Tag: marie curie

Mulheres que transformaram a educação pelo mundo

Durante a história da sociedade, muitas mulheres quebraram paradigmas e transformaram a educação pelo mundo.

Pare e pense por 1 minutinho: durante sua vida escolar, você teve mais professoras ou professores? Se sua resposta for professoras, você está entre a maioria dos estudantes.

No Brasil elas são protagonistas. Segundo o Censo Escolar de 2020, as mulheres são maioria entre os docentes e gestores da educação básica, representando cerca de 80% dos cargos.

Durante a história da sociedade, muitas mulheres quebraram paradigmas e transformaram a educação pelo mundo: seja por seus estudos relevantes, formas de ensinar ou dedicação ao educar e incentivar seus alunos.

Listamos neste artigo mulheres incríveis que fizeram e ainda fazem parte das transformações ocorridas na educação no mundo inteiro. Confira!

1. Marie Curie (1867-1934)

Marie Curie foi uma cientista polonesa formada em Matemática e Física, na Universidade de Sorbonne, na França. Em uma época onde apenas os homens podiam ir à universidade, Marie Curie descobriu junto a seu marido, Pierre Curie, os elementos químicos do polônio e do rádio. Foi então que se iniciaram as pesquisas sobre radioatividade.

Com os feitos, foi a primeira mulher do mundo a ganhar um prêmio Nobel, e além disso, recebeu o prêmio duas vezes: de Física, em 1903 e de Química, em 1911.

Marie Curie também foi professora desde os 18 anos. Inclusive, ela deu aulas em uma instituição considerada ilegal por desafiar as políticas de repressão impostas pelo Império Russo, onde o maior público eram mulheres impedidas de estudar.

2. Anne Sullivan (1866 – 1936)

Anne Sullivan foi uma educadora americana que perdeu a visão quando criança. Após se formar na escola, aos 20 anos, foi contratada como professora particular e em tempo integral de Helen Keller, que, com a ajuda de Sullivan, se tornou a primeira pessoa cega e surda a se tornar bacharel na história, formando-se em Filosofia.

Por meio do tato, Anne ensinou a menina a reconhecer objetos e associá-los a palavras. Assim, Keller se tornou fluente em inglês, francês e alemão, e ficou proficiente em braile e em linguagem de sinais. 

​A educadora recebeu o reconhecimento da Temple University, o Instituto Educacional da Escócia, e do Roosevelt Memorial Foundation por seu ensino e incansável compromisso com Helen Keller. A história virou peça de teatro e, posteriormente, o filme “O Milagre de Anne Sullivan”.

3. Hannah Arendt (1906-1975)

Hannah Arendt foi uma alemã e judia que, devido ao regime nazista, deixou o país, indo para a França e, posteriormente, para os Estados Unidos, onde permaneceu apátrida (sem nacionalidade) até se naturalizar americana, em 1951.

O interesse de Hannah era voltado em particular ao fenômeno do pensamento e do modo como ele operava em “tempos sombrios”, trabalhando com a educação por meio das questões sociais como a violência, o conflito de gerações e o racismo que povoavam as salas de aula nos Estados Unidos em 1940.

Conhecida como filósofa, ela publicou a obra “As Origens do Totalitarismo”, em que analisa as formas totalitárias de poder e a banalização do terror.  A escritora também analisou a educação da época nos textos “A Crise na Educação” (incluído no livro “Entre o Passado e o Futuro”)  e “Reflexões sobre Little Rock”.

4. Maria Montessori (1870-1952)

Maria Montessori foi uma médica, educadora e pedagoga italiana que desenvolveu um método de aprendizagem baseado no “aprender fazendo”.

Foi a primeira mulher a se formar em Medicina na Itália, mas não pode seguir carreira por não poder analisar homens. Assim, iniciou seus estudos sobre o aprendizado de crianças. O seu método educacional (Montessori) é aplicado até hoje no mundo todo.

Em 1897, começou a participar de um projeto de pesquisa em psiquiatria e conheceu as necessidades de crianças com dificuldade de aprendizagem. A partir de então, começou a dedicar-se à pesquisa na área de educação e a defender a necessidade de aulas e instituições especiais para essas crianças.

5. Dorina Nowill (1919-2010)

A brasileira Dorina Nowill nasceu em São Paulo e ficou cega aos 17 anos, vítima de uma doença não diagnosticada. Nessa época, foi a primeira aluna cega a frequentar um curso regular na Escola Normal Caetano de Campos. 

Além de ajudar na integração de outra aluna cega na instituição, também colaborou para a elaboração da lei de integração escolar, regulamentada em 1956.

Dorina também percebeu que existia uma grande carência de livros em Braille no país, criando a Fundação para o Livro do Cego no Brasil e fundando a primeira imprensa em Braille, que passou a imprimir livros didáticos e outros documentos.

Mais tarde, Dorina se especializou em educação de cegos na Universidade de Columbia, em Nova York, Estados Unidos. No Brasil, continuou atuando pela educação de pessoas com deficiência visual, contribuindo para campanhas do Ministério da Educação e lutando pela abertura de vagas de trabalho para este público. 

Também criou a Fundação Dorina Nowill, entidade sem fins lucrativos que promove o acesso de cegos à educação.

6. Malala Yousafzai (1997-)

Malala nasceu em 1997 e, em 2014, se tornou a pessoa mais nova da história a receber um prêmio Nobel. Ela ganhou o Nobel da Paz por seus esforços para que as meninas da sua cidade natal, vale do Swat, no nordeste do Paquistão, tenham acesso à educação. 

Em 2009, com apenas 11 anos, começou a escrever um blog, sob pseudónimo, para a BBC (British Broadcasting Corporation), uma empresa pública de rádio e televisão do Reino Unido. No blog ela relatava o seu dia a dia durante a ocupação talibã em Swat e a proibição pelo regime de que as meninas frequentassem a escola. 

Vítima de um atentado em 2012, foi alvejada na testa sendo internada inconsciente e em estado grave, felizmente ela sobreviveu e continua sua luta. Suas reivindicações intensificaram a luta pelo direito à educação para as crianças de todo mundo.

Histórias incríveis, não é mesmo? As mulheres mostraram ao longo dos anos toda sua luta e dedicação pela inclusão de todas as pessoas na educação, citamos só algumas delas, mas com certeza tem uma muito perto de você! E que tal conhecer agora as mulheres que fizeram a diferença na história da ciência?

Marie Curie: quem foi a primeira mulher a ganhar um prêmio Nobel

Sua maior contribuição para a ciência foi a descoberta da radioatividade e de novos elementos químicos. Com os feitos, foi a primeira mulher do mundo a ganhar um prêmio Nobel.

Em uma época onde apenas os homens podiam ir à universidade, Marie Curie descobriu um elemento químico e iniciou uma verdadeira revolução no meio científico. Sua maior contribuição para a ciência foi a descoberta da radioatividade e de novos elementos químicos. Com os feitos, foi a primeira mulher do mundo a ganhar um prêmio Nobel.

E não é “apenas” isso. Naquela época, como mulher, Marie Sklodowska Curie precisou enfrentar muitas dificuldades para alcançar seus sonhos, e apesar de todo o preconceito da sociedade foi pioneira por sua coragem, determinação e descobertas científicas, ela não foi só a primeira mulher a ganhar um Nobel em Ciências, como foi a primeira pessoa a receber o prêmio duas vezes.

Encorajada pelo pai a se interessar pela ciência, a polonesa terminou os estudos aos 15 anos e passou a trabalhar como professora. Como o governo russo proibia que mulheres frequentassem universidades dentro de seu império, para continuar os estudos, Marie mudou-se para Paris.  Em 1883, graduou-se bacharel em Física e Matemática pela Universidade de Sourbonne, tornando-se, mais tarde, a primeira mulher a lecionar nessa importante instituição de ensino europeia. Depois de formada, foi a primeira classificada para o mestrado em Física e, no ano seguinte, a segunda para o mestrado em Matemática.

Em 1894, Marie conheceu o professor Pierre Curie com o qual se casou no ano seguinte, e passou utilizar o sobrenome Curie. Na época Pierre trabalhava no Laboratório de Física e Química Industrial no qual trabalharam juntos mais tarde.

Em julho de 1898, o casal conseguiu isolar um elemento 300 vezes mais ativo que o urânio. Em homenagem à sua terra, Marie batizou-o de polônio. Mas os Curie não estavam satisfeitos, porque o resto do material, depois de extraído o polônio, era ainda mais potente. Continuaram a purificação e cristalização e encontraram um novo elemento, 900 vezes mais radioativo (termo criado por Marie) que o urânio. Estava descoberto o “rádio”.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Marie encabeçou a implementação de um sistema de radiografia móvel — um veículo que tinha uma máquina de raios-X e equipamento fotográfico de câmara escura — ajudando no tratamento de milhões de soldados. Além disso, também contribuiu para a ciência ao aprisionar o gás que emanava do elemento rádio e enviar os tubos para o tratamento do câncer em hospitais do mundo inteiro.

408d105b7e8237aa5d81430d5aa56787-783x450

“Eu faço parte dos pensam que a Ciência é belíssima. Um cientista em um laboratório não é apenas um técnico, ele é também uma criança diante de fenômenos naturais que o impressionam como um  conto de fada. Não podemos acreditar que todo progresso científico se reduz a mecanismos, máquinas, engrenagens, mesmo que essas máquinas tenham sua própria beleza”. Marie Curie

 

Prêmio Nobel

Seu primeiro Prêmio Nobel foi em 1903, dividido com seu marido Pierre Curie e o físico Henri Becquerel — pelas pesquisas sobre radiação.

Em 1904, Pierre foi nomeado professor da Sorbonne e Marie assumiu o cargo de assistente-chefe do laboratório dirigido por seu marido. Em 1905 Pierre Curie foi eleito para a Académie des Sciences. Dois anos depois Pierre Curie morreu tragicamente, vitimado por um atropelamento e Marie foi indicada para substituí-lo, tornando-se a primeira mulher a ocupar uma cadeira de professor na Sorbonne, e a primeira mulher a ocupar tal cargo na França.

Marie continua a estudar a radioatividade, principalmente suas aplicações terapêuticas e, em 1911, foi agraciada com o segundo Prêmio Nobel, desta vez de Química, por suas investigações sobre as propriedades do rádio e as características dos seus compostos. Tornou-se a primeira personalidade a receber duas vezes o Prêmio Nobel.

 

Morte

Em 4 de julho de 1934, Marie Curie faleceu perto de Sallanches, na França. Seus órgãos vitais estavam comprometidos devido à constante exposição à radioatividade sem nenhuma proteção.

Inspirada pela mãe, a filha de Marie, Irène Joliot-Curie, trabalhou com o marido Frédéric Joliot nos campos da estrutura do átomo e física nuclear, demonstrando a estrutura do nêutron e descobrindo a radioatividade artificial, feito este que rendeu mais um Prêmio Nobel para a família Curie.

A história de Marie rendeu muitos materiais audiovisuais. Para conhecer um pouco mais dessa fantástica história, o Museu WEG separou dois vídeos: o documentário “Marie Curie: A Mãe da Radiação” e o filme “Marie Curie na Guerra”, de 2014. Ambos disponíveis no Youtube. Assista:

 

***

Além de um ícone da ciência, Marie Curie também foi uma heroína de guerra e uma grande inspiração para que mais mulheres continuem seus estudos nos campos científicos. Que seu legado continue inspirando novos e novas cientistas no mundo todo! 🙂