Asteroides, cometas, meteoroides, meteoros e meteoritos: descubra a diferença entre eles



Descubra a diferença entre asteroides, cometas, meteoroides, meteoros e meteoritos.

Em poucas palavras, asteroides, cometas, meteoroides, meteoros e meteoritos são corpos celestes – ou rochas espaciais – que se encontram sempre em movimento no Sistema Solar. 

Aproximadamente 40 mil toneladas dessas rochas espaciais se chocam com planetas e luas a cada ano, principalmente em forma de poeira e pequenos meteoritos. 

Para monitorar esses objetos e certificar-se de que não sejam perigosos à Terra, existe toda uma força-tarefa internacional, envolvendo agências espaciais e astrônomos independentes.

A classificação desses corpos celestes gera confusão, pois, em poucas palavras, o mesmo objeto recebe nomes diferentes dependendo do local onde é visto. Mas chega de dúvidas! Abaixo, você vai descobrir a diferença entre asteroides, cometas, meteoroides, meteoros e meteoritos.

Asteroides

Asteroides são corpos rochosos compostos por minerais e metais que orbitam o Sistema Solar. Eles são menores do que planetas, mas maiores que meteoroides. Há asteroides de tamanhos que variam de 20 metros, 500 metros e 900 quilômetros de diâmetro, geralmente com formatos irregulares.

Normalmente os asteroides estão localizados em órbitas bem definidas e estáveis, concentrados entre as órbitas de Marte e Júpiter, região que é conhecida como Cinturão de Asteroides.

Asteroide Ida Ida, descoberto em 1993. Foto: QAI Publishing/Getty Images

Cometas

Da mesma forma que os asteroides, os cometas também orbitam o Sol, mas eles possuem uma diferença bem nítida: em vez de serem rochosos, os cometas são compostos de gelo e poeira.

Ao se aproximarem do Sol, o gelo e a poeira dos cometas começam a vaporizar, emitindo gases e poeira que criam uma cauda luminosa, característica dos cometas. 

É possível vê-los até mesmo quando estão muito distantes da Terra. Alguns têm órbitas regulares, mas outros são vistos apenas uma vez. Atualmente, existem 3.679 cometas conhecidos pela NASA.

Um dos mais famosos é o cometa Halley. Ele foi identificado em 1696 por Edmond Halley como um cometa periódico. Desde então, a cada 76 anos, aproximadamente, o cometa Halley orbita em torno do Sol, podendo ser visto da Terra. Sua próxima aparição está prevista para 29 de julho de 2061.

Cometa Halley, 1986. Foto: NASA

Meteoroides

Os meteoroides surgem do choque entre corpos maiores – como asteroides e cometas. Por serem fragmentos desses corpos, os meteoroides variam de tamanho, porém não passam de 10 metros, podendo ser até mesmo pequenos grãos. Alguns são rochosos, outros são metálicos e outros são uma combinação dos dois.

As rochas espaciais são classificadas como meteoroides somente quando estão à deriva no espaço (área não ocupada por corpos celestes), após serem desprendidas do objeto principal.

Meteoros

Quando entram na atmosfera da Terra ou de outro planeta com muita velocidade e alta temperatura, os meteoroides geram um rastro luminoso no céu e passam a se chamar de meteoros.  

São identificados por flashes de luz no céu, pois o metereoide em questão queima e se desintegra na atmosfera terrestre. Por vezes, podem ser mais luminosos que Vênus e ganham o nome de “bolas de fogo”.

Em razão do rastro de luz que deixam no caminho, muitas vezes são confundidos com cometas e, popularmente, são conhecidos como “estrelas cadentes”. 

Chuva de meteoros

Chuva de meteoros. Foto: Shutterstock

Você sabia que a chuva de meteoros acontece periodicamente no nosso céu? Todos os dias, cerca de 48,5 toneladas de material meteorítico caem na Terra. Boa parte é vaporizada na atmosfera, deixando um rastro de luz que chamamos de estrela cadente.

Por isso, em qualquer noite, é possível observar a queda de vários meteoros. Mas algumas vezes essa quantidade é tão grande, que origina o evento conhecido como chuvas de meteoros.

Meteoritos

Os meteoritos são muito parecidos com os meteoros. Porém, são rochas que sobrevivem à viagem pela atmosfera terrestre e chegam ao solo. Ao serem vistos no chão, eles parecem pedras, mas têm um exterior “queimado” que pode até parecer brilhante.

Meteorito Winchcombe, encontrado no Reino Unido. Foto: Trustees of the Natural History Museum, London/Divulgação

Calcula-se que mais de 50 mil meteoritos já foram encontrados na Terra, e 99,8% deles são oriundos de asteroides. Os 0,2% restantes são divididos entre meteoritos de Marte e da Lua. Foi um meteorito que atingiu a Rússia em 2013, por exemplo.

Os meteoritos são classificados em três tipos: ferrosos, rochosos e rochosos-ferrosos. A maioria dos que chegam à Terra são rochosos.

Resumindo

De maneira simples, podemos dizer que a diferença entre um asteroide e um cometa é que os asteroides são rochosos e compostos por metais e minerais, enquanto os cometas são compostos de gelo e poeira e produzem uma característica única: uma cauda de gases à medida que se aproximam do Sol.

Tanto os asteroides como os cometas podem perder algum pedaço, que fica à deriva no espaço e é chamado de meteoroide.

Quando entra na atmosfera da Terra em alta velocidade e temperatura, esse meteoroide gera um rastro luminoso no céu e passa a se chamar meteoro, o qual conhecemos também como estrela cadente. 

Se algum fragmento celeste ultrapassar a atmosfera e atingir a superfície terrestre, ele leva o nome de meteorito

Agora você já sabe como diferenciar esses corpos celestes! Não se preocupe, os agentes espaciais estão sempre trabalhando para identificar e prevenir que algum deles caia na sua cabeça. Quedas de grandes rochas podem ser previstas com anos de antecedência.

Que tal continuar no blog e descobrir 6 mistérios que a física ainda não conseguiu explicar? 

Posts Relacionados