Tag: astronomia

Por que não sentimos a Terra girar?

A Terra está sempre girando? Por que não sentimos a Terra girar? A Terra está mesmo girando mais rápido? Hoje, no blog do Museu WEG!

Na vida temos certeza de duas coisas: que um dia iremos morrer e que a Terra continuará girando apesar disso. A coitada fica girando em torno do seu próprio eixo em uma velocidade superior a 1.700 km/h. Além de girar em altíssima velocidade entre si, a Terra também translada ao redor do Sol a uma velocidade que ultrapassa os 100.000 km/h. Mas por que não sentimos a Terra girar?
Continue a leitura para descobrir o motivo.

Lei da Inércia: por que não sentimos a Terra girar?

Antes de apresentar a teoria da 1ª lei de Newton, vale pensar em um exemplo prático: imagine um passageiro sentado em um ônibus. 

Inicialmente, quando ele entra no veículo e o motorista acelera, ele sente o solavanco e se desequilibra, porém, esse efeito passa assim que o ônibus encontra uma velocidade constante. 

Imagine agora que o ônibus passe por uma lombada e precise reduzir a velocidade. Graças a essa situação, o passageiro sente seu corpo ser puxado para frente. Esse efeito é causado devido à Lei da Inércia.

Agora vamos à explicação científica! Segundo a Lei da Inércia, um corpo tende a ficar em repouso, assim como tende a ficar em movimento, a não ser que uma força aja sobre ele. 

No caso da Terra, como ela continua em velocidade praticamente constante, não sentimos os efeitos desse fenômeno por estarmos girando com ela. É como se nós, e tudo que existe na superfície da Terra, fossemos extensões dela própria.

A Terra está mesmo girando mais rápido?

É comum encontramos matérias por aí que querem causar um rebuliço na internet, falando de forma sensacionalista sobre o assunto. 

A explicação simples é que sim, a Terra está girando mais rápido. Mas, antes que você entre em pânico, estamos falando de uma velocidade muito, mas muito MESMO, pequena. 

A velocidade de rotação da Terra também depende de influências externas para realizar seu percurso, como é o caso do Sol e da Lua. Ambos afetam e atraem a Terra, gerando a força maré. 

O que você precisa saber é que a massa da Terra se comunica com o Sol e com a Terra, de uma maneira que faz com que ela gire entre si. Ou seja, a velocidade da rotação depende não só da própria estruturação da Terra, mas também das massas que estão sobre sua superfície. 

Mas pode ficar tranquilo, este aumento da velocidade não é algo tão relevante assim para o seu dia a dia, já que nem o sentimos acontecer.

Curtiu essa matéria? Então dá uma conferida no Blog do Museu, lá você encontra mais assuntos tão interessantes quanto esse. 

Fonte:

Por que não sentimos a Terra girar? – Superinteressante

Por que não sentimos a Terra girar? – Brasil Escola

A Terra está girando mais rápido, mas o ano não vai “passar voando”; entenda – Canaltech

Missão Artemis 1: Saiba tudo sobre a nova missão com destino para a Lua

Mais uma missão com destino à Lua decolando! A Missão Artemis 1 trará ainda mais conhecimento aos humanos sobre o espaço. Saiba mais!

18 de novembro de 2022
...

Em 1969, Neil Armstrong foi o primeiro homem a pisar na Lua, e, em 1972, Eugene Cernan foi o último. A pergunta é, por que agora, 50 anos após a última expedição para a Lua, realizaremos esse mesmo percurso mais uma vez?

A NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço) está trabalhando na Missão Artemis I, a primeira de uma séria de missões muito complexas que irão permitir a exploração humana na Lua e em Marte. Continue a leitura e saiba mais sobre a missão para ter a resposta!

O que é a Missão Artemis 1?

A Missão Artemis 1 será uma expedição não tripulada por animais ou pessoas, apenas por três manequins chamados de Helga, Zohar e Comandante Moonikin Campos, para que sejam coletados dados para análises.

O objetivo da Missão Artemis 1 é, inicialmente, realizar experimentos que, no futuro, possibilitem o envio de astronautas em segurança para que passem uma semana em território lunar, evoluindo gradativamente a estadia até serem alcançados assentamentos permanentes.

Caso você seja tão curioso quanto nós do Museu, já deve ter percebido o “1” logo após do “Missão Artemis”, e, sim, isso significa que haverá mais dessas missões.

O plano é que até 2028 aconteçam mais 5 missões à Lua; justamente por isto a Artemis 1 não será tripulada por humanos: para garantir maior segurança aos astronautas. A rota da Missão Artemis 1 será voar ao redor da Lua e retornar para a Terra.

Tem mais uma curiosidade: o nome Artemis se origina na mitologia grega, é o nome da deusa irmã de Apolo. Lembrando que o Programa Apolo foi o conjunto de missões coordenadas pela NASA que tinha por objetivo colocar o primeiro homem na Lua.

Experimentos da Missão Artemis 1

Mas, se a Missão Artemis 1 não vai levar ninguém para a Lua, por que vai transportar três manequins?

A ideia de levar os manequins Helga, Zohar e Comandante Moonikin Campos para a Lua veio da possibilidade de medir como a radiação, a aceleração e a vibração ao longo da missão poderiam interferir na segurança de pessoas reais por meio de sensores.

Para garantir mais credibilidade às informações, os manequins contam em sua composição com materiais que imitam ossos, tecidos e órgãos. Para coletar informações mais precisas, cada um dos três contará com equipamentos de proteção diversos.

Enquanto o manequim Comandante Moonikin Campos estará vestido com os trajes oficiais dos astronautas, Zohar estará com um colete protetor Astrored vermelho (um novo equipamento que também será testado), e Helga viajará sem proteção alguma.

Um dos focos desse experimento será medir a exposição do corpo humano feminino à radiação após a orbita da Estação Espacial Internacional (ISS).

Serão dados importantíssimos considerando que a astronauta Christina Koch fará parte da missão tripulada para a lua em 2024, ou seja, é possível que ela seja a primeira mulher a pisar na lua.

A NASA também desenvolverá mais um experimento biológico levando para o espaço profundo algumas leveduras, algas e sementes para, assim, conferir se sofrerão alguma interferência devido ao ambiente inóspito.

Além dos experimentos biológicos, a Missão Artemis 1 será responsável pela “carona” de dez satélites que serão lançados no espaço para realizar ainda mais investigações científicas.

Por que a Missão Artemis 1 foi adiada?

No planejamento inicial, a Missão Artemis 1 iria decolar no dia 29 de agosto, mas não foi isso o que aconteceu. Após alguns problemas técnicos, a missão foi adiada para o dia 5 de setembro, mas esse prazo também não foi cumprido.

Você pode ficar tranquilo, o adiamento não foi por falta de interesse na missão. É muito comum que haja alterações em datas de lançamentos devido a falhas técnicas em foguetes.

Inicialmente, os engenheiros da NASA detectaram um vazamento dentro da nave, por exemplo. O problema do atraso da missão está no comprometimento dos experimentos que serão lançados com o foguete, os cubesats.

Alguns cientistas já estão preocupados com a redução da bateria dos satélites que serão enviados com o foguete, já que a missão tem um atraso de mais de um mês.

A princípio, o lançamento do foguete acontecerá no dia 12 de novembro. Vamos torcer para que, desta vez, ele possa ir ao espaço!

Você gosta de pesquisar sobre ciência, tecnologia e física? Então você precisa seguir o Museu WEG no Instagram! Lá você sempre será avisado sobre os novos posts que serão postados por aqui, no Blog do Museu, e ficará por dentro de todas as novidades do mundo da ciência.

Fontes:

Missão Artemis I – NASA

Sacani responde [missão artemis] – ciência sem fim

Missão Artemis 1 entregará o primeiro experimento de biologia no espaço profundo – CNN

NASA adia começo da missão Artemis I à Lua – lançamento seria hoje (03) – Jovem Nerd

Helga e Zohar: conheça os manequins gêmeos prontos para a missão Artemais I – Canal Tech

Europa: Uma das luas de Júpiter que pode abrigar vida!

Pesquisas apontam que o oceano subterrâneo em uma das luas de Júpiter pode ser habitável. Saiba mais aqui!

27 de setembro de 2022
...

O oceano subterrâneo descoberto há alguns anos em uma das luas de Júpiter, conhecida como Europa, segue sendo estudado – e recentes pesquisas apontam, para os amantes da ciência, que há possibilidade de vida nele.

Graças às pesquisas desenvolvidas a partir da conexão entre a camada de gelo da lua Europa e a camada de gelo presente na Groelândia (na Terra), foi concluído que o oceano da lua Europa pode ser habitável.

A observação que possibilitou essa descoberta ocorreu através do uso de radar de penetração no gelo, comandado por pesquisadores na Groelândia, onde foi descoberta uma espécie de montanha semelhante a uma disponível na lua Europa.

Ficou curioso para saber mais sobre o oceano subterrâneo da lua Europa? Então continue lendo a matéria para saber mais.

Um Oceano em uma das luas de Júpiter

Antes de aprofundar a explicação no oceano da lua Europa, primeiro você precisa saber um pouco mais sobre ela. Com mais de 3 mil quilômetros de diâmetro, a lua Europa é menor que a lua da Terra, estando localizada a mais de 700 milhões de quilômetros do Sol.

Devido ao seu distanciamento com a grande estrela do nosso sistema, na superfície da lua Europa, a temperatura permanece igual ou menor a -160 °C, sendo inabitável para os seres humanos. Porém, nós ainda não conseguimos descobrir qual é a temperatura do oceano subterrâneo presente nesta lua de Júpiter.

Ainda não existem estudos que comprovem como o oceano da lua Europa foi formado, desse modo, a ciência conta apenas com teorias referente à decomposição de minerais.

Já estão definidas duas missões espaciais com destino à Europa, buscando compreender mais sobre o misterioso oceano da lua: a Juice (da Agência Espacial Europeia) e a Europa Clipper (da NASA). Em breve, teremos novidades.

O que leva os cientistas a acreditarem que a lua Europa possa sustentar a vida?

Vamos lá, primeiro, é preciso diferenciar “vida por si só” e “vida inteligente”. Enquanto o primeiro diz respeito a organismos vivos (assim como as plantas), o segundo se refere à vida racional (como nós, seres humanos).

Os cientistas acreditam que a lua Europa, graças aos seus oceanos e à química da água presente por lá, seria um local possível para que surja vida fora da Terra.

Mas, contrariando a vontade de muitos, em relação à possibilidade de viver em outros planetas: nós, provavelmente, não seriamos os “habitantes” nesse caso.

Porém, a descoberta de que a lua Europa é propícia à vida irá impactar em muitas informações inovadoras para a ciência, em que será possível compreender com mais exatidão a evolução da vida na Terra e fora dela.

Você gosta de astronomia e quer ficar por dentro de todas as novidades sobre o Universo e do mundo das ciências? Continue acompanhando o nosso blog!

Fontes:

Lua de Júpiter pode ter uma camada de gelo habitável, diz estudo – CNN Brasil

NASA descobre que lua de Júpiter pode abrigar vida – Revista Galileu

Estudo reforça que lua de Júpiter tem oceano e pode ser habitável – Jovem Pan

O que é possível ver com um telescópio?

Conheça a história do telescópio e o que é possível ver com ele!

O telescópio é o instrumento que permite que as pessoas possam enxergar objetos que se encontram a uma distância muito grande da Terra.

Muito importante na astronomia, o aparelho tem capacidade de ampliar e formar uma imagem virtual de planetas, estrelas e outros objetos no espaço cósmico.

Não é necessário ser astrônomo para ter um telescópio. Qualquer pessoa pode aprender a usar o aparelho e fazer suas próprias observações.

Mas você sabe o que é possível ver com um telescópio? Continue lendo para descobrir.

História do telescópio 

Em 1609, o cientista italiano Galileu Galilei melhorou o projeto de uma luneta com lentes de óculos criada em 1608 pelo holandês Hans Lippershey. 

Galileu construiu um equipamento com tubos e lentes que foi batizado de perspicillum. Ao ser apontado pela primeira vez ao céu, foi possível observar diversos corpos celestes, como a lua e Júpiter.

Mais tarde, no século XVII, vários inventores, como o cientista inglês Isaac Newton, construíram seus próprios telescópios.

Telescópios ópticos 

Há dois tipos de telescópios ópticos: os que operam por refração (refratores) e os que funcionam por reflexão (refletores). 

Quando o telescópio é produzido com lentes, chamamos de refrator. O telescópio refrator usa lentes de vidro em forma de curva que são bem potentes para ver objetos que estão muito distantes. O problema é que a produção dessas lentes é mais difícil.

Mais poderoso que os refratores, quando é produzido com um espelho curvo, chamamos o telescópio de refletor. Nele, há espelhos finos que fazem com que a luz se concentre quando refletida. 

Sua vantagem é a leveza do espelho, o que facilita o envio para missões no espaço. Certos telescópios usam tanto lentes como espelhos.

Outros telescópios 

Os telescópios citados acima captam luz. Mas há aparelhos que, ao invés de captarem luz, captam outras formas de energia do espaço, como ondas de rádio, raios infravermelhos e raios X. 

Esse tipo de energia é emitida, por exemplo, dos planetas, das estrelas e do gás presente no espaço. Todos os tipos de telescópios permitem reunir informações sobre elementos espaciais que não podem ser vistos a olho nu. 

Foi por meio desse tipo de observação que cientistas entenderam como as estrelas e os planetas se formam e como as estrelas morrem, por exemplo.

O que é possível ver com um telescópio?

O que dá poder a um telescópio é sua “abertura”. O diâmetro da abertura (da lente objetiva ou do espelho) é o que proporciona a resolução e a qualidade das imagens de um telescópio. 

Portanto, com um telescópio de maior abertura, você terá imagens melhores e mais nítidas.

Com um telescópio de 70 mm, por exemplo, é possível observar tudo o que é observado nos de 60 mm e 50 mm, porém com qualidade superior; além disso, é possível observar mais estrelas, nebulosas e mais detalhes nos objetos.

Já com um telescópio de 150 mm, você verá tudo o que os de menor abertura também mostram, porém com muito mais detalhes e definição, além de mais estrelas, nebulosas, etc.

Entretanto, com qualquer telescópio, você pode realizar ótimas observações. Esse é um passatempo que desenvolve a curiosidade e a inteligência e proporciona ótimos momentos de satisfação. 

Entre os objetos espaciais que podemos visualizar com um telescópio, estão:

Lua: um dos objetos astronômicos mais belos de se observar. É possível apreciar as crateras e as planícies lunares, bem como o contraste causado pela sombra da parte escura da lua sobre essas crateras.

Por ser grande e próxima da Terra, quando está cheia, cobre quase todo o campo de visão do telescópio; por isso, muitos preferem observá-la quando está na fase minguante ou crescente.

Sol: o sol é o único objeto que pode ser observado durante o dia. Para vê-lo, os telescópios são equipados com filtros especiais para deixar uma fração diminuta da luz, sendo possível observar uma esfera laranja quase perfeita.

Planetas: é possível ver em detalhes os planetas do Sistema Solar, em especial Marte, Júpiter e Saturno. Vênus e Mercúrio estão muito próximos ao sol; por isso, só são visíveis próximos ao horizonte e em poucas épocas do ano. 

Urano e Netuno, os planetas mais distantes do sol, podem ser observados como pequenos pontos azulados no telescópio.

Estrelas: aglomerados de estrelas, nebulosas, galáxias e estrelas solitárias também geram imagens incríveis e podem ser observadas e estudadas por meio dos telescópios.

Ficou curioso? No Brasil, e pelo mundo afora, existem diversos planetários para visitar, conhecer mais sobre a Astronomia e fazer sua primeira viagem pelo espaço com o uso de um telescópio. 

Já que o assunto é objetos do espaço, que tal conhecer a diferença entre asteroides, meteoroides, meteoros e meteoritos?