Tag: deserto

Como as areias do deserto do Saara contribuem para a biodiversidade da Amazônia

As areias do deserto são muito importantes para manter a exuberância e a biodiversidade da Amazônia.

Mais de 5 mil quilômetros separam a Floresta Amazônica do Deserto do Saara. Apesar de distantes, os dois lugares têm uma relação tão estreita que é até difícil de acreditar: as areias do deserto são muito importantes para manter a exuberância e a biodiversidade da Amazônia.

Pode até parecer pegadinha dizer que o deserto é quem beneficia a floresta, e não o contrário, mas a natureza não cansa de surpreender.

Descubra neste conteúdo como o Saara envia toneladas de nutrientes para a América do Sul e é ainda responsável pela maior parte das chuvas torrenciais que caem sobre a Região Amazônica.

A areia do Saara é rica em nutrientes

Durante a pré-história, o deserto africano era um lago repleto de algas e micro-organismos. Há 7 mil anos, esse lago secou. Dele, sobrou a areia rica em nutrientes, inclusive o fósforo. 

Parte dessa areia fica em uma depressão na região do Chade que, devido à sua geografia, é atingida por constantes e gigantescas tempestades de areia. O vento é tão forte que consegue carregar a areia rica em fósforo por quase 5 mil quilômetros até a América do Sul.

A areia rica em fósforo percorre 5 mil quilômetros até a Floresta Amazônica.

Estudada pela NASA

Um estudo da NASA feito pelo Goddard Space Flight Center mede a quantidade de areia que viaja pelo oceano Atlântico. Segundo os satélites da agência espacial, mais de 27 milhões de toneladas de areia viajam do Saara para a Amazônia a cada ano, com cerca de 22 mil toneladas de fósforo.

Para medir a formação química das substâncias na atmosfera da Amazônia, os pesquisadores usaram um instrumento óptico chamado Lidar. A certeza de que a poeira encontrada no local vem do Saara e não de um terreno próximo é dada pela sua composição química, mais especificamente pela presença e proporção de alguns elementos como alumínio, manganês, ferro e silício. 

A quantidade desses elementos nas partículas coletadas na Amazônia é a mesma que é encontrada na poeira do Saara. Além disso, há correlação entre a presença desses aerossóis e o movimento das massas de ar.

Segundo a Nasa, o próximo passo da pesquisa é entender a quanto tempo esse processo acontece e conseguir prever até quando o Saara poderá fertilizar a Amazônia. Assista ao vídeo da agência espacial americana com uma demonstração do estudo:

Fertilizante natural para os solos da Amazônia

Não são apenas simples grãos de poeira que o Saara manda para a Amazônia. O fósforo é um elemento raro na floresta, mas muito importante para sua biodiversidade e, assim como a mata ciliar, fundamental para o equilíbrio do meio ambiente. A água da chuva e dos rios carrega o fósforo da matéria orgânica em decomposição no solo amazônico, impedindo que ele se deposite e alimente as plantas locais.

O fósforo é um nutriente encontrado em fertilizantes comerciais e essencial para o crescimento das plantas. As 22 mil toneladas de fósforo que chegam à floresta amazônica são quase a mesma quantidade que a mata produz com a decomposição das árvores caídas mas que, em seguida, perde com as chuvas e inundações.

Antes de chegar na Amazônia, os fragmentos minerais que formam a nuvem de poeira do Saara caem da nuvem em movimento e se depositam na superfície ensolarada do oceano, fertilizando os organismos fotossintetizadores existentes no mar que, muitas vezes, apresentam uma grande carência desses elementos.

E essa é a mesma utilidade da areia para a Amazônia — um dos locais mais produtivos em termos biológicos do mundo, mas com solo notoriamente pobre em alguns elementos essenciais ao crescimento, sobretudo em fósforo. 

É possível encontrar muitos estudos sobre os efeitos negativos da nuvem de poeira, responsável por causar problemas respiratórios e alergias nos locais por onde passa. Apesar dos pontos negativos, não podemos negar que ela é essencial para a vida da floresta de maior importância do planeta.

Enquanto o Saara se responsabiliza por levar mais ferro e fósforo para nossa floresta, também existem milhares de pessoas preocupadas em desenvolver técnicas para ajudar nosso ecossistema por meio de inovações tecnológicas e ensinando às crianças – o futuro do nosso país – a cuidar, respeitar e entender nossa biodiversidade.