Tag: curiosidades

Cores: por que enxergamos colorido?

Será que as cores realmente existem?

Um dos principais sentidos do corpo humano, a visão é uma das formas mais potentes de percepção e interpretação de tudo o que nos cerca. 

As cores e as luzes atraem o nosso olhar, e tudo que está à nossa volta parece ser colorido: a natureza, os objetos, as cidades. Mas e se você descobrisse que, na verdade, as cores não existem? Elas são fabricadas pelo nosso cérebro.

Isso acontece porque os objetos absorvem as cores que estão na luz branca. Quando essa luz reflete nos nossos olhos, na camada chamada de retina, as células chamadas de cones e os bastonetes transmitem a informação sobre as cores para o nosso cérebro. 

Por ser um processo individual, cada pessoa percebe as cores de um jeito. Continue a leitura para entender melhor como as cores se formam e por que enxergamos colorido.

Como as cores se formam

Antes de falarmos sobre como os nossos olhos enxergam as cores, vamos entender como elas se formam.

Quando dizemos que as cores não existem, é porque as tonalidades só aparecem na presença da luz branca, que é a mistura de várias cores. Sem a luz, não há cor, apenas um espaço vazio representado pelo preto.

Ou seja, a cor é a impressão causada nos olhos pela luz. A cor neutra é o branco, ele é a união de todas as cores que podemos enxergar, compostas pelos espectros de vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta. 

A ausência de luz – ou inexistência de cor – é representada pelo preto, já que não consegue refletir luminosidade nos objetos.

Diferenciamos uma tonalidade da outra por meio do fenômeno físico chamado “comprimento de onda”. Isso quer dizer que as cores são ondas que vibram em velocidades diferentes. Quanto mais rápida a onda, mais azulada ela fica; e quanto mais lenta, mais avermelhada.

Quando um feixe de luz toca um objeto colorido, parte desse feixe é refletida enquanto parte é absorvida pelo objeto, porém, só podemos ver a cor correspondente à frequência que foi refletida.

Logo, a cor de um objeto é justamente a cor que ele não absorveu. Se uma maçã é vermelha, é porque ela absorve muito todas as cores, menos a vermelha – que é refletida para o nosso olho.

Newton e o prisma

A descoberta de que as cores são nada mais que luzes refletidas sobre o branco pode ser um pouco impactante. Imagine então em 1665 quando Newton apresentou a sua teoria.

Acontece que, por muitos séculos, o arco-íris era um grande mistério da natureza. Ninguém sabia como ou por que aquele arco colorido surgia. Da mesma forma, o feixe multicolorido que saía de dentro dos prismas também era um mistério.

O surgimento dessas cores era tão misterioso que as pessoas acreditavam serem obras de espectros, como seres fantásticos parecidos com fantasmas.

Até então, artistas e cientistas viam o branco como uma cor pura, e não uma mistura de cores. Mas essa concepção foi alterada pelo cientista inglês Isaac Newton.

Em 1665, Newton fez um experimento que mudaria tudo. Ele dispunha apenas de alguns prismas, lentes e da luz do sol. Através de um pequeno furo em uma cortina, o cientista obteve um feixe de luz que fez incidir sobre o prisma.

A luz, depois de passar pelo prisma, projetava sobre a parede uma mancha com as cores distribuídas do vermelho ao violeta. 

Esse feixe colorido foi focado por uma lente e direcionado para um segundo prisma. As cores então se misturaram, resultando em luz branca.

Para não haver dúvidas, o mesmo feixe atravessou um terceiro prisma e novamente se separou nas cores do arco-íris. Essa é a prova definitiva de que a luz branca é composta por todas as cores.

Como as cores chegam aos nossos olhos

Hora de entender como essa “mágica” funciona para os nossos olhos e por que enxergamos colorido.

O caminho que a luz refletida por um objeto percorre no nosso olho é o seguinte: ela atravessa a córnea, a íris (responsável por regular a quantidade de luz recebida pela pupila), a pupila, o cristalino e chega até a retina.

É dentro da retina que as imagens são formadas, nela, existe uma camada de células bem pequenas e sensíveis à luz – os fotorreceptores. 

Eles são de dois tipos: bastonetes, que funcionam em lugares mais escuros, e os cones, que se adaptam à luz e são responsáveis pelas cores que enxergamos.

Cada um vê uma cor

Uma cor nunca será exatamente igual para todas as pessoas. Isso acontece porque as densidades de recepção da luz variam de um indivíduo para outro. 

É o nosso cérebro que produz as cores, o que gera variações de acordo com cada observador: o azul que você vê pode não ser a mesma tonalidade de azul que seu amigo vê.

Além disso, algumas pessoas têm daltonismo – um distúrbio da percepção visual identificado pelo não funcionamento dos cones, os responsáveis pela diferenciação das cores.

Logo, o indivíduo com daltonismo sente dificuldade em apontar a diferença das tonalidades, como tons de vermelho ou laranja. A confusão também existe entre verde, vermelho, azul e amarelo, que são cores oponentes. 

***

Agora você já sabe como somos capazes de ver o mundo colorido e que cada pessoa vê o mundo de um jeitinho. Continue no blog para mais curiosidades! Que tal conhecer um pouco mais sobre a lua?

Mitos e verdades sobre os vulcões

Conheça algumas curiosidades sobre os vulcões!

Poucos eventos geológicos mexem tanto com nossa imaginação como um vulcão em erupção. É comum a aparição de vulcões em filmes, desenhos e documentários, e, muitas vezes, esquecemos que eles são reais: sejam ativos, sejam inativos.

A capacidade que esse fenômeno natural tem de expelir o magma terrestre e destruir cidades próximas proporciona teorias que nem sempre são reais. Pensando nisso, hoje vamos explicar o que ele é e contar alguns mitos e verdades sobre os vulcões. Confira abaixo!

O que é um vulcão?

Visualmente, um vulcão assemelha-se a uma montanha, especialmente quando se encontra inativo. Contudo, são estruturas diferentes desde a sua formação até a sua composição.

O vulcão é caracterizado como uma abertura na crosta terrestre (camada superficial da Terra) por onde são expelidos para a superfície materiais líquido-pastosos e incandescentes, que recebem o nome de magma. Da fenda de um vulcão, também podem ser emitidos materiais gasosos e poeira vindos do interior do planeta.

O magma expelido dos vulcões pode causar bastante destruição por onde passa, especialmente quando a área é habitada. Pois, além de ser um líquido-pastoso, ele é muito quente, tendo entre 600 °C e 1.200 °C.

Os vulcões podem ser localizados nos continentes e até mesmo nos oceanos, a sua formação e a sua distribuição estão relacionadas à existência das placas tectônicas.

O estudo dessas estruturas é bastante relevante para compreender os eventos ocorridos no interior da Terra.

Mitos e verdades sobre os vulcões

1. A lava sempre escorre lentamente

Nem sempre. O intenso calor e a pressão do interior da Terra fazem com que alguns tipos de rocha derretam e formem o magma.

Esse material subterrâneo produz gases que, quando exercem uma pressão maior do que a crosta terrestre pode suportar, causam uma erupção, e esse magma (lava) é expelido para fora do vulcão. Ele pode escorrer lentamente ou explodir agressivamente, mas isso depende da elevação da temperatura e da viscosidade do magma.  

2. Vulcões expelem fumaça

Apesar de parecer, vulcões não expelem fumaça. O que podemos ver no ar são minúsculos pedaços de lava e rocha que são quebrados e expelidos.

Segundo pesquisadores, esses materiais, que podem até parecer fumaça, chegam a derrubar um telhado, sobrecarregar a rede de energia e danificar carros, por exemplo. 

Erupção do Vulcão Krakatau. Foto: feygraphy / Shutterstock.com

3. A lava é o elemento mais perigoso do vulcão

A lava é uma grande preocupação durante as erupções vulcânicas. Mas geralmente o vulcão dá sinais e a lava se move de modo que os moradores próximos tenham tempo para fugir.

Já os fluxos piroclásticos, que são compostos de gás quente, cinza e pedras, são mais perigosos e se equiparam ao lahar, uma espécie de lama que se forma quando a água se mistura com cinzas vulcânicas gerando uma mistura pesada que se move tão rápido que as pessoas não conseguem correr dela.

4. Os vulcões são mais ativos hoje do que no passado

Quando os vulcões começam a ser notícia em todo o mundo, vemos manchetes como: “O núcleo da Terra está em crise?”. Mas, apesar desses questionamentos, a Terra não está se tornando mais geologicamente ativa.

A atividade geológica ao longo do tempo tem fluxo e refluxo, e algumas áreas têm mais erupções ou terremotos que outras. Segundo pesquisadores, não há razão para pensar que esses números tenham variado muito ao longo do tempo. 

Com a nossa capacidade atual de monitorar vulcões em locais remotos, graças aos satélites e à velocidade das informações, uma erupção que poderia passar despercebida há 100 anos certamente chegaria às manchetes hoje.

Ou seja, os vulcões não estão mais ativos, somos nós que estamos mais conscientes quanto a isso. 

Piton de la Fournaise, um dos vulcões mais ativos do mundo, visto do alto.
Foto: lechaudrondevulcain.com 

5. Os vulcões contribuem significativamente para as mudanças climáticas 

Entre os gases produzidos pelos vulcões, está o dióxido de carbono. Por isso, eles se tornaram alvo para quem nega que as mudanças climáticas são provocadas pelo homem.

Há, por exemplo, quem diga que a eliminação de praticamente todos os automóveis do mundo seria compensada por um vulcão explodindo.

Mas essa teoria vai por “água abaixo” quando lembramos que as taxas de atividade vulcânica não estão aumentando. Logo, não há razão para que mais dióxido de carbono seja adicionado à atmosfera a partir de erupções vulcânicas hoje do que em épocas passadas.

De acordo com pesquisa do vulcanologista Terry Gerlach, a quantidade de dióxido de carbono produzida por humanos a cada ano é mais de 100 vezes maior que a produzida pelos vulcões. Assim, anualmente, todos os vulcões do mundo produzem aproximadamente a mesma quantidade de dióxido de carbono que o estado de Ohio nos Estados Unidos. 

Esses foram alguns mitos e verdades sobre os vulcões. Vale ainda citar alguns dos vulcões mais famosos do mundo: Vesúvio e Etna (Itália), Mount Rainier (Washington), Lassen Peak (Califórnia), Mount Kilauea (Havaí), Sakurajima (Japão) e Popocatépetl (México).

Você conhece algum vulcão? Conta para a gente! Agora que você já sabe muitas curiosidades sobre esse fenômeno tão lindo e também assustador, que tal entender como é formado o arco-íris? Continue no blog e descubra muitos mistérios sobre o nosso universo!

Como se forma o arco-íris? Conheça algumas curiosidades sobre o fenômeno

A visualização do arco-íris depende da posição de quem o observa.

Quem nunca parou para contemplar a beleza de um arco-íris? O fenômeno chama a atenção das pessoas por suas cores, que são representadas em diversos elementos do nosso dia a dia: desenhos, roupas, músicas, poemas e diversas histórias ao redor do mundo.

Mas o que você sabe sobre o arco-íris? Qual é a explicação para que esse arco colorido apareça no céu? Descubra neste artigo como se forma o arco-íris, assim como algumas curiosidades sobre o fenômeno.

O que é o arco-íris?

Para começar a explicação, precisamos contar uma curiosidade: o arco-íris não existe. Mas calma, você não foi enganado esse tempo todo. É que o arco-íris é uma ilusão óptica. A visualização do fenômeno depende da posição de quem o observa. 

Em resumo, o arco-íris é um belíssimo fenômeno óptico de decomposição da luz solar em seu espectro luminoso. Ele pode ser observado sempre que existirem gotículas de água suspensas no ar e luz solar brilhando acima do observador. 

O arco colorido é formado com a cor vermelha em uma de suas extremidades e o violeta na outra. Assim, como qualquer decomposição da luz branca, o arco possui uma quantidade infinita de cores, sem delimitações entre elas. 

Porém, apesar de uma quantidade infinita de cores, para o ser humano, tendo necessidade de classificar os fenômenos naturais com sua capacidade de distinção de cores e também por questões didáticas, o arco-íris é conhecido por possuir 7 cores, sendo elas: vermelha, laranja, amarela, verde, azul, anil e violeta.

Como se forma um arco-íris?

A luz do sol é uma onda de luz branca – e a luz branca é uma mistura de várias cores. Quando essa luz incide sobre gotículas de água suspensas no ar, sofre algumas reflexões e refrações.

Nesse processo, a luz atravessa uma superfície líquida, e a refração faz aparecer o espectro de cores: violeta, anil, azul, verde, amarela, laranja e vermelha. Como podemos descrever no passo a passo abaixo:

  • 1 – O feixe luminoso solar incide sobre as gotículas de água.
  • 2 – Parte desse feixe reflete voltando para o ar atmosférico. A outra parte, refrata penetrando a gota de água.
  • 3 – O feixe dentro da gota reflete parcialmente e, finalmente, volta a sofrer refração parcial ao sair da gota.

Resumidamente, para que possamos observar um arco-íris, devemos ter o sol baixo e por trás de nós. Assim, a luz que vem do sol é refratada entrando nas gotas de água e sofrendo reflexão interna, retornando e chegando aos olhos do observador. 

Todas as gotas de chuva refratam e refletem a luz do sol da mesma forma, mas somente a luz de algumas gotas chega até o olho do observador formando o arco-íris.

Arco-íris formam círculos perfeitos

Geralmente, quando olhamos para um arco-íris, podemos ver apenas metade do círculo, ou seja, um arco. Mas a realidade é que eles formam círculos completos! 

Não vemos esses círculos porque, quando estamos de pé no chão, só podemos ver a luz que é refletida pelas gotas de chuva acima do horizonte, não conseguindo ver a metade oculta de um arco-íris.

É possível ver o círculo completo de um arco-íris se você estiver em um avião ou helicóptero, podendo observar abaixo do horizonte. Às vezes, pessoas escalando altas montanhas também conseguem ver o círculo completo.

Arco-íris só aparece quando chove?

Sabe aquela frase “primeiro vem a chuva, depois o arco-íris”? Ela faz sentido já que, para ver um arco-íris, é preciso de gotículas de água no ar. Mas ele não se forma apenas com a chuva! 

As gotas de água podem estar no ar por muitas outras razões. Por exemplo, quando há nevoeiro, respingos de água de uma cachoeira ou de ondas quebrando contra pedras no mar. Não importa qual seja a fonte das gotículas de água no ar, se o sol estiver no ângulo correto, você conseguirá ver esse belo fenômeno acontecendo.

Ninguém vê o arco-íris da mesma forma

Este é um dos fatos mais fascinantes sobre o arco-íris. O arco-íris pode ser muito parecido com o que outra pessoa está vendo, e você pode pensar que está vendo exatamente o mesmo arco-íris, mas vocês realmente não estão vendo a mesma coisa.

Isso acontece porque, quando você está olhando para um arco-íris, você está vendo a luz que é refletida pelas gotas de chuva acima do horizonte, mas o horizonte que você vê é sempre único – é uma linha imaginária que se estende do seu olho até o sol. 

Os olhos de outra pessoa, mesmo que ela esteja ao seu lado, não podem estar no mesmo espaço que o seu, logo, vocês não poderão ver o mesmo arco-íris. Nem nossos próprios olhos veem o arco-íris do mesmo modo.

Cada um vê o seu próprio arco-íris! 😀

Já que o assunto são fenômenos naturais, que tal conhecer algumas curiosidades sobre raios que deixarão você com o cabelo em pé? Para ler, basta clicar aqui.

Curiosidades sobre os satélites: o que você sabe sobre eles?

O que você sabe sobre os satélites? O que eles estão fazendo lá em cima?

Você sabia que já foram lançados mais de 20 mil objetos no espaço? Desses, cerca de 3 mil estão ativos cruzando a atmosfera terrestre. Tratam-se de satélites, objetos que se mantêm girando ao redor da Terra sem cair. 

A Terra tem um único satélite natural, que é a Lua, e milhares de satélites artificiais − lançados no espaço por meio de foguetes. Mas o que você sabe sobre eles? O que os satélites estão fazendo lá em cima? Veja algumas curiosidades a seguir.

Para que servem os satélites?

Os satélites têm muitas funções. Eles são capazes de captar imagens de grandes áreas e possibilitam o mapeamento de territórios. Alguns podem auxiliar meteorologistas a prever mudanças no tempo e no clima, além de fenômenos naturais como furacões. 

Eles também podem captar imagens de outros planetas, auxiliando astrônomos em suas pesquisas. Os sinais de televisão e telefone também são transmitidos por meio dos satélites. Além disso, o Sistema de Posicionamento Global (GPS) só é viável com o auxílio de mais de 20 satélites em órbita.

A Organização das Nações Unidas (ONU) é responsável pelo controle desses objetos na atmosfera terrestre e também pela regularização e pela autorização de novos lançamentos. Também é responsável pela comunicação entre as principais agências espaciais do mundo.

Como são os satélites?

As características em comum entre os satélites são uma antena e uma fonte de energia, que pode ser solar ou por bateria. A antena é responsável por enviar e receber informações. Os satélites também podem conter sensores e câmeras apontadas para a Terra ou para o espaço.

Sputnik 1: o primeiro satélite do mundo

Em 4 de outubro de 1957, a humanidade invadiu o espaço com o lançamento do Sputnik 1. Lançado pela então União Soviética, ele abriu caminhos para as viagens espaciais. Foi um grande feito científico e teve uma grande repercussão no mundo; após isso, diversos países construíram seus satélites com diferentes objetivos, e os lançamentos continuam até hoje.

O Sputnik tinha o tamanho de uma bola de basquete e pesava cerca de 83 kg, produzido em uma liga de alumínio. As antenas do Sputnik 1 foram responsáveis por enviar sinal de rádio e tinham 2,4 e 2,9 metros de comprimento. 

Camera: DCS420A Serial #: 420-2040 Width: 1524 Height: 1012 Date: 11/24/97 Time: 11:39:45 DCS4XX Image FW Ver: 081596 TIFF Image Look: Product ---------------------- Counter: [88] ISO: 100 Aperture: F2.8 Shutter: 60 Lens (mm): 28 Exposure: M Program: Po Exp Comp: 0.0 Meter area: Mtrx Flash sync: Norm Drive mode: S Focus mode: S Focus area: Wide Distance: 3.4m
Sputnik 1, o primeiro satélite lançado. Foto: NASA.

Os satélites podem cair?

O risco é pequeno, mas pode acontecer. Ao orbitarem em diferentes alturas, velocidades e caminhos, os satélites conseguem permanecer em órbita porque sua velocidade está em constante equilíbrio com a força da gravidade. Quando isso deixa de acontecer – e, por algum motivo, o satélite perde velocidade −, ele pode cair na Terra ou continuar em linha reta viajando pelo espaço. Mas não se preocupe, é provável que o satélite se desintegre antes de chegar ao solo.

Os satélites podem bater uns nos outros?

É possível, mas também é muito raro. Ao serem lançados, os satélites são colocados em rotas específicas para que não interferiram nas rotas de outros. Mas acidentes podem acontecer.

Em 2009, dois satélites de comunicação colidiram. Segundo os astrônomos, foi a primeira vez que isso aconteceu com satélites artificiais.

Os satélites do Brasil

No Brasil, o órgão responsável pelo desenvolvimento espacial é o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), criado em 1961 com o objetivo de capacitar o país nas pesquisas científicas e nas tecnologias espaciais.

Somente em 1979, cerca de 20 anos após o início da corrida especial no mundo, foi criado o Programa Espacial Brasileiro, e o primeiro lançamento de um satélite brasileiro foi realizado apenas em 1990.  

A partir disso, várias missões foram realizadas, e o último satélite desenvolvido no Brasil foi o Amazonia 1, lançado em fevereiro de 2021.

Amazonia 1: um satélite nacional

O satélite brasileiro Amazonia 1 foi enviado ao espaço para tirar fotos do planeta a fim de monitorar o desmatamento, os reservatórios de água, a agricultura, os desastres ambientais e outras aplicações. 

É o primeiro satélite em órbita que foi totalmente desenvolvido em território nacional. O equipamento faz parte da Missão Amazônia, que deverá criar outros dois satélites de sensoriamento remoto.

O Amazonia 1 gera fotos do planeta a cada cinco dias, sua câmera é capaz de observar uma faixa de aproximadamente 850 quilômetros. Ele está em uma altura de 700 km e pesa cerca de 638 kg. Por dentro, o equipamento contém cerca de 6 km de fios e 14 mil conexões elétricas.

Satélite Amazonia-1 será lançado em 28 de fevereiro (Imagem: Reprodução/INPE)
Satélite Amazonia 1 irá tirar fotos da Terra a cada cinco dias. Foto: Reprodução/INPE.

Uma curiosidade muito animadora para nosso avanço científico é que os dados coletados pelo Amazonia 1 estarão à disposição da comunidade científica, dos órgãos de governo e demais interessados. A vida útil prevista para o satélite é de quatro anos.

Agora que você já conhece melhor os satélites, que tal continuar a leitura e descobrir o que aconteceria se o sol desaparecesse?

Curiosidades sobre as maiores árvores de Natal pelo mundo

Veja algumas curiosidades sobre as maiores árvores de Natal pelo mundo

Todo ano, em dezembro, as árvores de Natal tomam conta das cidades, das casas e até dos centros comerciais, e são árvores de todos os tipos: pinheirinhos de verdade, artificiais e até mesmo uma junção de objetos que criam a forma triangular dos pinheiros. Cidades pelo mundo criam árvores de Natal gigantescas com muitas luzes e enfeites. Hoje, veremos algumas curiosidades sobre elas.

Árvore flutuante no Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro já foi palco da maior árvore de Natal flutuante do mundo. Localizada na Lagoa Rodrigo de Freitas, ela possui mais de 70 metros de altura e é enfeitada com o brilho de 900 mil lâmpadas coloridas de led.

Uma árvore de Natal de verdade em Nova York

A árvore de Natal montada no Rockefeller Center é um clássico de Nova York, sendo colocada no mesmo lugar desde 1933. É um dos símbolos de Natal mais conhecidos do mundo. É aos pés dela, por exemplo, que o personagem de Macaulay Culkin reencontra a mãe no clássico natalino “Esqueceram de Mim 2”.

O interessante sobre esta árvore é que se trata de uma árvore de verdade, geralmente com cerca de 30 metros de altura. Há uma pessoa responsável em procurar enormes pinheiros durante todo o ano em cidades como Connecticut, Vermont, Ohio, Nova York e New Jersey. Assim que a árvore é escolhida, ela é transportada para o Rockefeller Center por meio de um guindaste.

Desde 2007, a instalação da famosa árvore toma medidas mais sustentáveis com luzes em LED alimentadas por painéis solares. Inclusive, clique aqui se você quiser saber como economizar energia na sua casa durante o Natal. 🙂

A maior árvore de Natal do mundo

Reconhecida desde 1991 pelo Guinness Book of Records como a maior árvore de Natal do mundo, a árvore de Natal da cidade de Gubbio, aos pés do Monte Ingino, no centro da Itália, leva cerca de quatro meses para ser montada. 

A árvore natalina possui 750 metros de altura, 350 metros de largura e se estende por uma área que corresponde a pouco menos de 30 campos de futebol. Só a estrela cadente, localizada no topo, tem cerca de mil metros. Os 950 pontos de iluminação estão ligados a 7.500 metros de cabos elétricos ligados a 1.350 plugues. Toda a árvore é alimentada por luzes de baixo consumo que usam apenas 35 Kw. Ao todo, são 250 luzes amarelas utilizadas no topo, 300 para criar a imagem da árvore e 400 coloridas para preencher a decoração. Por falar em tanta luz, você sabe como funciona o pisca-pisca?

Criatividade e sustentabilidade em árvores de Natal

Não podemos deixar de falar sobre a grandiosidade das ideias espalhadas pelo mundo. Existem árvores de Natal feitas de pneus, garrafas pets, caixotes de madeira e diversos outros materiais reutilizados. Veja alguns exemplos:

A árvore abaixo possui 21 metros de altura e foi instalada em Salvador, Bahia. A novidade é que ela foi construída com 22 mil garrafas pet. Foi usada uma série de lacres para prender um recipiente ao outro. As bolas coloridas foram feitas com tesouras e tintas. 

Esta outra, em Lismore, na Austrália, mede 5,5 metros e foi feita com cerca de 150 pneus, 100 tampas, 120 garrafas pet (para formar a estrela), latas de alumínio e 40 lâmpadas antigas da pista do Aeroporto Lismore.

Lindíssimas, não é mesmo? A tradição de árvores de Natal vive há muitos anos, e amamos ver a evolução de um dos símbolos mais populares das celebrações natalinas. Você é do time das árvores gigantescas ou prefere algo mais basiquinho?

Continue no blog e leia também sobre as maiores rodas-gigantes do mundo.

Conheça alguns dos museus mais estranhos do mundo

Conheça alguns dos museus mais estranhos do mundo.

Museus têm a finalidade de conservar, estudar e valorizar de diversas maneiras elementos de valores culturais: desde coleções de objetos à narrativa de histórias. Inclusive, pelo mundo afora existem museus dedicados a coleções muito estranhas e curiosas. Uma linha tênue entre bizarrice e diversão.

Mas, independentemente da aparência estranha, todos os museus nos oferecem janelas para a história, nos ligando ao passado e abrindo caminhos para o futuro. Alguns revelam nossas preocupações mais obscuras, nossas ideias mais brilhantes e a infinita criatividade da mente humana. Conheça alguns dos museus mais estranhos do mundo.

Plastinarium – Guben, Alemanha

O Instituto de plastinação Gunther Von Hagens exibe corpos animais e humanos preservados em posições criativas para revelar as complexidades da forma humana.

Após passar 39 anos estudando medicina, dissecção e química, o alemão Gunther von Hagens desenvolveu o método de preservação de corpos chamado plastinação, o método consiste na retirada de água e lipídios do corpo humano ao aplicar polímeros sintéticos no lugar, o que evita que haja a decomposição dos tecidos.

Em Guben, na Alemanha, os visitantes que exploram o Plastinarium recebem uma lição de história da anatomia, testemunham o processo gráfico de plastinação e exposições itinerárias Body Worlds, que foram objeto de vários debates de ética sobre a obtenção de corpos e o tratamento de cadáveres humanos.   

Museu de Ramen Instantâneo de Momofuku – Osaka, Japão

Em 1958, depois de várias experiências em seu quintal, o japonês Momofuku Ando criou as primeiras fórmulas de macarrão instantâneo do mundo, o ramen de frango. O sucesso foi tanto que, os cupnoodles e macarrões instantâneos representam a cultura alimentar japonesa mundo afora e também ganharam um museu.

O Momofuku Ando Instant Ramen Museum documenta este capítulo da cultura culinária do Japão, o espaço mostra aos visitantes os diversos pacotes de macarrão instantâneo que existem pelo mundo, que também podem experimentar edições limitadas da marca Hokkaido and Tohoku e até criar sua própria embalagem na “A Minha Fábrica de Noodles Instantâneos”. A exposição Túnel de Noodles Instantâneos exibe aproximadamente 800 pacotes de noodles, mostrando a evolução do ramen ao longo de décadas.

Museu do Espião – Washington, Estados Unidos

O  Museu Internacional de Espionagem em Washington D.C. contém a maior coleção pública de artigos de espionagem. Minicâmeras, dinheiro falso, armas camufladas, máquinas de criptografia, entre mais de 200 artefatos usados por agentes da CIA e do FBI, mostram a inteligência humana e dos espiões ao longa da história.  

Além disso, algumas seções exclusivas do museu só podem ser exploradas por meio de técnicas de espionagem, aprendidas em workshops, é necessário entrar na história como um verdadeiro James Bond.

Museu das Múmias – Guanajuato, México

Na pequena cidade de Guanajuato — Patrimônio Mundial da UNESCO — centenas de corpos foram enterrados nas criptas do panteão de Santa Paula em meados do século XIX. Isso, porque se as famílias não conseguissem pagar os impostos funerários de seus entes queridos, teriam de abrir mão dos corpos para serem exumados.

Ao desenterrarem os corpos, foi descoberto que eles estavam mumificados através de um processo natural, provavelmente por fatores climáticos da região. Agora, esses cadáveres, incluindo os de crianças, são itens de exposição do Museo de Las Momias, ou Museu das Múmias de Guanajuato. Você teria coragem de fazer uma visita?

Museu Subaquático de Arte – Cancún, México

Que tal um museu no fundo do mar? Cancún, uma das cidades mais turísticas da América Central, ganhou em 2009 um museu imerso nas águas azuladas de suas praias paradisíacas. O Museu Subaquático de Arte (MUSA) conta com mais de 500 esculturas em tamanho real fixadas no fundo do mar.

As artes oceânicas, que retratam construções, carros, pessoas, animais e objetos, funcionam como um recife artificial feito especialmente para promover o crescimento de corais da região, que transformam continuamente a paisagem aquática. Os visitantes podem explorar o museu a bordo de um barco com fundo de vidro, por mergulho ou snorkeling.

Sulabh Museu Internacional de Privadas – Nova Delhi, Índia

Na agitada capital da Índia existe um museu que detalha a história da higiene e saneamento de 2500 a.C. até a atualidade. Aberta por Bindeshwar Pathak em 1970, a Fundação Sulabh reúne mais de 50 mil voluntários dedicados a difundir o uso de vasos sanitários pela Índia.

Das casas de banho douradas dos imperadores romanos às latrinas medievais, o museu documenta a evolução dos sanitários ao longo das eras. Como se os bacios com pinturas intrincadas não fossem suficientes, o museu também tem em seu acervo  uma coleção de raros poemas de latrina.

Museu da Tortura – Amsterdam, Holanda

A linda Amsterdam abriga o sinistro Museu da Tortura. Nele os visitantes fazem uma viagem através do tempo para um período obscuro na Europa, onde torturas e execuções eram comuns e aceitas pelas leis.

Entre os mais de 40 instrumentos de tortura expostos com tutoriais que explicam cada uma das histórias e seu uso na sociedade, há uma cadeira da inquisição coberta de espinhos e espadas que eram usadas para decapitação. O espaço também educa estudantes sobre as torturas que ainda são praticadas até hoje em quase 100 países — e oferece apoio à Convenção Contra a Tortura das Nações Unidas.

Museu de Marionetes Vent Haven – Fort Mitchell, Estados Unidos

Instalado no estado de Kentucky, o museu foi iniciado por William Shakespeare Berger, em 1910, quando comprou seu primeiro boneco de marionete: Tommy Baloney. Em 1947, a coleção já tinha crescido tanto que Berger renovou a sua garagem para albergar as personagens e, em 1962, teve de construir um segundo edifício.

Hoje, o museu conta com mais de 800 bonecos, livros históricos, fotos e playbills. O museu também abriga o ConVENTion, um evento anual de ventríloquos que atrai profissionais e entusiastas do mundo inteiro. O Museu Vent Haven é o único desta modalidade no mundo.

Museu do Cabelo – Avanos, Turquia

Conhecida por muitas coisas maravilhosas, como o Castelo Uchisar, as belíssimas chaminés de fadas e lojas de cerâmica, a região da Capadócia, na Turquia, abriga o Avanos Hair Museum – o único museu do mundo que exibe uma coleção exclusiva de cabelos humanos. Embora as paredes cobertas de fios possa dar uma impressão esquisita, a história original do lugar é emocionante.

O dono da coleção, Galip Körükçü, especialista local em cerâmica, recebeu uma mecha de cabelo de sua amiga íntima como lembrança antes de deixar a cidade. Körükçü resolveu pendurar o presente em sua loja. Ao longo dos anos, quando as visitantes ouviam sua comovente história, passaram a cortar e dar seus próprios cachos de cabelo como um sinal de bondade. Hoje, o museu tem mais de 16 mil mechas de cabelo em exposição, doadas por mulheres de todo o mundo.

E você, conhece algum outro museu estranho? Conta pra gente 😉

Roda-gigante: história e curiosidades sobre as maiores do mundo

Maior roda-gigante da América Latina recebeu o acabamento fornecido pelas tintas WEG.

Quando George W. Ferris, um engenheiro civil americano, construiu a primeira roda-gigante do mundo para a exposição World’s Columbian, em Chicago no ano de 1893, começou uma tendência. 

Para se ter uma ideia, a primeira roda-gigante criada pesava 2000 toneladas e podia levar 2.160 pessoas por vez. A roda de Ferris foi a maior atração da exposição, possuía 80 metros de altura e era impulsionada por dois motores a vapor de 1000 HP. Com 36 cabines, cada uma do tamanho de um ônibus escolar, levava 20 minutos para dar duas voltas – a primeira fazendo seis paradas, para permitir que os passageiros entrassem e saíssem, e a segunda, uma volta completa e sem paradas.

De lá para cá as rodas-gigantes tomaram parques de diversões, eventos e pontos turísticos de cidades pelo mundo todo.

 

Maior roda-gigante da América Latina recebe proteção máxima com tintas WEG

Recentemente, no dia 06 de dezembro de 2019, foi inaugurada no Rio de Janeiro a roda-gigante Rio Star, o novo cartão-postal da Cidade Maravilhosa é considerada a maior roda-gigante da América Latina, com 88 metros de altura e a expectativa de atrair mais de 1 milhão de visitantes por ano. Com 54 gôndolas e a capacidade de acomodar 432 pessoas, leva cerca de 20 minutos para completar a volta.

A estrutura de toda a roda-gigante Rio Star, montada pela empresa JLCMT, veio da China com um revestimento rico em zinco e recebeu em sua montagem final o acabamento fornecido pelas tintas WEG. Veja no vídeo:

 

E a maior do mundo, qual é?

Um dos maiores objetos em terra feito pelo homem está localizado em Dubai, nos Emirados Árabes, a cidade riquíssima em atrações turísticas nos mostra que os árabes realmente não brincam em serviço. A Ain Dubai deve ser inaugurada ainda em 2020, tornando-se a maior roda-gigante do mundo. Com 210 metros de altura e 250 metros de diâmetro, a estrutura possui 48 cabines e capacidade para 1.440 pessoas.

c5cfe704b092cc05_ain_dubai

Ain Dubai

 

Curiosidades:

  • Se forem unidos de ponta a ponta, os fios de cabo utilizados dentro dos raios somam 2.400 km. Essa é a mesma distância de Dubai ao Cairo;
  • Foram usados 25% a mais de aço na construção da Ain Dubai do que o ferro usado na Torre Eiffel;
  • Foram usados 9.000 toneladas de aço na construção;
  • O peso da roda é equivalente a 16 Airbus A380s.

 

O posto de segundo lugar fica para a New York Wheel, com 191 metros e capacidade para 1.440 passageiros por passeio. Também nos Estados Unidos, o posto de terceiro lugar pertence a High Roller, que fica em Las Vegas, Nevada, com seus 168 metros de altura, 28 cabines e espaço para 40 pessoas no total — 1.000 a menos que as anteriores. 

 

E aí, você teria coragem de encarar as maiores rodas-gigantes do mundo? Que tal começar pela Rio Star? 😉

Isaac Newton – curiosidades sobre um dos maiores cientistas de todos os tempos

Isaac Newton é considerado o pai da Mecânica Clássica e, junto de Albert Einstein, é considerado uma das pessoas mais inteligentes que já existiram.

Muitos sabem que um dia Isaac Newton se sentou à sombra de uma macieira e uma maçã caiu na sua cabeça, iniciando a descoberta sobre a lei da gravidade. Só que a história deste gênio é muito mais comprida e interessante. Poucos sabem, por exemplo, que Isaac foi o último da classe, foi uma pessoa como nós: com defeitos, virtudes, desejos e características únicas. Não nasceu um gênio da ciência, mas como  muito esforço, tornou-se um.

Isaac Newton é considerado o pai da Mecânica Clássica e, junto de Albert Einstein, é considerado uma das pessoas mais inteligentes que já existiram. Mas hoje vamos mostrar alguns fatos curiosos e interessantes sobre sua vida — não tão glamurosa assim.

 

1. Isaac Newton quase ficou cego durante seus experimentos

Antes dos estudos de Newton com a Óptica Física, acreditava-se que a cor era um mero efeito da pressão no nervo óptico. Newton, disposto a provar, ou derrubar tal teoria, enfiou várias vezes um palito pontiagudo abaixo do olho, tentando pressionar o nervo óptico para ver o efeito disso.

Não satisfeito, passou longos momentos olhando diretamente para o sol. Depois piscava os olhos para ver os efeitos das cores resultantes dessa “experiência”. O resultado foi uma cegueira temporária que só voltou ao normal após passar três dias em um quarto escuro.

 

2.Isaac Newton era pobre e órfão

Newton não teve a sorte de uma família estruturada, condições para estudar ou apoio dos pais. É que o pai dele morreu poucas semanas antes do seu nascimento e sua mãe era camponesa, não eram miseráveis, mas passaram longe de serem ricos. Quando o pequeno Newton tinha 3 anos, sua mãe se casou e foi embora com o novo marido, deixando o filho para trás, morando com os avós.

 

3. Isaac Newton era um jovem rebelde e preguiçoso

Para ir à escola, Isaac teve que se mudar e morar como pensionista em uma cidade longe da família. Não era um bom aluno, não se dedicava aos estudos e também não demonstrava interesse pela escola. Por vezes, se rebelava contra a mãe e o padrasto que o deixaram, chegou a ir até a casa deles e ameaçar atear fogo com ambos lá dentro.

Certo dia, Isaac se envolveu em uma briga e foi agredido. O jovem, abandonado pela mãe, se revoltou e, longe da família, resolveu que iria estudar e ser o melhor possível no máximo de coisas que ele pudesse (e revidou a surra no colega de turma). Não foi sorte, fé ou bênção, foi o hábito de estudar o máximo possível que o tornou um gênio.

 

“O que sabemos é uma gota; o que ignoramos é um oceano.”

Isaac Newton

4. Isaac Newton era lavrador com ficha na polícia

Por nunca ter estudado, a mãe de Isaac achava os estudos desnecessários, resolvendo tirar Isaac da escola quando já estava na adolescência. Nesta época, já viúva, chamou o filho para trabalhar na casa de campo.

Assim, foi obrigado a deixar a escola e começou a cuidar da casa, dos criados e dos animais. Nessa época ele já nutria uma grande paixão pelas exatas, e passava horas distraído, pensando em matemática, filosofia e outros assuntos que o interessavam. Isso o distraía mesmo! Certa vez seus animais fugiram, destruíram plantações e cercas dos agricultores vizinhos. Isaac foi fichado e multado na polícia. Sua mãe precisou desistir, Isaac não conseguia se concentrar em outra coisa senão nos estudos. Assim, voltou para a escola, terminou com louvor e conseguiu uma inscrição na Universidade de Cambridge.

 

5. Não foi uma maçã, foi trabalho mesmo

A maçã que caiu na cabeça de Newton é um exemplo ilustrativo do resultado de muito estudo sobre a gravidade. Não foi um lance de sorte. Após se formar, a peste bubônica acometeu a Inglaterra e a universidade onde Newton trabalhava. A universidade ficou fechada por cerca de 2 anos. Nesse intervalo de tempo, Newton se dedicou integralmente aos estudos e criou o Binômio de Newton, estudou as tangentes, Óptica e o Cálculo Diferencial e Integral. Com todas essas pesquisas em mente e anos a fio de estudo e concentração, pode formalizar a Teoria da Gravitação Universal.

 

 “Construímos muros demais e pontes de menos.”

Isaac Newton

6. Isaac Newton, o distraído

Mesmo como professor, Newton era conhecido por seus colegas  da Universidade de Cambridge como distraído. Era tão fascinado e focado em suas pesquisas que por vezes esquecia de comer ou dormir. Certa vez foi em direção ao salão de refeições, e passou direto por ele sem perceber, seu assistente o avisou da distração e ele voltou, passando novamente pelo local e indo em direção ao seu quarto. Novamente seu empregado o avisou que ele não tinha se alimentado e o mesmo respondeu “Claro que sim, afinal estou saindo do salão de refeições e estou me dirigindo ao quarto”.

Quem aqui queria ter conhecido Isaac Newton? Nós sim! Além das histórias que contamos, ele também se dedicou muito ao estudo da Alquimia, se aproximando do que hoje conhecemos por Química. Newton morreu em 20 de março de 1726, aos 84 anos, devido à causas naturais, já que sua idade era extremamente elevada para os padrões da época.

 

Fonte: Biografia de Isaac Newton.