Tag: museu

pai-do-eletroima

William Sturgeon: o pai do eletroímã

Hoje, em 22 de maio de 1783, nascia no Reino Unido o físico Willian Sturgeon. Ele foi o responsável por…

Hoje, em 22 de maio de 1783, nascia no Reino Unido o físico Willian Sturgeon. Ele foi o responsável por uma das invenções que alterou o curso da história: o eletroímã. A partir dele, outros dispositivos centrais da tecnologia moderna puderam surgir, como o telégrafo e o motor elétrico.

A vida antes e depois da física

Willian Sturgeon nasceu em Whittington, em Lancashire, um dos condados da Inglaterra, onde foi aprendiz de sapateiro. Ele se juntou ao exército em 1802 e se dedicou ao ensino de matemática e física.

Autodidata em fenômenos elétricos e ciências naturais, passou muito tempo lecionando e conduzindo experimentos elétricos. Em 1824, tornou-se professor de Ciências e Filosofia no Royal Military College, em Addiscombe, Surrey. Foi no ano seguinte que Sturgeon apresentou seu primeiro eletroímã.

Como se deu a invenção?

Sturgeon curvou uma barra de ferro comum, criando o formato de uma ferradura. Depois, a revestiu com verniz e enrolou com fio de cobre desencapado. Quando provocou a passagem de corrente gerada por uma pilha voltaica pelo fio, a ferradura se tornou um imã capaz de sustentar o peso de quase 4 quilos, o que representava muito para a época. Surgia, assim, o eletroímã.

pai-do-eletroima-2

Outros inventos e estudos

Em 1832 o físico também inventou o comutador, parte integrante dos motores elétricos mais modernos. Em 1836, ano em que fundou a revista mensal Annals of Electricity, Willian Sturgeon inventou o primeiro galvanômetro de bobina suspenso, um dispositivo para medir a corrente.

Ele também melhorou a bateria voltaica e trabalhou na teoria da termoeletricidade. De mais de 500 observações de pipa, estabeleceu que, em climas serenos, a atmosfera é invariavelmente carregada positivamente em relação à Terra, tornando-se mais positiva com o aumento da altitude.

Aplicações práticas

O eletroímã é, basicamente, um imã obtido por meio de corrente elétrica, portanto um imã não natural. É o que faz, por exemplo, o motor elétrico funcionar, já que sua base é composta pela repulsão entre dois ímãs, um natural e o eletroímã.

O eletroímã também é usado em campainhas, telefones, aparelhos de telégrafo, relés, alto-falantes, relógios elétricos, ventiladores, geladeiras, lavadoras, batedeiras, geradores, chaves automáticas, disjuntores. Guindastes com eletroímãs são usados para carregar e descarregar ferro, e para separar o ferro e o aço de outros materiais. O eletroímã é parte importante de uma infinidade de outros aparelhos, dispositivos e máquinas.

Conheça agora outras pesquisas e inventos que, juntos, ajudaram a dar origem ao motor elétrico.

museus-sc

10 Museus diferentes em Santa Catarina que você precisa conhecer

A poucos quilômetros do Museu WEG de Ciência e Tecnologia, acervos dedicados a diferentes áreas do conhecimento estão acessíveis ao…

A poucos quilômetros do Museu WEG de Ciência e Tecnologia, acervos dedicados a diferentes áreas do conhecimento estão acessíveis ao público geral. São museus criados e mantidos por instituições públicas e privadas, com o objetivo comum de preservar, pesquisar e expor objetos de caráter cultural ou científico.

Este é o propósito que justifica a existência destes espaços. A Lei 11.904, de 2009, ao instituir o Estatuto de Museus no Brasil, criou uma definição específica no âmbito nacional:

“Consideram-se museus, para os efeitos desta Lei, as instituições sem fins lucrativos que conservam, investigam, comunicam, interpretam e expõem, para fins de preservação, estudo, pesquisa, educação, contemplação e turismo, conjuntos e coleções de valor histórico, artístico, científico, técnico ou de qualquer outra natureza cultural, abertas ao público, a serviço da sociedade e de seu desenvolvimento.”

Outro dia nós mostramos aqui museus que são referência no fomento à ciência e tecnologia no país. Hoje vamos concentrar nossa atenção em Santa Catarina e na região de Jaraguá do Sul, onde fica o Museu WEG, mas com uma proposta diferente. Mapeamos alguns museus dentro desta delimitação geográfica, porém a partir das tipologias, ou seja, do tipo de acervo que salvaguarda e sua narrativa.

Antropologia e Etnografia: coleções relacionadas às etnias, voltadas para o estudo antropológico e social das diferentes culturas. Acervos folclóricos, artes e tradições populares, indígenas, afro-brasileiras, do homem americano e do homem do sertão, por exemplo, compõem essa tipologia.

Museu Nacional do Mar – São Francisco do Sul/SC

Arqueologia: coleções de bens culturais portadores de valor histórico e artístico, procedentes de escavações, prospecções e achados arqueológicos.

Museu Arqueológico de Sambaqui – Joinville/SC

museus-sc

Artes Visuais: coleções de pinturas, esculturas, gravuras, desenhos, incluindo a produção relacionada à arte sacra.

Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) – Florianópolis/SC

Ciências Naturais e História Natural: bens culturais relacionados às Ciências Biológicas (Biologia, Botânica, Genética, Zoologia, Ecologia etc.), às GeoCiências (Geologia, Mineralogia etc.) e à Oceanografia.

Museu Oceanográfico Univali – Piçarras/SC

museus-sc

História: bens culturais que ilustram acontecimentos ou períodos da História.
Museu Histórico Emílio da Silva, Museu Wolfgang Weege e Museu da Paz – Jaraguá do Sul/SC
Imagem e Som: documentos sonoros, videográficos, filmográficos e fotográficos.

Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina (MIS) – Florianópolis/SC

museus-sc

Virtual: bens culturais que se apresentam mediados pela tecnologia de interação cibernética (internet).

Museu Virtual Memória da Propaganda

Ciência e Tecnologia: bens culturais representativos da evolução da História da Ciência e da Técnica.

Museu WEG de Ciência e Tecnologia – Jaraguá do Sul/SC
Agora que já foi apresentado, aproprie-se destas informações para montar sua agenda cultural quando vier a Santa Catarina. E se você mora na região, bom, aí não faltam motivos para começar já sua incursão e enriquecer seu conhecimento sobre as descobertas do homem e sua relação com diferentes povos, culturas e valores.

museu-acessivel-4

O que faz do Museu WEG um dos 5 mais acessíveis do Brasil

Fazer valer o direito constitucional de ir e vir, através de espaços mais inclusivos e acessíveis, é o ideal que…

Fazer valer o direito constitucional de ir e vir, através de espaços mais inclusivos e acessíveis, é o ideal que organizações públicas e privadas, em menor ou maior grau, vem perseguindo. O Museu WEG de Ciência e Tecnologia faz parte desse movimento e está entre os cinco museus com mais acessibilidade no Brasil.

E o que isso significa?
Segundo o decreto-lei 5296, que normatiza a questão no Brasil, acessibilidade é a “condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida”.

Assim, a acessibilidade é uma forma de resguardar o direito a toda a pessoa, independentemente de sua condição, para que ela possa ingressar e transitar em diferentes lugares, além de ter acesso à informação disponível em variados meios.

Com uma proposta tecnológica e interativa, o Museu WEG possui uma estrutura preparada para receber quem desejar conhecer e, principalmente, apropriar-se do conhecimento nele disponível com autonomia. Além do suporte físico, conta com uma equipe treinada para receber visitantes com necessidades especiais.

Conheça os recursos e equipamentos acessíveis:

museu-acessivel-4 museu-acessivel-4 museu-acessivel-4 museu-acessivel-4

professir

Museu WEG de Ciência e Tecnologia oferece Programa de Capacitação para professores

Programa voltado para professores do ensino fundamental e médio das redes municipais e estaduais e particulares.

O Museu WEG sempre realizou visitas guiadas para grupos, sendo em sua maioria grupos escolares. Desde sua reinauguração em 2014, passou a desenvolver e aplicar ações educativas voltadas para as escolas, com temáticas, programações e conteúdos específicos, a fim de dinamizar o processo de comunicação dos espaços do museu, tornando estas ações em ferramentas educacionais, melhorando o diálogo entre museu x escola.

O Programa de Capacitação para Professores vem ao encontro deste processo, onde oportuniza o professor a conhecer as ações desenvolvidas no museu e os potenciais para tornar este momento uma extensão da sala de aula, do mesmo modo que o engaja para que dê continuidade da temática trabalhada em sala de aula e o responsabiliza em orientar o aluno para que ele, de uma maneira mais autônoma, construa a sua experiência e o seu conhecimento durante a visita.

Para participar da programação o Museu convida os professores do ensino fundamental e médio das redes municipais e estaduais e das escolas particulares de toda a microrregião.

As inscrições vão do dia 19.03 até o dia 30.03.

A capacitação será dividida por 7 módulos, sendo que um independe do outro (o professor poderá escolher qual módulo quer participar, sem restrição de participação).

Módulos:                                                                                                 Data

Módulo 1: Minha Cidade Sustentável                                                 02/04/2018

Módulo 2: Fenômenos Eletromagnéticos                                          05/04/2018

Módulo 3: A Evolução das Máquinas e a Revolução Industrial      06/04/2018

Módulo 4: Montando um Motor Elétrico Didático                             09/04/2018

Módulo 5: Histórias e Culturas de Jaraguá do Sul                            11/04/2018

Módulo 6: Gerando e Transformando Energia                                   13/04/2018

Módulo 7: Também sou Cientista                                                        16/04/2018

 

Metodologia:

- Nome: Programa de Capacitação para Professores

- Data: 02 a 16/abril

- Horários: 14h às 17h ou 18h30 às 21h30

- Duração: 3 horas (haverá entrega de certificado de participação)

- Local do curso: Museu WEG de Ciência e Tecnologia

- Período para inscrições: 19 a 30/03

- Inscrições: inscrições encerradas

Mais informações pelo telefone 3276-4551 ou museu@weg.net

museus-1

Conheça museus que fomentam a Ciência e Tecnologia pelo Brasil

Assim como o Museu WEG, o Brasil conta com diversas outras iniciativas, privadas e públicas, para registrar a história e…

Assim como o Museu WEG, o Brasil conta com diversas outras iniciativas, privadas e públicas, para registrar a história e fomentar a ciência e tecnologia em diferentes espaços. Por acreditar que o intercâmbio, a troca de conhecimento e o aprendizado contribui para o enriquecimento cultural e científico, apresentamos aqui outros museus no país que tem a interatividade como um dos seus pontos fortes e, acima de tudo, a ciência e tecnologia no seu DNA.

Museu de Ciência e Tecnologia (MCT) – PUCRS 

museus-2

 

Suas coleções abrigam um vasto acervo de fósseis, espécimes representantes da biodiversidade e peças provenientes de escavações arqueológicas, que são objetos de pesquisa de mestrandos e doutorandos de várias partes do mundo.
As exposições no museu gaúcho são elaboradas para despertar a curiosidade e o gosto pelas ciências, valorizando a participação do visitante com experiências lúdicas e inusitadas. São cerca de 700 experimentos interativos, em 22 áreas do conhecimento.

Os eventos e atividades também são outro atrativo para públicos distintos, como Férias no Museu, Aniversário genial, Minuto da Ciência e show de eletrostática.

Catavento Cultural e Educacional

museus-3

Tocar um meteorito de verdade, encontrar Gandhi em uma escalada, conhecer o corpo humano por dentro, entender como funciona um gerador de energia ou ainda descobrir que o Sol, visto de perto, não é tão redondo como parece quando se está na praia. São estas algumas das experiências proporcionadas no Catavento Cultural.

O museu fica em São Paulo e, dividido entre os eixos Universo, Vida, Engenho e Sociedade, tem como atrações o miniplanetário, o passeio digital, a seção de eletromagnetismo e o aquário com peixes de água salgada.

Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST

museus

Uma iniciativa pública, vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, o MAST tem sua sede na cidade do Rio de Janeiro. É o lugar ideal para quem se interessa pelo espaço sideral e seus elementos: estrelas, planetas e cometas.

O acervo do MAST conta com aparelhos usados pelo Observatório Nacional (ON) para a observação da luz dos astros, como diversos tipos de luneta. No Programa de Observação do Céu, o público pode fazer visitas noturnas para enxergar através de telescópios, binóculos e até por uma luneta centenária.

Museu de Ciência e Técnica da Escola de Minas

museus

No prédio da primeira instituição brasileira a formar geólogos, em Ouro Preto, funciona o Museu de Ciência e Técnica da Escola de Minas. Nele, o visitante pode conferir de perto fósseis e esqueletos de animais atuais, como porco, golfinho e ornitorrinco.

Um dos destaques é a sala de mineralogia, onde estão expostas rochas e minerais do mundo inteiro. O passeio termina em uma sala onde crianças e adultos podem se divertir com experimentos científicos de eletricidade, cinética e ótica.

A diversidade do nosso país se reflete na composição e na diversidade dos acervos museológicos. Anote essas indicações e, quando visitar alguma dessas cidades, aproveite para se divertir ao mesmo tempo em que aprende sobre ciência e tecnologia.

magnetismo

O magnetismo e sua relação com o motor

Certamente você já ouviu – e também usou – aquela famosa expressão “pólos iguais se repelem e os diferentes se…

Certamente você já ouviu – e também usou – aquela famosa expressão “pólos iguais se repelem e os diferentes se atraem”. Na verdade, essa frase resume a essência das propriedades dos ímãs. Formados por duas extremidades, os pólos norte e sul, são chamados assim em referência ao campo magnético da Terra.

Sua importância é tal que o ímã tem uma área exclusiva para estudar os fenômenos, denominada magnetismo. Os primeiros estudos surgiram no século VI a.C., mas foi no século VI que ela passou a ser aplicada na prática, com os chineses. A bússola foi a primeira invenção baseada na interação do campo magnético de um ímã (a agulha) com o campo magnético terrestre.

magnetismo

Até o século XIX, magnetismo e eletricidade eram considerados fenômenos completamente distintos. Quando essa relação passou a ser feita provocou uma verdadeira revolução nas pesquisas. Surgia a teoria do eletromagnetismo, segundo a qual cargas elétricas em movimento geram campo magnético e este em movimento gera corrente elétrica.

A partir daí, foi um boom de invenções que mudariam o curso da história, a começar pelos motores elétricos, que impulsionaram a era industrial no planeta. A produção de energia nas usinas hidrelétricas, raios-X, cartões magnéticos, ondas de rádio e televisão, aparelhos de telecomunicação. As ondas eletromagnéticas estão presentes onde quer que seja e fazem o mundo funcionar.
Venha conhecer mais sobre essa área da ciência aqui no Museu!

inventores

O que seria da Ciência sem os inventores!?

Feijão sem arroz, café sem leite, circo sem palhaço, vitrola sem som. Tem coisas que é difícil imaginar dissociadas. Pensa…

Feijão sem arroz, café sem leite, circo sem palhaço, vitrola sem som. Tem coisas que é difícil imaginar dissociadas. Pensa então o que seria da Ciência sem os inventores? Não tem sentido, não é mesmo? Afinal, a ciência é fonte de descobertas incríveis e de invenções revolucionárias.

Hoje, comemora-se o Dia do Inventor no Brasil. Mas você sabe o que é invenção? Por definição, ela é o ato de criar uma nova tecnologia, processo ou objeto, ou aperfeiçoá-los. É diferente de descoberta, situação em que um novo conhecimento pode ser adquirido ao acaso, sem um esforço direcionado.

Assim, o inventor é quem pesquisa. A invenção geralmente está ligada à resolução de um problema prático. É resultado de uma atividade tecnológica e a motivação costuma ser técnica.

inventores

Quer um exemplo prático?

A eletricidade foi uma das principais invenções da humanidade. Sua história começa no início do século VI a.c., na Grécia Antiga, quando o filósofo Thales de Mileto descobriu uma resina fóssil petrificada chamada âmbar, ou elektron em grego.

Ao esfregar sobre a pele e lã de animais, Thales observou que o âmbar atraía objetos leves como palhas e fragmentos de madeira. A partir daí, iniciaram os estudos sobre a eletrificação e eletricidade, resultando em incontáveis invenções que foram sendo aperfeiçoadas e estão presentes no nosso dia a dia.

Quer saber mais sobre eletricidade? Faça um tour virtual pelo nosso site e saiba o que te espera no Museu WEG.

acervo-historico-museu-weg

Curiosidade: você conhece o nosso acervo?

Você sabia que o nosso museu possui um acervo com mais de 50 mil itens? E que ele precisa de…

Você sabia que o nosso museu possui um acervo com mais de 50 mil itens? E que ele precisa de um cuidado super especial? Assim como a maioria dos museus, aqui também há um importante arquivo com vários documentos que são importantes para contar a história da empresa WEG e do desenvolvimento econômico de Jaraguá do Sul. São eles que confirmam a veracidade de tudo, por isso precisam ser conservados.
(mais…)

museu-weg-guerra-das-correntes

A batalha das correntes: um fato histórico digno de filme

Se houvesse um duelo entre grandes nomes da ciência, como Thomas Edison e Nikola Tesla, para quem você iria torcer?…

Se houvesse um duelo entre grandes nomes da ciência, como Thomas Edison e Nikola Tesla, para quem você iria torcer? Apesar da batalha ser figurada, a luta entre os dois cientistas existiu, mas de uma maneira mais sutil. O primeiro defendia o sistema de corrente contínua, enquanto o segundo tentava provar a eficiência da corrente alternada, usada até hoje.
(mais…)

museu-weg-01

5 atrações indispensáveis para você interagir no museu

Se você ainda não conhece o Museu WEG de Ciência e Tecnologia, nós preparamos bons motivos para conhecer. O nosso…

Se você ainda não conhece o Museu WEG de Ciência e Tecnologia, nós preparamos bons motivos para conhecer. O nosso acervo conta os principais fenômenos científicos sobre ciência e tecnologia, mas de um jeito bem diferente, muito interativo e dinâmico. Pensando nisso, nós selecionamos 5 atrações indispensáveis para você interagir no museu e descobrir como aprender pode ser muito divertido.
Mapeamento do Campo Elétrico

Mapeamento-Eletrico

 

Assim como a força da gravidade, a força elétrica atua à distância. Objetos com cargas elétricas, ou seja, corpos eletrizados, agem uns sobre os outros graças à criação de um campo elétrico.

Esse campo é constituído por linhas de forças, que podem ser mapeadas, uma a uma. Dependendo de como as cargas estão dispostas, as linhas apresentam configurações diferentes.

E é aí que está o pulo do gato. No gerador de Van de Graaf, é possível visualizar, em duas dimensões, o campo produzido por duas cargas de sinais opostos, o eletrodo positivo e o negativo.

Na demonstração do fenômeno, são usadas sementes de mostarda, que se orientam por indução e mapeiam as linhas de força do campo elétrico. Uma oportunidade incrível para você ver a transformação acontecer e entender como funciona nos objetos do cotidiano.

Prancheta Virtual 

Como são os componentes da parte interior dos geradores, transformadores e motores elétricos?

No aplicativo da prancheta virtual, você pode conhecer e descobrir cada detalhe por trás destas invenções tão importantes.

Basta tocar na peça apresentada na tela, que ela irá mostrar o design interno e os componentes de cada equipamento, como se fosse um raio-x.

Maquete

Maquete-museu-weg

 

Já pensou em ter uma visão ampla e completa de Jaraguá do Sul? Aqui no museu isso é possível com a nossa maquete.

Com uma projeção interativa de luz e som, você pode viver uma experiência única, conhecendo os principais pontos históricos, turísticos e culturais da cidade, além de ter um conhecimento macro da localização de cada fábrica da WEG.

Poço de Boas-Vindas

Poço-museu-weg

 

Em quantas línguas você sabe dizer “Bem-vindo”? Aqui no museu, aprendemos várias.

Afinal, a WEG está presente em tantos países, que homenagear e receber bem todas as pessoas no espaço dedicado à comunidade e turistas é uma maneira de agradecer a reciprocidade.

Como nada aqui é muito óbvio, criamos uma maneira de dar boas-vindas de um jeito divertido e curioso, que só descobre quem interage com a obra.

WEG no Mundo  

WEG-Mundo

 

Aqui, você verá com olhos diferentes a presença mundial da WEG. Vai descobrir sobre todos os parques fabris, filiais e representações em cada continente.

É como viajar no mundo sem sair do lugar. Basta selecionar o país, que o globo se movimenta e você confere todas as curiosidades sobre a unidade. São tantas informações, que você vai se surpreender.

E aí, já sabe quando será sua visita no museu? O horário de funcionamento é de terça a domingo, das 10h às 18 horas e a entrada é gratuita.

E não se esqueça de fazer uma foto e publicar nas suas redes sociais com a hashtag #MuseuWEG ;)