Categoria: Curiosidades

Dia Mundial do Combate ao Câncer: estamos perto da cura do câncer?

Saiba mais sobre as pesquisas e os avanços na busca pela cura do câncer e como a ciência está trabalhando para transformar essa realidade.

A cura do câncer está cada vez mais próxima. A ciência vem avançando cada vez mais com pesquisas e tratamentos eficazes para certos tipos de câncer, como de próstata, tireoide e melanoma, por exemplo.

Por ser uma doença complexa, ela é um desafio importante na medicina e envolve uma abordagem multidisciplinar que inclui a colaboração de médicos, pesquisadores e profissionais de saúde em todo o mundo.

Muito além do diagnóstico precoce, a ciência já vem estudando novas estratégias promissoras para encontrar a cura do câncer, e o que está sendo descoberto você verá neste conteúdo.

A luta contra o câncer

A cura do câncer conta com décadas de estudos em busca de uma cura definitiva, e estamos bem perto de descobri-la. Variados estudos de áreas diversas do mundo vêm mostrando resultados inovadores e avançados sobre essa cura.

“A cura” também é um termo que depende do ponto de vista. Pois, se olharmos do ponto de vista literal da ciência, ainda não a encontramos. Mas, se olharmos pelo ponto de vista da qualidade e da prolongação da vida de um paciente oncológico que mantém acompanhamento e tratamento contínuos, ela já foi encontrada. 

“Existe cura para o câncer. Ela depende principalmente do estágio em que a doença é diagnosticada. Mas também está atrelada ao tipo de tumor. Alguns têm altas taxas de cura, mesmo quando diagnosticados em fases avançadas”, comenta Lilian Arruda Barros, coordenadora adjunta do Departamento de Oncologia do IBCC.

Os avanços da ciência

Confira a seguir as maiores descobertas sobre a cura do câncer que temos até agora no mundo da ciência.

Vírus que destrói o câncer

O Instituto de Pesquisa do Câncer do Royal Marsden NHS Foundation Trust trabalha em uma vacina desenvolvida com base em uma forma enfraquecida do vírus do herpes (herpes simplex) modificado para eliminar tumores. 

Segundo cientistas do Reino Unido, o estudo se mostra promissor nos primeiros testes em humanos, já que o câncer de um paciente sumiu por completo e o de outros pacientes foi reduzido drasticamente em tamanho. 

Vacina para câncer cerebral

Ainda na primeira etapa de avaliação, esta vacina foi baseada em engenharia genética para realizar uma “cirurgia molecular”, ou seja, para que haja uma reprogramação genética nas células do tumor. 

É como se essa vacina desse superpoderes para que as demais células do corpo do paciente possam combater as cancerígenas. 

Trata-se de um tratamento altamente individualizado que se adapta ao DNA das células tumorais de cada paciente e tem sua pesquisa realizada pelos pesquisadores do Brigham and Women’s Hospital nos EUA. 

Uso de células CAR-T

A Anvisa já aprovou uma terapia à base de células CAR-T produzida pela farmacêutica Novartis, para auxiliar no tratamento de leucemia linfoblástica aguda e linfoma difuso de grandes células B.

Assim como o tratamento dos pesquisadores do Brigham and Women’s Hospital, essa terapia é personalizada para cada indivíduo. Com base no sistema imunológico, as células T do paciente são extraídas e reprogramadas para combater células cancerígenas. 

Cirurgia robótica para curar o câncer

Esta cirurgia consiste em realizar a retirada completa do tumor, sem que sejam deixados resíduos da doença no organismo. 

Essa alternativa pode possibilitar que cânceres em estágio inicial sejam curados completamente e que cânceres mais avançados sejam reduzidos para o tratamento em quimioterapia, melhorando a qualidade de vida do paciente. 

É muito segura para o paciente, requer um treinamento especializado e regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina

Quem é Nisa Leung e qual é a sua ligação com a luta contra o câncer?

Nisa Leung, presente na lista Forbes 50 Over 50, é uma grande investidora do mundo da saúde na China e, assim como todos os grandes cientistas, vem possibilitando que os estudos contra o câncer continuem sendo desenvolvidos. 

Ela busca auxiliar não só no desenvolvimento de uma cura para o câncer, mas também de diversas outras doenças. Sua meta é possibilitar que a qualidade de vida das pessoas aumente ainda mais com o avanço da ciência. 

Mesmo que a luta e os avanços estejam tão promissores para que seja encontrada a cura contra o câncer, a maior possibilidade de cura ainda é o diagnóstico precoce. 

Gostou deste conteúdo? No Instagram do museu WEG, tem diversos conteúdos rápidos, divertidos, curiosos e inovadores para você conferir.

Fontes:

O vírus que destrói câncer e pode revolucionar tratamento de tumores avançados, segundo cientistas – BBC News

A promessa de uma nova vacina para combater o câncer – Veja Saúde

A cura do câncer já existe? – Oswaldo Cruz

O que é Fusão Nuclear e por que ela pode ser o futuro da Energia Limpa?

Neste conteúdo você irá descobrir o que é fusão nuclear e por que essa alternativa é mais viável para o meio ambiente.

Já pensou em unir núcleos de um átomo e criar um núcleo ainda maior e mais estável? Esse é o princípio da Fusão Nuclear, que funde dois núcleos atômicos em um! Essa energia é tão poderosa que dá vida às estrelas, como é o caso do nosso Sol. 

Agora imagine toda a energia do Sol sendo produzida aqui na Terra. 

Cientistas da Califórnia descobriram uma forma de produzir energia limpa por meio da Fusão Nuclear, que vem sendo chamado de Santo Graal da produção energética mundial. 

Quer saber mais sobre a invenção que irá revolucionar o mundo da geração de energia limpa? Então primeiro vamos aprender o que é Fusão Nuclear e alguns conceitos básicos sobre ela.

O que é Fusão Nuclear?

A fusão nuclear é uma união de dois núcleos atômicos através de uma colisão. 

Mas, para acontecer uma fusão de átomos, é preciso haver uma energia cinética muito forte para que ela ultrapasse a repulsão natural desses núcleos. 

Quer um exemplo real de fusão nuclear? Então observe o nosso Sol (não olhe para ele diretamente, só estude sobre, viu?).

A energia gerada e liberada pelo Sol é milhões de vezes mais forte que uma reação química comum. Justamente por isso, muitos cientistas já vinham procurando um meio de utilizar essa energia para produzir uma alternativa limpa para a sociedade, reduzindo assim a poluição energética no mundo. 

Antes de falarmos sobre essa tão inovadora descoberta, você sabe a diferença entre Fusão e Fissão Nuclear? Vamos falar sobre isso a seguir.

Fusão Nuclear VS Fissão Nuclear

A fissão nuclear é atualmente utilizada na geração de energia de usinas elétricas, porém, diferente da fusão nuclear, ela não é nada limpa. A fissão nuclear é tão poluente que gera resíduos que podem durar por toda a eternidade. 

Mas, por que inventaram isso? Porque, na natureza, quando um átomo de urânio (um átomo pesado) entra em processo de fissão, ele libera um nêutron que gira e vai atingindo outros átomos de urânio. Em outras palavras, acontece um efeito bola de neve. 

Porém, em uma usina, esse processo libera muito calor, fervendo a água para que seu vapor gire uma turbina, liberando contaminação radioativa para o meio ambiente. 

Já a geração de energia através da fusão nuclear poluiria bem menos o meio ambiente, já que ela acontece através da junção de átomos leves. Diferente da fissão nuclear, a fusão produz muito mais energia e descarta pequenas quantidades de resíduos radioativos de curta duração. 

O mais legal do processo de fusão nuclear está no fato de que ele não produz gases de efeito estufa, e não prejudica o clima do planeta. Para haver uma fusão nuclear, é preciso contar com alta pressão e temperatura. 

O Santo Graal da energia limpa

Cientistas da Califórnia desenvolveram recentemente um reator de fusão nuclear que gera mais energia do que a gasta, o que ainda não era uma realidade. 

Essa invenção não só acelerou as pesquisas sobre o assunto como, também, possibilitou que a energia gerada por fusão nuclear pudesse ser uma alternativa de energia limpa para o planeta. Mas, esse reator ainda está sendo aperfeiçoado, já que, por enquanto, só conseguiu gerar energia suficiente para ligar uma televisão. 

Os cientistas descobriram que se colocassem uma pequena quantidade de hidrogênio em um grão de pimenta e usassem um laser de 192 feixes para aquecê-lo, seria possível aquecer a pequena cápsula em até 100 milhões de graus Celsius, uma temperatura que ultrapassa o centro do Sol. 

A descoberta é extremamente importante para o mundo científico e, possivelmente, estamos caminhando para ainda mais perto de um mundo movido a energia limpa. Mas vale lembrar que estamos falando de um experimento que custou bilhões de dólares e que ainda está sendo aperfeiçoado, sem data para ser lançado até o momento.

Já está seguindo o Museu WEG no Instagram? Lá você fica por dentro de todos os novos conteúdos que saem por aqui. Você também pode acessar o Blog do Museu WEG para conferir mais matérias interessantes como esta! 

Fonte:

Fusão Nuclear – Brasil Escola

Fusão nuclear: como cientistas alcançaram ‘Santo Graal’ da energia limpa – BBC News Brasil

Qual a diferença entre fusão e fissão nuclear? – Olhar Digital

Relógio Solar digital: conheça o relógio solar que possui display digital

Conheça o relógio solar que apresenta as horas e os minutos em um display digital.

Não é por a tecnologia ser antiga que você precisa conferir as horas em visão analógica.

Já pensou conferir as horas através de um display digital, porém sem usar energia elétrica?

Agora isso é possível com um relógio solar com display. Mas, antes de aprofundar as explicações sobre como este relógio funciona, confira como surgiram os relógios de sol.

Como surgiu o relógio solar?

Criado para possibilitar que as pessoas soubessem as horas do dia, o relógio solar é uma das invenções mais antigas da humanidade, sendo o mais antigo encontrado, contando com mais de 5 mil anos, tendo sido construído no Antigo Egito! 

Desenvolvidos e aprimorados com o passar dos séculos, é possível encontrar diversos modelos retratados na internet, desde os planos até os mais inclinados. 

Seu funcionamento é bem simples, tendo seus mostradores divididos em linhas que significam horas e uma haste na vertical que funciona como um ponteiro. Conforme o Sol vai caminhando para o fim do dia, sua posição se altera no céu e, por consequência, também altera a sombra da haste-ponteiro no relógio, mostrando a hora correspondente.

O Digital Sundial

Seguindo o princípio de apresentar as horas com base na luz solar, o Digital Sundial é um projeto para impressão 3D desenvolvido na França pela empresa Mojoptix, sendo extremamente diferente de todos os relógios solares criados nos últimos milhares de anos. 

Você não leu errado: você pode fazê-lo em casa se tiver acesso a uma impressora 3D.

Como este relógio não possui motor ou bateria, assim como os relógios solares originais, tudo que você vai precisar é configurá-lo de acordo com as coordenadas geográficas em que você vive. 

Essa invenção parece mágica, mas, na verdade, é só a junção entre matemática, criatividade e luz solar. 

Como funciona o Relógio solar Digital Sundial?

Projetado para trazer o display digital para os relógios solares, o Digital Sundial é um equipamento de alta precisão que, durante os horários das 10 horas da manhã até às 4 horas da tarde, com intervalos em 20 em 20 minutos, pode apresentar com clareza o horário, sem que haja a necessidade de usar eletricidade ou qualquer outra tecnologia. 

Foi desenvolvido para ser prático e fácil de usar, por isso foi projetado para ser acoplado em um pote de vidro de conserva qualquer, além de contar apenas com três peças impressas conectadas por parafusos. 

Ficou com vontade de fazer em casa? Então clique aqui para baixar o molde de montagem na impressora 3D e veja na prática como montar:

Já está seguindo o Museu WEG  no Instagram? Lá sempre saem conteúdos tão interessantes quanto este, vale a pena conferir!

Fontes:

Relógio de Sol – Brasil Escola

Relógio solar que mostra as horas na sombra – Noctula Channel

Relógio de Sol – Toda Matéria

Hipátia de Alexandria: a mãe das cientistas

Descubra quem foi Hipátia, a primeira mulher a se tornar cientista, mergulhe em sua história e entenda sua influência na ciência.

Injustiçada por sua inteligência e por sua liberdade, Hipátia de Alexandria ainda possui sua marca na história como a primeira mulher da história a ser filósofa, matemática e astrônoma. 

Ela foi uma mulher de grande intelecto que merece todo o destaque e valorização. E, nada melhor que o Dia Internacional da Mulher para apresentar a história desta brilhante cientista para você. 

Neste conteúdo você descobrirá quem foi a primeira mulher a se tornar cientista, mergulhando em sua história, entendendo sua influência na ciência e por que sua fama quase foi apagada dos registros de sua época. Confira!

Quem foi Hipátia de Alexandria?

Ela era filha de Theon, um grande estudioso da época e diretor da Biblioteca de Alexandria e nasceu entre os anos de 355 e 415 d.C. Hipátia também era neoplatonista e filósofa do Egito Romano.

Com apenas 30 anos, se tornou chefe da escola platônica em Alexandria, ensinando seus discípulos a arte da filosofia e da astronomia. 

Mas, muito além do que era ensinado em sala de aula, Hipátia também era uma grandíssima matemática, sendo visitada por viajantes e estudiosos para resolver problemas de geometria e álgebra que mais ninguém compreendia. 

Ela não só era referência para estudos, como também era procurada para o aconselhamento de políticos e membros de grande poder na sociedade. Durante sua vida, escreveu diversos textos sobre matemática e acrescentou sua visão científica para diversas pesquisas de astronomia da época. 

Obras de Hipátia

Acredita-se que ela tenha produzido diversas obras publicadas e mantidas na Biblioteca de Alexandria que, após um incêndio, teve quase todos os seus manuscritos perdidos, incluindo os de Hipátia. 

Mas como ela ficou lembrada? Pela menção a suas incríveis descobertas por autores da época. Sua inteligência e intelecto foram tão relevantes para a história que, para alguns destes autores, a menção de seus saberes foi eternizada em suas obras. 

Encontraram-se relatos de trabalhos da cientista que tratavam de equações quadráticas, aritmética e geometria, desenvolvendo figuras geométricas que se formavam quando um plano passava por um cone. 

Graças a essa descoberta, Hipátia auxiliou nos estudos de hipérboles, parábolas e elipses, chegando à conclusão de que a órbita do planeta Terra era, na realidade, elíptica e não circular. E o mais fascinante é que ela descobriu isso apenas analisando as estações do ano!

É possível saber mais sobre a sua história em quatro fontes: História Eclesiástica, de Sócrates Escolástico; Crônica, de João de Niquiu; A Vida de Isidoro de Damáscio em Suda; e, por fim, nas cartas sobreviventes de Sinésio de Cirene, antigo aluno da cientista. 

O fim de Hipátia de Alexandria

Mesmo que seja possível conhecermos um pouco da brilhante cientista, infelizmente, não é possível conhecermos afundo quem realmente foi esta grande mente da antiguidade. Porém, o que mais pode ser encontrado na história são as informações sobre o seu fim. 

A sociedade de sua época considerava-a uma mulher pagã, que se recusava a se casar, Hipátia também tinha um posicionamento muito mais voltado à filosofia e à lógica do que para a religião, afirmando que o universo, na realidade, era regido pelas leis da matemática. 

Como neste período o cristianismo passou a ser a religião oficial do Império Romano, a oposição religiosa começou a se potencializar em Alexandria. Em 412 d.C., o bispo Cirilo, um grande combatente de heresias da época, foi nomeado patriarca de Alexandria. 

Como Hipátia tinha amizade com o governante de Alexandria, Orestes, que era um grande rival político do bispo Cirilo, acabou ficando entre a briga desses homens. 

Em uma tarde de março de 415 d.C., quando a disputa se intensificou, seguidores de Cirilo assassinaram a grande cientista. 

O que podemos aprender com ela no dia 8 de março?

Hipátia não só foi uma cientista brilhante, ela também foi uma mulher de muita coragem. 

Em uma data tão importante quanto o dia de hoje, valorizar a mulher na ciência e trazer a reflexão sobre a necessidade de dar espaço para as mulheres no mundo da lógica é mais que importante: é necessário. 

É preciso lutar pela sabedoria como ela fez em sua vida, mas, além da luta intelectual, é preciso lutar por uma maior possibilidade de inserção das mulheres no mundo da ciência. 

Curtiu essa matéria? Siga o Museu WEG no Instagram, assim você sempre será avisado quando sair novos conteúdos como estes por aqui. 

Fontes:

Conheça Hipátia de Alexandria, a primeira mulher matemática da história – Revista Galileu

As várias faces de Hipátia de Alexandria – Questão de ciência

Hipácia de alexandria, a mártir da ciência – Aventuras na história  

A Ciência Explica: Por que rimos?

Descubra por que rimos e qual é o efeito dessa ação involuntária no nosso corpo.

Sabe aquela sensação gostosa de dar risada depois de assistir a um filme de comédia ou curtir um tempo com os amigos? Hoje, vamos falar sobre isso.

Saber o porquê de rirmos é uma curiosidade que geralmente acaba passando despercebida, já que o riso faz parte do nosso dia a dia.

Dar risada é um comportamento comum que traz muitos benefícios para a saúde de uma pessoa e ainda funciona como uma forma de comunicação entre os seres humanos e diversas outras espécies. Legal, não é?

Neste conteúdo, você descobrirá por que rimos e qual é o efeito do riso no nosso corpo. Continue a leitura!

Por que rimos?

Você sabe por que as piadas internas são tão engraçadas? Porque você as presenciou anteriormente. 

De modo geral, nós rimos daquilo que já experenciamos anteriormente, como se o riso fosse uma confirmação do nosso cérebro de que nos lembramos daquela situação. 

É justamente por isso que, às vezes, uma piada que é engraçada para você não é tão engraçada para o seu amigo. 

Além disso, o riso também pode ser causado pela quebra de expectativa. Imagine uma pessoa andando na calçada. O roteiro tradicional que já está previsto no seu cérebro é de que essa pessoa continue a caminhar na calçada, mas, no fim, ela acaba tropeçando e caindo no chão. Como houve uma quebra de expectativa e uma mudança inesperada no seu roteiro mental, é comum que você ria da situação. 

Tá, mas e quando a gente ri em uma roda de amigos sem nem sequer saber do que estão falando? Isso acontece porque a risada também é uma forma de garantir a comunicação em grupo e a inclusão de todas as pessoas. 

Às vezes, esse reflexo é mais forte do que o seu senso crítico de o que é engraçado ou não, por exemplo. Em resumo, tudo depende da vivência e das questões sociais. 

Qual é o efeito causado no cérebro pela risada?

Rir, de modo geral, é super benéfico para a saúde. Tanto pela liberação de adrenalina, serotonina e dopamina no cérebro quanto pelo fato de que uma boa risada geralmente é o reflexo de uma sensação de felicidade e alegria. 

Mas, falando de ciência, quando o cérebro recebe essa injeção de substâncias “de alegria”, ele espalha pelo corpo uma sensação de bem-estar, relaxamento e de positividade. É por isso que passar um tempo com os amigos ou assistir a um filme engraçado é algo tão prazeroso. 

Além disso, quando rimos, o nível de cortisol no nosso corpo diminui gritantemente, causando alívio do estresse e melhorando a qualidade de vida. 

Por que a barriga dói quando rimos muito?

Se você nunca riu tanto que chegou a sentir dor na barriga, você não sabe o que é dar uma boa risada. 

Brincadeiras à parte, para falar uma curiosidade intrigante sobre o riso que ninguém presta muita atenção no dia a dia, rir é um baita exercício físico. 

Calma, não estamos falando que rir é a mesma coisa que ir à academia, mas, de modo geral, quando rimos muito, o nosso diafragma sofre uma tensão maior que o normal, sendo forçado a trabalhar intensivamente. 

É graças a esse movimento de “forçar o ar” dos pulmões com o diafragma que o riso se torna uma espécie de exercício aeróbico. 

Rir faz bem para a saúde!

Além da diversão e do relaxamento, rir é extremamente necessário para a vida de uma pessoa. Segundo pesquisa de um psicólogo da Universidade de Kentucky, as pessoas mais alegres vivem cerca de dez anos a mais do que as mais tristes. 

Outro fato bem curioso e intrigante é que as substâncias produzidas pelo riso podem contribuir para o processo anti-inflamatório das juntas e dos ossos, o aumento do fluxo sanguíneo e o aumento do sistema imunológico. 

De modo geral, rir é sim um ótimo remédio! 

Curtiu este conteúdo? Então não deixe de conferir o Instagram do Museu WEG! Lá sempre avisamos quando um novo conteúdo como este vem para o ar aqui no nosso blog!

Fontes:

Por que rimos? Pode ser uma estratégia de sobrevivência – Superinteressante

Descubra o que se passa em nosso cérebro quando rimos – Seleções

Veja o que acontece com seu corpo quando você ri – Hospital Vila de Serra

Por que seu estômago doe quando você ri? – Dicas e curiosidades

Quem inventou o submarino e como eles conseguem ficar debaixo d’água?

Os mistérios do fundo do Oceano ainda são… bem, um mistério, e não é por falta de esforço dos seres…

Os mistérios do fundo do Oceano ainda são… bem, um mistério, e não é por falta de esforço dos seres humanos. Na realidade, a pressão das águas é tão grande em seu interior que fica inviável para que qualquer pessoa alcance o fundo sem ser completamente esmagada. 

Mesmo assim, com genialidade, persistência e muita física, em 1775, surgiu o primeiro modelo de um transporte que aguentaria a pressão da água e garantiria a segurança das pessoas em uma viagem por baixo da superfície: o submarino. 

Se você tem a mente curiosa e sempre se perguntou quem inventou o submarino e como ele consegue ficar debaixo d’água, este conteúdo é para você. 

Quem inventou o submarino e por quê?

O crédito de desenvolvedor do primeiro submarino vai para David Bushnell, um norte-americano que projetou o modelo “Tartaruga” para destruir navios britânicos durante a guerra de independência dos Estados Unidos. 

Mas, antes mesmo de 1700, já existiam projetos que simulavam uma embarcação subversiva. 

Em 1578, William Bourne já havia chegado à conclusão de que, para uma embarcação afundar e emergir à sua vontade, seria necessário um mecanismo que possibilitasse que ela diminuísse o seu volume para tornar o barco mais pesado e afundar.

Ao mesmo tempo, precisaria que aumentasse o seu volume para que ele pudesse subir novamente. Porém, Bourne nunca chegou a oferecer um desenho da sua ideia. 

Quem inventou o submarino e por quê?

O crédito de desenvolvedor do primeiro submarino vai para David Bushnell, um norte-americano que projetou o modelo “Tartaruga” para destruir navios britânicos durante a guerra de independência dos Estados Unidos. 

Mas, antes mesmo de 1700, já existiam projetos que simulavam uma embarcação subversiva. 

Em 1578, William Bourne já havia chegado à conclusão de que, para uma embarcação afundar e emergir à sua vontade, seria necessário um mecanismo que possibilitasse que ela diminuísse o seu volume para tornar o barco mais pesado e afundar.

Ao mesmo tempo, precisaria que aumentasse o seu volume para que ele pudesse subir novamente. Porém, Bourne nunca chegou a oferecer um desenho da sua ideia. 

A evolução do submarino

Em 1623, Cornelius Drebbel realmente criou uma espécie de submarino, dando uma nova função a uma embarcação movida a remo, conectada à superfície por uma tubulação de ar e revestida com couro à prova d’água. 

Porém, como a ideia não gerou tanto entusiasmo na época e não foi utilizada para combate, acabou sendo deixada de lado. 

Claro que, pensando na pressão do fundo do oceano, contar com um submarino feito de couro seria pouco seguro para os tripulantes, e foi justamente essa a contribuição do padre Marin Mersenne em 1634. 

Segundo Pe. Mersenne, para aguentar a pressão da água, um submarino deveria ser feito em forma cilíndrica e com cobre, além de ter pontas afiadas para permitir que não fosse necessário dar uma volta de 180° para retornar a um percurso. 

Durante muitos anos, diversos inventores tentaram criar um submarino de qualidade e segurança, mas quem causou grande inovação foi Robert Fulton em 1801. 

O famoso inventor do barco a vapor também foi de grande valia para a invenção do submarino como conhecemos hoje. 

O Nautilus, o submarino criado por Fulton para o governo francês, era feito de cobre, madeira e uma estrutura de ferro, além de ter uma cúpula com escotilha de vidro em um mastro dobrável que possibilitava a visão. 

Mas o submarino Nautilus nunca conseguiu ser usado em combate por culpa da maré e dos ventos.

Em 1863, os franceses criaram o Plongeur, o primeiro submarino movido por um motor e não por uma pessoa. Mas ele também não funcionou muito bem na prática. 

Nesse mesmo ano, no Estados Unidos, foi criado o CSS Hunley, um submarino não tão inovador quanto o Plongeur, mas foi o primeiro da história a afundar um navio em combate. 

Como nada são flores no mundo da invenção dos submarinos, o CSS Hurley não era nada seguro para os seus tripulantes, tendo perdido duas versões anteriores antes de obter sucesso em batalha, levando todas as pessoas com ele para o fundo do mar.

Com a chegada da 1ª Guerra Mundial, essas invenções foram recebendo melhorias e adaptações, possibilitando que a viagem nesses gigantes de ferro realmente fosse segura para os seus tripulantes. 

Foi justamente na 1ª e na 2ª Guerra Mundial que a utilização dos submarinos cresceu.

Mas como o submarino consegue ficar debaixo d’água?

Por incrível que possa parecer, enchendo uma parte da embarcação com água para aumentar o seu peso em relação à água do mar. 

Como já falamos em uma matéria sobre densidade e por que os navios não afundam (vale a pena conferir), o que faz o navio flutuar é a sua densidade em comparação com a densidade da água. 

Quanto mais água dentro do submarino, maior será o seu peso, ou seja, maior será a profundidade que descerá. 

E aí, matou sua curiosidade? Já está seguindo o Museu WEG no Instagram? Lá você fica por dentro de todas as novidades do mundo da ciência.

Fontes:

Como os submarinos conseguem ficar debaixo d’água? – Superinteressante

Os primeiros submarinos – 1578/1859 – Museu do Mar

História do Submarino – História de tudo

A origem do submarino – A origem das coisas

A ciência explica: Por que as propagandas influenciam as pessoas?

Você já ouviu falar em gatilhos mentais? Neste conteúdo você vai descobrir por que as propagandas influenciam as pessoas.

Hoje em dia é raro encontrar quem nunca recebeu um anúncio no Facebook ou nunca viu um outdoor ao caminhar na rua. A publicidade tomou conta da nossa realidade e, com ela, o consumo ainda mais elevado de produtos e serviços.

Mas, por que as propagandas influenciam as pessoas?

Além do fator determinante “visibilidade”, a publicidade funciona por meio de estratégias comunicacionais que tem como objetivo persuadir outras pessoas a agir de uma determinada forma já pré-estabelecida pela marca.

Mas calma que tudo isso vai ficar bem claro de entender, é só continuar a leitura!

Como nosso cérebro lida com a publicidade?

Sabe quando você vê um comercial de hambúrguer e fica com fome instantaneamente? Ou assiste tantas vezes um anúncio de um tênis que acaba comprando? Esses são só alguns exemplos de como a publicidade tem relevância no nosso cérebro.

Se você perceber, somos relativamente mais “atiçados” a comprar algo quando a propaganda se baseia em algum apelo emocional ou em alguma meta que temos a longo prazo.

Ver uma pessoa bem-sucedida comprar um certo notebook, nos faz criar uma falsa ilusão de que, ao adquirirmos o mesmo, nós alcançaremos o patamar de vida deste ator.

Isso acontece porque nosso cérebro, instintivamente, está sempre comparando nossa situação atual com a realidade desejada.

Quando estamos mais dispersos ou distraídos, é comum que sejamos mais efetivamente atingidos por propagandas e anúncios, já que o nosso subconsciente estará quase vencendo a luta pelo controle de nossos pensamentos.

O que na psicologia é chamado de dissonância cognitiva, quando o pensamento da pessoa não se equivale às ações tomadas.

Claro, vale lembrar que a publicidade não tem o poder de nos fazer comprar alguma coisa que não queremos! Ela apenas antecipa e potencializa nossa decisão real de compra.

Gatilhos mentais: por que as propagandas influenciam as pessoas?

Quando o assunto é publicidade e marketing, falar de gatilhos mentais é um tópico obrigatório.

Os gatilhos mentais funcionam como um botão de emergência no nosso cérebro que, quando bem propostos em campanhas publicitárias, influenciam diretamente na compra e nas tomadas de decisão dos consumidores.

A maioria das escolhas que fazemos no nosso dia a dia são extremamente lógicas, porém, em alguns momentos o nosso subconsciente acaba tomando o controle. Esses momentos de tomadas de decisão inconsciente são ativados pelos gatilhos mentais.

Não é que eles sejam totalmente maquiavélicos e que nos façam uma lavagem cerebral, mas, como no nosso dia a dia temos milhares de decisões para tomar, às vezes nosso cérebro decide pegar um atalho e acaba caindo nos gatilhos mentais que nos incentivam a comprar cada vez mais.

Tipos de gatilhos mentais

Para aumentar seu conhecimento sobre o assunto, separamos os 5 principais gatilhos mentais para você ficar atento.

1 – Gatilho mental: autoridade

Pasta de dente é…?

Se você respondeu Colgate ou Sensodyne, tem grandes chances de você ter sido influenciado pelo gatilho mental da autoridade.

Este gatilho mental mostra que você pode confiar na opinião dessa marca, contando com a influência de alguma imagem relevante do segmento para gerar confiabilidade.

A Colgate é uma das marcas de pasta de dente que mais faz uso desse gatilho, sempre reforçando que os “dentistas recomendam”. Parece bobo, mas essa informação fica armazenada no nosso subconsciente.

2 – Gatilho mental: escassez

O gatilho mental da escassez é o terror de qualquer pessoa ansiosa. Como o próprio nome já diz, ele coloca uma pressão ainda maior na sua escolha, reforçando que se você não tomar a atitude de comprar o produto ou serviço naquele exato momento, você não terá mais esta oportunidade.

Aplicativos como a Shein fazem muito uso desse gatilho mental, sempre apresentando informações como “restam apenas cinco peças”.

Você pode ser contra o consumismo em massa, mas se você tem o desejo de adquirir certo produto, com certeza vai ficar mais motivado a efetuar o pagamento.

3 – Gatilho mental: prova social

Sabe aquele “efeito manada” que uma tendência de moda instagramável acaba causando? É efeito do gatilho mental da prova social.

Para o nosso cérebro, este é um dos gatilhos mais fácil de ser acionado, já que é só considerar a opinião da maioria para decidir o que fazer.

Este é o gatilho mental “Maria vai com as outras”, digamos assim. Claro, este gatilho não é só ligado ao lado mais superficial e raso, é também associado a exemplos como “mais de 60 mil alunos se formaram na escola X” ou “todos os dentistas tem escolhido a marca Y”, por exemplo.

4 – Gatilho mental: reciprocidade

O gatilho mental da reciprocidade é fácil de ser identificado no nosso dia a dia, sem que haja a necessidade de um esforço tremendo para encontrá-lo: sabe quando uma pessoa é gentil e você acaba tendo uma inclinação ainda maior para atender a um pedido dela? Então…

O gatilho mental da reciprocidade é acionado pelo sentimento de necessidade, fazendo com que você sinta a necessidade de retribuir de alguma forma uma atitude legal de alguém.

Receber cupons grátis ou promoções exclusivas são grandes exemplos de como este gatilho mental funciona na prática.

5 – Gatilho mental: evitar a dor

De forma geral, o ser humano foge da dor como o Cascão foge da água, valorizando as sensações de prazer e buscando ações que sejam meramente satisfatórias no dia a dia.

Justamente por isso é tão complicado começar a fazer dieta ou entrar para a academia, já que nosso cérebro fica constantemente nos convencendo de que é melhor deixar para lá.

Quando o quesito é publicidade, geralmente a comunicação das campanhas está associada ao que é mais vantajoso para você: “compre o produto Z e economize até R$ 100,00 no fim do mês”.

Atualmente, você encontra diversos materiais confiáveis na internet para estudar sobre gatilhos mentais. É só dar um Google que você acha!

Curtiu esta matéria? Então corre dar uma conferida no Blog do Museu WEG, lá você encontra conteúdos tão interessantes quanto este. Não esqueça de seguir o Museu WEG no Instagram, assim você sempre será avisado do que estiver saindo de novo por aqui.

Fontes:

Por que temos vontade de consumir o que vemos nas propagandas? – VivaBem Uol

O que são gatilhos mentais e como utilizá-los na sua estratégia de Marketing! – RockContent

O que são gatilhos mentais e como usá-los – Hotmart

10 curiosidades sobre a voz humana

Neste conteúdo você irá descobrir 10 curiosidades sobre a voz humana. Acesse agora!

Sabe aquelas perguntas que simplesmente surgem na cabeça, mas que você nunca parou realmente para pesquisar a resposta?  Chegou a hora de você solucioná-las!

Neste conteúdo você irá descobrir 10 curiosidades sobre a voz humana. Continue a leitura para saber mais.

Principais curiosidades sobre a voz humana

Listamos abaixo as 10 principais curiosidades sobre a voz humana. Confira!

1 – Cada voz é única

Não importa quanto você treine ou faça aulas de canto, você jamais conseguirá reproduzir a exata voz de outra pessoa. Isso acontece porque a voz varia entre 50 e 3.400 Hz, sendo diversificada conforme as pregas vocais, os lábios, a língua e diversas outras partes do corpo.

Outro ponto importante é que, assim como não conseguimos reproduzir a voz de alguém, não existem gravações que sejam 100% fiéis ao som gravado originalmente.

2 – Qualquer um pode cantar

Claro, existem pessoas com um talento natural ao dominar sua voz, mas isso não limita o aprendizado de quem não tem o dom bruto do canto. Como qualquer instrumento, com treino e dedicação é possível, sim, que você aprenda a dominar sua a voz e cantar de maneira afinada.

Se você perceber, cantores vão evoluindo o seu nível de canto, alcança técnicas mais elaboradas e controlando melhor a sua respiração gradativamente o. Isso tudo é resultado de estudo e prática.

3 – Todo mundo odeia a própria voz

Essa curiosidade, provavelmente, você pensou ser uma exclusividade sua, né?

Mas, de forma geral, a maioria das pessoas realmente odeia o som da própria voz. Isso acontece porque a voz ressoa e vibra dentro de toda a nossa cabeça quando falamos, ou seja, nós não a ouvimos como ela realmente é.

É justamente por isso que quando gravamos um áudio no WhatsApp e o ouvimos, percebemos que nossa voz está mais aguda e alta que o que pensamos ter ouvido ao falar.

4 – Dá de perceber a atração pela voz

Você não leu errado, a sua voz entrega quando você está gostando de alguém!

Geralmente quando existe algum sentimento de afinidade entre as pessoas, a voz adquire uma personalidade diferenciada. Tanto para homens quanto para mulheres, o maior indicador de atração está na tonalidade da voz: já que uma pessoa apaixonada tende a falar em tom mais baixo.

5 – Voz grave realmente é mais sedutora

Quem é que nunca viu um filme de romance onde o galã força a voz para deixá-la mais grave? Ou nunca se sentiu levemente interessado por uma pessoa que tinha naturalmente esta característica vocal?

Não tem um significado místico ou algo assim, a realidade é que pessoas com voz grave tendem a serem associadas a sentimentos de competência, força física e integridade.

6 – A mudança de voz tem a ver com a laringe

Sabe quando os adolescentes começam a mudar de voz? Isso acontece porque, antes da puberdade, a laringe dos meninos é menor e as cordas vocais são pequenas e finas. Após a puberdade, a laringe cresce e, conseguintemente, as cordas vocais crescem e engrossam, o que faz a voz ficar mais grossa.

Uma mudança bem mais evidente nos meninos que nas meninas. É justamente devido a esta mudança drástica e rápida que alguns meninos têm o famoso “desafinar” da voz ao falar.

7 – Cigarro altera a voz

O cigarro causa diversos problemas na vida de uma pessoa, como o câncer de garganta e dos pulmões, mas isso não é novidade para ninguém.

O que vale a pena ser mencionado é que pessoas que fumam com grande frequência tendem a ter voz mais grossa e rouca devido à inflamação nas cordas vocais.

Ao tragar o cigarro, todas as suas substâncias vão direto para a nossa garganta e, consequentemente, para nossas cordas vocais.

Justamente por isso, a inflamação causada pelo cigarro gera uma espécie de edema (ou acúmulo de muco) que transforma a voz aos poucos. Esta mudança é mais fácil de perceber principalmente nas mulheres, já que possuem cordas vocais mais finas.

8 – Falar na frente do ventilador distribuí a voz em várias direções

Quem nunca falou na frente do ventilador que atire a primeira pedra! Já parou para perceber que quando fazemos isso nossa voz adquire um tom mais “mecanizada” e ao estilo Darth Vader?

Isso acontece porque o ventilador corta as ondas sonoras criadas pela vibração das cordas vocais.

OBS: A gente sabe que você está pensando em ligar o ventilador só para testar…

9 – A voz muda conforme nossas emoções

Sabe aquela frase “pelo tom, já sei que está bravo”? Isso acontece porque, como qualquer outra reação metabólica do nosso corpo, ao sermos atingidos por emoções, acabamos sofrendo alterações significativas no nosso corpo físico, como é o caso das cordas vocais.

10 – Disfonia pode ser causada por postura corporal

Parece besteira, mas é 100% verdade! Falta de postura ou acidentes que afetam a forma óssea, podem, sim, causar disfonia vocal. Isso acontece porque a projeção da voz se deve a um conjunto de várias partes do corpo.

Quando você desalinha algum destes órgãos principais para a emissão da voz, alterações importantes podem acontecer.

Curtiu essa matéria? Se você gosta de ficar por dentro de novidades tão interessantes como estas, não esqueça de conferir o Blog e seguir o Museu WEG nas redes sociais. Assim, você não perde nenhuma matéria nova que será lançada por aqui!

Fontes:

9 fatos curiosos sobre sua voz – Revista Arco

10 fatos incríveis sobre a voz humana – Fatos Desconhecidos

O que acontece quando falamos pelo ventilador? – Recanto do dragão

Mudança de voz no adolescentes – Instituto Pensi

Cigarro pode provocar alterações na voz e perda óssea nos dentes – ACT

Aprenda brincando: Como resolver um cubo mágico?

Saiba como resolver um Cubo Mágico, como ele surgiu e quais os seus benefícios quando atrelado ao ensino de adolescentes!

Não importa a sua idade, você COM CERTEZA já viu um Cubo Mágico. Hoje em dia, até os mais novos já conhecem este brinquedo de lógica, graças ao TikTok, YouTube e Reels.

Além de ser encontrado muitos vídeos sobre a resolução correta de um Cubo Mágico, também existem pessoas que fazem verdadeiras obras de arte com este brinquedo!

Mesmo assim, poucas pessoas realmente percebem o quanto um Cubo Mágico pode auxiliar em questões cognitivas e na educação de crianças e adolescentes.

Nesta matéria você irá aprender como resolver um Cubo Mágico, como ele surgiu e quais são os seus benefícios quando atrelado ao ensino de adolescentes. Para conferir é só continuar a leitura!

Como surgiu o Cubo Mágico?

Também conhecido como “Cubo de Rubik”, o Cubo Mágico foi inventado em 1974, na Hungria, por Ernő Rubik.

Sendo um quebra-cabeça tridimensional rotativo, o Cubo Mágico foi desenvolvido com o intuito de treinar o pensamento espacial das pessoas, já que, naquela época, ainda era pouco ensinado sobre geometria nas escolas.

Mesmo com a popularização do brinquedo, o seu benefício para a sociedade não parou no quesito entretenimento.

O sucesso foi tanto que no começo da década de 1980, mais de 160 milhões de pessoas já haviam comprado o brinquedo, possibilitando o surgimento dos “cubers”. Cubers eram os jovens que ficaram famosos por possuírem uma super destreza na resolução do Cubo Mágico.

E nem precisamos voltar muito ao passado para entendermos a relevância deste brinquedo. Desde 2003 existem competições que registram recordes de velocidade na resolução do Cubo Mágico.

Até o momento de lançamento desta matéria, o recorde aponta a resolução de um Cubo Mágico padrão (3×3) em 3,47 segundos, batido por Yusheng Du, em 2018.

E, para você entender o peso da importância de um Cubo Mágico, existe um estudo que procura entender qual o menor número de combinações possível para resolver qualquer questão do Cubo Mágico: o God’s Number, o famoso Número de Deus.

Após mais de 30 anos, o menor número possível descoberto para resolver o Cubo Mágico é de vinte movimentos. Última informação interessante sobre sua história: mesmo com mais de 40 anos de idade, o Cubo Mágico continua sendo o brinquedo mais vendido do mundo.

Como o Cubo Mágico auxilia na educação?

A primeira resposta a essa pergunta é: diversão. Ensinar de forma divertida assuntos complexos como probabilidade, análise lógica e desenvolvimento de visão espacial é só o começo! 

Atrelar ensino e diversão é uma receita incrivelmente boa para garantir o envolvimento do aluno com o que está sendo ensinado.

Outro ponto que faz do uso de Cubo Mágico nas escolas uma ótima alternativa para os professores de matemática, está na diversidade de explicações possíveis sobre os mais diversos conteúdos ensinados.

Além dos benefícios intelectuais, que são possíveis ao casar o uso de Cubo Mágico no ensino, este quebra-cabeça possibilita que os estudantes sejam estimulados a vencerem seus próprios limites de compreensão, aumentando a autoestima a cada vitória. Vale a pena considerar o uso de Cubos Mágicos no estudo de crianças inseguras e que não são tão chegadas em matemática, hein?

Como resolver um Cubo Mágico?

Atualmente existem diversos vídeos na internet ensinando a montar corretamente um Cubo Mágico, mas para ficar mais fácil, encontramos um vídeo super didático que deixará este processo bem mais simples para você.

Ou seja, você só precisa repetir 5 vezes o padrão fixo de movimentos: ↑  ← ↓ →

Curtiu esta matéria? No Blog do Museu WEG você encontra muitos outros experimentos e atividades divertidas para você aprender sobre o mundo da ciência.

Você também pode aprender mais visitando o Museu WEG por meio de um Tour Virtual! Assim você não sai de casa e já aproveita para matar a curiosidade sobre tudo que o Museu WEG tem a oferecer!

Lembre de seguir no Museu WEG no Instagram! Assim você sempre será avisado das novidades que chegam por aqui.

Fontes:

Matemáticos acham ‘número de Deus’ para resolver o cubo mágico – BBC News

Os benefícios do cubo mágico nas aulas de matemática no ensino médio – Brasil Escola

História dos brinquedos: cubo mágico – Studhistoria

Segredo do cubo mágico: especialista dá dicas pra você tentar resolver este quebra-cabeça – G1

A ciência explica: Por que levamos susto e o que acontece com o nosso corpo?

Você sabe por que levamos susto e quais os efeitos causados no nosso corpo? Acesse e descubra a resposta com base na ciência.

A sala escura do cinema, o silêncio ensurdecedor do personagem principal caminhando para salvar a vida e BUM, um jump scare de tirar o fôlego! Quem é que nunca se assustou assistindo a algum filme?

Uma onda de sensações que percorre o corpo todo, rápida como um raio! Isso acontece porque o susto causa mudanças significativas em nosso corpo físico e mental. Mas você sabe por que levamos susto? Continue a leitura e descubra!

Por que levamos susto?

O susto acontece por ser um mecanismo de defesa, é como se fosse um acionamento do modo alerta de forma ultra repentina. Ao sermos assustados, nosso corpo deduz que estamos em perigo e “liga todos os motores” para enfrentar os perigos e garantir a sobrevivência.

É nesse momento que o sistema nervoso libera uma dose exagerada de adrenalina no nosso corpo, causando um evento biológico mega intenso.

O efeito do susto no corpo

Como o susto injeta uma dose caprichada de adrenalina, é comum que aconteçam muitas reações no nosso corpo. Confira os principais efeitos deste evento:

Batimentos cardíacos acelerados

A adrenalina causa grande aumento da pressão arterial, direcionando rapidamente grande parte do sangue para o cérebro e para os músculos, o que faz com que a pele fique fria e pálida.

Olhos arregalados

Para possibilitar uma melhor visão, o evento biológico causado pelo susto causa a retração das pálpebras (o que nos faz arregalar os olhos) e dilata as pupilas.

Contração involuntária dos músculos

Como o objetivo do corpo é garantir a sobrevivência, ele se prepara para entrar em combate a qualquer momento, contraindo diversos músculos de forma preventiva para auxiliar na luta.

Grito involuntário

Como o ser humano é uma espécie que viveu sempre em grupos, o grito involuntário durante o susto sugere um pedido de ajuda.

Avalanche de sentimentos

Os sentimentos mais comuns que antecedem o medo inicial, são a raiva, a ansiedade ou a vontade de chorar. Porém, para algumas pessoas, o susto causa inicialmente uma sensação de prazer e de dar risada (por isso que algumas pessoas adoram filmes de terror).

É possível morrer de susto?

Sim, é possível morrer de susto. Mas calma, não é todo mundo que pode sofrer um mal súbito e cair morto ao ser assustado.

Como já vimos nesta matéria, o susto libera adrenalina no nosso corpo e, devido ao aumento da pressão arterial causada por ela, é possível que a pessoa sofra um infarto.

Isso acontece porque, quando a pessoa que já tem artérias comprometidas, toma um susto, é possível que a passagem do sangue seja trancada (como uma torneira sendo fechada). Por isso é sempre bom manter a saúde em dia.

Gostou desse conteúdo? Acesse o Blog do Museu WEG para conferir mais matérias como essa! Você também pode seguir o Museu WEG no Instagram para sempre ser avisado quando forem publicados mais conteúdos interessantes.

Fontes:
Correspondente Médico: Como o cérebro reage ao susto? – CNN

O que ocorre no corpo durante um Susto – Leandro Teles

O que ocorre no corpo durante um susto – Grupo mais expressãoÉ possível morrer de susto? Dr. Kalil explica – Coração e Vida