Entrevista

Conheça o jaraguaense que trabalha com aceleradores de partículas na Suécia

O avanço da tecnologia exige ferramentas cada vez melhores, já falamos aqui sobre os tipos de aceleradores de partículas e…

21 de setembro de 2018
...

O avanço da tecnologia exige ferramentas cada vez melhores, já falamos aqui sobre os tipos de aceleradores de partículas e como existem profissionais em laboratórios gigantescos, descobrindo coisas sobre nossa saúde, existência e matéria. Algo comum para pesquisadores, porém um mistério para a população em geral. Mas não para o jaraguaense Rafael Baron, com quem tivemos uma conversa super inspiradora que você poderá ler logo abaixo.

O Rafael foi o primeiro funcionário dedicado ao projeto Sirius, laboratório de aceleradores de elétrons de Campinas, um dos mais sofisticados do planeta. Hoje, o engenheiro de Jaraguá do Sul trabalha na Suécia, no European Spallation Source ERIC (ESS), um dos maiores projetos de infraestrutura de ciência e tecnologia que está sendo construído atualmente. O projeto e a construção das instalações incluem o acelerador de prótons linear mais potente já construído.

Ficou curioso? Então embarque com a gente nessa viagem para dentro do ESS! Confira a entrevista exclusiva abaixo com o Rafael!

Museu WEG: Como você chegou até o European Spallation Source ERIC e como começou a trabalhar com aceleradores de partículas? É uma paixão antiga ou descobriu depois de alguma experiência?

Rafael: Essa é uma pergunta muito interessante, pois ela tem muita relação com minha vida e meus amigos de Jaraguá do Sul. Estudei praticamente a minha vida inteira no Colégio Jaraguá, e me lembro frequentemente de coisas que aprendi na escola, sejam estes ensinamentos para a vida ou ensinamentos técnicos. Sou muito grato a todos os meus colegas, professores, zeladores, guardas, o pessoal da cantina, etc. Todos foram muito importantes na formação.

“A minha relação inicial com a engenharia é estreitamente relacionada com a música.”

Eu sempre gostei muito de violão, então comecei a fazer um curso de música quando tinha aproximadamente 13 anos. Ao mesmo tempo, eu sempre gostei de vasculhar os equipamentos eletrônicos que tínhamos em casa. Até que um dia decidi fazer meu próprio amplificador de guitarra. E foi aí que tudo começou. Precisei visitar muitas vezes a biblioteca pública, a UNERJ, falar com diferentes pessoas, pesquisar muito sobre o assunto, e isso me fez aprender muito.

Além disso, uma pessoa muito importante nesta etapa foi um jaraguaense muito conhecido na região, o Sr. Zehnder. Eu lembro que, sempre que possível, eu visitava a loja de rádios e componentes eletrônicos aos sábados de manhã para conversar com seu Zehnder sobre amplificadores valvulados. Até que um dia ele me deu algumas válvulas velhas de rádio e eu iniciei o projeto de amplificador de guitarra valvulado.

Foi nessa época que aprendi muita coisa sobre sistemas eletrônicos. Quando não encontrava os componentes, transformadores e válvulas, eu ia até o lixão de Jaraguá (que ficava onde hoje é a Arena Jaraguá) para pegar componentes de rádios e televisões antigas. Aprendi muito com as pessoas que trabalhavam no lixão e pude também entender melhor as condições em que elas trabalhavam.

Depois de algum tempo, quando estava no terceiro ano do CEJA, eu estava muito em dúvida sobre qual área profissional seguir. Até que o pai de um amigo meu que trabalhava na WEG, Paulo Torri, me levou para uma visita na empresa. E foi aí que decidi realmente seguir a área de engenharia elétrica. Então comecei o curso na UDESC, em Joinville, mas ainda nos semestres iniciais passei no vestibular para a UNICAMP e decidi me mudar para Campinas (SP). Na UNICAMP, tive diversas oportunidades de trabalho e aprendizado, e foi no último ano de faculdade que eu consegui uma vaga para trabalhar com aceleradores, no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS).

Após um ano trabalhando com uma bolsa de iniciação científica, fui contratado como o primeiro funcionário dedicado ao projeto Sirius, onde trabalhei numa equipe fantástica que desenvolve sistemas de diagnóstico para aceleradores. Portanto, o meu trabalho com aceleradores foi algo que eu descobri devido ao LNLS em Campinas, que me possibilitou conhecer pessoas de diversos aceleradores no mundo. Após algum tempo, recebi uma proposta de emprego do ESS, a qual aceitei.

Museu WEG: Você pode comentar como é o dia a dia no ESS?

Rafael: No ESS, trabalhamos diariamente com pessoas de diversas nacionalidades. O ESS é um projeto muito internacional, onde aproximadamente metade dos funcionários são suecos e a outra metade são de outras 49 nacionalidades. As minhas responsabilidades são relacionadas com uma atividade denominada Líder de Sistema de um tipo específico de sistema do acelerador, o Monitor de Posição de Feixe (BPM – Beam Position Monitor). A minha equipe trabalha com diferentes grupos do ESS, mas também temos parceiros em diferentes países europeus, como por exemplo, Alemanha, Espanha e Itália. Reuniões entre essas equipes são frequentes e diárias, onde decisões precisam ser tomadas rapidamente.

Os suecos têm um horário de trabalho que vai de 9 horas da manhã até as 17 horas, sendo muito raro ver pessoas no escritório após este horário. Porém, durante este período as atividades são intensas. É frequente precisar trabalhar com alguma pessoa e descobrir que ela está em uma licença de trabalho, seja para aprimoramento técnico (cursos) ou então em licença paternidade/maternidade. Na Suécia temos essa interessante política, onde os pais que tem um filho, podem tirar auxílio parental de até 480 dias, divididos entre o pai e a mãe, sendo o pai obrigado a tirar pelo menos 3 meses de licença. Desta maneira os pais dividem o tempo de cuidado da criança nos primeiros meses de vida.

Museu WEG: Quais os projetos mais legais que já participou ou que está participando?

Rafael: Eu trabalho com diversos projetos no ESS. Mas o mais interessante é o Monitor de Posição do Feixe, onde o sistema é responsável por monitorar a posição e velocidade do feixe de elétrons ao longo do acelerador de 600 metros. Neste sistema, o monitoramento do feixe de prótons, composto por milhares de pequenos pacotes de prótons viajando a uma velocidade próxima a velocidade da luz (aproximadamente 300.000 km/s), distanciados de 2.8 nanosegundos (um bilionésimo de segundo), e detectados a uma taxa de 100 milhões de vezes por segundo em 4 monitores simultâneos, sincronizados em intervalos de tempo da ordem de femtosegundos! É feito por 100 BPMs espalhados ao longo dos 600 metros de acelerador. O sistema é responsável por monitorar a posição do feixe de Prótons no acelerador e também por fazer a leitura e correção da energia do feixe de Prótons.

Imagem-RafaelFoto aérea do acelerador, que fica em um túnel linear no subsolo

– Para ver mais fotos do ESS, clique aqui.

– Se você tem curiosidade de saber como é o ESS por dentro (lembre-se que ele ainda está em construção), o Rafael sugere que você assista a esse vídeo.

Museu WEG: Para você, qual a importância de um laboratório de aceleradores de partículas para a população?

Rafael: Aceleradores de partículas estão diretamente e indiretamente presentes em nossas vidas, diariamente. Vou citar alguns exemplos: Se observarmos os componentes que temos dentro de nossos celulares, relógios, computadores e outros equipamentos eletrônicos, poderemos observar que eles são compostos por diversos dispositivos menores, baseados em materiais que apresentam uma característica denominada semicondutividade. Durante a fase de desenvolvimento e as etapas da produção destes materiais semicondutores, esses dispositivos passam por aceleradores de partículas dos mais variados tipos. Para desenvolver o semicondutor, aceleradores como o Sirius, são usados para observar a estrutura do material. Na produção dos semicondutores, aceleradores chamados de implantadores de íons são utilizados para tal função.

Outro exemplo: quando temos alguma pessoa de nossa família que está com câncer e precisa passar por uma etapa de radioterapia, mal sabem os pacientes que a fonte de radiação vem de um acelerador linear, utilizado para gerar e implantar a radiação na região afetada e assim matar as células cancerígenas. Outros tipos de tratamentos de câncer, utilizando aceleradores de prótons combinados com ressonância magnética nuclear, estão sendo atualmente utilizados em alguns hospitais e, talvez, em breve teremos aceleradores melhores para tratamento da doença. Quem sabe, teremos equipamentos brasileiros para esta finalidade. A engenharia brasileira é muito capaz de desenvolver estes equipamentos.

Outra aplicação presente diariamente em nossas vidas está relacionada ao desenvolvimento de remédios. Durante sua fase de projeto, alguns são submetidos à radiação gerada por aceleradores de partículas para visualização e engenharia de sua estrutura molecular.

Diversos outros exemplos são possíveis, sendo estes somente alguns poucos tipos de aceleradores e suas utilizações.

***

Incrível, não é mesmo? O Rafael começou a se interessar por engenharia quando decidiu criar seu próprio amplificador de guitarra e hoje trabalha em dos mais importantes projetos de infraestrutura de ciência e tecnologia do mundo!

Ele ainda ressaltou a importância de compartilhar a realidade do ESS entre as pessoas interessadas em aprender sobre a área. Saber com tantos detalhes sobre sua profissão, e como os aceleradores de partículas estão tão presentes em nossa vida, foi realmente inspirador.

Agradecemos ao Rafael Baron por compartilhar sua experiência e conhecimento com todos nós. Agora, sua história é motivo de orgulho e exemplo para todos os jaraguaenses.

Febic

FEBIC: Museu WEG sediará a palestra “Eficiência Energética”

Imagine uma iniciativa que estimule a iniciação e a pesquisa científica. É isso que a FEBIC traz para o Pavilhão…

14 de setembro de 2018
...

Imagine uma iniciativa que estimule a iniciação e a pesquisa científica. É isso que a FEBIC traz para o Pavilhão de Eventos de Jaraguá do Sul, entre os dias 17 e 21 de setembro de 2018.

A FEBIC — Feira Brasileira de Iniciação Científica é um espaço para estudantes apresentarem ideias criativas e inovadoras em forma de projetos científicos, onde podem fazer experiências científicas, instigar a criatividade, a inovação, o uso de novas tecnologias e o comportamento sustentável.

A feira fornece um ambiente de integração e troca de experiências e este ano receberá estudantes e professores de 13 Estados e 4 países. A presença da comunidade incentiva as habilidades de alunos, professores e da escola no campo da pesquisa e abre oportunidade para instigar o desenvolvimento da curiosidade científica, nas suas dimensões histórica, social e cultural.

Entre os destaques do ano passado está o projeto “Hidrogel e Microrganismos: uma interação sustentável”, os responsáveis são os alunos Filipi Mesquita e Kauê Mesquita, de Palmares do Sul, Valmor Araújo, de Mostardas, e as orientadoras Kátia Airoldi e Juliana Hogetop da Escola Rural de Osório. O projeto científico alcançou os seguintes prêmios: 1°Lugar no Eixo Ciências Agrárias; 1°Lugar no quesito Inovação Científica e uma credencial para representar o Brasil na Genius Olympiad, em Nova York nos Estados Unidos.

thumbnail_Alunos-ir+úo-representar-a-regi+úo-em-Nova-YorkAlunos da Escola Rural ganharam prêmio para representar o Brasil na Genius Olympiad, em Nova York. Imagem: Jornal Bons Ventos

Museu WEG sediará palestra

Neste ano, no momento “Discutindo Ciências”, a FEBIC irá abordar um assunto de extrema importância e muito tratado aqui no Museu WEG. Por isso, estamos muito felizes de sediar a palestra “Eficiência Energética”, que busca impactar positivamente a racionalizar o insumo energia elétrica, possibilitando a redução das faturas de energia, redução de custos operacionais e até mesmo de manutenção.

Quando: 18 de setembro no Espaço de Eventos do Museu WEG.

Palestra: Eficiência Energética

Palestrante: Ademir Roberto Krause

Biografia: Formado em Eletrotécnica pelo Centro de Treinamento WEG. Engenheiro Eletricista pela FURB – Universidade Regional de Blumenau. Especialista em Comandos Elétricos, Eletrônica de Potência e Controle pela UFSC – Universidade federal de Santa Catarina. Finalizando Mestrado em Educação pela FUNIBER – Fundação Universitária Iberoamericana. Tem experiência em de 8 anos em ensaios de motores elétricos, ministrou aulas de eletricidade básica, comandos elétricos, bobinagem, acionamentos elétricos, medidas elétricas no SENAI, professor de Eficiência Energética na Pós-graduação Unisociesc e atua a mais de 10 anos no Centro de Treinamento de Clientes da WEG, ministrando cursos de Motores Elétricos, Comando e Proteção, Inversores de Frequência,
Eficiência Energética em Motores, Funções PLC incorporadas aos Inversores de
Frequência entre demais cursos.

A expectativa é receber pelo menos 30 participantes, entre alunos, professores e comunidade em geral. Ou seja, você também pode se inscrever! Para isso, basta acessar o site da FEBIC e completar sua inscrição.

Hist+¦ria

15 anos de Museu WEG: como tudo começou

Você sabia que o Museu WEG está instalado no mesmo prédio que abrigou a primeira sede da empresa? Visitar o…

05 de setembro de 2018
...

Você sabia que o Museu WEG está instalado no mesmo prédio que abrigou a primeira sede da empresa? Visitar o museu é retornar às suas raízes e descobrir muitas curiosidades. Neste 16 de setembro festejamos nossos 15 anos. Mas a nossa história começa bem antes disso, lá em 1982.

Foi quando o diretor superintendente da Eletromotores WEG S/A, Vicente Donini, durante a convenção anual de representantes da empresa, anunciou a criação de um acervo histórico. O Museu do Motor Elétrico teria como objetivo criar um registro da evolução dos motores elétricos.

O critério adotado para compor o acervo era a antiguidade das peças, que deveriam ter acima de 40 anos. E foi através de cartas, com pedidos de doações a empresas e pessoas chaves da área, que a coleta dos motores foi realizada. Em 10 meses, o museu já havia recebido 20 motores. A expectativa era captar 60 unidades para a inauguração oficial.

Primeiro-Motor
Primeiro motor produzido pela WEG: uma das primeiras peças do museu

Inicialmente o projeto ficava localizado no Parque Fabril WEG II, na área de administração das empresas, que contava com 210 metros quadrados de exposição permanente, e estava disponível para visitação de todos os colaboradores e visitantes da empresa.

A ação causou um grande envolvimento dos colaboradores, que se engajaram na causa em busca das peças e pesquisas realizadas em livros e revistas de motores antigos. A criação do museu era algo inédito, até então não havia registros no mundo de um museu exclusivamente de máquinas elétricas girantes.

Curiosidades

01 - A inauguração do Museu do Motor Elétrico ocorreu em 1986, no aniversário de 25 anos da WEG.

02 - Todos os pedestais para apoiar os motores eram feitos de troncos de madeiras de lei, com diversas espécies de árvores nativas, vindas de todo o país.

03 - As duas peças que despertavam mais interesse eram um motor fabricado em 1883, pela Damoulin Froment, de Paris, e o primeiro motor elétrico fabricado pela WEG, em 1961.

Criação do Museu WEG

Durante o evento de celebração dos 40 anos da empresa, em 2001, foi anunciada a criação do Museu WEG. A cerimônia contou com a presença de diretores, colaboradores, autoridades do município e comunidade. Com o novo projeto, a área de instalação do museu passaria para 960 metros quadrados, com estrutura para espaços interativos e exposições.

E foi assim que o Museu WEG foi instalado no prédio que, em 1961, foi a primeira sede da WEG, quando a empresa possuía apenas seis funcionários e abrigou a produção por cerca de quatro anos. A inauguração do Museu WEG aconteceu em 16 de setembro de 2003.

2001-WEG ADQUIRE
Em 2001, WEG adquire prédio onde esteve localizada sua primeira fábrica

Curiosidades

01 - Os três primeiros visitantes de honra foram os sócios fundadores da empresa, Eggon João da Silva, Werner Ricardo Voigt e Lilian Werninghaus, esposa de Geraldo Werninghaus.

02 - O sucesso do museu foi imediato. Com apenas um mês de funcionamento, mais de 4 mil visitantes passaram por ele, entre colaboradores, comunidade e turistas.

Um novo passo

Uma grande história foi construída de 1986 para cá. Em 2013, o Museu WEG completou 10 anos e passou por uma nova reformulação. O acervo, as atrações e layout foram renovados e o nome também mudou. Hoje o Museu WEG de Ciência e Tecnologia conta com o apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, um passo muito importante para o reconhecimento cultural.

Além do acervo fixo, o museu passou a ser um grande fomentador de cultura, abrigando ações educativas, exposições de arte, lançamentos de livros e apresentações musicais.

Curiosidades

01 - Hoje, o visitante do museu pode conhecer os conceitos básicos de física, essenciais para a compreensão da elétrica e do magnetismo.

02 - O visitante pode interagir com as atrações e descobrir na prática suas aplicações no dia a dia.

03 - Visitar o museu também é fazer uma história no tempo e conhecer a história da WEG e seu impacto para a cidade de Jaraguá do Sul.

DSC_0980-min
Museu Weg de Ciência e Tecnologia, acervo de 2018

Temos muito orgulho da nossa história e adoramos poder contá-la para você! Agora, que tal fazer uma visita a vivenciar de perto cada detalhe contado até aqui? Você é nosso convidado, venha conhecer o Museu WEG de Ciência e Tecnologia.

premio-nobel

Quais as 10 últimas descobertas premiadas pelo Nobel de Física?

O Nobel de Física é entregue anualmente pela Academia Real das Ciências da Suécia aos cientistas dos vários campos da…

O Nobel de Física é entregue anualmente pela Academia Real das Ciências da Suécia aos cientistas dos vários campos da Física. É um dos cinco Prêmios Nobel estabelecidos por Alfred Nobel em 1895, premiando as contribuições excepcionais na Física. Conforme o desejo de Alfred Nobel, o prêmio é administrado pela Fundação Nobel e os premidos são escolhidos por um comitê de cinco membros, eleitos pela Academia Real das Ciências da Suécia.

O primeiro Nobel de Física foi entregue em 1901 ao alemão Wilhelm Röntgen. Cada premiado recebe uma medalha de ouro, um diploma e uma quantia em dinheiro, que é decidida pela Fundação Nobel previamente. A premiação acontece anualmente em Estocolmo no dia 10 de dezembro, o aniversário da morte de Alfred Nobel.

Mas quais foram as 10 últimas descobertas premiadas pelo Nobel de Física? Vamos descobrir a seguir:

2017
O prêmio foi para o time que descobriu as ondas gravitacionais, um fenômeno que Einstein previu, mas que jurava que jamais encontraríamos: Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne, todos dos Estados Unidos.

2016
David Thouless, Duncan Haldane e Michael Kosterlitz receberam o prêmio por seus trabalhos sobre os isolantes topológicos, materiais “exóticos” que em temperaturas mais altas, criam o quarto estado de matéria, o plasma. Mas em temperaturas extremamente baixas, desenvolvem supercondutividade e a superfluidez.

2015
Takaaki Kajita e Arthur B. McDonald, pela descoberta das oscilações dos neutrinos, que demonstram que estas enigmáticas partículas têm massa.
A descoberta de ambos os físicos “mudou nossa compreensão do funcionamento mais profundo da matéria e pode ser crucial para nossa visão do universo”, disse a Academia de Ciências da Suécia, que concede o prêmio anualmente.

2014
Por muitos anos, a indústria teve à sua disposição LEDs de cor vermelha e verde. No entanto, para obter luz LED branca, era necessário ter a componente azul. Nos anos 1990, os cientistas Isamu Akasaki e Hiroshi Amano e Shuji Nakamura conseguiram produzir essa luz, possibilitando o uso de LEDs para iluminação.

2013
François Englert e Peter Higgs receberam premiação por trabalhos sobre o bóson de Higgs, peça que faltava para legitimar o Modelo-Padrão da Física. Segundo esta teoria, formulada nos anos 1960, o universo é composto de 32 elementos fundamentais. O bóson de Higgs era o único desses elementos cuja existência fora inferida, mas nunca comprovada.

2012
Serge Haroche e David Wineland, por pesquisas em óptica quântica que possibilitaram a construção de relógios extremamente precisos e marcaram o primeiro passo para computadores extremamente rápidos.

2011
Os cientistas norte-americanos Saul Perlmutter, Adam Riess e Brian Schmidt receberam o Nobel de física de 2011 por pesquisas que mostraram como a expansão do Universo estava acelerada. Os estudos se basearam na observação da luz de supernovas – explosões que marcam o fim da vida de estrelas com muita massa.

2010
Andre Geim e Konstantin Novoselov receberam a premiação por experimentos inovadores com grafeno, um material mais forte que diamante, condutor de calor e superflexível. Um material revolucionário que transformou a eletrônica, em particular a construção de computadores e transistores.

2009
Charles Kao, Willard Boyle e George Smith, por pesquisas sobre a fibra óptica e os semicondutores, responsáveis por importantes avanços tecnológicos na telefonia, transporte de dados e fotografia.

2008
Este Prêmio Nobel de Física foi dividido entre dois cientistas. Yoichiro Nambu descobriu o mecanismo de simetria quebrada espontânea na física subatômica, e Makoto Kobayashi e Toshihide Maskawa descobriram a origem da simetria quebrada, que prevê a existência de pelo menos três famílias de quarks na natureza.

Quem será o grande ganhador deste ano? Façam as suas apostas!

Fontes: Jornal de Santa Catarina, G1, O Globo, Só Física e Galileu Galilei

blog3

Que tal uma aula eletrizante?

Você pode oferecer uma aula criativa e diferente para os seus alunos. Aqui no Museu WEG, é possível agendar uma aula sobre fenômenos eletromagnéticos e até sobre o motor elétrico, para mostrar como a teoria funciona na prática.

Você pode oferecer uma aula criativa e diferente para os seus alunos. Aqui no Museu WEG, é possível agendar uma aula sobre fenômenos eletromagnéticos e até sobre o motor elétrico, para mostrar como a teoria funciona na prática.

Nada melhor do que mostrar através de experimentos e da história da Física, eletricidade e do eletromagnetismo, onde aplicamos e como são gerados esses dois fenômenos, assim como aplicações destes fenômenos no nosso dia a dia.

Aqui no Museu WEG, as ações educativas são perfeitas para as crianças e adolescentes dividirem espaço, trabalharem em grupo e expandirem seu conhecimento sobre Ciência e Tecnologia.

Você pode usar nossas ações educativas ou desenvolver a sua própria de acordo com os temas que julgar mais adequados à sua turma de alunos. Caso não seja possível visitar antecipadamente, desfrute de toda a interatividade do museu fazendo o Tour Virtual e entre em contato conosco para tirar dúvidas e buscar mais informações.

Conheça aqui todas as ações educativas do Museu WEG

Aprenda com o Museu

Caso não seja possível fazer a visita in-loco, você também pode desfrutar de toda interatividade do museu no nosso site. Seja no tour virtual, aqui no blog, com o jogo da memória, quiz ou na aba “Aprenda com o Museu”, onde falamos sobre eletricidade, magnetismo, eletromagnetismo, motores, automação, geradores e transformadores, com o Museu WEG você sempre aprende se divertindo e brincando.

Programe-se e faça uma aula diferente! Entre em contato conosco e faça o seu agendamento clicando aqui.

blog2

Quem foi Hans Christian Oersted?

ísico, químico e eterno estudioso, foi ele quem abriu caminho para o desenvolvimento do eletromagnetismo. Nascido em 1777, na Dinamarca, Hans Oersted desenvolveu desde cedo o interesse pela ciência. Sob influências do pai farmacêutico, formou-se em Farmácia no ano de 1797 e tornou-se doutor em Filosofia em 1799.

Físico, químico e eterno estudioso, foi ele quem abriu caminho para o desenvolvimento do eletromagnetismo. Nascido em 1777, na Dinamarca, Hans Oersted desenvolveu desde cedo o interesse pela ciência. Sob influências do pai farmacêutico, formou-se em Farmácia no ano de 1797 e tornou-se doutor em Filosofia em 1799.

Em uma viagem pela Europa, conheceu Johann Wilhelm Ritter, um físico que acreditava na existência de uma ligação entre a eletricidade e magnetismo. A partir daí, Oesrted começou sua incansável busca pela relação entre os dois fenômenos. Isso porque, naquela época, a eles eram encarados como fenômenos independentes e totalmente excludentes.

A experiência de Oersted

Foi em 1820, através do “Experimento de Oersted”, que o cientista comprovou a relação entre a eletricidade e o magnetismo.

Oersted posicionou uma bússola próximo a um circuito elétrico simples e percebeu que a agulha imantada da bússola sofria deflexões quando existia corrente elétrica no circuito. Se a corrente era interrompida, a agulha voltava à sua posição normal, apontando sempre para o norte geográfico.

A única explicação possível para a deflexão sofrida pela agulha imantada era a presença de um campo magnético que concorria com o campo magnético terrestre. Assim, Oersted concluiu que cargas elétricas em movimento geravam campo magnético.

Esse experimento possibilitou a criação e fabricação do galvanômetro, instrumento composto por uma agulha imantada e uma bobina que era capaz de indicar a presença de corrente elétrica em um circuito.

Ao utilizar o aparelho galvânico, muito mais poderoso, percebeu o mesmo fenômeno com muito mais clareza. Após obter o mesmo resultado diversas vezes, surge uma nova ciência nascida da união entre a eletricidade e o magnetismo: o eletromagnetismo. E estabeleceu-se a lei fundamental do eletromagnetismo.

Leia mais sobre o Eletromagnetismo aqui.

Depois de ter realizado estudos de química, física e ter comprovado o eletromagnetismo, Hans fundou na Dinamarca uma Sociedade para o Desenvolvimento do Estudo da Ciência, foi nomeado Conselheiro do Estado e fundou a Escola Politécnica de Copenhagen. Oersted faleceu em Copenhagen em 9 de março de 1851.

Fonte: Brasil Escola, Mundo Educação e UFJF

aniversario-museu

Programação especial de 15 anos do Museu WEG tem palestra e curso gratuitos

Vagas para as palestras esgotadas! Para o curso de “Conservação Fotográfica” inscrições até 24/08/2018.

Conhecimento e diversão sempre foram dois pilares importantes no trabalho do Museu WEG. E no nosso aniversário não é diferente! Como já é de praxe, em setembro o Museu WEG prepara e oferece diversas atividades gratuitas para a comunidade, ou seja, para você que nos lê nesse momento.

E não há jeito melhor de comemorarmos juntos esses 15 anos de história, interatividade e aprendizado senão com uma palestra e um curso bem especiais. Eles só acontecem no mês que vem, em Setembro, mas como as vagas são limitadas, vamos abrir as inscrições com antecedência, para você se programar!

Oficina de Conservação de Fotografias Históricas e Álbuns Fotográficos

Nos dias 10 a 12 de setembro, vai rolar um curso bem completo de conservação fotográfica com o historiador João Mendes Neto com apoio da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura.

A proposta da oficina de conservação fotográfica é compartilhar informações teóricas e práticas essenciais para você lidar com acervos fotográficos históricos. O objetivo é que você conclua a oficina com subsídios para analisar o estado de conservação do acervo e do ambiente de guarda, e criar propostas de preservação, intervenção e restauração de acervos e álbuns fotográficos.

Com ensino teórico e prático, a oficina passa pela história da fotografia e fala sobre materiais, procedimentos e reconstituição. João Mendes Neto sempre exemplifica suas teorias com materiais e equipamentos de época, usando do acervo histórico da instituição e equipamentos próprios.

Não há pré-requisitos de conhecimento, mas há preferência por profissionais que trabalham na área de conservação em museus, centros-culturais, instituições públicas municipais que tenham acervos fotográficos históricos. Será selecionado um profissional por entidade. Para melhor aproveitamento do curso, disponibilizamos apenas 20 vagas, então inscrevam-se até dia 24/08 e aguarde a confirmação da sua inscrição por e-mail e/ou telefone.

Leia mais info sobre a oficina e inscreva-se aqui.

Palestra sobre o Impacto da Indústria 4.0 na manufatura tradicional e o futuro do Trabalho

Você sabia que estamos vivendo a era da Quarta Revolução Industrial? Assim como as demais revoluções na história da humanidade, que transformaram drasticamente a forma de viver a partir de um novo modelo produtivo, a chamada Indústria 4.0 ou Indústria Inteligente promete mudar fundamentalmente a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos.

E para tratar desse assunto tão relevante para o mercado de trabalho e a indústria, convidamos o Diretor da área de Pesquisa e Inovação Tecnológica da WEG, Milton Oscar Castella, para ministrar uma palestra sobre o assunto.

Na oportunidade, o palestrante vai falar sobre o impacto da Indústria 4.0 no mercado de trabalho e nas empresas. E responder questões como: Quais serão as profissões do futuro? Que especialidades teremos que ter para continuarmos competitivos? Quais profissões deixarão de existir?

Confira tudo isso e muito mais nesta palestra gratuita e aberta ao público.
Mas as vagas são limitadas, VAGAS FECHADAS!

Palestra: Impacto da Indústria 4.0 na manufatura tradicional e o futuro do Trabalho

Data: 13/09/2018
Horários: 10h e às 19h
Local: Museu WEG de Ciência e Tecnologia
Inscrições: Vagas fechadas! Inscrições encerradas!
Entrada gratuita
Confirmação da participação: Será enviado um e-mail confirmando a inscrição.
Informações: (47) 3276 4550

aceleradores-de-partículas

Conheça os tipos de aceleradores de partículas e o que eles fazem

Falamos aqui sobre o Projeto Sirius, um dos mais sofisticados aceleradores Síncrotron do planeta que está sendo construído em Campinas/SP….

Falamos aqui sobre o Projeto Sirius, um dos mais sofisticados aceleradores Síncrotron do planeta que está sendo construído em Campinas/SP. Mas hoje, vamos falar sobre os outros tipos de aceleradores de partículas. Afinal, o que eles fazem e qual a finalidade do seu uso por pesquisadores científicos?

simulação

Simulação: Projeto Sirius

Apesar do conceito de “acelerar partículas” existir há muito tempo e de certo modo ser comum para pesquisadores, para a população em geral isso não passa de um mistério. Por isso, resolvemos falar um pouco mais sobre essa grande revolução no mundo da ciência.

Aceleradores de partículas
Eles são laboratórios gigantes. Por fora, parecem grandes túneis, que podem ser retos ou em forma de anel e ter vários quilômetros de extensão. Dentro deles, as partículas que compõem os átomos – como prótons e elétrons – são aceleradas a velocidades próximas à da luz para que elas possam bombardear núcleos atômicos estáveis.

A utilização desse tipo de equipamento é muito importante, afinal de contas, somente com ele é possível quebrar partículas incrivelmente densas e milhões de vezes menores que o átomo.

Existem diversos tipos de aceleradores de partículas, como: Aceleradores de elétrons (o Sirius e o Max IV), Colisores de Partículas (como o CERN) e os Aceleradores de Prótons (como o PSI e o ESS).

Aceleradores de Elétrons
Quando elétrons são acelerados até velocidades próximas a da luz e têm a sua trajetória desviada por um campo magnético, eles emitem uma luz com alto brilho que penetra a matéria e revela a estrutura atômica de materiais.

Atualmente, há um acelerador de elétrons instalado no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), em Campinas/SP. Ele já serviu como base para milhares de pesquisas em áreas como medicina, biologia, química, física e ciências de materiais.

Colisores de Partículas
A Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, conhecida como CERN é o maior laboratório de física de partículas do mundo, localizado em Meyrin, na fronteira Franco-Suíça e o LHC também é um dos maiores.

Ele consiste em um amplo túnel circular, com uma circunferência de 27km, enterrado sob uma camada média de 100 metros de terra e rochas. O termo colisor diz respeito ao fato do aparato ser usado para acelerar prótons em direções opostas, para colidirem e mostrarem quais partículas resultam do processo.

Fonte da imagem: Reprodução/Neatorama

Fonte da imagem: Reprodução/Neatorama

Aceleradores de Prótons

Existe um laboratório de acelerador de prótons no ESS (European Spallation Source), e o PSI (Paul Scherrer Institut) que possui um Centro de Terapia de Prótons.

É interessante como este tipo de tecnologia promove o conhecimento em outras áreas. Os aceleradores de prótons são muito úteis para tratamentos de câncer. Muitos dos componentes utilizados em aceleradores de partículas também são aplicados em equipamentos de tomografia, em menor quantidade, tamanho e precisão do que em um acelerador de partículas, mas com construção e princípio de funcionamento muito próximos.

Ou seja, existem muitos profissionais e cientistas em laboratórios gigantescos de aceleradores de partículas pelo mundo que estão pesquisando e descobrindo coisas sobre a nossa saúde, sobre a nossa existência e sobre a matéria. O que é essencial para nossa constante evolução e para o descobrimento de curas para doenças, por exemplo.

Se você quiser saber mais sobre o projeto Sirius, laboratório de aceleradores de elétrons de Campinas, acesse aqui.

Fonte: Mundo Educação, Mundo Estranho e Neatorama

homem-na-lua

A importância da ida do homem à Lua

Você já parou para pensar por que um homem resolveu conhecer a Lua e o que isso impactou na nossa…

Você já parou para pensar por que um homem resolveu conhecer a Lua e o que isso impactou na nossa vida? Quase 50 anos depois dessa proeza, nós resolvemos descobrir quais as mudanças que a viagem do Apollo 11 provocou na história.

Há quem diga que tudo não passou de uma grande produção hollywoodiana para assustar a União Soviética e impressionar o resto do planeta. Afinal, esse foi um feito acima de qualquer expectativa ou realidade da época.

Claro que a Guerra Fria foi um grande incentivador para que essa viagem acontecesse. Era necessário para os Estados Unidos, mostrar também a sua potência e sua capacidade de explorar o espaço, após o aparecimento do satélite russo Sputnik.

Tanto que hoje, as buscas e pesquisas são feitas por robôs, pois os gastos e risco de vida são altíssimos. Mas sendo política ou científica a motivação dos norte-americanos, fato é que no dia 20 de julho de 1969, a Lua recebeu seu primeiro terráqueo, e hoje usufruímos dos resultados desse grande evento histórico da NASA.

Frigideira de teflon, lentes de contato, termômetro digital, códigos de barra, GPS, fraldas descartáveis, velcro, micro-ondas… São tantos elementos que hoje fazem parte de nosso dia a dia por causa da aventura lunar de Armstrong e sua turma.

Incrível, né?

Os aparelhos sem fio existem devido ao aparelho que Neil usou para perfurar pedras lunares em 1969. E a medição das ondas de calor dos planetas e estrelas contribuíram para que nossos termômetros tivessem sensores infravermelhos.
A saúde dos astronautas naquela época era controlada por meio de monitores cardíacos – hoje vistos em hospitais. E as lentes de contato, por exemplo, foram criadas para proteger os aventureiros da luz ultravioleta.

O teflon, que hoje utilizamos para não deixar a omelete grudar, primeiramente serviu para proteger foguetes e os alimentos desidratados por causa da gravidade.

Viu quanta coisa foi criada a partir dessa viagem? E aí, tem alguma outra curiosidade? Conta pra gente!

atividades-para-ferias

5 atividades educativas para desenvolver com as crianças nas férias

Férias escolares não precisam ser sinônimo de pesadelo! Esse período pode ser uma oportunidade de você desenvolver habilidades e a…

Férias escolares não precisam ser sinônimo de pesadelo! Esse período pode ser uma oportunidade de você desenvolver habilidades e a criatividade do seu filho, além de contribuir no fortalecimento do vínculo familiares.

As crianças podem evoluir brincando, jogando, criando, então é uma boa ideia dar esse espaço a ela. Todas as crianças que fazem essas atividades vão experimentar enormes melhorias em suas habilidades motoras e sociais, na criatividade e também na saúde.

Isso porque, os jogos contribuem tanto para a inserção de novos conteúdos de aprendizagem socioemocional, como para memorizar o que já foi aprendido.
No programa “Férias no Museu”, que acontece aqui no Museu WEG de Ciência e Tecnologia, há várias atividades educativas que contribuem para esse crescimento que você pode elaborar em casa para ensinar as crianças a serem criativas, sociáveis e saudáveis.

Quer ver só? Separamos 5 ideias de atividades educativas simples para você desenvolver com o seu filho:

1) Jogo da Memória

atividades-para-ferias-4

Existem inúmeros jogos de memória nas lojas. Mas e se você criasse o jogo da memória com o seu filho(a)? Desenhem, escrevam, pintem, recortem… Que tal usar tampas de garrafas para colocar os desenhos? Só o ato de criar o brinquedo já é uma ótima atividade e ainda é um ato sustentável se você utilizar papelão de caixas, tampas de garrafas ou outros materiais recicláveis.

Depois, é só se divertir e claro, memorizar as peças e os lugares! Nada de deixar ele ganhar, ok? Esses jogos são uma chance de ensinar o seu filho a ganhar e a perder também!

2) Óculos de realidade virtual caseiro

Se o seu filho é ligado em tecnologia, essa é uma boa forma de atrair sua atenção e entretê-lo. Já pensou criar um óculos de realidade aumentada com materiais reciclados e um par de lentes? O Iberê Thenório do canal Manual do Mundo ensina como fazer esse brinquedo em um tutorial em vídeo. Clique e assista!

3) Motor caseiro com ímã

Incentive esse pequeno cientista, curioso e descobridor do mundo que está dentro da sua casa ao sugerir a criação de objetos. Além da coordenação, lógica e imaginação, você também trabalha a concentração nessa atividade.

Você vai precisar apenas de 1 pilha tamanho “D”, 1 ímã, 2 alfinetes, 1 elástico de escritório/dinheiro, 1 bexiga comum e 1 fio de cobre envernizado. Veja como montar o motor elétrico com esses materiais nesse tutorial do YouTube.

4) Boliche

atividades-para-ferias-4

Saber esperar a sua vez, mira, coordenação, tudo isso você aprende e pratica com o jogo do boliche. Mas sabe qual é a melhor parte? Criar o seu jogo de boliche com garrafas pet! Deixe seu filho personalizar as garrafas do seu jeito e pronto! Agora é só escolher a bola adequada e fazer a fila pra começar a jogar.

5) Trem numérico

atividades-para-ferias-4

Já pensou o que você pode fazer com algumas caixinhas de sabonete, pasta de dente ou fósforo e rolha, barbante e tampinhas de garrafa? Um trenzinho! Mas não um simples trem, é um trenzinho numérico, para o seu filho aprender a contar com os vagões.

Cada caixinha pode ser um vagão, cada pedaço de rola uma roda, o barbante é o que vai ligar os vagões e as tampinhas estarão dentro dos vagões com o seu número respectivo. Tente, crie, invente! São diversas as opções de brincadeiras e brinquedos que podem ser produzidos com materiais que iriam para o lixo.

Isso sem contar que tais brincadeiras sugeridas aqui, também trazem benefícios para os papais e mamães de plantão. Além do vínculo que será criado com a criança, você potencializa suas habilidades no quesito atenção, paciência e criatividade.

Gostou das ideias ou tem outra sugestão? Compartilhe com a gente nos comentários!!