Museologia

Museologia: Conheça mais sobre essa ciência e sua importância

Descubra a importância da museologia, a ciência que preserva a cultura e explora o passado, o presente e o futuro.

Hoje é o Dia Internacional dos Museus e nada melhor do que celebrar esta data super importante falando sobre museologia. E se tem uma ciência que a gente domina (além da física, obviamente) é essa aí.

É isso mesmo, existe uma ciência dedicada ao estudo e à prática da conservação, da interpretação e da apresentação do patrimônio cultural e natural de um povo.

A museologia não é só super importante para permitir uma viagem ao passado, pois ela também é uma janela para o futuro.

Mas o que é a museologia e como ela impacta a sociedade?

Bora conferir!

●       Leia também: Os 10 museus mais visitados do mundo em 2021

Museologia

O que é Museologia?

Os museus surgiram da conscientização do Homem sobre o seu patrimônio natural e cultural com as primeiras instituições, os gabinetes de curiosidades, aparecendo entre os séculos XV e XVI.

De modo resumido, desde a metade do século XX, a museologia é a ciência dedicada ao estudo dos museus, tendo como principal foco a sua organização e o seu funcionamento. A evolução da Museologia também inclui o uso de tecnologias modernas.

O grande foco aqui é relacionar objetos, coleções e exposições dentro de um contexto cultural e social (como nós que tratamos da história da WEG e do mundo da ciência e da tecnologia).

Segundo Rosalind Krauss, a museologia incorpora o termo “campo expandido”. Em seu artigo, fala sobre a evolução do conceito de escultura, caminhando a uma prática mais flexível e abrangente.

Na Museologia, este conceito abarca a incorporação de ideias da Nova Museologia e a fusão com diversas ciências, já que ela é literalmente reconhecida como uma das ciências humanas, mesmo enfrentando desafios de precisão terminológica (ou seja, apresentar termos corretos sobre cada coleção exposta) e buscando [ainda] maior reconhecimento.

●       Leia também: O que faz um museólogo?

 Museologia

Qual é a importância da Museologia?

Muito além da sua função de preservação e exposição, a Museologia preserva a história e a cultura.

É graças à Museologia que é possível entender o presente a partir do passado, é como poder ver a história e ligá-la com o presente e com as possibilidades do futuro.

Através da história, podemos aprender sobre os nossos erros como humanidade e evoluir.

A Museologia funciona como um guardião da sabedoria antiga, ajudando as pessoas a compreenderem a formação cultural e identitária da sociedade.

Leia também: Conheça os museus mais antigos do Brasil e do mundo

 Museologia

O impacto da Museologia na sociedade

A Museologia é uma ciência que explora a relação do homem com a sua realidade, refletindo a evolução dessa interação para gerar a compreensão da nossa história e da nossa evolução.

Conforme o tempo foi passando, as civilizações também foram evoluindo, aumentando a importância da Museologia.

É graças à Museologia que hoje temos museus de diversas áreas como história, arte, ciência (olha nós aqui!) e muitos outros. É um grande movimento para preservar os antigos conhecimentos e dar inspiração aos que ainda virão.

Visitar museus mais do que uma experiência enriquecedora, é um ato de reconhecimento da relevância da nossa herança cultural.

●       Leia também: Como surgiu o primeiro Museu?

Curtiu esta matéria? Então você vai curtir ainda mais visitar a gente! Venha vivenciar as nossas atrações e tirar a conclusão sobre o quão incrível é a nossa exposição. Podemos contar com a sua visita? Estamos ansiosos para conhecer você!

Fontes:

https://www.sabra.org.br/site/museologia/#:~:text=A%20importância%20da%20museologia,vez%2C%20permite%20entender%20o%20presente.

https://www.triscele.com.br/triscele/o-que-e-museologia

https://www.infoescola.com/ciencias/museologia

fatos científicos sobre a maternidade

4 fatos científicos sobre a maternidade

Conheça 4 fatos científicos sobre a maternidade, revelando a complexidade e a beleza por trás do vínculo entre mãe e filho.

12 de maio de 2024
...

Hoje é dia de celebrar as heroínas em nossas vidas. Para comemorar isso, decidimos fazer uma matéria apresentando fatos científicos sobre a maternidade. E a ciência comprova isso, viu?

Vamos mergulhar em alguns dos aspectos menos falados, mas igualmente importantes, da maternidade que revelam a complexidade e a beleza por trás do vínculo entre mãe e filho. Bora conferir!

PS: a última vai surpreender.

Leia também: Curiosidade infantil: qual é a importância de estimulá-la no aprendizado?

4 Fatos científicos sobre a maternidade

O amor de mãe é tão relevante para o desenvolvimento dos bebês que até já virou tópico de estudo em diversas universidades e centros de pesquisa.

Quer conhecer alguns deles? Então é só continuar lendo!

1-  A maternidade afasta o Alzheimer

Você não leu errado, não! Durante a gestação, a mãe e o seu bebê (do sexo masculino) estão “ligados” e compartilham nutrientes e também algumas células através da migração delas para a placenta.

Essas células partilhadas acabam se multiplicando por anos no corpo da mãe e são alocadas na pele e nos órgãos vitais (como pulmões, fígado e rins).

Segundo uma pesquisa publicada pela PLOS, foi identificado que essas células podem alcançar o cérebro da mãe, o que, em grandes quantidades, apresentam uma redução no risco de ter Alzheimer. Não existe uma explicação exata do porquê de isso acontecer, mas existe uma teoria que defende que essas células se transformam em novos neurônios para a mãe, o que auxilia na prevenção contra o Alzheimer.

2- O toque traz a cura

A gente falou que elas eram super-heroínas! Você provavelmente já ouviu falar que o leite materno tem todos os nutrientes que um bebê precisa para o seu sistema imunológico, mas saiba que o toque é tão importante quanto.

Pesquisadores da Escola de Enfermagem de Dalhousie vêm estudando como o toque da mãe pode reduzir a dor em até 30% em bebês prematuros ou doentes.

Outro estudo feito pela Universidade McGill foi conhecido como “método canguru”. Ele comprova que o ato de segurar o bebê no peito acelera o ganho de peso saudável, aumenta a resistência a infecções e hipotermia e ainda ameniza a dor.

Leia também: Conheça 5 mulheres que mudaram o mundo com suas invenções

fatos científicos sobre a maternidade

3- O bebê escuta a sua mãe de dentro da barriga

Outro poder digno de super-heroínas! Tendo como objetivo estudar o aprendizado da língua materna de bebês, pesquisadores da Universidade de Washington descobriram que os recém-nascidos mostram estranheza ao ouvir línguas diferentes da falada pela sua própria mãe.

“Este é o primeiro estudo que mostra que os fetos aprendem no pré-natal sobre os sons específicos da fala de uma língua materna”, confirma Christine Moon, autora principal e professora de psicologia da Luterana do Pacífico em Tacoma, Wash.

Isso não só mostra que o neném escuta a sua mãe desde a época da barriga como também já está acostumado com a sua voz.

Leia também: Mulheres que fazem ciência

fatos científicos sobre a maternidade

4- A mãe entende o seu filho

Você provavelmente já presenciou uma cena em que um bebê balbucia algo e a mãe entende na hora que ele quer água, mamar etc.

Segundo uma pesquisa realizada pela jornalista científica da BBC Melissa Hogenboom, foi apresentado que isso acontece porque, durante a maternidade, há alterações cerebrais significativas na mãe impactando principalmente no “circuito de recompensas” (envolvendo o córtex pré-frontal) e outros setores que aumentam a motivação e a alegria ao ter interações com o seu bebê.

Graças a essas alterações, uma mãe consegue desbloquear uma empatia tão alta a ponto de a sua reação ao choro do bebê facilitar o entendimento das necessidades dos recém-nascidos.

fatos científicos sobre a maternidade

Leia também: Hipátia de Alexandria: a mãe das cientistas

Curtiu esta matéria? Acesse o nosso blog (clicando aqui) e confira mais conteúdos fascinantes como este.

Já está nos seguindo no Instagram e no Twitter? Para seguir, é só clicar ←.

Fontes:

https://www.uol.com.br/vivabem/listas/5-estudos-cientificos-provam-como-a-maternidade-e-mesmo-fantastica.htm

https://plenae.com/para-inspirar/6-curiosidades-sobre-a-maternidade-segundo-a-ciencia/#:~:text=Segundo%20estudos%20da%20Universidade%20de,desenvolverem%20depressão%20aos%2040%20anos.https://www.bbc.com/portuguese/geral-59491976

Banner - Atlântida

Atlântida: entre o mito e a realidade

Mergulhe nesta matéria para descobrir o que é verdade e o que é mito na história de Atlântida.

Este conto fascinante não somente captura um conflito épico entre os protótipos de virtude atenienses e a ambição imperial de Atlântida como também serve como um poderoso veículo para a exploração de ideais filosóficos e morais. Se você, como a gente, também tem muito interesse sobre histórias como esta, venha com a gente mergulhar na origem desse mito.

Atlântida: entre o mito e a realidade

A origem do mito de Atlântida

O mito de Atlântida é uma das histórias mais fascinantes e enigmáticas da Antiguidade e tem suas raízes nos escritos de Platão, um filósofo grego do século IV a.C.

Em seus textos, o filósofo dialogava entre Timeu e Crítias, em que se desdobra uma narrativa sobre uma civilização poderosa que teria existido no passado remoto, entrelaçando-se com a própria história de Atenas.

Segundo a história, Atlântida era um estado sofisticado e arrogante que caiu pela vaidade de seus governantes ao tentarem invadir a Grécia. Isso teria enfurecido os deuses, e, sendo assim, foi castigada por eles ao mergulharem a ilha no mar e aniquilarem todo o seu poder.

A existência de Atlântida oscilou entre ser considerada uma realidade histórica concreta e uma mera fabulação com propósitos morais ou políticos.

O mais irônico é que Platão deixou pistas de que a cidade de Atlântida era imaginária; mesmo assim, sua história vem alimentando a imaginação das pessoas.

Leia também: A Prensa de Gutenberg: como essa invenção mudou o mundo?

Atlântida - Como era a cidade perdida

Como era a cidade perdida?

Segundo o mito de Platão, a ilha ficava próxima do Estreito de Gibraltar, que separa o Marrocos da Península Ibérica, também conhecido como “Pilares de Hércules”.

O mito detalha uma ilha gigante, maior que a Líbia e a Ásia juntas, estendendo seu império pelos continentes europeu e asiático e sendo conhecida por sua extraordinária prosperidade e seu avanço tecnológico.

A geografia de Atlântida era marcante, com montanhas e vastas planícies de solos férteis que abrigavam um povo engenhoso, conhecido por seus sistemas avançados de irrigação.

Os recursos eram abundantes, provendo aos atlantes tudo que era necessário para não apenas sobreviver mas prosperar, evidenciando uma sociedade sofisticada e tecnologicamente avançada.

Além da vasta riqueza natural, incluindo uma diversidade de árvores, metais, alimentos e animais, as cidades atlantes eram conhecidas pela arquitetura espetacular, com grandes templos, canais de irrigação, muralhas defensivas, portões e obras de arte feitas de bronze, ouro e marfim.

Em resumo, tratava-se de uma terra fértil, uma cultura rica e um povo inteligente e habilidoso, o que por si só já é incrível, mas ainda melhora: Atlântida também dispunha de um exército imponente, capaz de mobilizar 10 mil carros de guerra, alimentado por uma população massiva.

Leia também: Conheça os museus mais antigos do Brasil e do mundo

Atlântida: entre o mito e a realidade

O que causou a queda de Atlântida?

Resumidamente, foi a sede por poder e expansão do povo atlante.

A luta por poder foi agressiva. Atlântida tinha como objetivo expandir seu território e entrou em conflito direto com Atenas.

Contudo, havia a resistência feroz dos atenienses, que lutavam pela própria liberdade, repelindo a opressão e defendendo sua autonomia diante da tirania atlante.

A guerra entre Atlântida e Atenas marcou um ponto de virada com os atenienses repelindo os invasores e libertando outros povos sob o domínio atlante.

Essa resistência não apenas enfraqueceu substancialmente Atlântida como também simbolizou um triunfo da liberdade sobre a opressão, destacando os valores atenienses em contraste com a ganância atlante (a “moral da história” desse mito).

Zeus, vendo a atitude gananciosa e perigosa dos atlantes, decidiu intervir: o deus optou por uma punição severa para restaurar a ordem cósmica e moral.

Foi então que houve um gigantesco terremoto (possivelmente a ira de Zeus), que levou Atlântida ao seu fim apocalíptico. A ilha, antes vibrante e poderosa, foi tragada pelas profundezas do mar.

Leia também: Por que ainda não conhecemos todo o oceano?

Atlântida: entre o mito e a realidade

Por que esse mito não morre?

Mesmo com a falta de provas, ainda é muito difícil aceitar que essa história é um mito. Mas por quê?

Há arqueólogos que acreditam que é pelo fascínio humano pela “pseudoarqueologia”, apesar da opinião profissional considerar a lenda como puramente fictícia.

Essa história alimenta teorias da conspiração e especulações há mais de mil anos, provavelmente não vai ser agora que isso irá parar.

Enquanto profissionais como David S. Anderson e Flint Dibble dedicam suas carreiras à compreensão científica das civilizações antigas, suas descobertas são frequentemente ofuscadas pela especulação popular sobre uma ilha mítica cuja existência nunca foi comprovada.

E o pior, se continuamos acreditando em algo que já é quase comprovado cientificamente que nunca existiu, como vamos lidar com a predisposição para crer em narrativas extraordinárias que não tem prova alguma?

O alerta sobre a arrogância e os perigos do poder desmedido, como espelhado na narrativa de Platão sobre a Atlântida, é visto como um lembrete dos riscos inerentes ao descaso humano pelos limites éticos e naturais.

Leia também: Hipátia de Alexandria: a mãe das cientistas

Você já está seguindo o Museu WEG no Instagram? Lá você recebe alertas toda vez que um blog novo é publicado por aqui, então corra até lá para seguir a gente! Quer saber mais sobre ciência? Acesse o nosso blog e confira!

descubra como tudo começou segundo Stephen Hawking

“Breves respostas para grandes questões”, descubra como tudo começou segundo Stephen Hawking 

Descubra como Stephen Hawking defende em seu livro como tudo começou.

10 de abril de 2024
...

Stephen Hawking é, sem dúvida, um dos estudiosos mais conhecidos do mundo, e isso não é à toa, já que ele é ninguém menos do que o cientista que provou que a singularidade podia ser formada por buracos negros.  

Falando nesses gigantes do espaço, Hawking também entregou estudos sobre o funcionamento dos buracos negros, a radiação emitida por eles e sobre a teoria das flutuações quânticas.  

Realmente, o legado desse cientista foi de suma importância para o mundo da física. Para nossa alegria, uma das últimas obras publicadas por Hawking foi um livro conciso onde ele trouxe “Breves respostas para grandes questões”.  

Leia também: Radiação Hawking: conheça a teoria da gravitação gerada por um buraco negro 

O livro de Stephen Hawking

Se você é um amante da ciência, já coloque na sua lista de livros para ler neste ano a obra “Breve respostas para grandes questões” de Stephen Hawking.  

Com linguagem descomplicada e irônica, Hawking faz um grande apanhado de 10 perguntas que são muito questionadas no mundo da ciência.  

Espia só o sumário: 

Por que formular as grandes questões?

  1. Deus existe? 
  1. Como tudo começou? 
  1. Existe outra vida inteligente no universo? 
  1. Podemos prever o futuro? 
  1. O que há dentro de um buraco negro? 
  1. A viagem no tempo é possível? 
  1. Sobreviveremos na terra?  
  1. Deveríamos colonizar o espaço? 
  1. A inteligência artificial vai nos superar? 
  1. Como moldaremos o futuro? 

Não sei você, mas a gente ficou com curiosidade e vontade de ler todos os capítulos! E, para convencer você também, vamos viajar pelo capítulo “Como tudo começou?”.  

Leia também: O que é um buraco negro e por que precisamos estudá-lo? 

Como tudo começou segundo Stephen Hawking

Para não ficar muito extenso, vamos dar uma resumida nos pontos mais importantes encontrados no capítulo. Se você tiver interesse em saber mais sobre algum tópico específico, sinta-se convidado a ler este livro por completo. 

O universo “nasceu” de onde?

Muito antes de Hawking, filósofos como Aristóteles e Immanuel Kant já haviam debatido sobre a ideia de o universo ser eterno, evitando colocar uma intervenção divina, enquanto a crença em um início apontava para a existência de um criador, como é representada na Bíblia.  

Einstein, com sua teoria da relatividade, transformou a compreensão de espaço e tempo, tornando ambos dinâmicos e indefiníveis fora do universo. Ou seja, evidenciando que “fora” ou “antes” do universo não existia a presença nem de tempo, nem de espaço.  

Enquanto o universo parece infinito e uniforme, com bilhões e bilhões de galáxias contendo inúmeras estrelas e planetas, sua constância no tempo também é contestada já que o surgimento das estrelas ainda intriga, apontando para um evento inicial há alguns bilhões de anos.  

Lembra do telescópio Hubble? Na década de 1990, ele revolucionou a compreensão do cosmos ao descobrir que o universo está em constante expansão.  

Já que as galáxias estão se afastando continuamente, indica que elas já estiveram bem mais próximas umas das outras. Voltando a ideia de que “nasceram” em algum momento, o que contraria a ideia inicial do estado estacionário.  

Ideias de uma fase prévia de contração também foram propostas, mas questões sobre o primeiro evento permaneceram evasivas para muitos cientistas, destacando a necessidade de uma abordagem científica consistente na compreensão da origem do universo. 

Foi então que Penrose e Hawking demonstraram matematicamente que o universo teve um início.  

Leia também: 3 descobertas que o telescópio James Webb fez em menos de um ano 

A teoria do Big Bang

Penrose e Hawking revolucionaram nosso entendimento ao demonstrarem matematicamente que o universo teve um início, desafiando concepções antigas de um cosmos estático e eterno.  

Foi então que veio a teoria do Big Bang, que propõe que esse início ocorreu em uma singularidade, um ponto de densidade infinita. Porém, a relatividade de Einstein não consegue explicar completamente esse evento extremo.  

A descoberta da radiação cósmica de fundo, em 1965, forneceu fortes evidências em apoio à teoria do Big Bang, tornando essa teoria como a explicação mais aceita para a origem do universo.  

Mas, como nem tudo são rosas, essa teoria confronta-se com o desafio de unificar o princípio da incerteza da mecânica quântica com a relatividade, uma tarefa fundamental para compreender os estágios iniciais do cosmos.  

Por isso é preciso uma teoria unificada, como sugerida por Feynman, que incorpore diversas possibilidades para a história do universo.  

Leia também: Filmes incríveis sobre a vida de grandes cientistas 

O que veio antes do Big Bang?

“Segundo a proposição sem-contorno, perguntar o que veio antes do Big Bang não faz sentido – é como perguntar o que há ao Sul do polo Sul –, pois não existe um conceito de tempo disponível para ser empregado. A ideia de tempo só existe dentro do nosso universo.” – Stephen Hawking.  

O Big Bang serve como laboratório para testar teorias, mas questões sobre o fim e a singularidade do universo permanecem, influenciando seu futuro em relação à quantidade de matéria presente. 

No futuro distante, a teoria é de que o universo enfrentará duas possibilidades: o Big Crunch, onde tudo colapsa em si mesmo, ou a expansão eterna, resultando no esfriamento e esvaziamento do universo. 

Leia também: O que diz a Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein? 

Depois de tanto conteúdo sobre o nascimento do universo, que tal conferir outras matérias no blog do Museu WEG? Você também pode nos seguir no Instagram para sempre ser avisado dos novos conteúdos que irão surgir por aqui. 

Fontes: 

Livro – “Breves Respostas para Grandes Questões”, Stephen Hawking 

https://brasilescola.uol.com.br/biografia/stephen-william-hawking.htm

Inovações para ficar de olho

Inovações 2023: 5 avanços incríveis para ficar de olho 

Conheça 5 grandes inovações 2023 apresentadas pela revista TIME.

20 de março de 2024
...

Todos os anos, a revista TIME divulga as 200 melhores invenções abrangendo novos produtos e ideias de maior impacto global, buscando dar atenção aos campos que já estão crescendo no mundo.  

É sempre legal conhecer as invenções para refrescar a mente e aflorar novas ideias, mas sabemos que nem todos tem tempo hábil para ler e pesquisar sobre as 200 melhores invenções.  

Para unir o útil ao agradável, separamos 5 das grandes inovações 2023 para o segmento de acessibilidade, realidade virtual, energia verde, medicina e robótica. 

Venha conferir com a gente!  

5 incríveis inovações 2023 

Vale ressaltar que todas as 200 inovações 2023 são incríveis e merecem atenção, mas ficaria cansativo se apresentássemos todas aqui, portanto, caso tenha interesse em conferir todas, clique aqui.   

Dito isso, agora vamos para as inovações!  

 Inovações 2023 - Bengala inteligente

ACESSIBILIDADE: bengala inteligente (CAN Go)

Como uma alternativa para frear a falta de socorro em quedas de pessoas idosas, a CAN Go foi projetada com tecnologia IA para detecção de quedas, rastreamento de atividades, localização GPS, possuindo lanterna e recursos dedicados à chamada de emergência.  

“Muitos idosos não adotam novas tecnologias, e é por isso que decidimos incorporá-las em dispositivos que eles precisam ou já usam”, diz Ahmad Alghazi, CEO da CAN.  

A bengala inteligente é atualizada remotamente, aprende sobre a rotina e pode compartilhar esses dados com familiares e médicos do usuário. 

Está aí uma invenção que garantirá mais segurança e tranquilidade para idosos e seus familiares! 

REALIDADE VIRTUAL: Zoológico virtual (Axiom Holographics Hologram Zoo) 

Muito além de uma visita em um zoológico, o Axiom Holographics Hologram Zoo proporciona uma vivência inédita: a de entrar em contato com a realidade dos animais, como ver uma manada de elefantes correndo na sua direção e passando por você.  

“Trata-se realmente de mostrar às pessoas coisas que elas nunca viram antes”, diz Bruce Dell, CEO do Hologram Zoo. 

O zoológico virtual está em um complexo de 1.600 metros quadrados na Austrália e projeta a maravilhosa ação de animais selvagens na natureza, como ursos polares, baleias e muitos outros. 

Assustador? Um pouquinho, mas muito inovador e incrível também!  

 Inovações 2023 - Geladeira-EcoFlow

ENERGIA VERDE: Geladeira EcoFlow (EcoFlow Glacier)

Você gosta de acampar ou fazer longas viagens de carro? Então, a EcoFlow Glacier foi feita para você! Esse refrigerador portátil serve como geladeira, freezer e ainda como máquina de gelo.  

Com autonomia de até 40 horas, essa geladeira incrível também possibilita a recarga de bateria de celulares, tem capacidade de 39 litros e possui dois compartimentos que podem variar entre 10 °C até -25 °C.  

Além disso, a EcoFlow Glacier pode ser controlada por meio de aplicativo de celular. 

É, o futuro chegou – e ele faz 18 cubos de gelo em apenas 12 minutos. 

Inovações 2023 - Targed Real-Time Early Warning System

MEDICINA: alerta precoce em tempo real (Targed Real-Time Early Warning System)

Adiar o tratamento de sepse, que se trata de uma infecção generalizada, é um risco que pode ser fatal. Infelizmente, a infecção sistêmica é difícil de diagnosticar já que seus sintomas são muito comuns em pacientes hospitalares (como é o caso da febre) – isso até a criação do Targed Real-Time Early Warning System.  

“Os sistemas típicos de alerta precoce funcionam com cerca de 20% a 30% de sensibilidade. Nosso sistema foi capaz de capturar 82%”, diz Suchi Saria, fundador e CEO da Bayesian Health. 

Fazendo uso de IA, o sistema de alerta analisa registros médicos, sintomas e resultados laboratoriais do paciente, alertando sobre prováveis casos de sepse.  

Um alerta que salva vidas! 

Inovações 2023 - Drone-de-limpeza

ROBÓTICA: drone de limpeza (ClearSpace-1) 

Se você já ouviu falar na Síndrome de Kessler, fica fácil de entender por que a preocupação com os detritos espaciais é tão relevante já que trata da possibilidade de esses detritos acabarem criando uma “prisão” que impossibilitaria que saíssemos da Terra.  

Quanto mais lixo espacial, maior é a dificuldade de navegarmos pela órbita da Terra. Por isso a ClearSpace criou o ClearSpace-1: o drone que captura detritos espaciais e se autodestrói.  

Como se fosse um caminhão de lixo, mas no espaço e pegando fogo.  

Já está seguindo o Museu WEG no Instagram? Lá você recebe conteúdos fresquinhos sobre as novidades do mundo da ciência e da tecnologia. Clique aqui e siga agora!

Fontes:  

https://time.com/collection/best-inventions-2023/

pesquisas científicas sobre os mistérios das Pirâmides do Egito

Descubra o que as pesquisas científicas dizem sobre os mistérios das Pirâmides do Egito 

Aventure-se pelos mistérios e descobertas que envolvem o segredo das Pirâmides do Egito.

Com tantas histórias mostrando pessoas se aventurando nas Pirâmides do Egito, fica difícil não sonhar acordado com tudo que pode estar escondido nelas, ainda mais porque tudo que sabemos não é nem sequer a metade do que possivelmente contém lá dentro.  

Saiba mais sobre a técnica de construção das pirâmides, as antigas condições ambientais do Egito e o misterioso túnel que foi recentemente encontrado por lá.  

A técnica de construção das Pirâmides do Egito 

A técnica de construção das Pirâmides do Egito

Falar sobre as Pirâmides do Egito instiga a curiosidade de muitas pessoas já que, quando foram construídas, há milhares de anos, ainda não existiam escavadeiras e gruas. 

A engenharia por trás dessas gigantes impressiona já que cada um de seus blocos pesa toneladas. Na construção das pirâmides, a teoria mais aceita é de que foi preciso contar com trenós de madeira que possibilitavam levar pedras e estátuas pelo deserto, demonstrando grande compreensão dos princípios de física e engenharia dos construtores egípcios da época. 

Especialistas em Física da Fundação para a Investigação Fundamental sobre a Matéria e da Universidade de Amsterdã chegaram à conclusão de que, para facilitar o transporte, provavelmente foi usado o método de molhar a areia.  

Isso acontece porque, quando a água é colocada na areia, surge as chamadas pontes capilares, ou seja, pequenas gotas de água que unem os grãos de areia em si. 

Leia também: Calendário Lunar: por que algumas culturas comemoram o Ano-Novo só em janeiro?  

Mas e como cada bloco foi empilhado tão perfeitamente?

Glen Dash, um grande arqueólogo britânico, afirma em sua pesquisa publicada no periódico The Journal of Ancient Egyptian Architecture que os egípcios teriam usado as sombras projetadas pelo equinócio de outono para traçar suas curvas exatas até chegar em uma linha perfeita de leste a oeste.  

Leia também: Dinossauros do Brasil 

Teoria das condições ambientais favoráveis 

Teoria das condições ambientais favoráveis

Existe uma teoria sugerindo que as condições ambientais foram propícias para a construção das Pirâmides do Egito. 

Essa abordagem indica que os egípcios aproveitavam o Nilo e as suas inundações anuais para transportar as pedras da construção, criando um engenhoso sistema de canais que formavam um complexo porto no pé do planalto de Gizé.  

Durante os trabalhos de construção urbana próximos da cidade atual de Gizé, foram encontrados indícios nas perfurações do solo, indicando camadas rochosas que se alinham com um antigo afluente do Nilo indo em direção às bases das pirâmides de Khufu, Khafre e Menkaure. 

Ao extrair grãos de pólen de cinco desses núcleos perfurados na planície de Gizé, descobriu-se plantas semelhantes à grama ao longo do Nilo e a plantas pantanosas. Em resumo: foi descoberto que, há milhares de anos, existia um córrego passando por lá.   

Essa descoberta sugere que abordagens semelhantes poderiam ser aplicadas a outros complexos de pirâmides no Egito. 

O túnel encontrado 

O túnel encontrado

Entre 2016 e 2017, um grupo de pesquisadores do projeto ScanPyramids identificou diversas cavernas nas pirâmides. Em março de 2023, as autoridades egípcias anunciaram novos detalhes sobre uma dessas cavernas: o Corredor da Face Norte, localizado na Pirâmide de Khufu, conhecida como a Grande Pirâmide.  

Com o uso de equipamentos de ponta, os cientistas confirmaram que o Corredor da Face Norte tem cerca de 9 metros de comprimento, aproximadamente 2 metros de altura e mais de 1,80 metros de largura.  

Apesar dos rumores, os arqueólogos responsáveis não acreditam que esses túneis fossem usados em rituais, e sim que provavelmente foram construídos para aliviar a pressão das pirâmides.  

Mesmo assim, embora o túnel tenha sido descoberto, o seu propósito ainda não foi confirmado.  

Ainda falta muito para descobrirmos todos os segredos e mistérios das Pirâmides do Egito, mas, enquanto isso, continue acompanhando os conteúdos do blog do Museu WEG para ficar por dentro de todas as descobertas.  

Você curte ciência? Então corre seguir o Museu WEG no Twitter e no Instagram também! 


Fontes:  

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/05/140502_piramides_areia_lk

https://olhardigital.com.br/2022/08/30/ciencia-e-espaco/condicoes-ambientais-que-nao-existem-mais-podem-explicar-misterio-das-piramides-do-egito/

https://www.nationalgeographicbrasil.com/historia/2023/03/como-os-raios-cosmicos-ajudaram-a-encontrar-um-tunel-na-grande-piramide-do-egito 
 
https://super.abril.com.br/ciencia/arqueologo-pode-ter-descoberto-o-segredo-da-forma-das-piramides 

cinetose

Cinetose: por que enjoamos quando viajamos de carro?

Entenda o que é cinetose, quais seus sintomas e como prevenir enjoos e tonturas durante viagens!

21 de fevereiro de 2024
...

Já sentiu enjoo ou tonturas durante uma viagem de carro ou, talvez, no ônibus a caminho da escola? Essa sensação é mais comum do que imaginamos! 

Descubra a seguir o que é a cinetose, o que desencadeia essa condição e como podemos lidar com ela. 

Por que o desconforto acontece? 

cinetose por que desconforto acontece

A cinetose, ou enjoo do movimento, acontece quando o nosso cérebro entra em “conflito” ao processar informações divergentes. 

Por exemplo, enquanto a visão informa ao cérebro que estamos parados, sentados em um banco confortável, os nossos labirintos (aqueles órgãos pequenininhos que temos dentro dos ouvidos) indicam que estamos nos movendo muito rapidamente. 

É uma verdadeira batalha interna que se manifesta com o incômodo que sentimos durante o deslocamento em veículos. 

Embora em algumas pessoas os efeitos sejam suaves ou até mesmo imperceptíveis, outras pessoas sofrem com manifestações mais severas da cinetose, podendo provocar até vômitos e desmaios. 

Sintomas comuns da cinetose

Sintomas comuns da cinetose

Náuseas, tontura, vômitos, dor de cabeça, palidez, sudorese e palpitações são alguns dos sintomas frequentes da cinetose que afetam as experiências de viagem de muitas pessoas. 

Diagnóstico e tratamento adequado para cinetose

Diagnóstico e tratamento adequado para cinetose

O diagnóstico da cinetose é feito por especialistas com exames otoneurológicos. O tratamento envolve medicamentos e, em alguns casos, reabilitação vestibular, por meio de exercícios que ajudam o sistema vestibular a se adaptar aos estímulos de movimento. 

Como não enjoar ao viajar de carro? 

cinetose: como não enjoar ao viajar de carro

Algumas medidas prévias podem ser tomadas para deixar a experiência de viagem mais confortável mesmo para quem sofre com os sintomas da cinetose. Confira algumas dicas: 

– Faça refeições leves no dia anterior à viagem. 

– Escolha assentos estratégicos, preferencialmente na frente do veículo. 

– Mantenha a cabeça reta e o olhar direcionado ao horizonte. 

– Respire lenta e profundamente. 

– Evite ler ou assistir durante o trajeto. 

– Se possível, mantenha vidros abertos ou fluxos de ar na sua direção. 

Descubra mais curiosidades com o Museu WEG 

Aqui, o conhecimento é o que nos move! Por isso, se você quiser saber mais sobre outras curiosidades relacionadas ao mundo da ciência e da tecnologia, basta seguir o Instagram do Museu WEG

Fontes: 

Por que enjoamos quando andamos de carro? Neurologista responde – Folha de São Paulo 

Entenda o que é cinetose – Dr. Rodrigo Cesar da Silva 

Por que algumas pessoas sentem enjoo em carro em movimento – BBC 

Crátons

Crátons: a biblioteca fóssil da Terra 

Descubra os segredos dos crátons, a sua formação, os tipos de rochas e a importância dessas bibliotecas fósseis para a geologia.

08 de fevereiro de 2024
...

Descubra o fascinante mundo dos crátons, verdadeiras bibliotecas fósseis que guardam os segredos da história da Terra ao longo de centenas de milhares de anos.  

Essas estruturas geológicas antigas, formadas nos períodos Pré-Cambriano, Proterozoico e Arqueozoico, revelam um panorama único da evolução do nosso planeta. 

A seguir, vamos explorar não apenas o que são os crátons, mas também como se formam e o que essas estruturas terrestres estáveis são capazes de revelar sobre o passado e o presente. 

O que são os crátons?

O que são os crátons

Os crátons são formados por duas estruturas geológicas distintas: os escudos cristalinos, também conhecidos como maciços antigos, e as bacias sedimentares, conhecidas também como plataformas continentais. 

Essas áreas apresentam uma riqueza geológica notável, abrigando materiais metálicos como ferro, cobre, estanho, prata, alumínio, entre outros. 

Os escudos cristalinos que compõem uma parte dos crátons se formam, predominantemente, pela erosão de rochas ígneas ou magmáticas. Originam-se, em grande parte, da solidificação do magma terrestre resultante das atividades vulcânicas. 

Por outro lado, as bacias sedimentares são estruturas que se configuram pelo acúmulo e pela deposição de sedimentos, que têm como origem áreas montanhosas antigas que foram erodidas, desgastadas pelo tempo e depositadas nas regiões dos crátons. 

O que podemos encontrar dentro dos crátons?

No interior dos crátons, encontramos uma diversidade de rochas, destacando-se as ígneas, as sedimentares, as metamórficas e, por vezes, verdadeiros tesouros fósseis. 

Essa variabilidade proporciona uma leitura detalhada dos eventos que moldaram a Terra ao longo da sua história. Descubra a seguir, as diferenças entre os tipos de rocha. 

Rochas ígneas

Rochas ígneas

São formadas principalmente pela solidificação do magma terrestre, exemplificadas por rochas como granito, que desempenham papel crucial na estruturação dos crátons. 

Rochas sedimentares 

Rochas sedimentares

São resultantes da deposição de sedimentos, como o arenito, e essenciais para entendermos a dinâmica das antigas bacias sedimentares associadas aos crátons.

Rochas metamórficas

Rochas metamórficas

Essas rochas surgem da transformação de outras rochas sob pressão e temperatura intensas, sendo o mármore um exemplo notável dentro da rica geologia dos crátons. 

Rochas fósseis

Rochas fósseis

Por sua vez, as rochas fósseis são como cápsulas do tempo, pois preservam vestígios de formatos de vida antigas e adicionam uma dimensão biológica às narrativas geológicas dos crátons. 

Qual é a relevância do estudo dos crátons para a geologia?

Qual a relevância do estudo dos crátons para a geologia

A geologia é a ciência que investiga a composição, a estrutura, os processos e a história da Terra. Para essa ciência, os crátons desempenham um papel fundamental porque servem não apenas como registros geológicos – são autênticos documentos que proporcionam uma visão sobre a evolução do planeta. 

O estudo dos crátons é essencial para a geologia, pois permite a determinação da idade do planeta, a reconstrução da história dos continentes, a análise das mudanças climáticas ao longo do tempo e a investigação das origens da vida na Terra. 

Assim, além de contarem a história da Terra, oferecem perspectivas valiosas para que possamos compreender o presente e antecipar o nosso futuro geológico. 
 

Acompanhe o Museu WEG e fique atualizado!

Ao desbravarmos os crátons, mergulhamos em uma narrativa geológica que transcende o tempo. O O seu estudo revela mais do que os segredos da Terra – abre portas para inúmeras descobertas. 

Perspectivas futuras prometem desvendar ainda mais mistérios, e convidamos você a seguir o Instagram do Museu WEG para se manter atualizado sobre assuntos relevantes nas áreas da ciência e da tecnologia, além de outras fascinantes histórias sobre o universo.  

Fontes: 

Crátons: a caixa-preta da nave Terra – Superinteressante 

Crátons: o que são, formação e classificação – Brasil Escola 

Dinâmica de cratons em um manto em evolução – Research Gate 

Conheça a história e o legado de Enedina Alves Marques

Conheça Enedina Alves Marques, a primeira engenheira negra do Brasil

Conheça a história e o legado de Enedina Alves Marques, a primeira mulher engenheira do estado do Paraná.

15 de janeiro de 2024
...

Enedina Alves Marques deixou um legado marcante como pioneira na engenharia no Brasil. Nascida em 13 de janeiro de 1913, em Curitiba, ela desafiou barreiras sociais e se tornou a primeira mulher negra a se formar em engenharia no país e a primeira engenheira do Estado do Paraná. 

A sua trajetória inspiradora transcendeu desafios, impactando o campo da engenharia e abrindo caminho para futuras gerações. Descubra mais sobre a sua história! 

Uma jornada de resiliência e conquistas 

Enedina Marques: uma jornada de resiliência e conquistas

Enedina Alves Marques começou sua jornada enfrentando adversidades, trabalhando como empregada doméstica e babá para concluir o ensino médio. 

Determinada a alcançar os seus sonhos, ela se tornou professora sem passar pela graduação, mas o seu verdadeiro objetivo era frequentar a universidade.  

Esse era um desafio e tanto: na época, somente cinquenta anos havia se passado após a abolição da escravatura, e fazia apenas nove anos que as mulheres brasileiras conquistaram o direito ao voto. 

Porém, isso não foi um impeditivo para Enedina. Em 1940, ela matriculou-se em engenharia civil na Universidade Federal do Paraná e se formou em 1945, conquistando o título de primeira mulher engenheira do Paraná, acompanhada por outros 32 estudantes do sexo masculino. 

Contribuições marcantes para a engenharia brasileira

Contribuições marcantes de Enedina Marques para a engenharia brasileira

Após a universidade, Enedina iniciou a sua carreira como auxiliar de engenharia na Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas e, logo depois, foi transferida para a Secretaria de Estado de Águas e Energia Elétrica do Paraná. 

A sua atuação comprometida garantiu que o seu nome obtivesse destaque em projetos significativos, incluindo o desenvolvimento do Plano Hidrelétrico do Paraná no qual atuou no aproveitamento das águas dos rios Capivari, Cachoeira e Iguaçu. 

Mas foi o seu papel fundamental no levantamento topográfico e na construção da Usina Capivari-Cachoeira, agora conhecida como Usina Parigot de Souza, que demonstrou a habilidade e a dedicação de Enedina Alves Marques à engenharia. 

Legado e reconhecimento

Legado e reconhecimento de Enedina Marques

Pioneira na sua área de atuação, o legado de Enedina Alves Marques transcende o campo da engenharia. 

O seu nome está escrito no Memorial à Mulher, imortalizada ao lado de outras 53 mulheres pioneiras do Brasil. Em 2006, foi fundado o Instituto de Mulheres Negras Enedina Alves Marques em Maringá. 

Além disso, o CREA-PR, que representa a união dos Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia do Paraná, criou o Prêmio CREA-PR Engenheira Enedina Alves Marques para celebrar e valorizar o papel das mulheres nas áreas de Engenharia, Agronomia e Geociências. 

A vida e as conquistas de Enedina são uma fonte de inspiração para todos, pois celebram a coragem, a determinação e a contribuição fundamental das mulheres negras na história brasileira. 

Siga o Museu WEG nas redes sociais 

Quer ficar por dentro de conteúdos fascinantes, inspiradores e educativos? Siga o Instagram do Museu WEG e explore conosco as riqueza culturais, históricas e tecnológicas que temos a oferecer. 

Junte-se a nós nessa jornada de descobertas e aprendizados! 

Fontes: 

Enedina Alves Marques’ 110th Birthday – Google Doodles 

Enedina Alves Marques – Unifei 

Prêmio CREA-PR Engenheira Enedina Marques  

Calendário Lunar: por que algumas culturas comemoram o Ano-Novo só em janeiro? 

Entenda a diferença entre o calendário lunar e o gregoriano e descubra celebrações alternativas de ano novo.

04 de janeiro de 2024
...

O calendário lunar se fundamenta nas fases da lua e apresenta algumas divergências em relação ao calendário gregoriano – este último, amplamente adotado no ocidente.  

Para entendermos por que algumas culturas celebram datas comemorativas diferentes das nossas, precisamos compreender o funcionamento do calendário lunar. 

Enquanto o calendário gregoriano se orienta pelo ciclo solar e se baseia na rotação da Terra em torno do Sol, contando com 365 dias (ou 366 dias em anos bissextos), o lunar se orienta pelos ciclos da lua. 

Ele é adotado por países como China, Coreia do Sul e Japão, e cada ciclo da lua tem duração aproximada de 29 dias e 12 horas, totalizando em torno de 354 dias de duração.  

Por isso, nesses países, é necessário que a cada três anos seja acrescentado um mês ao calendário – ou seja, a cada três anos, um ano terá 13 meses de duração. 

Essa é a principal diferença entre o calendário gregoriano e o lunar: aqui, nossos anos bissextos contam com um dia a mais a cada quatro anos. Lá, os anos bissextos contam com um mês a mais de duração a cada três anos. 

Adotado em diversas culturas, especialmente na Ásia e no Oriente Médio, o calendário lunar é uma forma diferente de medição de tempo; por isso, alguns países comemoram a virada do ano apenas em janeiro – bem depois da nossa virada de ano tradicional –, o que nos permite apreciar a singularidade das celebrações culturais. Continue lendo para saber mais! 

Diversidade cultural nas celebrações anuais 

A diversidade cultural enriquece a humanidade, e o fato de outras culturas celebrarem ritos importantes em datas diferentes das nossas é um reflexo dessa pluralidade. 

É crucial respeitarmos crenças e práticas diversas das que conhecemos, reconhecendo que o nosso mundo é compartilhado e formado por um verdadeiro bordado de tradições, costumes e hábitos. 

Nesse contexto, convidamos você a descobrir duas celebrações: o Ano-Novo Chinês e o Ano-Novo Islâmico, comemorados após a data convencional de 31 de dezembro (data em que se comemora a virada do ano no ocidente).  

O Ano-Novo Chinês

A China é o maior país do mundo a adotar o calendário lunar. As fases da lua regem o ritmo do tempo, e lá o Ano-Novo é considerado uma festividade milenar que reflete a cultura do país e movimenta o mercado turístico nacional. 

A celebração do Ano-Novo Chinês acontece entre o final do mês de janeiro e meados de fevereiro, a depender do calendário lunar, e é marcada por uma explosão de cores e rituais que envolvem desde a limpeza da casa para afastar o azar até a preparação de pratos especiais. 

Além disso, cada ano é associado a um animal do zodíaco chinês, o que proporciona uma narrativa fascinante para as festividades. 

O Ano-Novo Islâmico

Outra cultura a comemorar o Ano-Novo em uma data alternativa à nossa é a islâmica. Para eles, o Ano-Novo é uma celebração que segue o calendário lunar islâmico, cuja data varia ano após ano. 

Em 2024, por exemplo, a comemoração está prevista para 7 de julho e acontece em diversos países ao redor do mundo, especialmente naqueles com populações muçulmanas expressivas, como Arábia Saudita, Malásia, Paquistão e Egito. 

Cheia de significado espiritual, a celebração do Ano-Novo Islâmico se destaca por orações especiais, reflexões profundas e atos de caridade. Mais do que apenas marcar a passagem do tempo, simboliza um momento de renovação do compromisso das pessoas com sua fé e comunidade. 

União de tradições: celebre a pluralidade 

As diferentes datas e costumes praticados para celebrar a virada de ano refletem a pluralidade de culturas que permeiam a nossa sociedade. 

Além de apreciarmos as diversas maneiras de expressão cultural que existem ao redor do mundo, essas celebrações são fundamentais para construirmos pontes e conexões significativas entre pessoas de diferentes culturas, origens e crenças. 

Afinal, não há uma forma certa de dar as boas-vindas ao ano que se inicia, e cada tradição é única e valiosa à sua própria maneira.  

Conheça o Museu WEG

No Museu WEG, a riqueza cultural é incentivada e celebrada! Planeje uma visita e mergulhe em narrativas fascinantes por meio da história da ciência e da tecnologia. 

Aproveite também para seguir o Instagram do Museu WEG, assim você fica por dentro de todos os eventos e todas as oportunidades incríveis que acontecem por aqui. 

Fontes: 

Ano-Novo Chinês – Brasil Escola 

China comemora a chegada do ano do coelho; entenda o Ano Novo Lunar – Exame 

O que é o Ano Novo Islâmico ou Hijrī e como ele é comemorado? – National Geographic Brasil