Tag: compostagem

Compostagem doméstica: aprenda o que é e como fazer a sua

Vamos entender mais sobre a compostagem e como fazer a sua composteira em casa?

Muito se fala sobre a importância da reciclagem de materiais como plástico, papel e vidro separando-os dos resíduos orgânicos, que exigem decomposição.

Mas boa parte do resíduo que geramos em casa é orgânico, principalmente restos de comida. É aqui que entra a compostagem doméstica feita por composteiras. Elas são dispositivos que podem ser feitos em casa e que dão o destino correto aos resíduos.

Ter uma composteira contribui de modo sustentável com o meio ambiente, reduzindo o descarte de resíduo orgânico em aterros, e ainda pode enriquecer o solo do seu quintal ou da sua horta com um material rico em nutrientes. 

Vamos entender mais sobre a compostagem e como fazer a sua composteira em casa?

O que é uma compostagem?

Para o Ministério do Meio Ambiente, a compostagem é definida como “uma forma de recuperar os nutrientes dos resíduos orgânicos e levá-los de volta ao ciclo natural, enriquecendo o solo para agricultura ou jardinagem.

Além disso, é uma maneira de reduzir o volume de lixo produzido pela sociedade, destinando corretamente um resíduo que se acumularia nos lixões e aterros gerando mau cheiro e liberação de gás metano e chorume.”

Logo, a compostagem doméstica é uma solução simples e que ocupa pouco espaço. Podendo ser feita dentro de casa, em apartamento ou no seu jardim, o material produzido pode ser usado nas suas plantas ou doado para vizinhos e amigos.

As vantagens são muitas: além de aproveitar toda a matéria orgânica, esse processo é ambientalmente sustentável, seguro e natural; auxilia na recuperação e na fertilidade do solo e pode até mesmo ser uma fonte de renda.

Para quem não tem tempo de fazer uma compostagem doméstica, existem empresas que recolhem resíduos orgânicos e fazem a compostagem, garantindo uma destinação sustentável para o resíduo.  

Ciclo da compostagem. Fonte: WWF

Em grande escala, os resíduos orgânicos podem até mesmo produzir energia e substituir combustíveis fósseis e poluentes, como o petróleo e o carvão, por exemplo. 

Tipos de compostagem

O processo é geralmente dividido em dois tipos: vermicompostagem e micro-organismos. A primeira, vermicompostagem, é realizada com a presença de minhocas californianas de origem Europeia.

O resultado é o húmus da minhoca que atua na melhoria das características físicas, químicas e biológicas do solo. Para um bom resultado, alguns cuidados extras são exigidos: não se deve colocar alimentos cítricos ou cozidos, ossos, queijos e processados. 

Já no processo por micro-organismos não há presença de minhocas, ela é feita exclusivamente pelos resíduos. O resultado é um composto orgânico que também atua na melhoria das qualidades do solo. É mais fácil de controlar quando comparado com a vermicompostagem.

Como fazer compostagem doméstica de micro-organismos

A compostagem em pequena escala é utilizada, em geral, em residências, e você pode ter uma na sua casa. Mas, antes de sair criando sua compostagem, é preciso entender que ela não é uma prática baseada somente em depositar os resíduos orgânicos.

Algumas variáveis precisam ser controladas no ambiente interno das caixas da composteira, como temperatura, umidade e pH. Veja algumas dicas para começar a sua!

Passo 1: escolha do local adequado

Escolha um local arejado ou ao ar livre, mas cuidado para que ela não fique exposta ao sol, à chuva e ao vento. 

Passo 2: escolha o recipiente

A composteira pode ser uma lata de lixo grande ou um balde de plástico, por exemplo. É necessário fazer alguns furos no fundo do recipiente para que o líquido do material orgânico em decomposição possa passar.

Embaixo, deve haver outro recipiente para armazenar esse líquido, como uma bacia mais rasa, por exemplo. Porém, ela não pode ficar em contato direto com a composteira, é preciso de espaço para que os materiais se separem. 

Passo 3: prepare os resíduos

Misture o lixo da sua cozinha e do seu jardim. O ideal é ter mais resíduos marrons (serragem, folhas secas, papelão e folhas de jornal) do que verdes (frutas, vegetais, grama, borra de café). 

Essa divisão é importante pois os elementos marrons são ricos em carbono, enquanto que os verdes contribuem com nitrogênio. Seu composto também precisa de oxigênio e umidade; por isso, caso o material fique muito seco, acrescente um pouco de água.

Tenha atenção com materiais que não devem ser utilizados, como, por exemplo, carnes, óleos e gorduras, fezes de animais domésticos, pão e massas, temperos fortes (alho, pimenta) e limão.

Passo 4: distribua o material na composteira

O segredo para acelerar o processo de decomposição é distribuir o material em camadas: uma de nitrogênio (material úmido) para três de carbono (material seco, como folhas, papelão e serragem).

Passo 5: adube o seu solo

Agora é só esperar para poder recolher o material e adubar o solo. Ao longo das próximas semanas, os restos de comida vão se transformar em solo. 

Quando tiver aspecto e cheiro de terra, o seu composto estará pronto. Lembre-se de que ele não é um substituto para a terra, mas sim um fertilizante natural para nutri-la.

Como citamos anteriormente, o resíduo orgânico pode, além de virar adubo, ser uma solução para produzir energia elétrica. Continue no blog e veja como a WEG tem aproveitado os resíduos sólidos urbanos para produzir energia.