blog2

Quem foi Hans Christian Oersted?

ísico, químico e eterno estudioso, foi ele quem abriu caminho para o desenvolvimento do eletromagnetismo. Nascido em 1777, na Dinamarca, Hans Oersted desenvolveu desde cedo o interesse pela ciência. Sob influências do pai farmacêutico, formou-se em Farmácia no ano de 1797 e tornou-se doutor em Filosofia em 1799.

Físico, químico e eterno estudioso, foi ele quem abriu caminho para o desenvolvimento do eletromagnetismo. Nascido em 1777, na Dinamarca, Hans Oersted desenvolveu desde cedo o interesse pela ciência. Sob influências do pai farmacêutico, formou-se em Farmácia no ano de 1797 e tornou-se doutor em Filosofia em 1799.

Em uma viagem pela Europa, conheceu Johann Wilhelm Ritter, um físico que acreditava na existência de uma ligação entre a eletricidade e magnetismo. A partir daí, Oesrted começou sua incansável busca pela relação entre os dois fenômenos. Isso porque, naquela época, a eles eram encarados como fenômenos independentes e totalmente excludentes.

A experiência de Oersted

Foi em 1820, através do “Experimento de Oersted”, que o cientista comprovou a relação entre a eletricidade e o magnetismo.

Oersted posicionou uma bússola próximo a um circuito elétrico simples e percebeu que a agulha imantada da bússola sofria deflexões quando existia corrente elétrica no circuito. Se a corrente era interrompida, a agulha voltava à sua posição normal, apontando sempre para o norte geográfico.

A única explicação possível para a deflexão sofrida pela agulha imantada era a presença de um campo magnético que concorria com o campo magnético terrestre. Assim, Oersted concluiu que cargas elétricas em movimento geravam campo magnético.

Esse experimento possibilitou a criação e fabricação do galvanômetro, instrumento composto por uma agulha imantada e uma bobina que era capaz de indicar a presença de corrente elétrica em um circuito.

Ao utilizar o aparelho galvânico, muito mais poderoso, percebeu o mesmo fenômeno com muito mais clareza. Após obter o mesmo resultado diversas vezes, surge uma nova ciência nascida da união entre a eletricidade e o magnetismo: o eletromagnetismo. E estabeleceu-se a lei fundamental do eletromagnetismo.

Leia mais sobre o Eletromagnetismo aqui.

Depois de ter realizado estudos de química, física e ter comprovado o eletromagnetismo, Hans fundou na Dinamarca uma Sociedade para o Desenvolvimento do Estudo da Ciência, foi nomeado Conselheiro do Estado e fundou a Escola Politécnica de Copenhagen. Oersted faleceu em Copenhagen em 9 de março de 1851.

Fonte: Brasil Escola, Mundo Educação e UFJF

aniversario-museu

Programação especial de 15 anos do Museu WEG tem palestra e curso gratuitos

Vagas para as palestras esgotadas! Para o curso de “Conservação Fotográfica” inscrições até 24/08/2018.

Conhecimento e diversão sempre foram dois pilares importantes no trabalho do Museu WEG. E no nosso aniversário não é diferente! Como já é de praxe, em setembro o Museu WEG prepara e oferece diversas atividades gratuitas para a comunidade, ou seja, para você que nos lê nesse momento.

E não há jeito melhor de comemorarmos juntos esses 15 anos de história, interatividade e aprendizado senão com uma palestra e um curso bem especiais. Eles só acontecem no mês que vem, em Setembro, mas como as vagas são limitadas, vamos abrir as inscrições com antecedência, para você se programar!

Oficina de Conservação de Fotografias Históricas e Álbuns Fotográficos

Nos dias 10 a 12 de setembro, vai rolar um curso bem completo de conservação fotográfica com o historiador João Mendes Neto com apoio da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura.

A proposta da oficina de conservação fotográfica é compartilhar informações teóricas e práticas essenciais para você lidar com acervos fotográficos históricos. O objetivo é que você conclua a oficina com subsídios para analisar o estado de conservação do acervo e do ambiente de guarda, e criar propostas de preservação, intervenção e restauração de acervos e álbuns fotográficos.

Com ensino teórico e prático, a oficina passa pela história da fotografia e fala sobre materiais, procedimentos e reconstituição. João Mendes Neto sempre exemplifica suas teorias com materiais e equipamentos de época, usando do acervo histórico da instituição e equipamentos próprios.

Não há pré-requisitos de conhecimento, mas há preferência por profissionais que trabalham na área de conservação em museus, centros-culturais, instituições públicas municipais que tenham acervos fotográficos históricos. Será selecionado um profissional por entidade. Para melhor aproveitamento do curso, disponibilizamos apenas 20 vagas, então inscrevam-se até dia 24/08 e aguarde a confirmação da sua inscrição por e-mail e/ou telefone.

Leia mais info sobre a oficina e inscreva-se aqui.

Palestra sobre o Impacto da Indústria 4.0 na manufatura tradicional e o futuro do Trabalho

Você sabia que estamos vivendo a era da Quarta Revolução Industrial? Assim como as demais revoluções na história da humanidade, que transformaram drasticamente a forma de viver a partir de um novo modelo produtivo, a chamada Indústria 4.0 ou Indústria Inteligente promete mudar fundamentalmente a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos.

E para tratar desse assunto tão relevante para o mercado de trabalho e a indústria, convidamos o Diretor da área de Pesquisa e Inovação Tecnológica da WEG, Milton Oscar Castella, para ministrar uma palestra sobre o assunto.

Na oportunidade, o palestrante vai falar sobre o impacto da Indústria 4.0 no mercado de trabalho e nas empresas. E responder questões como: Quais serão as profissões do futuro? Que especialidades teremos que ter para continuarmos competitivos? Quais profissões deixarão de existir?

Confira tudo isso e muito mais nesta palestra gratuita e aberta ao público.
Mas as vagas são limitadas, VAGAS FECHADAS!

Palestra: Impacto da Indústria 4.0 na manufatura tradicional e o futuro do Trabalho

Data: 13/09/2018
Horários: 10h e às 19h
Local: Museu WEG de Ciência e Tecnologia
Inscrições: Vagas fechadas! Inscrições encerradas!
Entrada gratuita
Confirmação da participação: Será enviado um e-mail confirmando a inscrição.
Informações: (47) 3276 4550

aceleradores-de-partículas

Conheça os tipos de aceleradores de partículas e o que eles fazem

Falamos aqui sobre o Projeto Sirius, um dos mais sofisticados aceleradores Síncrotron do planeta que está sendo construído em Campinas/SP….

Falamos aqui sobre o Projeto Sirius, um dos mais sofisticados aceleradores Síncrotron do planeta que está sendo construído em Campinas/SP. Mas hoje, vamos falar sobre os outros tipos de aceleradores de partículas. Afinal, o que eles fazem e qual a finalidade do seu uso por pesquisadores científicos?

simulação

Simulação: Projeto Sirius

Apesar do conceito de “acelerar partículas” existir há muito tempo e de certo modo ser comum para pesquisadores, para a população em geral isso não passa de um mistério. Por isso, resolvemos falar um pouco mais sobre essa grande revolução no mundo da ciência.

Aceleradores de partículas
Eles são laboratórios gigantes. Por fora, parecem grandes túneis, que podem ser retos ou em forma de anel e ter vários quilômetros de extensão. Dentro deles, as partículas que compõem os átomos – como prótons e elétrons – são aceleradas a velocidades próximas à da luz para que elas possam bombardear núcleos atômicos estáveis.

A utilização desse tipo de equipamento é muito importante, afinal de contas, somente com ele é possível quebrar partículas incrivelmente densas e milhões de vezes menores que o átomo.

Existem diversos tipos de aceleradores de partículas, como: Aceleradores de elétrons (o Sirius e o Max IV), Colisores de Partículas (como o CERN) e os Aceleradores de Prótons (como o PSI e o ESS).

Aceleradores de Elétrons
Quando elétrons são acelerados até velocidades próximas a da luz e têm a sua trajetória desviada por um campo magnético, eles emitem uma luz com alto brilho que penetra a matéria e revela a estrutura atômica de materiais.

Atualmente, há um acelerador de elétrons instalado no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), em Campinas/SP. Ele já serviu como base para milhares de pesquisas em áreas como medicina, biologia, química, física e ciências de materiais.

Colisores de Partículas
A Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, conhecida como CERN é o maior laboratório de física de partículas do mundo, localizado em Meyrin, na fronteira Franco-Suíça e o LHC também é um dos maiores.

Ele consiste em um amplo túnel circular, com uma circunferência de 27km, enterrado sob uma camada média de 100 metros de terra e rochas. O termo colisor diz respeito ao fato do aparato ser usado para acelerar prótons em direções opostas, para colidirem e mostrarem quais partículas resultam do processo.

Fonte da imagem: Reprodução/Neatorama

Fonte da imagem: Reprodução/Neatorama

Aceleradores de Prótons

Existe um laboratório de acelerador de prótons no ESS (European Spallation Source), e o PSI (Paul Scherrer Institut) que possui um Centro de Terapia de Prótons.

É interessante como este tipo de tecnologia promove o conhecimento em outras áreas. Os aceleradores de prótons são muito úteis para tratamentos de câncer. Muitos dos componentes utilizados em aceleradores de partículas também são aplicados em equipamentos de tomografia, em menor quantidade, tamanho e precisão do que em um acelerador de partículas, mas com construção e princípio de funcionamento muito próximos.

Ou seja, existem muitos profissionais e cientistas em laboratórios gigantescos de aceleradores de partículas pelo mundo que estão pesquisando e descobrindo coisas sobre a nossa saúde, sobre a nossa existência e sobre a matéria. O que é essencial para nossa constante evolução e para o descobrimento de curas para doenças, por exemplo.

Se você quiser saber mais sobre o projeto Sirius, laboratório de aceleradores de elétrons de Campinas, acesse aqui.

Fonte: Mundo Educação, Mundo Estranho e Neatorama

homem-na-lua

A importância da ida do homem à Lua

Você já parou para pensar por que um homem resolveu conhecer a Lua e o que isso impactou na nossa…

Você já parou para pensar por que um homem resolveu conhecer a Lua e o que isso impactou na nossa vida? Quase 50 anos depois dessa proeza, nós resolvemos descobrir quais as mudanças que a viagem do Apollo 11 provocou na história.

Há quem diga que tudo não passou de uma grande produção hollywoodiana para assustar a União Soviética e impressionar o resto do planeta. Afinal, esse foi um feito acima de qualquer expectativa ou realidade da época.

Claro que a Guerra Fria foi um grande incentivador para que essa viagem acontecesse. Era necessário para os Estados Unidos, mostrar também a sua potência e sua capacidade de explorar o espaço, após o aparecimento do satélite russo Sputnik.

Tanto que hoje, as buscas e pesquisas são feitas por robôs, pois os gastos e risco de vida são altíssimos. Mas sendo política ou científica a motivação dos norte-americanos, fato é que no dia 20 de julho de 1969, a Lua recebeu seu primeiro terráqueo, e hoje usufruímos dos resultados desse grande evento histórico da NASA.

Frigideira de teflon, lentes de contato, termômetro digital, códigos de barra, GPS, fraldas descartáveis, velcro, micro-ondas… São tantos elementos que hoje fazem parte de nosso dia a dia por causa da aventura lunar de Armstrong e sua turma.

Incrível, né?

Os aparelhos sem fio existem devido ao aparelho que Neil usou para perfurar pedras lunares em 1969. E a medição das ondas de calor dos planetas e estrelas contribuíram para que nossos termômetros tivessem sensores infravermelhos.
A saúde dos astronautas naquela época era controlada por meio de monitores cardíacos – hoje vistos em hospitais. E as lentes de contato, por exemplo, foram criadas para proteger os aventureiros da luz ultravioleta.

O teflon, que hoje utilizamos para não deixar a omelete grudar, primeiramente serviu para proteger foguetes e os alimentos desidratados por causa da gravidade.

Viu quanta coisa foi criada a partir dessa viagem? E aí, tem alguma outra curiosidade? Conta pra gente!

atividades-para-ferias

5 atividades educativas para desenvolver com as crianças nas férias

Férias escolares não precisam ser sinônimo de pesadelo! Esse período pode ser uma oportunidade de você desenvolver habilidades e a…

Férias escolares não precisam ser sinônimo de pesadelo! Esse período pode ser uma oportunidade de você desenvolver habilidades e a criatividade do seu filho, além de contribuir no fortalecimento do vínculo familiares.

As crianças podem evoluir brincando, jogando, criando, então é uma boa ideia dar esse espaço a ela. Todas as crianças que fazem essas atividades vão experimentar enormes melhorias em suas habilidades motoras e sociais, na criatividade e também na saúde.

Isso porque, os jogos contribuem tanto para a inserção de novos conteúdos de aprendizagem socioemocional, como para memorizar o que já foi aprendido.
No programa “Férias no Museu”, que acontece aqui no Museu WEG de Ciência e Tecnologia, há várias atividades educativas que contribuem para esse crescimento que você pode elaborar em casa para ensinar as crianças a serem criativas, sociáveis e saudáveis.

Quer ver só? Separamos 5 ideias de atividades educativas simples para você desenvolver com o seu filho:

1) Jogo da Memória

atividades-para-ferias-4

Existem inúmeros jogos de memória nas lojas. Mas e se você criasse o jogo da memória com o seu filho(a)? Desenhem, escrevam, pintem, recortem… Que tal usar tampas de garrafas para colocar os desenhos? Só o ato de criar o brinquedo já é uma ótima atividade e ainda é um ato sustentável se você utilizar papelão de caixas, tampas de garrafas ou outros materiais recicláveis.

Depois, é só se divertir e claro, memorizar as peças e os lugares! Nada de deixar ele ganhar, ok? Esses jogos são uma chance de ensinar o seu filho a ganhar e a perder também!

2) Óculos de realidade virtual caseiro

Se o seu filho é ligado em tecnologia, essa é uma boa forma de atrair sua atenção e entretê-lo. Já pensou criar um óculos de realidade aumentada com materiais reciclados e um par de lentes? O Iberê Thenório do canal Manual do Mundo ensina como fazer esse brinquedo em um tutorial em vídeo. Clique e assista!

3) Motor caseiro com ímã

Incentive esse pequeno cientista, curioso e descobridor do mundo que está dentro da sua casa ao sugerir a criação de objetos. Além da coordenação, lógica e imaginação, você também trabalha a concentração nessa atividade.

Você vai precisar apenas de 1 pilha tamanho “D”, 1 ímã, 2 alfinetes, 1 elástico de escritório/dinheiro, 1 bexiga comum e 1 fio de cobre envernizado. Veja como montar o motor elétrico com esses materiais nesse tutorial do YouTube.

4) Boliche

atividades-para-ferias-4

Saber esperar a sua vez, mira, coordenação, tudo isso você aprende e pratica com o jogo do boliche. Mas sabe qual é a melhor parte? Criar o seu jogo de boliche com garrafas pet! Deixe seu filho personalizar as garrafas do seu jeito e pronto! Agora é só escolher a bola adequada e fazer a fila pra começar a jogar.

5) Trem numérico

atividades-para-ferias-4

Já pensou o que você pode fazer com algumas caixinhas de sabonete, pasta de dente ou fósforo e rolha, barbante e tampinhas de garrafa? Um trenzinho! Mas não um simples trem, é um trenzinho numérico, para o seu filho aprender a contar com os vagões.

Cada caixinha pode ser um vagão, cada pedaço de rola uma roda, o barbante é o que vai ligar os vagões e as tampinhas estarão dentro dos vagões com o seu número respectivo. Tente, crie, invente! São diversas as opções de brincadeiras e brinquedos que podem ser produzidos com materiais que iriam para o lixo.

Isso sem contar que tais brincadeiras sugeridas aqui, também trazem benefícios para os papais e mamães de plantão. Além do vínculo que será criado com a criança, você potencializa suas habilidades no quesito atenção, paciência e criatividade.

Gostou das ideias ou tem outra sugestão? Compartilhe com a gente nos comentários!!

ferias-no-museu

Férias no Museu: programação especial para crianças de 4 a 12 anos

Todo mundo já sabe que o Museu WEG de Ciência e Tecnologia é um espaço único aqui em Jaraguá do…

Todo mundo já sabe que o Museu WEG de Ciência e Tecnologia é um espaço único aqui em Jaraguá do Sul, afinal é um ambiente com aprendizado, interação, diversão e muito conhecimento e história.

E é pensando em criar experiências valiosas para esses pequenos grandes cidadãos, que o Museu WEG de Ciência e Tecnologia tem o prazer de anunciar a 5ª edição do programa Férias no Museu.

ferias-no-museu-2

Grupo de crianças aprendendo e se divertindo no programa “Férias no Museu”

As crianças vão poder aprender enquanto se divertem! Com as atividades educativas, além de passeio e visita às exposições, elas podem aproveitar e usufruir de equipamentos interativos que tratam de diversas áreas do conhecimento de ciência.

Neste ano, vão rolar várias atividades lúdicas. A ideia é brincar no museu e fazer o aprendizado algo leve e divertido. Está curioso para saber tudo o que estamos preparando? Olha só: vai ter pescaria magnética, música e poesia com o artista e colaborador da WEG Romeu Viana, histórias, jogo da memória, bingo magnético, cantigas de roda e muito mais!

O programa Férias no Museu é oferecido à toda a comunidade de forma gratuita. Basta você fazer a inscrição do seu filho e trazê-lo para participar das atividades em grupo. Para melhor aproveitamento, separamos as crianças por idade. Confira abaixo as datas de acordo com a faixa etária e programe-se!

Crianças de 4 a 7 anos:
18/07: quarta-feira das 10h às 12h
19/07: quinta-feira das 15h às 17h

Crianças de 8 a 12 anos:
17/07: terça-feira das 15h às 17h
20/07: sexta-feira das 10h às 12h

Inscrições
E-mail: museu@weg.net
Telefone: (47) 3276-4550
Local: Museu WEG de Ciência e Tecnologia – Av. Getúlio Vargas, 667, Centro

luz-síncrotron

Brasil constrói um dos mais sofisticados aceleradores Síncrotron do planeta

O avanço da tecnologia depende do desenvolvimento de ferramentas cada vez melhores para enxergarmos aquilo que os nossos olhos não…

O avanço da tecnologia depende do desenvolvimento de ferramentas cada vez melhores para enxergarmos aquilo que os nossos olhos não veem. Cada vez que damos um passo em direção a ferramentas melhores, a ciência ganha novas informações e descobre novos detalhes sobre a composição dos seres e das coisas, em nível atômico.

Primeiro os cientistas criaram o microscópio, depois o microscópio com duas lentes, na sequência o microscópio eletrônico. E o grande salto nessa evolução foi a criação da Luz Síncrotron, que permite identificar os átomos e as moléculas que compõem cada material. Revolução no mundo da ciência.

Luz Síncroton

Em um acelerador de partículas, quando elétrons são acelerados até velocidades próximas a da luz e têm a sua trajetória desviada por um campo magnético, eles emitem uma luz com alto brilho que penetra a matéria e revela a estrutura atômica de materiais. Essa é a Luz Síncrotron.

Para você entender melhor, o Engenheiro Eletricista da WEG, com Especialização em Máquinas Elétricas Girantes e Gestão de Projetos, Eduardo Constantino Ramos, fez uma comparação bem simples: uma lanterna X um laser point. A diferença é que na lanterna a divergência da luz é maior, distribuindo a luz em mais direções, mas com alcance relativamente pequeno. Já um laser point, a luz é concentrada em uma única direção, permitindo maior alcance, mesmo que possua uma potência mais baixa que a lanterna.

comparação luz síncrotron

Luz Síncrotron no Brasil

Atualmente, há um acelerador de elétrons que funciona como fonte de luz síncrotron instalada no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), vinculado ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais, em Campinas/SP. Essa fonte é considerada de segunda geração, mas é a única fonte de Luz Síncrotron aberta ao uso da comunidade acadêmica e industrial na América Latina.

Entenda melhor nesse episódio do programa Brasil Ciência  na Discovery Brasil

Conheça o LNLS

Nos últimos 20 anos, esse acelerador de partículas do LNLS já serviu como base para milhares de pesquisas. Mas, é necessária uma luz mais brilhante para estudos avançados em áreas como medicina, biologia, química, física e ciências de materiais.

Nesse sentido, de olhar para o futuro da ciência e ampliar os estudo e conhecimento sobre átomos e moléculas é que foi criado o projeto Sirius, que será uma das mais sofisticadas fontes de luz síncrotron do planeta.

luz síncrotron 2

Obra do Projeto Sirius em andamento

Projeto Sirius

O Sirius, que tem previsão para ser inaugurado ainda em 2018, será um superlaboratório de 68 mil m² em um terreno de 150 mil m² junto ao campus do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). A área total equivale a 21 campos de futebol.

A ideia é criar uma fonte de luz síncrotron de quarta geração, colocando o Brasil na liderança mundial de produção deste tipo de radiação eletromagnética. Esse novo laboratório abrirá novas perspectivas de pesquisa em áreas como ciência dos materiais, nanotecnologia, biotecnologia, física, ciências ambientais e muitas outras.

tunel - projeto-sirius

Simulação do túnel dos aceleradores com os imãs em azul, verde e amarelo.

 

O projeto ganhou o nome de Sirius em referência à estrela de maior brilho no céu durante à noite, localizada na constelação do Cão Maior. A designação do nome Sirius em referência à estrela é justificada porque o Sirius foi concebido para entregar a luz sincrotron mais brilhante entre os aceleradores existentes ao redor do planeta na mesma classe de energia, podendo suportar até 40 pesquisas simultâneas.

Segundo Eduardo Ramos, foi adotado como premissa pelo LNLS, entidade responsável pela coordenação deste projeto, a preferência pelo desenvolvimento das demandas com indústrias nacionais, através de parcerias de cooperação para desenvolvimento tecnológico. Com a WEG, a parceria iniciada em 2012 foi uma das primeiras e mais importantes para a construção do Sirius.

WEG na Ciência

Para criar o campo magnético que guia a trajetória dos elétrons, os aceleradores de partículas precisam de eletroímãs (dipolos, quadrupolos, sextupolos e corretoras). Esses eletroímãs são de certa forma o coração do acelerador e têm que ser fabricados em uma qualidade extrema, senão, o acelerador não atinge a performance esperada.

Desde 2013, a WEG participara do desenvolvimento e vem produzindo esse componente fundamental para o Sirius.

Veja um carregamento de ímãs sendo entregue no LNLS

O Engenheiro Eletricista Eduardo Ramos explicou que existem outros aceleradores de partículas no mundo, e cada um possui um design e quantidade de eletroímãs específico, de acordo com a ótica projetada e/ou experimentos planejados. Por isso, os eletroímãs do Sirius foram desenvolvidos pelo LNLS em parceria com a WEG especialmente para a ótica do Sirius e com as melhores características magnéticas já desenvolvidos ao redor do mundo.

Ou seja, a WEG surpreende mais uma vez! Encarou o desafio de produzir eletroímãs para um acelerador de partículas, mesmo não fazendo parte do escopo de produtos da empresa. Novamente os profissionais da WEG mostram sua competência e capacidade de ampliar horizontes.

Viva a Ciência e Tecnologia!

 

Texto validado pelo LNLS – Laboratório Nacional de Luz Síncrotron e CNPEM – Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais

museus-do-brasil

200 anos da presença dos Museus no Brasil

Neste mês de junho, o Brasil comemora 200 anos da criação do primeiro museu brasileiro: o Museu Nacional e da…

Neste mês de junho, o Brasil comemora 200 anos da criação do primeiro museu brasileiro: o Museu Nacional e da presença contínua dos museus na vida social brasileira.

Foi em 1818 que o Rei Dom João VI decretou a criação do primeiro museu brasileiro: o Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Na época, chamado de Museu Real, o casarão foi a residência oficial da família real portuguesa e posteriormente abrigou a primeira Assembleia Constituinte da República.

Desde sua criação, os museus se multiplicaram por todo território nacional. Hoje são mais de 3.800 instituições voltadas para a construção e ampliação de diálogos com suas comunidades.

Ao longo de dois séculos, os museus brasileiros assumiram diferentes modelos, ampliaram suas áreas de atuação e acima de tudo marcaram a cultura brasileira. São memórias, acervos, documentos e imagens que registram histórias de diferentes campos do conhecimento.

 

O Museu Nacional
Pensado para propagar o conhecimento e o estudo das ciências naturais em terras brasileiras, a primeira instituição museológica e de pesquisa do Brasil segue seu pioneirismo com estudos de ponta e acervo enriquecido constantemente.

Hoje reconhecido como centro de excelência de pesquisa em história natural e antropológica na América Latina, o Museu Nacional tem um acervo de mais de 20 milhões de itens, constituído principalmente por materiais relacionados às áreas de Antropologia, Botânica, Entomologia, Geologia e Paleontologia.

Entre as preciosidades do Museu, estão 1560 peças raras, mais de 26 mil fósseis nas coleções paleontológicas e o maior meteorito brasileiro, com 5,36 toneladas, o chamado Bendengó. O espaço abriga ainda os ossos e a reconstituição facial de Luzia, fóssil humano mais antigo do Brasil, com mais de 12 mil anos.

200 anos dos Museus no Brasil
Para comemorar esse marco, o Ibram (Instituto Brasileiro de Museus) vai realizar um seminário temático no Rio de Janeiro e vai lançar uma edição especial da MUSAS – Revista Brasileira de Museus e Museologia.

Aproveite esse mês de aniversário dos museus para conhecer o Museu WEG e outros museus de Santa Catarina. Listamos 10 Museus diferentes em Santa Catarina que você precisa conhecer. Confira!

Fonte: Ibram e Museu Nacional

charles-coloumb

Charles De Coulomb e a Lei da Força Elétrica

Neste 14 de junho, é aniversário de ninguém menos que Charles-Augustin de Coulomb. Esse físico francês nasceu na França em…

Neste 14 de junho, é aniversário de ninguém menos que Charles-Augustin de Coulomb. Esse físico francês nasceu na França em 1736 e fez uma importante contribuição para o estudo das ciências exatas. Por isso, vamos contar a sua história no dia do seu aniversário.
A vida de Charles de Coulomb
Célebre pelas suas descobertas nos campos da eletricidade e do magnetismo, Charles viveu nas Índias Ocidentais como engenheiro militar ao longo de nove anos. Nos intervalos de suas atividades profissionais, dedicava-se a investigações sobre mecânica aplicada.
Quando voltou à França, se interessou por pesquisas em relação à eletricidade e ao magnetismo, principalmente por causa de um concurso feito pela Academia de Ciências da França para a fabricação de agulhas imantadas.
Após a publicação de inúmeros artigos de grande repercussão nos meios científicos, tornou-se integrante da Academia em 1781.
Contribuições para Física
Coulomb construiu uma balança de torção para medir a intensidade da força elétrica atuante sobre duas cargas elétricas colocadas a uma determinada distância uma da outra.

E através da realização dessa experiência, verificou que a lei da atração universal de Newton também se aplicava à eletricidade.
Seus estudos o levaram a “Lei de Coulomb”, assim denominada em sua homenagem, que determina a força de interação elétrica entre materiais portadores de cargas.

coloumb-2

 

A Lei de Coulomb foi enunciada como:
“A força de atração ou de repulsão entre duas cargas é diretamente proporcional ao produto do módulo das cargas elétricas e é inversamente proporcional ao quadrado da distância entre elas”.
Analiticamente, é expressa a seguir:
F= K x (Q1xQ2)|d2
F = força de interação elétrica entre dois portadores de carga (N – newton);
Q1 e Q2 = cargas elétricas (C – coulomb);
d = distância entre as cargas elétricas (m);
K = permissividade elétrica do vácuo (k = 9,0 x 109 N.m2.C – 2).
Os resultados de suas pesquisas foram publicados entre 1785 e 1789 na Mémoires de l’Académie Royale des Sciences.

Suas contribuições para os estudos da eletricidade e do magnetismo fizeram com que estas áreas fossem consideradas parte das ciências exatas e não da filosofia, como acontecia até então.

Charles Augustin de Coulomb morreu em Paris, no dia 23 de agosto de 1806, aos 70 anos de idade.

Fonte: Só Física e Mundo Educação

conversando-sobre-museu

Conversando sobre Museu: projeto estadual tem encontro marcado no Museu WEG

Conversando sobre Museu: saiba mais e inscreva-se aqui!

Cada vez mais os museus revelam o desejo de procurar novos públicos e realizar a diferença na vida das pessoas. Através de interação entre profissionais, estudantes e a comunidade é possível perceber problemas e criar soluções.

É por isso que o Sistema de Museus de Santa Catarina (SEM/SC) tem ações que geram debates a respeito do cenário museológico no Estado.
A iniciativa “Conversando sobre Museu” é uma dessas ações.

Em formato de mesa redonda, os encontros são realizados em diferentes regiões de Santa Catarina, de forma gratuita. E nesta edição, o Museu WEG será palco do evento da região Norte.
Agende-se!

No dia 18 de junho, às 13h30, você está convidado a discutir sobre “Plano Museológico: desafio permanente” com convidados profissionais com conhecimento na área para falar sobre o assunto e conversar com o público presente no encontro.

O Museu WEG convida a comunidade e estudantes de história, artes, museologia e antropologia para participarem dessa discussão, que traz justamente a reflexão sobre temas de interesse do campo museológico catarinense, assim como perspectivas e concepções de trabalho para o setor.

onversando_sobre_museu-18.06.18

Sobre o SEM/SC

O Sistema Estadual de Museus (SEM/SC), vinculado à Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural da Fundação Catarinense de Cultura (DPPC/FCC), reúne e articula as instituições museológicas no Estado de Santa Catarina.

É uma rede organizada, baseada na adesão voluntária, que visa à coordenação, articulação, mediação, qualificação, fortalecimento e à cooperação entre os museus.

Conversando sobre Museu
Dia: 18/06
Horário: 13h30 às 16h30
Tema: Plano Museológico: desafio permanente
Local: Museu WEG de Ciência e Tecnologia – Av. Getúlio Vargas, 667
Vagas limitadas, inscreva-se: https://bit.ly/2IStuuT