Tag: como funciona

O que é possível ver com um telescópio?

Conheça a história do telescópio e o que é possível ver com ele!

O telescópio é o instrumento que permite que as pessoas possam enxergar objetos que se encontram a uma distância muito grande da Terra.

Muito importante na astronomia, o aparelho tem capacidade de ampliar e formar uma imagem virtual de planetas, estrelas e outros objetos no espaço cósmico.

Não é necessário ser astrônomo para ter um telescópio. Qualquer pessoa pode aprender a usar o aparelho e fazer suas próprias observações.

Mas você sabe o que é possível ver com um telescópio? Continue lendo para descobrir.

História do telescópio 

Em 1609, o cientista italiano Galileu Galilei melhorou o projeto de uma luneta com lentes de óculos criada em 1608 pelo holandês Hans Lippershey. 

Galileu construiu um equipamento com tubos e lentes que foi batizado de perspicillum. Ao ser apontado pela primeira vez ao céu, foi possível observar diversos corpos celestes, como a lua e Júpiter.

Mais tarde, no século XVII, vários inventores, como o cientista inglês Isaac Newton, construíram seus próprios telescópios.

telescópio
Galileu Galilei demonstrou o uso de seu telescópio para duques e senadores de Veneza em 1609 (ilustração de Louis Figuier, 1870). 

Telescópios ópticos 

Há dois tipos de telescópios ópticos: os que operam por refração (refratores) e os que funcionam por reflexão (refletores). 

Quando o telescópio é produzido com lentes, chamamos de refrator. O telescópio refrator usa lentes de vidro em forma de curva que são bem potentes para ver objetos que estão muito distantes. O problema é que a produção dessas lentes é mais difícil.

Mais poderoso que os refratores, quando é produzido com um espelho curvo, chamamos o telescópio de refletor. Nele, há espelhos finos que fazem com que a luz se concentre quando refletida. 

Sua vantagem é a leveza do espelho, o que facilita o envio para missões no espaço. Certos telescópios usam tanto lentes como espelhos.

O telescópio espacial Hubble, que orbita a Terra em uma nave espacial, é um tipo de telescópio refletor.

Outros telescópios 

Os telescópios citados acima captam luz. Mas há aparelhos que, ao invés de captarem luz, captam outras formas de energia do espaço, como ondas de rádio, raios infravermelhos e raios X. 

Esse tipo de energia é emitida, por exemplo, dos planetas, das estrelas e do gás presente no espaço. Todos os tipos de telescópios permitem reunir informações sobre elementos espaciais que não podem ser vistos a olho nu. 

Foi por meio desse tipo de observação que cientistas entenderam como as estrelas e os planetas se formam e como as estrelas morrem, por exemplo.

O que é possível ver com um telescópio?

O que dá poder a um telescópio é sua “abertura”. O diâmetro da abertura (da lente objetiva ou do espelho) é o que proporciona a resolução e a qualidade das imagens de um telescópio. 

Portanto, com um telescópio de maior abertura, você terá imagens melhores e mais nítidas.

Com um telescópio de 70 mm, por exemplo, é possível observar tudo o que é observado nos de 60 mm e 50 mm, porém com qualidade superior; além disso, é possível observar mais estrelas, nebulosas e mais detalhes nos objetos.

Já com um telescópio de 150 mm, você verá tudo o que os de menor abertura também mostram, porém com muito mais detalhes e definição, além de mais estrelas, nebulosas, etc.

Entretanto, com qualquer telescópio, você pode realizar ótimas observações. Esse é um passatempo que desenvolve a curiosidade e a inteligência e proporciona ótimos momentos de satisfação. 

Entre os objetos espaciais que podemos visualizar com um telescópio, estão:

Lua: um dos objetos astronômicos mais belos de se observar. É possível apreciar as crateras e as planícies lunares, bem como o contraste causado pela sombra da parte escura da lua sobre essas crateras.

Por ser grande e próxima da Terra, quando está cheia, cobre quase todo o campo de visão do telescópio; por isso, muitos preferem observá-la quando está na fase minguante ou crescente.

Sol: o sol é o único objeto que pode ser observado durante o dia. Para vê-lo, os telescópios são equipados com filtros especiais para deixar uma fração diminuta da luz, sendo possível observar uma esfera laranja quase perfeita.

Planetas: é possível ver em detalhes os planetas do Sistema Solar, em especial Marte, Júpiter e Saturno. Vênus e Mercúrio estão muito próximos ao sol; por isso, só são visíveis próximos ao horizonte e em poucas épocas do ano. 

Urano e Netuno, os planetas mais distantes do sol, podem ser observados como pequenos pontos azulados no telescópio.

Estrelas: aglomerados de estrelas, nebulosas, galáxias e estrelas solitárias também geram imagens incríveis e podem ser observadas e estudadas por meio dos telescópios.

Ficou curioso? No Brasil, e pelo mundo afora, existem diversos planetários para visitar, conhecer mais sobre a Astronomia e fazer sua primeira viagem pelo espaço com o uso de um telescópio. 

Já que o assunto é objetos do espaço, que tal conhecer a diferença entre asteroides, meteoroides, meteoros e meteoritos?

Mas, afinal, para que é utilizado e como funciona o código Morse?

Você tem curiosidade de entender para que é utilizado e como funciona o código Morse? Então vamos lá!

Você já deve ter visto em filmes, séries ou até mesmo em desenhos, alguém se comunicando por batidinhas, piscar de luzes ou bilhetes que só têm pontinhos e risquinhos. 

Trata-se do código Morse, um importante instrumento de comunicação muito utilizado em vários momentos da nossa história, como na Segunda Guerra Mundial e no naufrágio do Titanic, em 1908.

Apesar dessa linguagem não ser mais tão utilizada como foi no passado, ela ainda pode ser muito útil nos dias de hoje.

Você tem curiosidade de entender para que é utilizado e como funciona o código Morse? Então vamos lá!

O que é código Morse?

O código Morse é uma ferramenta de comunicação que representa letras, números e sinais de pontuação por meio de uma sequência de pontos (.) e traços (-) chamados de bits e dahs, respectivamente.

Esses sinais criam uma mensagem codificada que é enviada pausadamente, conforme o ritmo e os intervalos com que aparecem.

A transmissão de mensagens codificadas em código Morse pode ser feita de diferentes formas, como: 

1) por pulsos elétricos, através de uma rede telegráfica;

2) por ondas mecânicas, através do som;

3) por ondas eletromagnéticas, através de sinais de rádio com pulsos ou tons curtos e longos;

4) por sinais visuais, utilizando ferramentas como lâmpadas e bilhetes.

O código Morse pode ser visto como uma forma de código digital, já que é binário: ou há o pulso ou não.

Podemos, por exemplo, usar uma lanterna para nos comunicarmos apenas ligando ou desligando a luz nos tempos certos. Também é possível usar o Morse com o som do apito, fazendo as diferentes variações do tempo ao apitar.

A história do código Morse

O código Morse surgiu em 1835 e leva o nome do seu criador, Samuel Morse. A criação surgiu para ser a linguagem utilizada na transmissão de mensagens através do telégrafo elétrico, também criado por Morse.

Esse aparelho, por sua vez, funcionava emitindo pulsos elétricos através de cabos a um eletroímã que, ao receber a mensagem, fazia o registro dos sinais em uma fita de papel. 

Quando a corrente estava ligada, a agulha do aparelho riscava uma fita magnética; quando a corrente era desligada, a fita ficava sem marca.

Samuel Morse também é inventor do telégrafo elétrico.

Inicialmente a ideia de Morse era transmitir apenas números e utilizar um dicionário para relacioná-los com as palavras, mas, por fim, acabou criando códigos para representar também as letras, permitindo a transmissão de mensagens mais completas. 

Ao longo do tempo, o código sofreu alterações. Em 1948, onze letras foram alteradas na Alemanha, adotadas para o padrão internacional em 1865 pelo Congresso Internacional Telegráfico.

A linguagem também passou a ser utilizada no rádio, e os pontos e traços foram transformados em sons curtos e sons longos.

O código foi amplamente utilizado no período da I Guerra Mundial para envio de mensagens rápidas de longa distância entre navios e aviões dos exércitos. Até hoje, nenhum outro sistema de codificação de informação eletrônico ultrapassou seu feito.

Até o ano de 1999, foi utilizado como o padrão internacional para comunicações marítimas. O exército americano também treinou soldados em código Morse até 2015.

A única alteração feita desde a I Guerra Mundial foi, em 2004, a inserção do código “AC” para representar o @. 

Como aprender código Morse?

Com o avanço da tecnologia na área de comunicação militar e naval, o código Morse não é muito utilizado hoje em dia. Porém, alguns sinais são bem famosos e podem ser reconhecidos em muitos casos, o clássico é o sinal de socorro: o SOS é composto pela combinação •••⁃⁃⁃•••.

Se você precisar de socorro e, por exemplo, só tiver uma lanterna para se comunicar, vale a pena tentar o sinal, já que ele é conhecido mundialmente.

O código Morse é relativamente simples. Seguindo a tabela de códigos, fica bastante fácil aprender a representação de cada sinal, lembrando que não se faz diferença entre letras maiúsculas ou minúsculas.

O mais importante é reconhecer os dits e dahs (também chamados de pulso e não pulso) para saber os intervalos entre letras e palavras. Atualmente, o código Morse Internacional conta com seis “símbolos”:

  1. pulso curto ou ponto;
  2. pulso longo ou traço;
  3. espaço entre pontos e traços;
  4. espaço curto entre letras;
  5. espaço médio entre palavras;
  6. espaço longo entre frases.

Lendo no papel, fica fácil de identificar, mas, para o som e o piscar de luzes, é um pouco mais complicado. Um dah (-) tem a duração de 3 dits (…) e o tempo de um dit (.) é utilizado para o intervalo entre caracteres, o de um dah (-) para os intervalos curtos. Usa-se o período de 7 dits (…….) para o intervalo médio e 4 dahs (—-) para o intervalo longo.

O código Morse nos dias atuais

Nos dias atuais, o código Morse é geralmente representado nas telinhas, em produções cinematográficas. Também é utilizado por escoteiros e radioamadores, sendo parte da grade curricular do exame para licença de radioamadores no mundo todo.

Para além dos filmes, outra arte que também se aproveita das mensagens codificadas é a música. Alguns músicos inseriram o Morse em suas melodias, ele é encontrado, por exemplo, em Wireless Fantasy, de Vladimir Ussachevsky, e em músicas de rock’n’roll como a YYZ do Rush, em A Revolta dos Dândis II dos Engenheiros do Hawaii e no pedido de socorro feito pela guitarra do Iron Maiden na música Empire of the Clouds, que narra o acidente sofrido pelo dirigível britânico R101, na sua primeira viagem, em 1930.

E agora é com você: que tal começar hoje mesmo e criar sua primeira mensagem em código morse? 😉

Como funciona o cérebro humano?

Neste artigo, vamos ver como o cérebro humano funciona e o que devemos fazer para mantê-lo saudável.

O cérebro é um órgão do sistema nervoso central considerado o núcleo de inteligência e aprendizagem do nosso corpo. Trata-se de um órgão extremamente complexo e intrigante, por isso, é fruto de muitos estudos nas áreas da ciência e medicina.

Por comandar todo o nosso corpo, devemos cuidar muito bem dele. Neste artigo, vamos ver como o cérebro humano funciona e o que devemos fazer para mantê-lo saudável.

Funções do cérebro humano

O cérebro tem diversas funções. Ele trabalha diretamente em nossa inteligência, linguagem, consciência, memória, nosso movimento, comportamento, entre muitas outras ações.

Ou seja, se somos capazes de andar, falar e sentir emoções, de fazer simples tarefas do dia ou complexas atividades, isso se deve à atuação conjunta de diversas regiões do cérebro.

A anatomia do cérebro

O cérebro é dividido em dois hemisférios: o esquerdo e o direito. Eles estão ligados pelo corpo caloso, uma estrutura composta por fibras mielínicas. O lado esquerdo controla os movimentos do lado direito do corpo, e o lado direito controla os movimentos do lado esquerdo.

Esses hemisférios são divididos em quatro lobos cerebrais, cada qual com uma função. São eles: lobo frontal, temporal, parietal e occipital. 

O órgão apresenta duas regiões bem distintas: uma região chamada de substância cinzenta e outra de substância branca.

A substância cinzenta apresenta corpos celulares de neurônios e pode ser vista mais externamente. É conhecida como córtex cerebral e recebe impulsos de vários locais para que sejam processados. No córtex, existem regiões especializadas em interpretar sensações, sons, odores, desenvolver pensamentos, guardar lembranças e controlar movimentos, por exemplo.

Mais internamente ao córtex está a substância branca. Essa região é formada por feixes de axônios mielinizados e, por isso, é esbranquiçada.

No lado externo do cérebro, é possível notar sulcos que delimitam giros ou circunvoluções cerebrais. Esses sulcos são formados pelas dobraduras que vão surgindo no córtex e aumentam de maneira mais rápida que a substância branca. 

Os sulcos são importantes porque garantem um aumento do volume cerebral; os sulcos muito profundos são chamados de fissuras. Existem diferentes tipos de fissuras, a longitudinal, por exemplo, garante a divisão do cérebro em dois hemisférios.

Curiosidades sobre o cérebro humano

  1. O hemisfério esquerdo possui mais neurônios que o direito.
  2. A velha história de que usamos apenas 10% do nosso cérebro é mito. Na realidade, usamos quase 100% do nosso cérebro quase o tempo todo.
  3. O cérebro consome cerca de 20% do nosso oxigênio.
  4. Para receber todo o oxigênio que precisa para trabalhar corretamente, o cérebro contém cerca de 600 km de vasos sanguíneos. 
  5. O cérebro é o responsável por você não sentir cócegas que faz em si mesmo. Isso porque, antes mesmo de acontecer, ele é capaz de saber exatamente onde cada dedo vai tocar na pele. Por isso, só funciona quando outra pessoa faz cócegas em você.

Cuidados para garantir o bom funcionamento do cérebro

Uma parte tão importante do nosso corpo merece todo cuidado possível. Confira algumas dicas para manter seu cérebro saudável. 

Faça ioga ou medite

Estudos revelam que fazer yoga regularmente pode preservar áreas do cérebro relacionadas à memória. Isso porque as pessoas com esse hábito possuem o córtex pré-frontal mais espesso.

As duas práticas exigem que haja um objeto de atenção, como a respiração, e a memória de trabalho é estimulada durante esse processo. A memória de trabalho é responsável por guardar informações importantes em um curto espaço de tempo.

Mexa-se

Quando você exercita o corpo, também exercita o cérebro. A atividade física está associada à formação de novos neurônios e a uma melhora da resposta cardiovascular, consequentemente, do bom fluxo sanguíneo.

O exercício regular também pode aumentar o volume do hipocampo, área que armazena e processa as memórias. Atividades aeróbicas, como correr e nadar, são benéficas, mas é interessante combiná-las com exercícios de resistência, como pilates e musculação. 

Malhe a mente

Existem diversas formas de exercitar sua mente. Palavras cruzadas, sudoku, xadrez e outros jogos que provoquem o intelecto, incluindo o videogame, são ótimas opções para isso. Busque sempre intercalar os exercícios e encarar novos desafios.  

Nunca pare de aprender

Ao aprender algo novo, novas conexões se formam entre os neurônios, e a memória é exercitada para processar e armazenar informações inéditas. Busque aprender algo diferente do que você já viu ou sabe e faça isso constantemente. Nesse processo, a leitura é outro hábito indispensável.

Enriqueça o cardápio

Azeite, grãos, legumes, verduras e peixes são ótimos aliados para o cérebro. O consumo regular desses itens dá ao corpo um bom aporte de ômega 3. Quando essa substância está presente em quantidade suficiente no cérebro, as células do hipocampo se comunicam melhor.

Os flavonoides, presentes no cacau, nas frutas e em muitos vegetais também têm papel importante para o bom funcionamento do cérebro. 

Durma bem

Enquanto dormimos, nossas memórias se consolidam. O registro de tudo o que aprendemos e vivemos durante o dia se estabiliza no hipocampo durante o sono, de onde as informações poderão ser resgatadas quando forem necessárias.

Mas é claro que o sono deve ser de qualidade. Uma noite mal dormida costuma refletir em dificuldade para lembrar de coisas simples – e o raciocínio fica mais lento no dia seguinte.

Cuidado com o estresse

Há quem ache que agendas cheias e rotinas extenuantes sejam boas para o cérebro, mas a verdade é que elas custam caro para a massa cinzenta. O estresse causa dificuldade de concentração e retenção de novas informações.

Com o tempo, a tensão crônica danifica a memória. O estresse libera doses altas de cortisol na corrente sanguínea, prejudicando nossa capacidade de acessar memórias armazenadas quando precisamos delas. 

Tenha hobbies e descanse

Quando você foca a mente em algo prazeroso, como jardinagem, a prática de um instrumento musical ou esporte, os problemas e as tensões do cotidiano são amenizados. 

Além de atividades prazerosas, ficar sem fazer nada também é bom. O descanso é necessário para a consolidação das memórias.

Mantenha a saúde em dia

É importante reforçar que o conjunto de cuidados deve começar ainda na infância. Busque estar com seus exames sempre em dia, dê atenção principalmente:

– à pressão arterial;
– ao controle do colesterol;
– aos níveis de açúcar no sangue;
– às atividades físicas;
– à alimentação saudável;
– ao controle do peso extra;
– ao combate dos vícios como o cigarro;
– a manter-se hidratado, beba pelo menos 2L de água diariamente.

Agora que você leu como o cérebro humano funciona e viu dicas para deixá-lo saudável, que tal entender por que levamos choque quando encostamos em algum objeto ou alguma pessoa? Descubra aqui

Como funciona o raio-x? Descubra sua história e suas características

Os raios-x foram descobertos em novembro de 1895.

Os raios-x são um tipo de radiação de alta energia produzida a partir da colisão de feixes de elétrons com metais. Essa radiação pode não ser percebida a olho humano, pois está além da frequência máxima que o ser humano pode distinguir. Além disso, possui capacidade de penetrar em organismos vivos e atravessar tecidos de menor densidade.

É muito importante na medicina, pois o raio-x é absorvido pelas partes mais densas do corpo, como ossos e dentes. Também é usado industrialmente, para observar a estrutura interna de objetos, procurando ver se há falhas em sua estrutura.

A descoberta

Os raios-x foram descobertos em novembro de 1895 quando o físico alemão Wilhelm Conrad Röentgen (1845-1923) realizava experimentos em seu laboratório. Trabalhando com tubos de raios catódicos (descobertos por Crookes), Röentgen observou uma inesperada luminosidade e, ao interrompê-la com a mão, viu a imagem de seus ossos exposta em uma tela.

Ao investigar mais a fundo, para entender a origem dessa luminosidade, Roentgen colocou vários objetos entre a ampola e a tela e observou que todos pareciam ficar transparentes. O físico observou que a radiação era capaz de enegrecer filmes fotográficos. Visto que considerava esses raios ainda muito enigmáticos, ele os denominou raios-x.

Em dezembro de 1895, ele pediu que sua esposa, Anna Bertha Röentgen, colocasse a mão entre um filme fotográfico e o tubo no qual os raios eram produzidos. Depois de cerca de 15 minutos, ele percebeu que a imagem dos ossos e as partes moles da mão da mulher estavam impressas no filme fotográfico. Essa foi a primeira radiografia feita no mundo. Em 1901, Wilhelm Conrad Röentgen ganhou o prêmio Nobel de Física por sua descoberta.

Röentgen e a primeira radiografia realizada no mundo
Röentgen e a primeira radiografia, reproduzida em 1985.

Características dos raios-x

O raio-x é produzido em um tubo de raios catódicos. O cátodo, após ser aquecido pela passagem de corrente elétrica, libera elétrons com alta velocidade. Esses elétrons são fortemente atraídos pelo ânodo; nessa atração, eles se colidem. Logo, quando os elétrons dos átomos pertencentes ao ânodo recebem a energia oriunda dos elétrons em movimento, o resultado é a produção de radiações eletromagnéticas que são denominadas raios-x.

Assim como toda radiação eletromagnética, os raios-x não precisam de meio de propagação e movem-se na velocidade da luz (3,0 x 108 m/s). Essa radiação é ionizante, isso quer dizer que ela pode gerar danos ao corpo humano em caso de exposições prolongadas; quanto mais distante da fonte, menor será a intensidade dos raios.

Por isso, pessoas que trabalham com radiografias usam aventais de chumbo (que não permitem que essas radiações atravessem) e se mantêm longe no momento do disparo. 

O equipamento de raio-x na medicina

O grande benefício oriundo da descoberta dos raios-x foi a possibilidade de realizar diagnósticos por imagens. O equipamento de raio-x serve para tirar radiografias, que são como fotografias da parte interna do corpo.

Por meio das imagens geradas, é possível observar estruturas anatômicas, como ossos, órgãos e vasos sanguíneos, sem precisar de cirurgia e facilitando diagnósticos em diversas partes do organismo. É um exame barato, não invasivo e indolor.

O estudo de órgãos do abdômen, a radiografia do tórax para análise de doenças do pulmão e a mamografia, exame que busca identificar câncer de mama, são exemplos de aplicações dos raios-x. Inclusive, o exame é muito importante neste momento em que estamos passando pela pandemia do COVID-19, ajudando no diagnóstico da doença através de imagens do pulmão.

Impressionante como algumas descobertas que acontecem, aparentemente por acaso, podem facilitar e melhorar nossa vida, não é mesmo? Uma dessas descobertas é a bússola, quer saber como ela foi inventada? Clique aqui e descubra! =)

Como funciona o helicóptero?

Descubra como funciona a aeronave mais versátil e amplamente utilizada no mundo.

Podemos dizer que o helicóptero é um avião com asas móveis: as hélices (que também chamamos de rotor). E, diferentemente do avião, que só se desloca para a frente, ele pode pairar no ar, fazer manobras suaves para qualquer direção e até andar de ré, porque suas pás estão sempre em movimento. Para que esse tipo de manobra saia bem, não é nada simples, já que a tendência natural do impulso provocado pela rotação das hélices (o chamado torque) seria fazer a nave sair rodopiando como um pião. É por isso que existe uma segunda hélice que gira em pé e produz uma força lateral: para contrabalancear o rotor da cauda e deixar seu “corpo” parado enquanto as hélices giram.

Como funcionam as hélices do helicóptero?

  1. As lâminas têm a forma de perfis aéreos (asas de avião com perfil curvo), de modo que geram elevação ao girar.
  2. Cada lâmina pode girar sobre uma dobradiça emplumada.
  3. Os links verticais  empurram as lâminas para cima e para baixo, tornando-os giratórios. Os links de passo movem-se para cima e para baixo, de acordo com o ângulo das placas swash.
  4. O mastro do rotor (um eixo central conectado ao motor pela transmissão) faz girar todo o conjunto da lâmina.
  5. A tampa do cubo do rotor (acima dos rotores) ajuda a reduzir o arrasto aerodinâmico.
  6. Existem dois motores turbo-eixo, um em cada lado dos rotores. Se um motor falhar, ainda deve haver energia suficiente do outro motor para aterrar o helicóptero com segurança.

Por que o helicóptero não sai rodopiando?

“Para toda ação, sempre há uma reação oposta de mesma intensidade.” A Terceira Lei de Newton pode ser aplicada de forma simples no funcionamento de um helicóptero. 

Seguindo a lei, quando a hélice principal começa a girar (ação), a fuselagem tende a girar em igual intensidade no sentido oposto (reação). Essa força é conhecida como torque.

Para combater essa reação, Igor Sikorsky, o criador do helicóptero, teve a genialidade de instalar uma hélice na cauda da nave, que também fornece controle direcional. O funcionamento da hélice da cauda é semelhante ao da principal, exceto que elas podem ser inclinadas. O movimento da hélice na cauda evita que o torque comprometa o voo da aeronave, fazendo com que o piloto tenha condições necessárias para fazer movimentos de emergência.

A aeronave mais versátil e amplamente utilizada no mundo

Ao longo dos anos, as inovações em design de helicópteros tornaram as máquinas mais seguras, mais confiáveis ​​e fáceis de controlar. Por possuírem atributos diferentes do avião, por exemplo, eles podem ser utilizados em áreas congestionadas ou isoladas em que as aeronaves de asa fixa não seriam capazes de pousar ou decolar. A capacidade de pairar por longos períodos de tempo e de decolagem e aterragem vertical permite aos helicópteros realizar tarefas que outras aeronaves não são capazes.

Por isso, hoje, os helicópteros são utilizados para fins militares e civis, como transporte de tropas, apoio de infantaria, combate a incêndios, resgates, operações entre navios e equipes entre plataformas petrolíferas, transporte de empresários, evacuações sanitárias, guindaste aéreo, polícia e vigilância de civis, transporte de bens etc.

Fonte: Canal Piloto

Como funciona um pisca-pisca, o que faz ele piscar?

Existem dois tipos principais: os pisca-piscas com ligação em série e os com ligação em paralelo. Vamos conhecer?

O pisca-pisca é um item que se tornou indispensável na decoração de Natal, suas luzes e efeitos colorem e iluminam as cidades durante todo o final de ano. Com a produção em larga escala e o desenvolvimento da tecnologia, elas se tornaram populares e mais baratas, resultando em uma invasão de pisca-piscas. Mas o que vamos falar hoje é sobre o seu funcionamento: como todas as luzes acendem? Como elas piscam? O segredo é relativamente simples e existem dois tipos principais: os pisca-piscas com ligação em série e os com ligação em paralelo. Vamos conhecer?

 

Pisca-pisca com funcionamento sem série

Neste tipo de pisca-pisca as lâmpadas são ligadas a fonte de energia uma após a outra, dessa forma a corrente elétrica sai de um dos pólos, vai passando por todas as lâmpadas e entra no outro pólo, tendo um único caminho a seguir. Nesse caso a corrente passa com a mesma intensidade por todas as lâmpadas, uma vez que há um fluxo contínuo de elétrons através de todos os elementos do circuito, fazendo com que o brilho tenha a mesma força e todas as luzinhas funcionem juntas — estando todas acesas ou todas apagadas. O segredo para fazer as lâmpadas piscarem é um sistema interruptor que abre e fecha o circuito, ele permite e também interrompe a passagem da corrente.

E se uma das lâmpadas queima? Bem, nesse tipo de circuito todas as outras lâmpadas também se apagam, uma vez que todo o circuito é interrompido. Aliás, quando isso acontece, se não for possível identificar a lâmpada queimada visualmente, é necessário testar uma a uma, trocando a lâmpada atual por outra seguramente em funcionamento, até descobrir qual “pifou”.

luzes

Nos pisca-piscas com funcionamento em série, se uma lâmpadas queima, todas as outras também se apagam

 

Pisca-pisca com funcionamento em paralelo

Esse tipo de pisca-pisca apresenta uma vantagem imediata, nele, as lâmpadas estão ligadas separadamente a fonte. Dessa maneira, se uma das luzes queima, as outras continuam ligadas, submetidas à mesma tensão, e portanto funcionando. Um simples interruptor controla o piscar do circuito como um todo, mas é possível chavear cada uma das lâmpadas, que pode ligar ou desligar independente das outras.

Para esse controle separado das lâmpadas é necessário um circuito eletrônico, geralmente baseado em um chip capaz de controlar a passagem da corrente por diversos canais, fazendo a alternância entre o sistema ligado e desligado. O chip controla qual canal terá energia elétrica e, portanto, qual cor de lâmpada será acesa num dado momento. Por exemplo, imaginemos um chip que controla 3 canais de energia e que cada um é ligado a uma cor de lâmpadas, azul, vermelha e amarela, o chip libera a passagem de energia em cada canal em separado de forma que as 3 cores acendem de maneira independente umas das outras. O controle vai além da simples alternância de cores, o tempo que cada uma fica acesa, a frequência, sequência e forma de pisque também podem ser alterados. Além disso, um chip com mais canais pode ser utilizado para controlar cada uma das lâmpadas separadamente.

pisca-pisca-colorido

Nos pisca-piscas com funcionamento em paralelo, se uma lâmpadas queima, as outras continuam funcionando

 

Você já tinha parado para pensar  no funcionamento das belíssimas luzes natalinas? Agora que você já conhece os dois principais tipos de pisca-piscas e como eles funcionam, que tal ler este artigo sobre como economizar energia e evitar acidentes com as luzes de Natal? Aproveite! Boas festas!

Transformador

Como funcionam os transformadores?

As instalações elétricas muitas vezes necessitam que a tensão fornecida pelas companhias de energia elétrica aumente ou diminua, para isso,…

As instalações elétricas muitas vezes necessitam que a tensão fornecida pelas companhias de energia elétrica aumente ou diminua, para isso, é preciso um dispositivo que permita fazer essa transformação de tensão. Imagine, por exemplo, que você comprou uma geladeira com uma tensão de 110 V, porém, em sua casa, a tensão é 220 V. Nesse caso, a forma mais fácil de não danificar a sua geladeira, é utilizar um transformador.

Responsável por garantir o uso de energia elétrica em residências e indústrias, o transformador de tensão é um dispositivo de corrente alternada, operando sob os princípios eletromagnéticos da Lei de Faraday e da Lei de Lenz. Existem dois modelos diferentes de transformadores: o transformador de potência, que recebe a energia elétrica da usina e repassa para a rede de transmissão, e o transformador de distribuição, que é a última etapa antes da energia elétrica chegar até o consumidor.

transformador-eletrico-weg

Com vocês: o transformador elétrico
O transformador é constituído por uma peça de ferro, chamada de núcleo e espiras condutoras em duas regiões distintas, gerando duas bobinas, elas são isoladas eletricamente entre si, denominadas primária e secundária. Na bobina primária é aplicada a tensão que se deseja transformar, já na bobina secundária é onde sai a tensão já transformada. Veja a ilustração:

transformador-e-nucleo2

Esquema de um transformador
A transformação ocorre quando é aplicada uma tensão alternada no enrolamento primário fazendo surgir uma corrente, também alternada, que percorrerá todo o enrolamento. Através dessa corrente estabelece-se um campo magnético no núcleo de ferro, esse por sua vez sofre várias flutuações e, como consequência da variação de campo magnético sobre suas espiras surge, na segunda bobina, uma tensão induzida.
 
***

Quer saber ainda mais sobre os transformadores, e mais, vê-los de pertinho? Aqui no Museu WEG há uma sala com geradores, transformadores e motores elétricos! A entrada é gratuita, e se preferir, o tour virtual está disponível neste link: https://museuweg.net/tour-virtual/.