Tag: comunidade

capa

Música e Qualidade de Vida

A Música apresenta uma grande influência na qualidade de vida das pessoas e possui condições suficientes para ser um instrumento terapêutico, no que diz respeito ao alívio das tensões.

Os conflitos do dia-a-dia, assim como o “stress” colaboram para que o indivíduo se torne cada vez mais afastado de si e longe de seu referencial enquanto pessoa. Sob o ponto de vista de que educação é um processo que modifica o indivíduo, a música pode ser um referencial positivo para tal afirmação.

Escutar um som é educar-se, é escutar-se por dentro. Neste caso, a música não pode ser vista como uma substância ou matéria, mas como um instrumento provocador de mudança. Ouvir com o corpo, com a alma, é mudar, é reconstruir novas ideias, novos pensamentos. Sendo assim, um ponto de partida para promover saúde mental na sua totalidade.

A música é antiga, como a humanidade, ela sempre ocupou um lugar de destaque entre os povos, pois sua linguagem é universal. Seu valor é imensurável, atua como um feitiço, pois possui um efeito que desperta os mais nobres sentimentos até o desencadeamento dos mais baixos instintos. Possui características próprias. Pode ao mesmo tempo exteriorizar o júbilo; a tristeza; o amor; a crença e a vontade. Música é vida, é emoção; é movimento, é sentimento, é mudança.

Não existe sequer uma partícula da essência do ser humano ou da vida, que escape da influência da música. O Cosmos e a natureza estão cheios de sons, para serem ouvidos e explorados.

Todos os seres humanos nascem com capacidade musical, voz e ouvido e cada um a utiliza conforme seu temperamento, educação, cultura, raça e época.

A música também funciona como instrumento para promover saúde mental, pois atua diretamente no sistema nervoso, a energia advinda dela e a força vibratória do som, podem provocar respostas psicológicas satisfatórias para estabelecer um ambiente propício facilitando o processo curativo e bem estar.

No passado, os gregos descobriram este caminho, através de civilizações anteriores, utilizavam a música como tratamento, era uma espécie de remédio para a alma, criam que tocando a alma com o som, o corpo era livre das doenças.

Hoje havendo passado milhares de anos a teoria fortificou-se ainda mais, estudos incansáveis, conseguiram provar que os gregos estavam certos. A música pode ser aplicada para ação terapêutica.

Nos Estados Unidos o centro médico Kaiser utiliza a música como tranqüilizante, os pacientes ouvem, selecionam as músicas clássicas e atingem um grau de relaxamento. Em vários relatos destes médicos e enfermeiras, vítimas de derrame. Eles conseguiram recuperar a fala. A música reduz o “stress” e traz uma profunda calma ao espírito.

A musicoterapia trouxe uma grande contribuição para esta área. Os profissionais utilizam especialidades tais como a música, o som, o silêncio, os instrumentos musicais para provocar respostas positivas. O profissional musicoterapeuta intui, propõe, intervém, instala modelos, acompanha o indivíduo a cada momento.

A música tem como finalidade, provocar idéias e pensamentos novos, aumentar a memória, reduzir o “stress” e melhorar a qualidade de vida.

 

A relação da WEG com a música

 

Dia 01 de outubro comemorou-se o dia da Música e dia 22 de novembro é o dia do Músico e estamos aqui, para incentiva-lo a buscar a música como instrumento para a qualidade de vida e bem estar, a WEG patrocina alguns projetos de música na cidade de Jaraguá do Sul através da Lei Rouanet de Incentivo a Cultura, os projetos se entrelaçam passando a ser uma grande escola musical.

Projeto Música para Todos (MPT) – SCAR

Poderia ser apenas um projeto de formação musical. Mas o MPT é muito mais: um projeto social capaz de mudar a vida de seus participantes para melhor. O projeto Música para Todos (MPT) é um processo de educação musical abrangente, que promove a formação de crianças, jovens e adultos. Em atividade desde 2003, o MPT alia tradição e reconhecimento, já tendo formado mais de 3 mil alunos. Crianças, jovens e adultos aprendem música de forma gratuita em mais de 20 instrumentos, além de receber aulas de educação musical, canto coral e prática de conjunto, num sistema de ensino eficaz e completo para a educação artística de novos talentos. A seleção abre no início do ano e toda a comunidade pode participar.

Orquestra Jovem – SCAR

Estudantes de música de Jaraguá do Sul e região reúnem seus talentos em uma só orquestra, ganhando experiência ao mesmo tempo em que levam sua arte para a comunidade. Na Orquestra Jovem da SCAR, 40 músicos se preparam para os desafios profissionais da música, capacitando-se para ingressar em universidades, conservatórios e grandes orquestras.

Orquestra Filarmônica – SCAR

Composta por 40 músicos com ampla experiência, a Orquestra Filarmônica da SCAR tem se estabelecido como uma das mais atuantes orquestras catarinenses. Seus projetos de circulação têm percorrido o estado formando plateias, estimulando a carreira dos músicos participantes e encorajando a formação de novos artistas. Com concertos que combinam repertório erudito e popular, a Orquestra Filarmônica da SCAR populariza o gênero e preserva a música ativa na região.

FEMUSC – Instituto FEMUSC

O Festival de Música de Santa Catarina, também conhecido como Femusc, é o maior festival-escola não competitivo do Brasil, realizado anualmente na cidade de Jaraguá do Sul. Reúne músicos profissionais e estudantes, que dividem a sala de aula em formações específicas para instrumentos musicais, regência, bandas e outras combinações, e compartilham o palco em grandes apresentações abertas ao público, com entrada franca. Ao longo da programação, que costuma contar com duas semanas ininterruptas, o público é convidado a interagir com os músicos, provindos de mais de 15 países, seja durante as apresentações, que transcendem os teatros e casas especializadas e chegam a igrejas, escolas e entidades comunitárias em toda a região de Jaraguá do Sul, seja ao longo dos dias de convivência, em que os músicos circulam pela cidade e conhecem as atrações turísticas do Vale do Itapocu.

imagem

 

Fonte: pesquisa de Ana Lúcia Feitosa Belem, 2002 pela Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro/RJ