preciso ter em mente que essas fontes renováveis de energia podem se tornar insustentáveis. Se um recurso for usado em uma quantidade ou uma velocidade superior à sua capacidade de reposição, ele se esgotará.

E aí está a diferença! Além de ser renovável, a energia sustentável precisa ser usada com cautela e consciência. É fundamental preservar o meio ambiente e se adaptar ao desenvolvimento econômico e social das comunidades.

O que é energia limpa?

A energia limpa é todo tipo de energia que libera quantidades minúsculas ou praticamente zero de gases poluentes geradores do efeito estufa, como radiação, dióxido de carbono e qualquer tipo de contaminante químico para a atmosfera do planeta.

A energia solar e a energia eólica são os exemplos mais comuns. Isso não significa que elas não causem impactos ambientais, mas sim que esses impactos são bem menores e que, por meio de algumas medidas, podem ser amenizados.

A energia solar é uma energia limpa porque tem pouco impacto sobre o meio ambiente.

Outros tipos de energia que entram para o grupo das energias limpas são a geotérmica, a hidrelétrica e a biomassa. Todas elas são consideradas mais benéficas para o meio ambiente, mas isso não as torna automaticamente renováveis, ou seja, por mais que uma energia faça bem ao mundo, é possível que, um dia, o seu uso se torne impraticável.

Consumimos cada vez mais energia

Basta olhar para os dados para perceber o quanto a produção de energia cresceu durante os anos. Entre 1990 e 2010, por exemplo, o número de pessoas com acesso à eletricidade cresceu 1,7 bilhão; como a população global continua a crescer, também crescerá a demanda por energia.

A economia global dependente de combustíveis fósseis e o aumento das emissões de gás carbônico estão criando drásticas mudanças no clima, o que impacta diretamente em todos os continentes.

Por isso, garantir o acesso universal à energia significa investir em fontes de energia limpa, como a energia solar, a eólica e a térmica. Expandir a infraestrutura e modernizar a tecnologia para fornecer energia limpa em todos os países é um objetivo crucial para que o crescimento econômico colabore com o meio ambiente.

Conheça o webdocumentário “Sirius: Acelerando o futuro da Ciência”

Produzido entre 2017 e 2021, o webdocumentário retrata as principais fases de desenvolvimento do Sirius.

O primeiro acelerador de partículas da América Latina, Sirius, é a maior e mais complexa infraestrutura científica já construída no Brasil.

O laboratório que foi projetado e construído por brasileiros e financiado pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) é uma das fontes de luz síncrotron mais avançadas do mundo, gerando novas oportunidades de pesquisa científica em diversas áreas de conhecimento. 

Para contar sua história, o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) lançou, no dia 13 de agosto, o primeiro episódio de uma série especial de vídeos sobre o Sirius.

O webdocumentário “Sirius: Acelerando o futuro da Ciência” é composto por sete episódios independentes, cada um com cerca de 5 minutos, que explicam os principais desafios envolvidos no seu desenvolvimento. Continue lendo este artigo para conhecer e assistir ao primeiro episódio.

O que são aceleradores de partículas?

Eles são laboratórios gigantes. Por fora, parecem grandes túneis, que podem ser retos ou em forma de anel e ter vários quilômetros de extensão. Dentro deles, as partículas que compõem os átomos – como prótons e elétrons – são aceleradas a velocidades próximas à da luz para que elas possam bombardear núcleos atômicos estáveis.

A utilização desse tipo de equipamento é muito importante, afinal de contas, só com ele é possível quebrar partículas incrivelmente densas e milhões de vezes menores que o átomo.

Existem diversos tipos de aceleradores de partículas, como: Aceleradores de elétrons, Colisores de Partículas e Aceleradores de Prótons. 

Por que o Sirius é tão importante? 

Sirius é uma infraestrutura aberta, à disposição da comunidade científica brasileira e internacional. É financiado com recursos do MCTI e projetado por pesquisadores e engenheiros do CNPEM em parceria com a indústria nacional.

Ele permitirá que centenas de pesquisas acadêmicas e industriais sejam realizadas anualmente, por milhares de pesquisadores, contribuindo para a solução de grandes desafios científicos e tecnológicos, como novos medicamentos e tratamentos para doenças, novos fertilizantes, espécies vegetais mais resistentes e adaptáveis e novas tecnologias para agricultura, fontes renováveis de energia, entre muitas outras potenciais aplicações, com fortes impactos econômicos e sociais.

Entre os primeiros experimentos já realizados no Sirius, estão imagens em 3D de estruturas de proteínas de SARS-CoV-2, os detalhes obtidos por essas imagens puderam auxiliar na compreensão do vírus e no desenvolvimento ou melhoramento de remédios contra o COVID-19.

Assista webdocumentário “Sirius: Acelerando o futuro da Ciência”

O webdocumentário “Sirius: Acelerando o futuro da Ciência” possui sete episódios que explicam os desafios para a construção do maior projeto da ciência brasileira, produzidos ao longo de quatro anos de acompanhamento.

Produzido entre 2017 e 2021, o webdocumentário retrata as principais fases de desenvolvimento do Sirius, e cada episódio da série explica um aspecto diferente do projeto. 

Entre os temas apresentados, estão: obras civis, estabilidade, aceleradores, estações de pesquisa, parcerias com empresas brasileiras e perspectivas científicas.

A série conta com a participação de algumas das mentes mais brilhantes que estiveram envolvidas no projeto ao longo dos seus anos de desenvolvimento.

Uma delas é Ricardo Rodrigues, extraordinário cientista e engenheiro, falecido em janeiro de 2020, que foi um dos principais responsáveis pela origem da primeira fonte de luz síncrotron brasileira e um dos principais idealizadores do projeto Sirius. 

Os episódios da série podem ser vistos no canal da CNPEM do YouTube. Vamos começar assistindo ao primeiro episódio agora mesmo? Dê o play!

Incrível, não é mesmo? Não deixe de assistir aos demais episódios para se tornar um conhecedor desse projeto tão importante para a ciência e tecnologia do Brasil e do mundo.

Falando em mundo, que tal continuar no blog para ler o bate papo que tivemos com o jaraguaense que trabalha com aceleradores de partículas na Suécia?

Fonte: CNPEM

Dia da Árvore: por que esta data é tão importante?

WEG realiza ações de plantio e distribuição de árvores nativas.

O Dia da Árvore é comemorado no Brasil no dia 21 de setembro. A data foi escolhida por anteceder o início da primavera no hemisfério Sul. Tem por objetivo conscientizar a sociedade a respeito da importância das árvores para o meio ambiente e também para nós, seres humanos e, com isso, incentivar a proteção da natureza.

Neste texto, falaremos um pouco sobre a importância das árvores e como a WEG tem realizado ações de cuidado e preservação do meio ambiente que incluem a distribuição de mudas e o plantio de árvores.

Por que as árvores são tão importantes?

Sabemos que existem árvores de diversas alturas e dimensões, e elas podem viver centenas de anos e até mesmo milênios. Um pessegueiro, por exemplo, não passa dos 30 anos, enquanto uma sequóia gigante, espécie de conífera americana, supera os 3.000 anos de idade.

É inegável a importância das árvores para o equilíbrio do ecossistema. Um exemplo disso é a Amazônia, que é considerada pela comunidade científica uma peça importante para o equilíbrio climático em quase toda a América do Sul, mas também interfere positivamente em todo o planeta.

O Dia da Árvore é um ótimo momento para lembrar de que, além da sua beleza, as árvores proporcionam o oxigênio que respiramos, refrescam o ambiente, dão sombra, fazem barreiras contra o vento, ajudam a manter a umidade do ar, diminuem a poluição, mantêm o solo firme e são abrigos para outras espécies de plantas, pássaros e animais (responsáveis por espalhar novas sementes pelas matas).

Ações da WEG em 2021: plantação e distribuição de árvores nativas

Em março de 2021, a WEG realizou o plantio de 900 mudas de árvores em uma das margens do rio Itapocu, localizada nos fundos do parque fabril II, em Jaraguá do Sul, SC.

Com a ajuda de dois grupos de voluntários da própria empresa, coordenados pela equipe técnica da WEG Reflorestadora, a ação faz parte do projeto de recuperação da mata ciliar do rio Itapocu.

A atividade iniciou com a supressão dos eucaliptos que impediam o crescimento da mata nativa, seguida da limpeza do local e da preparação do solo para receber as mudas de 29 espécies diferentes de árvores nativas. 

Todas as mudas plantadas foram identificadas e receberam um QR code contendo informações sobre as espécies, como formato das folhas e dos frutos, coloração das flores, tipo de fauna que atrai, tempo de floração e frutificação.

Assista ao vídeo da ação:

Dia da Árvore 2021

Para comemorar o Dia da Árvore, neste mês de setembro, a WEG está distribuindo 4 mil mudas de árvores nativas aos colaboradores do parque fabril de Jaraguá do Sul, valorizando o contato com a natureza do colaborador que terá a oportunidade de plantar e cultivar uma muda nativa da nossa região junto aos seus familiares.

Mudas de árvores serão entregues aos colaboradores da WEG.

As mudas serão entregues em caixinhas de leite que foram coletadas nos refeitórios da WEG. Vários setores da empresa ajudaram na higienização e no recorte das caixinhas.

O principal objetivo da ação é conscientizar as pessoas a respeito da preservação do meio ambiente. A ação representa a preocupação da WEG com os temas de Sustentabilidade (ESG).

Além disso, neste ano, para cada familiar dos fundadores da WEG (Werner, Eggon e Geraldo), foi plantada uma muda de árvore, reforçando o quanto é importante levar esse tipo de conscientização para todos os membros da família. O plantio aconteceu na ARWEG (Associação Recreativa e Cultural WEG) no dia 13 de setembro. 

Familiares dos fundadores da WEG plantaram árvores na ARWEG.
Harry Schmelzer Jr, presidente executivo da WEG, também fez o plantio de uma muda de árvore.

Essas iniciativas estão alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, mais especificamente ao ODS 15 que é proteger, recuperar e promover o uso sustentável do ecossistema terrestre, gerir de modo sustentável florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e a perda de biodiversidade.

As ações realizadas pela WEG respeitam todas as determinações do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina e as regras de convívio da pandemia e dão continuidade às iniciativas da WEG de tornar o mundo cada dia mais sustentável e limpo.

E você? O que tem feito para contribuir com a preservação da natureza? Que tal começar plantando uma mudinha de árvore no dia hoje? 🙂

Museu WEG promove Capacitação para Professores – EAD

A Capacitação para Professores é um programa voltado para os professores do ensino fundamental e médio das redes municipais, estaduais…

A Capacitação para Professores é um programa voltado para os professores do ensino fundamental e médio das redes municipais, estaduais e particulares. Uma oportunidade ímpar para que os professores conheçam a exposição e as atividades do Museu WEG e possam tê-lo como meio de extensão da sala de aula. 

O Museu WEG sempre realizou visitas guiadas para grupos, sendo em sua maioria grupos escolares.

Desde 2014, passou a desenvolver e aplicar ações educativas voltadas para as escolas com temáticas, programação e conteúdos específicos para cada fase de aprendizado. Desde então, já capacitou mais de 500 professores de toda a rede de ensino. 

Devido à pandemia da COVID-19, as aulas nas escolas passaram a ser virtuais para garantir a segurança dos alunos. Então, para se adequar à nova realidade, o Museu WEG também começou a realizar ações educativas e visitas virtuais que estão servindo como ferramenta de engajamento dos alunos durante o estudo à distância.

Nesse sentido, também sentiu a necessidade de oferecer uma capacitação para professores em formato virtual, para que possam conhecer e entender todos os recursos e as ferramentas de ensino do museu e assim tornar as aulas ainda mais produtivas e interessantes.

O Programa de Capacitação para Professores oportuniza ao professor descobrir os potenciais do museu como aliado na sala de aula, orientando os alunos para que eles aprendam de um modo mais autônomo e construam experiências durante as atividades realizadas.

A capacitação faz parte do evento Primavera dos Museus e acontecerá de 04 a 29 de outubro. Todos os professores estão convidados a participar. Nos vemos lá?

Inscrições:

De 20/09 a 03/10 via Google Docs: inscreva-se aqui! 

O curso estará liberado do dia 04/10 ao 29/10.

Dúvidas e informações: (47) 3276-4550

Museu WEG na 15ª Primavera dos Museus

A Primavera dos Museus chegou!

A Primavera dos Museus é um evento anual que acontece em conjunto entre as instituições museológicas de todo o país e o Ibram – Instituto Brasileiro de Museus. É uma oportunidade ímpar para que os museus se aproximem da comunidade, estreitando laços sociais, culturais e afetivos.

Durante o evento, museus, instituições de memória, espaços e centros culturais de todo o país criam atividades que proporcionam reflexão, troca de experiências e discussões em torno de temas específicos.

Neste ano, o evento será realizado de 20 a 26 de setembro e abordará o tema “Museus: perdas e recomeços”.

Visando atividades virtuais devido à pandemia da COVID-19, o Museu WEG preparou uma programação especial para a nova edição do Primavera dos Museus.

Programação do Museu WEG na 15ª Primavera dos Museus

Para o evento, o Museu WEG fará lives juntamente com outras instituições. Serão elas: Museu Catavento, Museu da PUC (RS), MAST – Museu de Astronomia e Ciências Afins, Museu da Cana e Museu Casa da Memória Italiana. 

O bate-papo entre os museus leva a hashtag #DeMuseusParaMuseus.

Além disso, haverá o lançamento do curso EAD de Capacitação de Professores. O curso tem como objetivo apresentar aos professores as ações educacionais desenvolvidas no Museu WEG, para que o museu possa se tornar uma extensão da sala de aula. 

Confira a programação: 

1) Lançamento da Capacitação de Professores 

Data: 20/09 

Local: Facebook, Instagram e blog do Museu WEG

Inscreva-se aqui! 

2) Live com participação do Museu Catavento (SP) 

A Live contará com a participação da Assessora do Educativo do Museu Catavento, Ana Rita C. Lima, graduada em História e em Administração de Empresas, com especialização em finanças e que já atuou em empresas de médio e grande porte.

Data: 22/09

Horário: 15h

Local: Instagram do Museu WEG

3) Live com a participação da PUC (RS)

A Coordenadora de Projetos Museológicos do Museu de Ciências e Tecnologia PUCRS, Simone Flores Monteiro, participará desta live rica em informações e conhecimento.

Data: 22/09

Horário: 19h

Local: Instagram do Museu WEG

4) Live com participação do Museu de Astronomia e Ciências Afins (RJ) 

Douglas Falcão, Presidente da Associação de Centros de Museus de Ciência (ABCMC), marcará presença nesta live e compartilhará um pouco da sua vasta experiência na área da Educação em Ciência e Tecnologia. Douglas possui licenciatura em Física, mestrado em Educação e doutorado em Educação pela University of Reading. É Tecnologista sênior do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), já ocupou o cargo de Coordenador de Educação em Ciências do Museu de Astronomia e Ciências Afins. Foi diretor do Departamento de Popularização e Difusão de Ciência e Tecnologia do MCTI. 

Data: 23/09  

Horário: 15h

Local: Instagram do Museu WEG

5) Live com participação do Museu da Cana e Museu Casa da Memória Italiana

A live terá a participação de três grandes profissionais. São eles: Leila Heck, Gestora do Museu da Cana, com formação em Comunicação Social e MBA em Gestão de Museus; Alice Registro Fonseca, Gestora do Museu Casa da Memória Italiana, mestre em Artes e com MBA em Gestão de Museu; e Clark dos Santos Alves, Orientador Educacional no Museu da Cana, Historiador e Técnico de Conservação e Restauro.

Data: 24/09  

Horário: 15h

Local: Instagram do Museu WEG

Todas as lives terão a mediação da Coordenadora do setor educativo do Museu WEG, Patrícia Tatiane Schubert.

Siga as redes sociais do Museu WEG: Instagram | Facebook 

Conheça mais sobre a Primavera dos Museus: eventos.museus.gov.br

Mitos e verdades sobre os vulcões

Conheça algumas curiosidades sobre os vulcões!

Poucos eventos geológicos mexem tanto com nossa imaginação como um vulcão em erupção. É comum a aparição de vulcões em filmes, desenhos e documentários, e, muitas vezes, esquecemos que eles são reais: sejam ativos, sejam inativos.

A capacidade que esse fenômeno natural tem de expelir o magma terrestre e destruir cidades próximas proporciona teorias que nem sempre são reais. Pensando nisso, hoje vamos explicar o que ele é e contar alguns mitos e verdades sobre os vulcões. Confira abaixo!

O que é um vulcão?

Visualmente, um vulcão assemelha-se a uma montanha, especialmente quando se encontra inativo. Contudo, são estruturas diferentes desde a sua formação até a sua composição.

O vulcão é caracterizado como uma abertura na crosta terrestre (camada superficial da Terra) por onde são expelidos para a superfície materiais líquido-pastosos e incandescentes, que recebem o nome de magma. Da fenda de um vulcão, também podem ser emitidos materiais gasosos e poeira vindos do interior do planeta.

O magma expelido dos vulcões pode causar bastante destruição por onde passa, especialmente quando a área é habitada. Pois, além de ser um líquido-pastoso, ele é muito quente, tendo entre 600 °C e 1.200 °C.

Os vulcões podem ser localizados nos continentes e até mesmo nos oceanos, a sua formação e a sua distribuição estão relacionadas à existência das placas tectônicas.

O estudo dessas estruturas é bastante relevante para compreender os eventos ocorridos no interior da Terra.

Mitos e verdades sobre os vulcões

1. A lava sempre escorre lentamente

Nem sempre. O intenso calor e a pressão do interior da Terra fazem com que alguns tipos de rocha derretam e formem o magma.

Esse material subterrâneo produz gases que, quando exercem uma pressão maior do que a crosta terrestre pode suportar, causam uma erupção, e esse magma (lava) é expelido para fora do vulcão. Ele pode escorrer lentamente ou explodir agressivamente, mas isso depende da elevação da temperatura e da viscosidade do magma.  

2. Vulcões expelem fumaça

Apesar de parecer, vulcões não expelem fumaça. O que podemos ver no ar são minúsculos pedaços de lava e rocha que são quebrados e expelidos.

Segundo pesquisadores, esses materiais, que podem até parecer fumaça, chegam a derrubar um telhado, sobrecarregar a rede de energia e danificar carros, por exemplo. 

Erupção do Vulcão Krakatau. Foto: feygraphy / Shutterstock.com

3. A lava é o elemento mais perigoso do vulcão

A lava é uma grande preocupação durante as erupções vulcânicas. Mas geralmente o vulcão dá sinais e a lava se move de modo que os moradores próximos tenham tempo para fugir.

Já os fluxos piroclásticos, que são compostos de gás quente, cinza e pedras, são mais perigosos e se equiparam ao lahar, uma espécie de lama que se forma quando a água se mistura com cinzas vulcânicas gerando uma mistura pesada que se move tão rápido que as pessoas não conseguem correr dela.

4. Os vulcões são mais ativos hoje do que no passado

Quando os vulcões começam a ser notícia em todo o mundo, vemos manchetes como: “O núcleo da Terra está em crise?”. Mas, apesar desses questionamentos, a Terra não está se tornando mais geologicamente ativa.

A atividade geológica ao longo do tempo tem fluxo e refluxo, e algumas áreas têm mais erupções ou terremotos que outras. Segundo pesquisadores, não há razão para pensar que esses números tenham variado muito ao longo do tempo. 

Com a nossa capacidade atual de monitorar vulcões em locais remotos, graças aos satélites e à velocidade das informações, uma erupção que poderia passar despercebida há 100 anos certamente chegaria às manchetes hoje.

Ou seja, os vulcões não estão mais ativos, somos nós que estamos mais conscientes quanto a isso. 

Piton de la Fournaise, um dos vulcões mais ativos do mundo, visto do alto.
Foto: lechaudrondevulcain.com 

5. Os vulcões contribuem significativamente para as mudanças climáticas 

Entre os gases produzidos pelos vulcões, está o dióxido de carbono. Por isso, eles se tornaram alvo para quem nega que as mudanças climáticas são provocadas pelo homem.

Há, por exemplo, quem diga que a eliminação de praticamente todos os automóveis do mundo seria compensada por um vulcão explodindo.

Mas essa teoria vai por “água abaixo” quando lembramos que as taxas de atividade vulcânica não estão aumentando. Logo, não há razão para que mais dióxido de carbono seja adicionado à atmosfera a partir de erupções vulcânicas hoje do que em épocas passadas.

De acordo com pesquisa do vulcanologista Terry Gerlach, a quantidade de dióxido de carbono produzida por humanos a cada ano é mais de 100 vezes maior que a produzida pelos vulcões. Assim, anualmente, todos os vulcões do mundo produzem aproximadamente a mesma quantidade de dióxido de carbono que o estado de Ohio nos Estados Unidos. 

Esses foram alguns mitos e verdades sobre os vulcões. Vale ainda citar alguns dos vulcões mais famosos do mundo: Vesúvio e Etna (Itália), Mount Rainier (Washington), Lassen Peak (Califórnia), Mount Kilauea (Havaí), Sakurajima (Japão) e Popocatépetl (México).

Você conhece algum vulcão? Conta para a gente! Agora que você já sabe muitas curiosidades sobre esse fenômeno tão lindo e também assustador, que tal entender como é formado o arco-íris? Continue no blog e descubra muitos mistérios sobre o nosso universo!

Alessandro Volta: conheça o inventor da pilha voltaica

As descobertas de Alessandro Volta abriram portas para muitos experimentos e estudos.

Conhecido apenas como Alessandro Volta,  Alessandro Giuseppe Antonio Anastasio Volta, nasceu em 1745, na Itália, e foi um famoso cientista, que, entre várias contribuições, ficou mais conhecido por sua invenção da pilha elétrica.

Aos 16 anos abandonou o colégio jesuíta para estudar por conta própria, apenas com a assistência de um mentor. Este lhe ensinou os princípios básicos da Física, e também forneceu alguns aparelhos necessários para suas experimentações.

Volta aprendeu sozinho Física, Matemática, Latim, Francês, Alemão e Inglês. Mesmo não possuindo um diploma ou não tendo defendido uma tese, conseguiu um emprego como professor. Com o tempo ele passou de professor substituto a professor regente.

Inventos e descobertas de Alessandro Volta

Volta se tornou um inventor muito notável. Entre 1774 e 1979, lecionou Física na Escola Real de Como, na Itália. Nessa época aperfeiçoou o eletróforo, uma máquina usada para gerar eletricidade estática. O eletróforo foi usado para descobrir muitas das leis que determinaram o funcionamento do que conhecemos hoje como condensador ou capacitor.

Um dos seus primeiros inventos foi realizado em 1776 – o eudiômetro –, um aparelho que por meio de uma centelha elétrica causava a reação entre dois compostos gasosos. Esse aparelho foi usado para confirmar as leis das proporções definidas de Proust e as dos gases, incluindo a lei da dilatação dos gases submetidos a aquecimento, que foi uma lei que Volta determinou, juntamente com Gay-Lussac.

Outro feito de Alessandro Volta foi o isolamento do gás metano, o que aumentou ainda mais a sua fama, levando-o a ser nomeado para organizar o departamento de Física e lecionar na Universidade de Pavia, na Itália, onde permaneceu por 25 anos.

Ele também sugeriu a produção industrial de vacinas, difundiu o uso do amianto para a indústria, difundiu a cultura controlada do bicho-da-seda e também racionalizou o cultivo do lúpulo e da batata.

A invenção da pilha voltaica

O primeiro físico a realizar experimentos relacionados às pilhas elétricas foi Galvani, mas a interpretação dos resultados por ele foi errada. Volta repetiu os experimentos e propôs uma interpretação que se mostrou exata para os fenômenos observados por Galvani.

Foi em 1800, que ele causou uma enorme agitação no mundo científico. Provando sua teoria, Volta empilhou discos alternados de zinco e cobre, separando-os por pedaços de tecidos embebidos em solução de ácido sulfúrico. Sempre que um fio condutor era ligado aos discos de zinco e de cobre das extremidades, o aparelho produzia corrente elétrica. Surgia a pilha de Volta. 

A explicação foi a seguinte: a eletricidade, no caso, era produzida pelo contato entre os dois metais – o cobre e o ferro – cujas cargas elétricas tinham sido ativadas por um fator de desequilíbrio entre os seus potenciais elétricos. Ou seja, por uma força eletromotriz. 

A partir daí, todos os aparelhos que produziam eletricidade por meio de processos químicos passaram a ser denominados de células voltaicas (em homenagem a Volta), pilhas galvânicas (em homenagem a Luigi Galvani) ou, como chamamos, pilhas.

Bateria elétrica de Alessandro Volta (Tempio Voltiano em Como, Itália)

Honrarias

Volta se tornou uma celebridade! Em 1801 foi recebido por Napoleão, no Instituto de Paris, para quem demonstrou suas pesquisas sobre a geração de corrente elétrica por uma bateria. 

Além de uma medalha de ouro e de 2000 escudos de ouro, Alessandro Volta também foi nomeado senador do Reino da Itália em 1810, com o título de conde.

Em 1815, o imperador da Áustria o nomeou como diretor da Faculdade de Filosofia de Pádua. 

Em 1893, o Congresso dos Eletricistas deu o nome de “volt” a unidade de força eletromotriz.

Outra amostra de popularidade foi a imagem de Volta e sua pilha foi reproduzida em uma nota de 10 mil liras, emitida pelo Banco da Itália, em 1984.

Volta nunca se envolveu em movimentos ou controvérsias políticas, tendo uma vida tranquila até os 82 anos de idade, quando faleceu em 1827, na cidade de Cammago, na Itália. 

As descobertas de Alessandro Volta e a invenção da pilha voltaica abriram portas para muitos experimentos e estudos, que, ao longo dos anos, se tornaram em facilidades para nossa vida atual. Que tal continuar no blog e conhecer outras invenções ligadas à eletricidade que mudaram o mundo?

O que você sabe sobre os peixes-elétricos?

Como estes animais vivem e como são capazes de gerar energia e dar choques?

A natureza não cansa de surpreender, ela é cheia de maravilhas e incógnitas e, certamente, um animal que vive na água e emite descargas elétricas é uma delas!

Muito se fala sobre os peixes-elétricos, mas poucas pessoas sabem como estes animais vivem e como são capazes de gerar energia e dar choques. Será que levar choque de peixe-elétrico dói? Por que ele emite descargas elétricas? Existem peixes-elétricos no Brasil?

Separamos algumas curiosidades para responder estas e outras perguntas! Confira.

O que são peixes-elétricos?

Peixe-elétrico é o nome que usamos para identificar diversas espécies de peixes que dão choque — ou seja, emitem descargas elétricas naturalmente. 

Esse grupo de peixes detecta e gera campos elétricos no ambiente em que ocorrem, utilizando dessa característica para comunicação, detecção de presas, defesa, reprodução e até mesmo para se movimentar e localizar objetos ao seu redor quando há ausência de luz. 

Tipos de peixes-elétricos

Existem diversas espécies de peixe-elétricos, eles vivem tanto em água doce como na água salgada. Dentre elas estão o bagre-elétrico-africano, que pode ser encontrado no rio Nilo, na África, e vários tipos de arraias elétricas presentes nos oceanos do mundo todo.

Para ter uma ideia da diversidade, atualmente existem mais de 250 espécies desses peixes. Eles podem ser encontrados desde o Rio Salado (La Plata) na Argentina, até o Rio San Nicolas, no Sul do México, porém é no Brasil, na região Amazônica, que encontra-se 80% da diversidade de espécies de peixes-elétricos.

No Brasil, os peixe-elétricos mais conhecidos são miracéu, bagre elétrico, poraquê e raia elétrica marinha, sendo o poraquê, também conhecido como enguia-elétrica (embora não seja uma enguia verdadeira) e treme-treme, o mais famoso. O nome vem do tupi e significa “o que faz dormir”. 

Os poraquês vivem nas águas amazônicas e nos rios do Mato Grosso e podem chegar a 2,5 metros de comprimento. A espécie é a única que produz descargas elétricas fortes, usadas para caça e defesa. 

Peixe-elétrico descoberto na Amazônia emite 860 volts

Esta é a descarga mais forte já registrada em animais. Para capturar e pesquisar a espécie de peixe-elétrico poraquê, o pesquisador brasileiro Carlos David de Santana precisou entrar em igarapés na Amazônia e, mesmo usando luvas de borracha, alguns choques foram inevitáveis.

O Electrophorus voltai é uma espécie de peixe-elétrico descoberta na Amazônia

A pesquisa de cinco anos resultou na descoberta de duas novas espécies de peixe elétrico — uma delas capaz de dar uma descarga de até 860 volts, a maior voltagem já registrada em um animal. Até então, o recorde era de 650 volts.

O recordista foi batizado de Electrophorus voltai, em homenagem ao físico Alessandro Volta, criador da bateria elétrica.

Como esses animais são capazes de produzir a eletricidade? 

Esses peixes possuem um órgão especializado — chamado de órgão elétrico —, que é composto por células que se diferenciaram a partir dos músculos durante sua evolução.

Assim como os nossos músculos geram eletricidade ao se contraírem, pela entrada e saída de íons de suas células, cada eletrócito (célula do órgão elétrico) também se carrega e descarrega o tempo todo. Cada célula nervosa típica gera um potencial elétrico de cerca de 0,14 volt.

Cada vez que os eletrócitos são estimulados por um comando que vem do cérebro, eles produzem uma pequena descarga elétrica. Como o órgão elétrico é formado por milhares de eletrócitos que se descarregam ao mesmo tempo, um peixe-elétrico grande, como é o caso do poraquê, pode gerar mais de 600 volts numa única descarga. 

Peixes-elétricos são perigosos?

Embora a espécie descoberta na Amazonia, a Electrophorus voltai, seja capaz de produzir um descarga de 860 volts — quase quatro vezes a voltagem de uma tomada doméstica de 220 volts —, ela é considerada menos perigosa para o ser humano do que a rede elétrica presente nas residências, pois tem baixa amperagem e dura poucos segundos. 

Como a maioria desses animais emite correntes de baixa voltagem, os choques nos seres humanos são quase imperceptíveis. Mas o choque de espécies como a Electrophorus voltai pode causar danos se atingir regiões que afetam músculos, nervos ou o coração. Então, se ver um peixe-elétrico por aí, nossa dica é não tentar brincar com ele, combinado? 😉

E, já que o assunto é descarga elétrica, o que você sabe sobre os raios? Conheça algumas curiosidades que te deixarão de cabelo em pé!

Conheça derivados do petróleo que fazem parte do seu dia a dia

Conheça derivados do petróleo que fazem parte do seu dia a dia.

Você sabia que a presença de derivados do petróleo no nosso dia a dia vai muito além da gasolina, diesel e gás?  Na verdade, é praticamente impossível pensar no nosso cotidiano sem a participação de algum produto obtido a partir da indústria petroquímica.

Antes de começar, vale lembrar que o petróleo é uma mistura de moléculas de carbono e hidrogênio que tem origem na decomposição de matéria orgânica, restos vegetais, algas, alguns tipos de plâncton e restos de animais marinhos. 

No decorrer de milhões de anos, esse material se acumulou no fundo de oceanos, mares e lagos. E, ao ser pressionado pelos movimentos da crosta terrestre, deu origem à substância que chamamos de petróleo.

Derivados do petróleo presentes em nossa casa

A indústria petroquímica transforma o petróleo refinado em produtos que são a base para grande parte da indústria química, muitas vezes não imaginamos quanta tecnologia e conhecimento estão envolvidos nas coisas mais simples da nossa casa.  

Entre os produtos estão roupas, colchões, embalagens para alimentos e medicamentos, brinquedos, eletrodomésticos, carros, aviões e até cosméticos. Conheça agora derivados do petróleo que fazem parte do seu dia a dia:

1. Brinquedos

Muitos utensílios infantis de uso diário são feitos de derivados do petróleo: mamadeiras, chupetas, copos, pratos e principalmente brinquedos. Isso porque eles são, em sua maioria,  feitos de plásticos e polímeros, contribuição da indústria do petróleo.

2. Cosméticos

Xampus, óleos, perfumes, tinturas e cremes de cabelo são alguns exemplos que levam derivados do petróleo em sua composição. Acredite, até 80% dos ingredientes encontrados em cosméticos são provenientes de petróleo, como acrilatos e propilenoglicol.

3. Borracha sintética

A borracha sintética substitui o látex em diversos produtos, como artigos esportivos, tênis e pneus, por ser mais forte e resistente a mudanças intensas de temperatura. Você sabia que, em geral, um pneu demanda o equivalente a 8 galões de petróleo? 

4. Remédios

Parece estranho pensar em petróleo quando estamos tentando resolver algum problema de saúde. Mas a verdade é que muitos medicamentos (em especial os analgésicos e, curiosamente, até mesmo os homeopáticos) contêm benzeno, um derivado do petróleo.

5. Produtos de limpeza

Quase todos os produtos de limpeza são feitos com derivados do petróleo. O interessante (e um pouco assustador) é que todos eles possuem ingredientes que ao mesmo tempo que deixam a casa limpa, podem nos fazer mal. 

Por isso, os rótulos dos produtos de limpeza trazem informações de segurança para que o usuário não deixe entrar em contato com os olhos, e que os mantenha longe de crianças e animais de estimação.

6. Asfalto

O que nós geralmente chamamos de “asfalto” é, na verdade, “concreto asfáltico” – ou seja, uma mistura de diversos minerais unidos graças ao asfalto propriamente dito, que é um derivado semi-sólido do petróleo.

7. Tecidos sintéticos

Sim! Sua roupa também tem petróleo. Os tecidos sintéticos como náilon, acrílico, spandex e poliéster são derivados do petróleo, e por serem mais baratos que os naturais, são largamente utilizados em roupas, cortinas e carpetes, por exemplo.

8. Comida

Para tudo! Você sabia que o petróleo também é utilizado direta e indiretamente na produção de alimentos? Entre os ingredientes estão os corantes, os flavorizantes e os conservantes, utilizados diretamente nos alimentos, e fertilizantes artificiais e pesticidas, utilizados no cultivo de alimentos.

9. Plástico

Este é um dos usos mais conhecidos de derivados do petróleo. O plástico vem das resinas derivadas do petróleo e pertence ao grupo dos polímeros. É um composto sintético extremamente presente no dia a dia da maioria das pessoas, é encontrado em garrafas pet, materiais de construção civil, embalagens, sacolas plásticas e copos descartáveis.

Em resumo, os produtos petroquímicos que vimos nos exemplos acima são classificados como básicos, intermediários e finais. 

Os petroquímicos básicos são eteno, propeno, butadieno, aromáticos, amônia e o metanol, a partir deles são produzidas uma grande diversidade dos intermediários. Estes, por sua vez, são transformados em produtos petroquímicos finais como os plásticos, borrachas sintéticas, detergentes, solventes, fios e fibras sintéticos, tintas, fertilizantes, etc.

Olhe para seu lado agora e perceba quantas coisas são derivadas do petróleo! Já pensou que se ninguém tivesse descoberto esse material, muitos produtos que usamos no dia a dia seriam extremamente diferentes? 

Essa e tantas outras descobertas criaram facilidades na vida moderna, da rotina doméstica ao ambiente industrial. Conheça agora 3 coisas comuns hoje que eram high tech há 100 anos.