Tag: motor

Como funciona o helicóptero?

Descubra como funciona a aeronave mais versátil e amplamente utilizada no mundo.

Podemos dizer que o helicóptero é um avião com asas móveis: as hélices (que também chamamos de rotor). E, diferentemente do avião, que só se desloca para a frente, ele pode pairar no ar, fazer manobras suaves para qualquer direção e até andar de ré, porque suas pás estão sempre em movimento. Para que esse tipo de manobra saia bem, não é nada simples, já que a tendência natural do impulso provocado pela rotação das hélices (o chamado torque) seria fazer a nave sair rodopiando como um pião. É por isso que existe uma segunda hélice que gira em pé e produz uma força lateral: para contrabalancear o rotor da cauda e deixar seu “corpo” parado enquanto as hélices giram.

Como funcionam as hélices do helicóptero?

  1. As lâminas têm a forma de perfis aéreos (asas de avião com perfil curvo), de modo que geram elevação ao girar.
  2. Cada lâmina pode girar sobre uma dobradiça emplumada.
  3. Os links verticais  empurram as lâminas para cima e para baixo, tornando-os giratórios. Os links de passo movem-se para cima e para baixo, de acordo com o ângulo das placas swash.
  4. O mastro do rotor (um eixo central conectado ao motor pela transmissão) faz girar todo o conjunto da lâmina.
  5. A tampa do cubo do rotor (acima dos rotores) ajuda a reduzir o arrasto aerodinâmico.
  6. Existem dois motores turbo-eixo, um em cada lado dos rotores. Se um motor falhar, ainda deve haver energia suficiente do outro motor para aterrar o helicóptero com segurança.

Por que o helicóptero não sai rodopiando?

“Para toda ação, sempre há uma reação oposta de mesma intensidade.” A Terceira Lei de Newton pode ser aplicada de forma simples no funcionamento de um helicóptero. 

Seguindo a lei, quando a hélice principal começa a girar (ação), a fuselagem tende a girar em igual intensidade no sentido oposto (reação). Essa força é conhecida como torque.

Para combater essa reação, Igor Sikorsky, o criador do helicóptero, teve a genialidade de instalar uma hélice na cauda da nave, que também fornece controle direcional. O funcionamento da hélice da cauda é semelhante ao da principal, exceto que elas podem ser inclinadas. O movimento da hélice na cauda evita que o torque comprometa o voo da aeronave, fazendo com que o piloto tenha condições necessárias para fazer movimentos de emergência.

A aeronave mais versátil e amplamente utilizada no mundo

Ao longo dos anos, as inovações em design de helicópteros tornaram as máquinas mais seguras, mais confiáveis ​​e fáceis de controlar. Por possuírem atributos diferentes do avião, por exemplo, eles podem ser utilizados em áreas congestionadas ou isoladas em que as aeronaves de asa fixa não seriam capazes de pousar ou decolar. A capacidade de pairar por longos períodos de tempo e de decolagem e aterragem vertical permite aos helicópteros realizar tarefas que outras aeronaves não são capazes.

Por isso, hoje, os helicópteros são utilizados para fins militares e civis, como transporte de tropas, apoio de infantaria, combate a incêndios, resgates, operações entre navios e equipes entre plataformas petrolíferas, transporte de empresários, evacuações sanitárias, guindaste aéreo, polícia e vigilância de civis, transporte de bens etc.

Fonte: Canal Piloto

Novas tecnologias para o agronegócio

A WEG vem trabalhando para o desenvolvimento de motores e outras soluções para atuar em aplicações agrícolas.

Com o crescimento da população mundial, a demanda da produção agrícola também aumentou, e o seu desenvolvimento só é possível com novas tecnologias e maneiras de alcançar resultados mais assertivos e sustentáveis. Esse cenário foi iniciado com a chegada da mecanização no campo, possibilitando a produção em grande escala, e essa alta produtividade necessita de processos que oferecem mais praticidade ao produtor rural.

De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a produção agrícola mundial deve crescer 20% em dez anos, logo, a tecnologia tem um papel fundamental nessa revolução.

É por isso que a WEG vem trabalhando para o desenvolvimento de motores e outras soluções para atuar em aplicações agrícolas. A implementação de motores nos diversos segmentos primários, como na pecuária, vêm exigindo equipamentos com tecnologia cada vez mais avançada, que sejam projetados e construídos para atender as demandas de operações de serviço contínuo. Esse tipo de ação, que implica em partidas e paradas frequentes, requer motores de alta confiabilidade e que sustentem a carga adicional imposta pelo ambiente severo.

agro1

A WEG produz soluções que vão desde a captação de água para o cultivo, até sistemas completos para o acompanhamento de processos.

 

Tecnologias WEG para o agronegócio

Com produtos para atender os mais diversos segmentos, a WEG tem diversas soluções, como:

 

  • SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE CAPTAÇÃO E IRRIGAÇÃO, E BEBEDOUROS: solução solar para as bombas de captação e irrigação, em pivôs de irrigação, bebedouros de animais, etc.

 

  • SISTEMAS OFF GRID: solução solar para locais remotos sem energia elétrica disponível.  

 

  • SISTEMAS FLUTUANTES: solução de geração solar para colocar em lagos e reservatórios de água, espaço sem utilização, e com redução na evaporação de água.

 

  • SISTEMAS FINAMIZÁVEIS: a WEG possui os geradores fotovoltaicos com índice de nacionalização para financiamentos com recursos do BNDES, exclusivos para produtores rurais. 

 

  • ALTERNADORES SÍNCRONOS: disponíveis a partir de 7,5 kVA, os alternadores síncronos são aplicados em grupos geradores a diesel e gás. Operam nos regimes de emergência, horário de ponta ou operação contínua. São alternadores de alta performance, com rendimentos mais altos – menor consumo de combustível, menor emissão de perdas – menor geração de calor no ambiente, com caixa de ligação ampla, com facilidade de acesso para manutenção e reconexão de cabos e flexibilidade de fixação dos pés, adequando a base do cliente. 

 

  • W22 – EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA O AGRONEGÓCIO: com o olhar voltado para o desenvolvimento tecnológico para o agronegócio, a WEG lança a linha de motores W22, que garante alta eficiência, excelente relação custo-benefício, redução do consumo de energia elétrica, fácil manutenção e baixos níveis de ruído e vibração. Os motores elétricos W22 são para uso geral e têm como principais aplicações: pivô de irrigação, bombas, ventiladores, compressores, moinhos, britadores e talhas. A principal linha de motores industriais da WEG também apresenta maior rigidez e excelente dissipação de calor, o que aumenta a vida útil dos mancais e os intervalos entre lubrificações. 

 

  • MOTOR PARA AERADOR – AUMENTO DE PRODUTIVIDADE: amplamente utilizado no segmento de piscicultura e carcinicultura, o motor para aerador garante um rendimento de alta performance, que resulta em um maior intervalo entre as manutenções e lubrificações, além de apresentar redução nos ruídos e facilidade na instalação, maximizando a produtividade e também o tempo do produtor. Conta com exclusivo sistema de isolamento WISE® (WEG Insulation System Evolution), que eleva a rigidez dielétrica do bobinado, permitindo a operação com inversores de frequência até 690 Volts e motor com índice de rendimento IR3, que atende os níveis de rendimento exigidos pela Portaria interministerial nº 01, que entrou em vigor a partir de agosto de 2019.

 

  • WEG MOTOR SCAN – MONITORAMENTO PERIÓDICO DOS MOTORES ELÉTRICOS: ícone de performance e tecnologia, a WEG trouxe muito mais conectividade para a indústria 4.0 com o WEG Motor Scan, um sensor de fácil instalação para o monitoramento periódico dos motores elétricos. O dispositivo permite analisar a performance do motor, evitando paradas e perdas na produção, e assim, garante a integridade dos motores instalados na fábrica, a fim de aumentar a eficiência e produtividade do trabalho. O WEG Motor Scan capta os dados do motor, envia ao smartphone ou tablet via Bluetooth® ou Gateway e passa por Wi-Fi todas as informações em tempo real para a nuvem, que armazena os dados e os transmite para a WEG IoT Platform, onde podem ser acessados em maior profundidade. E o melhor: o WEG Motor Scan foi atualizado com novas funcionalidades. O sensor que não para de evoluir agora também monitora redutores, geradores, bombas, compressores, transformadores e tudo mais que você imaginar e a sua produção precisar. 

 

Exemplo de aplicação do Motor W22 no agronegócio

Para que você possa entender como essas soluções funcionam na prática, descrevemos a seguir um caso real da aplicação do Motor W22.

Um distribuidor de equipamentos para processamento de grãos, que utilizava um motor para acionar seus secadores, realizou a substituição para os motores WEG W22, próprios para regime de serviço pesado, e descobriu que esta linha era mais adequada às suas necessidades e trazia mais valor à sua aplicação. O retorno sobre o investimento foi tão expressivo que, após a mudança, ao longo dos últimos 18 meses, continuaram a modernizar seus equipamentos utilizando produtos WEG.

Isto aconteceu porque os motores WEG da linha W22 oferecem um fator de serviço de 1,25 cv com 100HP, que os produtos concorrentes não ofereciam. O motor é o mais propício para aplicações agrícolas, pois oferece compatibilidade com “harmônicas em sistemas elétricos”, que é uma anormalidade na qualidade da energia que está sendo entregue a um sistema. Essas anormalidades podem incluir baixo fator de potência, variações de tensão, variações de frequência e surtos. Os motores WEG são projetados para acomodar esses tipos de problemas, que podem ocorrer em aplicações agrícolas.

Além disso, os motores W22 suportam o desequilíbrio de tensão, que ocorre porque as fazendas contam com energia fornecida pelas concessionárias em muitas fases diferentes. Essa corrente variável representa um desafio para os agricultores e seus equipamentos, pois eles precisam de motores que possam operar com eficiência sem perder potência. À medida que as fazendas se expandem para espaços maiores — alguns de até 5.000 acres — surge a necessidade de mudança para motores próprios para regime de serviço pesado, pois é necessária mais tensão, e um motor trifásico ajuda a reduzir os custos. Assim, a construção dos motores WEG, em comparação com motores de uso geral, é a melhor opção para o tipo de aplicação exigido pelas fazendas.

Seja para o pequeno, médio ou grande produtor, não param de surgir novas tecnologias para a praticidade do homem do campo. O uso de equipamentos agrícolas como os produtos WEG garante aos proprietários de fazendas a confiabilidade que eles precisam para operar sem ter o risco de uma parada não planejada.

Motor elétrico homopolar: o mais simples do mundo

O motor homopolar tem um funcionamento muito simples, é fácil de construir e uma ótima opção para comprovar os princípios do eletromagnetismo.

Para falar sobre o motor elétrico homopolar e aprender como fazer um em casa, precisamos voltar no tempo e lembrar de alguns detalhes da história do motor elétrico. Vamos lá?

Os fenômenos relacionados à eletricidade e ao magnetismo eram observados e estudados desde muito tempo, na Grécia Antiga. Os primeiros registros datam do séculos 6 a.C por Tales de Mileto. Mas foi somente a partir do século XVI que novas pesquisas foram desenvolvidas nessa área, porém, sem que ninguém conseguisse estabelecer uma ligação entre os fenômenos elétricos e magnéticos.

Com as experiências realizadas pelo professor dinamarquês Christian Oersted, já no começo do século XIX, esse panorama começou a mudar. Durante uma de suas aulas, o pesquisador demonstrava aos seus alunos como se dava o aquecimento de um fio condutor durante a passagem de uma corrente elétrica. Ao lado do seu experimento, havia uma bússola. Quando o professor liberou a passagem da corrente elétrica pelo fio, reparou que a agulha da bússola desviou-se de sua posição natural.

Por se tratar de um ímã alinhado ao campo magnético da Terra, a mudança na posição da agulha só poderia ocorrer com a presença de outro campo mais intenso. Assim, mais tarde, Oersted verificou que o movimento da agulha dependia da posição da bússola em relação ao fio pelo qual passava a corrente elétrica. Essas observações representaram um grande avanço científico, ajudando o professor a demonstrar que a corrente elétrica em um condutor está diretamente relacionada a um campo magnético que se cria ao seu redor, fazendo com que o condutor funcione como um ímã.

Anos mais tarde, o cientista inglês Michael Faraday trabalhava em pesquisas que consideravam a possibilidade de gerar eletricidade a partir de campos magnéticos, ou seja, o oposto ao experimento realizado por Oersted. O pesquisador descobriu então que uma corrente elétrica era gerada no momento que se posicionava um ímã no interior de uma bobina feita com fios condutores.

Michael Faraday, British physicist

Michael Faraday (1791-1867)

Foi assim que Faraday provou que a variação de um campo magnético é capaz de criar uma corrente elétrica em um fio condutor, mesmo sem estar conectado a nenhuma fonte de energia. Ele deduziu que se houvesse um movimento da bobina em relação ao ímã, seria possível obter uma corrente elétrica contínua, efeito que ficou conhecido como indução eletromagnética. Esse é o princípio básico do funcionamento de geradores e motores elétricos até hoje.

As descobertas de Oersted e Faraday tiveram grande impacto nos avanços tecnológicos desde então. Os princípios do eletromagnetismo são a base de grande parte da tecnologia mecânica e eletroeletrônica que conhecemos, de secadores de cabelos até os sistemas de telecomunicações.

 

Motor Elétrico Homopolar

Para realizar seus estudos e comprovar os resultados, Faraday construiu um dispositivo com o objetivo de mostrar o efeito magnético circular ao redor de um fio condutor, a que ele chamava de rotação eletromagnética. Esse aparelho ficou conhecido como Motor de Faraday e foi o primeiro motor elétrico construído.

Esse dispositivo criado por Faraday também é conhecido como motor homopolar. Essa denominação se dá pois não há nenhuma alteração na polaridade dos seus componentes durante seu funcionamento. Ao se fechar o circuito, o campo magnético do ímã exerce uma força sobre as cargas elétricas do material condutor, gerando uma corrente elétrica. Esse é o princípio do funcionamento dos motores elétricos.

 

Construindo um motor homopolar

O motor homopolar proposto por Faraday tem um funcionamento muito simples, é fácil de construir e uma ótima opção para comprovar os princípios do eletromagnetismo, mesmo tendo pouca utilidade na prática hoje em dia.

Pensando nisso, trouxemos um vídeo que mostra a construção de um motor elétrico homopolar, que você pode fazer em casa, na escola ou universidade.

Eis o motor mais simples do mundo em pleno funcionamento!

Motor explosão

Como funciona um motor a prova de explosão

Você já ouviu falar sobre motores à prova de explosão? Eles são importantes para ambientes onde existe a presença de…

Você já ouviu falar sobre motores à prova de explosão? Eles são importantes para ambientes onde existe a presença de gases ou vapores que podem entrar em combustão, em caso de contato com faíscas ou temperaturas elevadas.

Quando o assunto é área de risco, o uso de produtos apropriados e a manutenção adequada são exigências obrigatórias para atender normas e padrões de mercado. Porém isso nem sempre é o suficiente para gerenciar as áreas de risco e preservar o patrimônio e a vida das pessoas que trabalham nelas. Atmosferas propícias a uma explosão podem ser encontradas nos mais diversos segmentos da Indústria como o Petroquímico, Alimentício, Usinas de Açúcar e Etanol, Farmacêutico, Têxtil, Papel e Celulose entre tantos outros.

Por esse motivo a WEG possui uma linha de motores trifásicos à prova de explosão, de baixa tensão, W22Xd, resultado de um intenso trabalho de pesquisa e desenvolvimento. A linha incorpora os conceitos inovadores da plataforma W22 com altos níveis de rendimento, economia de energia, baixo custo operacional, vida útil estendida, redução de manutenção e, principalmente, segurança em ambientes com a presença de atmosferas explosivas.

Além de possuir temperaturas de superfície baixas e o máximo de cuidado para evitar faíscas, o motor à prova de explosão é, construtivamente, mais robusto de maneira que, no caso de uma explosão interna ao motor, a chama não se propague para o ambiente causando uma explosão em proporções maiores, “segurando” a explosão em seu interior.

Agora que você já conhece este tipo de motor, veja neste vídeo, em detalhes, a geração de motores à prova de explosão da WEG.

1º livro técnico sobre máquinas elétricas do Brasil é lançado por engenheiro da WEG

Dividido em 4 volumes é o material mais completo e aprofundado sobre o assunto hoje no Brasil, já que compila seus 45 anos de experiência com máquinas elétricas como funcionário da WEG, pesquisador, projetista e analista de máquinas.

Esta é mais uma daquelas histórias que fazem a gente se orgulhar. Fredemar Rüncos, PhD em Engenharia Elétrica pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) começou a trabalhar na WEG e fazer a escolinha técnica da WEG com 16 anos e hoje, se diz realizado com a concretização de um sonho: registrar tudo o que sabe sobre máquinas elétricas.

Segundo ele, este livro, dividido em 4 volumes é o material mais completo e aprofundado sobre o assunto hoje no Brasil, já que compila seus 45 anos de experiência com máquinas elétricas como funcionário da WEG, pesquisador, projetista e analista de máquinas.

Talvez você esteja se perguntando como surgiu essa ideia. E nós vamos responder com as palavras dele: “Após finalizar o meu doutorado, eu pensei: O que vou fazer agora? Vou registrar tudo o que eu sei.”. E nós do Museu WEG, não poderíamos deixar de comemorar a conclusão deste feito e parabenizar por esse resultado incrível.

 

O processo de criação

Escrito ao longo de 9 anos, apenas no seu tempo livre aos finais de semana, ele nunca pensou em desistir. Afinal, o material é resultado da sua paixão pela física, pelas máquinas elétricas, pelo seu trabalho e sua determinação em cumprir a meta que propôs a si mesmo em 2009.

Com a colaboração da Editora OitoNoveTrês, o livro intitulado Projeto e Análise da Máquina Elétrica Trifásica nasce em forma de quatro volumes e mais de 1.500 páginas.

A WEG contribuiu financeiramente para a impressão da primeira tiragem, de 250 exemplares de cada volume.

 

Conheça o livro

O material é voltado para profissionais do setor, cursos de graduação e pós-graduação e estudantes de engenharia elétrica. Os quatro volumes abordam a fundo os tipos de máquinas trifásicas e contam com imagens cedidas pela própria WEG. Os livros explicam e exemplificam com ilustrações como criar um pré-projeto de máquinas elétricas, além de se aprofundar na teoria do campo girante, nos parâmetros físicos da máquina, nas perdas e adensamentos de corrente, a modelagem e aplicações.

livros

Volume I: Aspectos Construtivos da Máquina Elétrica

Volume II: As Harmônicas do Campo Girante e Parâmetros da Máquina Elétrica

Volume III: As Perdas da Máquina Elétrica

Volume IV: A Modelagem e Aplicação da Máquina Elétrica

 

O conhecimento gerado será de grande utilidade para o desenvolvimento de novas tecnologias no setor e para a formação de profissionais no país. Como o próprio Rüncos revelou em entrevista, são poucos os especialistas em máquinas elétricas no Brasil, e esta é uma especialidade que vai proporcionar ao Engenheiro com conhecimento em máquinas elétricas um mercado de trabalho por muitos e muitos anos. Isso porque, como físico, afirma que vai demorar para a ciência desenvolver uma nova teoria de conversão eletromecânica que substitua a máquina elétrica.

 

Minibiografia

Fredemar Rüncos é bacharel em Física pela Universidade Federal do Paraná (1980), tem graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Paraná (1980), mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001) e doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006). É professor de graduação e pós-graduação do Centro Universitário de Jaraguá do Sul (Católica SC) e Consultor em D&IT – WEG Energia S/A. Tem décadas de experiência na área de Engenharia Elétrica, com ênfase em Máquinas Elétricas Girantes.

Foto de capa: Eduardo Montecino/OCP News

Fonte da matéria: OCP News e Entrevista exclusiva com o autor Fredemar Rüncos

Transformador

Como funcionam os transformadores?

As instalações elétricas muitas vezes necessitam que a tensão fornecida pelas companhias de energia elétrica aumente ou diminua, para isso,…

As instalações elétricas muitas vezes necessitam que a tensão fornecida pelas companhias de energia elétrica aumente ou diminua, para isso, é preciso um dispositivo que permita fazer essa transformação de tensão. Imagine, por exemplo, que você comprou uma geladeira com uma tensão de 110 V, porém, em sua casa, a tensão é 220 V. Nesse caso, a forma mais fácil de não danificar a sua geladeira, é utilizar um transformador.

Responsável por garantir o uso de energia elétrica em residências e indústrias, o transformador de tensão é um dispositivo de corrente alternada, operando sob os princípios eletromagnéticos da Lei de Faraday e da Lei de Lenz. Existem dois modelos diferentes de transformadores: o transformador de potência, que recebe a energia elétrica da usina e repassa para a rede de transmissão, e o transformador de distribuição, que é a última etapa antes da energia elétrica chegar até o consumidor.

transformador-eletrico-weg

Com vocês: o transformador elétrico
O transformador é constituído por uma peça de ferro, chamada de núcleo e espiras condutoras em duas regiões distintas, gerando duas bobinas, elas são isoladas eletricamente entre si, denominadas primária e secundária. Na bobina primária é aplicada a tensão que se deseja transformar, já na bobina secundária é onde sai a tensão já transformada. Veja a ilustração:

transformador-e-nucleo2

Esquema de um transformador
A transformação ocorre quando é aplicada uma tensão alternada no enrolamento primário fazendo surgir uma corrente, também alternada, que percorrerá todo o enrolamento. Através dessa corrente estabelece-se um campo magnético no núcleo de ferro, esse por sua vez sofre várias flutuações e, como consequência da variação de campo magnético sobre suas espiras surge, na segunda bobina, uma tensão induzida.
 
***

Quer saber ainda mais sobre os transformadores, e mais, vê-los de pertinho? Aqui no Museu WEG há uma sala com geradores, transformadores e motores elétricos! A entrada é gratuita, e se preferir, o tour virtual está disponível neste link: https://museuweg.net/tour-virtual/.

Que tal uma aula eletrizante?

Você pode oferecer uma aula criativa e diferente para os seus alunos. Aqui no Museu WEG, é possível agendar uma aula sobre fenômenos eletromagnéticos e até sobre o motor elétrico, para mostrar como a teoria funciona na prática.

Você pode oferecer uma aula criativa e diferente para os seus alunos. Aqui no Museu WEG, é possível agendar uma aula sobre fenômenos eletromagnéticos e até sobre o motor elétrico, para mostrar como a teoria funciona na prática.

Nada melhor do que mostrar através de experimentos e da história da Física, eletricidade e do eletromagnetismo, onde aplicamos e como são gerados esses dois fenômenos, assim como aplicações destes fenômenos no nosso dia a dia.

Aqui no Museu WEG, as ações educativas são perfeitas para as crianças e adolescentes dividirem espaço, trabalharem em grupo e expandirem seu conhecimento sobre Ciência e Tecnologia.

Você pode usar nossas ações educativas ou desenvolver a sua própria de acordo com os temas que julgar mais adequados à sua turma de alunos. Caso não seja possível visitar antecipadamente, desfrute de toda a interatividade do museu fazendo o Tour Virtual e entre em contato conosco para tirar dúvidas e buscar mais informações.

Conheça aqui todas as ações educativas do Museu WEG

Aprenda com o Museu

Caso não seja possível fazer a visita in-loco, você também pode desfrutar de toda interatividade do museu no nosso site. Seja no tour virtual, aqui no blog, com o jogo da memória, quiz ou na aba “Aprenda com o Museu”, onde falamos sobre eletricidade, magnetismo, eletromagnetismo, motores, automação, geradores e transformadores, com o Museu WEG você sempre aprende se divertindo e brincando.

Programe-se e faça uma aula diferente! Entre em contato conosco e faça o seu agendamento clicando aqui.

motor-eletrico-1

Por que o motor elétrico é tão importante?

“Escondidos” dentro do aparelho ou por vezes expostos, são os motores elétricos os responsáveis por dar vida a muitos dos…

“Escondidos” dentro do aparelho ou por vezes expostos, são os motores elétricos os responsáveis por dar vida a muitos dos equipamentos tão importantes para o nosso dia a dia. Isso vale para atividades cotidianas dentro de casa às grandes necessidades na Indústria. Você já se deu conta disso?

Pois é! E você sabe como um motor elétrico entra em ação?

Para transformar a energia elétrica em mecânica, portanto em movimento, o motor elétrico funciona basicamente pela repulsão entre dois imãs, um natural e outro não natural (eletroímã). Assim, o campo magnético criado faz mover uma parte giratória, o rotor, a partir da ação repelente dos pólos opostos.

O motor elétrico pode funcionar através de uma corrente alternada ou contínua. A distribuição de energia elétrica é feita normalmente em corrente alternada, por isso é a mais utilizada. Já o motor de corrente contínua, ou DC, precisa de uma fonte contínua, isto é, um fluxo ordenado de elétrons sempre numa mesma direção, como as baterias.

Onde estão os motores?
Em muitas coisas!

Em casa

Aparelhos eletrodomésticos como geladeira, ventilador, máquina de lavar roupa, secadora, lavadora de louças, liquidificador, batedeira, espremedor de frutas, entre outros.

Na indústria

Compressores, elevadores, bombas centrífugas, esteiras transportadoras, ventiladores, veículos elétricos, misturadores, agitadores, depenadeiras, discos de corte, estações de saneamento, mesas de rolo, elevadores, talhas, transportadores, dobradeiras, polias automáticas, guinchos, pontes rolantes, exaustores, moinhos, bombas, laminadores e máquinas de todo o tipo.

No transporte

Bicicleta, canoa e barcos movidos a eletricidade já são uma realidade. No caso das bikes, mais de 4 milhões de unidades foram comercializadas somente por uma das marcas fabricantes, desde 1993.

Quanto aos veículos automotivos, existem mais de 100 protótipos, com autonomia e desempenho semelhantes aos carros movidos à combustível, além de não poluir o meio ambiente.

Venha conhecer mais sobre o motor elétrico e suas transformações. O Museu WEG está aberto de terça a domingo, das 10h às 18h.

motor-elétrico-1

A história do motor elétrico que você precisa conhecer

No mundo atual, repleto de tecnologias e constantes inovações, fica até difícil imaginar a vida longe dos motores elétricos e…

No mundo atual, repleto de tecnologias e constantes inovações, fica até difícil imaginar a vida longe dos motores elétricos e todas as facilidades que eles trouxeram, do dia a dia doméstico às indústrias. Mas se hoje tudo isso parece tão simples como ter um liquidificador, saiba que atingir esse estágio foi um processo lento e gradativo.

Levou quase três séculos entre os primeiros estudos, pesquisas e invenções até o surgimento dos motores elétricos, propriamente, em 1886. A descoberta é atribuída ao cientista alemão Werner Siemens, inventor do primeiro gerador de corrente contínua auto induzido.

Voltando no tempo…

Em 1600 o cientista inglês William Gilbert publicou uma obra descrevendo a força de atração magnética. A primeira máquina eletrostática foi construída em 1663, pelo alemão Otto Guericke, e aperfeiçoada em 1774 pelo suíço Martin Planta.

Já o professor de Medicina italiano Aloiso Galvani notou, em 1786, que ao tocar com o bisturi em coxas de rãs que estavam penduradas numa grade de ferro, estas apresentavam uma contração, a qual chamou “eletricidade animal”. Outro italiano, Alessandro Volta, descobriu que entre dois metais diferentes, imersos em líquido condutor, surgia uma tensão elétrica.

Em 1799 ele desenvolveu uma fonte de energia que chamou de “coluna de Volta”, que podia fornecer corrente elétrica. O físico dinamarquês Hans Christian Oersted, em 1820, verificou por acaso que a agulha magnética de uma bússola era desviada de sua posição norte-sul quando passava perto de um condutor no qual circulava corrente elétrica. Essa observação foi o primeiro passo em direção ao desenvolvimento do motor elétrico.

O físico e matemático André-Marie Ampère, com base nesses e outros estudos e constatações, construiu o primeiro eletroímã. Esse dispositivo foi fundamental para a invenção de vários aparelhos, como o telefone, o microfone, o alto-falante, o telégrafo. Depois, o inglês Michael Faraday descobriu, em 1831, a indução eletromagnética.

Em 1832 o cientista italiano S. Dal Negro construiu a primeira máquina de corrente alternada com movimento de vaivém. No ano seguinte, o inglês W. Ritchie inventou o comutador, construindo um pequeno motor elétrico em que o núcleo de ferro enrolado girava em torno de um ímã permanente. Para dar uma rotação completa, a polaridade do eletroímã era alternada a cada meia volta, através do comutador.

O professor alemão Moritz Hermann von Jacobi, em 1838, desenvolveu um motor elétrico e aplicou-o a uma lancha. A aplicação prática da energia elétrica em trabalho mecânico ficou assim comprovada. Entretanto, toda a energia provinha de baterias, que eram caras e de uso restrito. A preocupação, então, voltou-se à geração de energia elétrica de baixo custo.

A era Siemens

Em 1856 o eletrotécnico Werner Siemens relatou o sucesso obtido na construção de um gerador de corrente, magnético, com induzido T duplo. Mas esse aparelho não podia gerar energia suficiente para alimentar indústrias e equipamentos domésticos. Os ímãs permanentes eram de ação restrita.

Somente dez anos depois Siemens construiu um gerador sem ímã permanente, provando que a tensão necessária para o magnetismo podia ser retirada do próprio enrolamento do rotor, isso é, que a máquina podia auto excitar-se. O primeiro dínamo de Werner Siemens possuía uma potência de aproximadamente 30 watts e uma rotação de 1.200 rpm. A máquina também podia funcionar como motor, desde que se aplicasse uma corrente contínua aos seus bornes.

motor-elétrico-2

Em 1879 a firma Siemens & Halske apresentou a primeira locomotiva elétrica, com potência de 2 kW. Mas a máquina tinha alto custo e era vulnerável em serviço, exigindo o desenvolvimento de um motor mais barato, robusto e de menor custo de manutenção.

motor-elétrico-3

Mais avanços

1885: o engenheiro eletricista italiano Galileu Ferraris construiu um motor de corrente alternada de duas fases.
1887: o iugoslavo Nicola Tesla apresentou um pequeno protótipo de motor de indução bifásico com rotor em curto-circuito.

1889: o engenheiro eletricista russo Michael von Dolivo Dobrowolsky, da firma AEG, de Berlim, persistindo na pesquisa do motor de corrente alternada, entrou com pedido de patente de um motor trifásico com rotor de gaiola. Ele era simples, silencioso, tinha menos manutenção e alta segurança em operação.

1891: Dobrowolsky iniciou a fabricação em série de motores assíncronos, nas potências de 0,4 a 7,5 kW.

motor-elétrico-4

Em resumo, cientistas, físicos e outros profissionais nem sempre ligados à ciência contribuíram para a descoberta do motor elétrico, que acelerou a industrialização mundial e transformou radicalmente o modo de vida das pessoas. Essa história, de forma completa, está disponível no livro “O Motor Elétrico” que está disponível no site do Museu WEG.

A incrível transformação dos motores no seu dia a dia

O nosso dia a dia está cercado de equipamentos movidos por energia. Do carregador do seu smartphone à máquina de…

O nosso dia a dia está cercado de equipamentos movidos por energia. Do carregador do seu smartphone à máquina de lavar. Mas, antes de chegarem até você, esses inventos sofreram muitas transformações, assim como o motor elétrico, que contaremos hoje. (mais…)